perspectivas

Domingo, 11 Dezembro 2016

A Esquerda aliou-se à Direita para legalizar a poligamia

Na Austrália, como acontece também em Portugal, uma mãe solteira recebe mais do Estado, por cada filho que tenha, do que se fosse casada. Portanto, compensa ser mãe solteira; e parece que o Estado incentiva a ausência do pai.

É sabido que, em alguns países de maioria islâmica, é normal que os muçulmanos pratiquem a poliginia; e existe uma substancial imigração muçulmana na Austrália. A SS (Segurança Social) australiana, no sentido de pagar menos por cada criança nascida de mãe muçulmana, assumiu tacitamente a legalização da poligamia para que assim poder pagar menos por cada criança de uma família muçulmana polígama.

“CENTRELINK is ignoring Islamic polygamy, paying spousal benefits to Muslim families with multiple wives in an effort to save taxpayers’ money.

The welfare agency has revealed it refuses to collect data on polygamous marriages under Islamic law, despite the fact some families are claiming to be living in a domestic relationship with more than one woman when claiming welfare”.

Centrelink ‘legalises’ multiple Muslim wives

foto-em-familiaVemos que, na origem da “legalização forçada” da poliginia,  estão três aspectos eruptivos da cultura ocidental:

1/ a ideia de esquerda marxista segundo a qual se deve beneficiar a mãe solteira em relação à mãe casada (Engels e o matriarcado);

2/ a ideia de direita liberal segundo a qual a poupança das despesas do Estado justifica qualquer atropelo à lei, ao senso-comum, ao bom senso e à cultura antropológica ocidental;

3/ a ideia da esquerda marxista cultural e da direita liberal segundo a qual os apoios do Estado às crianças são dadas a indivíduos, e não a famílias.

Portanto, para pagar menos à mulher por cada filho, a SS (Segurança Social) australiana reconhece tacitamente a legalidade da poliginia. Isto significa que várias mulheres vivendo sob o mesmo tecto maritalmente com um só e mesmo homem, todas elas recebem os subsídios “legais” do Estado como se fossem legalmente casadas com ele.

O problema está no ênfase dado pelo Estado ocidental ao indivíduo, desprezando a noção de família natural cristã que pressupõe uma igualdade no Direito Natural entre homem e mulher, por um lado, e por outro lado que a noção de família pressupõe o casamento segundo a civilização ocidental.

Quinta-feira, 12 Dezembro 2013

Um país civilizado

Filed under: me®dia — O. Braga @ 9:41 am
Tags: , , ,

 

kate-barryÉ em pequenas coisas que vemos que um país é civilizado. É o caso da Austrália. Em uma notícia acerca do suicídio de Kate Barry, filha da actriz Jane Birkin, o jornal online australiano acrescenta o seguinte no fim da notícia:

* Readers seeking support and information about suicide prevention can contact Lifeline on 13 11 14 or the Suicide Call Back Service on 1300 659 467.

(os leitores que procurem apoio e informação acerca da prevenção do suicídio podem contactar a Linha da Vida através das linhas telefónicas mencionadas)

Este é um detalhe que é praticamente impossível de ser ver num jornal português, a não ser que seja obrigado por lei. Em Portugal, a maioria dos directores dos me®dia não possui uma sensibilidade ética adequada.

Terça-feira, 4 Junho 2013

A ideologia de género, a celebração da patologia e a nova tirania

1/ O Direito não serve apenas para corrigir a lei do mais forte; serve também para impedir a lei do mais fraco. Como escreveu Rousseau, “se bastasse ser o mais forte para ter sempre privilégios, não se faria apelo ao direito”. E por analogia, se bastasse ser o “mais fraco” para ter sempre privilégios, então não faria sentido o apelo ao Direito.

2/ Quando o Direito passa a incorporar e a valorizar em si mesmo as subjectividades dos cidadãos, para além de adequar sistematicamente a norma legal ao facto, deixa de existir diferença entre norma moral e norma legal – porque a norma moral depende da consciência de cada um, ao passo que a norma legal é, por sua própria natureza, repressiva (o Direito Positivo é necessariamente repressivo).

Assim, através da incorporação das subjectividades particulares e individuais no Direito, este passa a substituir a moral; e como o Direito é repressivo, instala-se uma moral repressiva na sociedade. E quando existe uma moral repressiva numa sociedade, estamos perante uma tirania, e senão mesmo em um processo de construção de um novo totalitarismo.

O Direito Positivo começou por separar a natureza, por um lado, da norma jurídica, por outro lado; depois passou a separar a moral, da lei; e agora transforma a lei em norma moral, ao mesmo tempo que repudia a lei natural.

3/ a criação de categorias sociais desligadas daquilo que existe – de facto! – na Natureza em termos de determinismo, e baseadas na pura subjectividade individual, em vez de ser uma forma de inclusão social, é antes um meio de exclusão social – porque a inclusão social é um fenómeno essencialmente antropológico e ético, e não legal ou jurídico.

“People who do not identify as male or female have achieved formal legal recognition in Australia for the first time, after the NSW Court of Appeal overturned a ruling that everyone must be listed as a man or a woman with the Registry of Births Deaths and Marriages.


In a landmark decision with major implications for thousands of intersex, androgynous and neuter people across the country, the court on Friday upheld an appeal by Sydney activist ‘Norrie’ against a decision by the Administrative Decisions Tribunal that people must be officially registered as ‘M’ or ‘F’.”

Legal recognition for those who don’t identify as either ‘M’ or ‘F’

Na Austrália, passaram a existir, na lei, “pessoas sem sexo”, alegadamente porque essas pessoas sentem subjectivamente que não pertencem a nenhum sexo.

Terça-feira, 19 Fevereiro 2013

Os portugueses chegaram à Austrália em 1522 — 250 anos antes dos ingleses

Filed under: Portugal — O. Braga @ 10:05 am
Tags:

(Reuters) – A 16th century maritime map in a Los Angeles library vault proves that Portuguese adventurers, not British or Dutch, were the first Europeans to discover Australia, says a new book which details the secret discovery of Australia.

The book “Beyond Capricorn” says the map, which accurately marks geographical sites along Australia’s east coast in Portuguese, proves that Portuguese seafarer Christopher de Mendonca lead a fleet of four ships into Botany Bay in 1522 — almost 250 years before Britain’s Captain James Cook.

via Map proves Portuguese discovered Australia: new book | Reuters.

Um novo mapa português do século XVI, divulgado em Los Angeles, prova que foram os portugueses que descobriram a Austrália, e não os ingleses ou holandeses. O referido mapa é da autoria do capitão português Cristóvão de Mendonça, que chegou à Austrália em 1522 ao comando de uma frota de quatro navios — 250 anos antes de o inglês James Cook ter chegado ao subcontinente australiano.

Sexta-feira, 8 Abril 2011

John Locke e o mundo anglo-saxónico actual

Das teorias de John Locke, concordo com a da liberdade política que, aliás, está em contradição com a sua metafísica. Da teoria de Locke em relação à religião, a minha posição é ambígua porque a de Locke foi, ao longo da sua vida, ambivalente.
(more…)

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: