perspectivas

Segunda-feira, 27 Março 2017

A defesa do Alcorão deve dar prisão

Filed under: Canadá,Islamismo,islamização,Islamofascismo,islamofobia,Islão — O. Braga @ 12:09 pm

 

O parlamento canadiano acaba de decidir, através de lei, que qualquer crítica ao Islão e/ou Islamismo é crime de “islamofobia”. Segundo a nova lei canadiana, todas as religiões (incluindo o Cristianismo) são susceptíveis de crítica, excepto o Islamismo.


ban-islam-web

  • Se eu — na minha condição de indivíduo com opinião, e sem qualquer vestimenta religiosa — disser ou escrever publicamente que os grupos de pessoas A, B e C são grupos vis, cujos homens necessitam de ser exterminados, e que as suas mulheres e crianças devem ser transformadas em minhas escravas sexuais, provavelmente terei problemas com a Justiça.
  • Mas se uma religião (como é o caso concreto do Islamismo), enquanto tal, disser ou escrever publicamente que os grupos de pessoas A, B e C são grupos vis, cujos homens necessitam de ser exterminados, e que as suas mulheres e crianças devem ser transformadas em escravas sexuais — neste caso, esta posição da religião enquanto religião, é ignorada, ou justificada e tolerada pela classe política do Ocidente.

Enquanto a Europa ou a União Europeia tiver este duplo critério de juízo, não vai a lugar nenhum.

A liberdade de religião não garante a “liberdade” de pregar publicamente o genocídio de um povo ou de uma cultura, e de defender para si própria uma supremacia grotesca.

Por isso, a simples defesa do Alcorão deve dar prisão — assim como a defesa pública dos campos de concentração nazis ou dos Gulag soviéticos deveriam dar prisão. Há limites para a liberdade de expressão.

Domingo, 26 Março 2017

Vasco Pulido Valente e a “dor de corno histórica” de Jeroen Dijsselbloem

Filed under: capitalismo,Europa,Holanda,Pedro Arroja,Vasco Pulido Valente — O. Braga @ 3:46 pm

 

Alguém explique ao Vasco Pulido Valente que Calvinismo não é a mesma coisa que luteranismo: ele mistura aqui alhos e bugalhos. E o Pedro Arroja vai logo atrás da “autoridade de direito” do Vasco Pulido Valente que cai na falácia ad Verecundiam.

“José Manuel Fernandes foi o único a perceber que o comentário do sr. Dijsselbloem era um comentário de calvinista. Infelizmente, acabou aí. Mas vale a pena continuar. Garton Ash já pediu em público aos seus amigos Merkel e Schäuble que não tratassem a crise do Euro como “um ramo da teologia” e, para uso dos zoilos, também já explicou que esta perversão vem das profundezas da cultura alemã.”

Ó Vasco: “calvinista” é o caralho! E mesmo que Jeroen Dijsselbloem fosse calvinista, Merkel e Schäuble seriam luteranos (e não calvinistas). E se não sabes a diferença entre Calvinismo e luteranismo, Vasquinho, mete a viola ao saco.

Ó Vasco: não é Calvinismo: é racismo. É uma “dor de corno histórica”.

É, por exemplo, o português e o espanhol como línguas literárias e internacionais, e o holandês que é uma língua de grunho. ¿Alguém fala holandês? Só os grunhos! ¿Que civilização nos têm para oferecer, os holandeses? ¿Tulipas e moinhos de vento? Até a pintura clássica era flamenga (influência belga), e não propriamente holandesa. A Holanda foi uma colónia secundária da Espanha dos Filipes, e só como colónia de Espanha granjeou alguma notoriedade na Europa. E depois foi colónia dos ingleses, no tempo de John Locke e depois da revolução inglesa do século XVII. E a seguir foi submetida sucessivamente pelos franceses (Luís XIV) e pelos alemães. E hoje é uma colónia da Alemanha de Merkel e Schäuble.

Ademais, a tese de Max Weber acerca do capitalismo — “A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo”, 1905 — é apenas uma teoria.

A verdade é esta: na Europa, os Bancos surgiram, em primeiro lugar, no sul católico (em França com os Templários século XIII, e mais tarde, em Itália com os Monti di Pieta, século XIV e XV). Só mais tarde surgiu na Alemanha a Liga Hanseática. O prémio de seguro de risco foi inventado pelos franciscanos menores em Itália do século XII. A renascença italiana não foi outra coisa senão a exuberância capitalista das cidades-estado.

O capitalismo nasceu no sul da Europa, católico.

O que não podemos fazer é confundir capitalismo, por um lado, com revolução industrial, por outro lado. A revolução industrial surgiu em Inglaterra (e não na Holanda) na sequência das guerras civis do século XVII que separaram o Estado, por um lado, e as diferentes religiões, por outro lado (ergo, desenvolvimento da Ciência e da Técnica).

Posição política

Filed under: Política — O. Braga @ 1:10 pm

 

Podemos ver aqui um “simulador político”; aqui, em baixo, está uma imagem que resume a minha posição política que eu considero muito próxima da realidade:

poliitical-simulator-web

  • Sou mais liberal (53,4%) do que autoritarista (46,6%). Vêm daí as minhas reservas e cuidados em relação a um qualquer tipo de ditadura.
  • Sou mais conservador (72,3%) do que progressista (27,7%). Ou seja: ao contrário do que os estúpidos de Esquerda dizem, ser “conservador” não significa que se seja de extrema-direita ou mesmo de Direita.
  • Sou de Direita, mas apenas em 54,4%. Ou seja, estou mais ou menos ao centro. Isto reflecte-se na concepção da economia: entre a regulação (50,6%) e a desregulação da economia (49,4%), estou praticamente no meio.
  • Sou a favor de um Orçamento de Estado mínimo (em 58,6%), ou seja, que o Estado não se meta muito na vida do cidadão. Mas naquilo que compete intrinsecamente ao Estado (Defesa, Forças Armadas, polícia, política monetária, recursos naturais,etc.), sou a favor de uma estatização em 58%.

Sábado, 25 Março 2017

Ó Pedro Arroja: o protestantismo não é utilitarismo

Filed under: Pedro Arroja — O. Braga @ 2:01 pm

 

“É claro que o ministro Dijsselbloem tocou no ponto fulcral. O que faz a diferença entre os países do norte da Europa e os países do sul, entre os países de cultura predominantemente protestante e os países de cultura predominantemente católica (ou ortodoxa, como a Grécia), são as mulheres”.

Pedro Arroja


Não tem nada a ver. Quando Lutero e Calvino cindiram o Cristianismo, o norte protestante era muito mais puritano (do ponto de vista formal) do que o sul católico. Conforme escrevi aqui:

prostit-imNo século XV, e nas cidades da Europa, o bordel contribuía para a manutenção da paz social, e neste sentido, era uma “instituição católica”.

Em meados do século XVI, o papado, para responder às críticas protestantes [de Lutero], sentiu-se forçado a emitir uma defesa deste tipo: “o bordel contribui para a manutenção da paz social”, para justificar a existência dos “banhos públicos” em Roma.

Ou seja, ao contrário do que dizem, a moral católica não reprimia (politicamente) a prostituição [na Idade Média]; e a atitude tolerante de Salazar em relação à prostituição reflecte essa tradição católica medieval — que depois foi parcialmente contrariada pela Contra-Reforma que, no fundo, imitou a Reforma.

A repressão [política] da prostituição iniciou-se com a Reforma protestante; e, de certo modo, essa “repressão sexual” foi imitada pela Contra-Reforma católica através da influência dos jesuítas na Igreja Católica.

Em geral — e não só em relação às prostitutas —, antes da Reforma, as relações sexuais aconteciam frequentemente antes da actual “idade adulta” [21 anos]. A Igreja Católica medieval instituiu a figura cultural do padrinho de baptismo, que impedia que um homem mais velho pudesse ter relações sexuais com uma jovem afilhada com quem tinha um “relacionamento espiritual”; e era vulgar [na Idade Média] que uma menina pudesse ter vários padrinhos de baptismo: só depois da Reforma e da Contra-Reforma, o padrinho de baptismo passou a ser um só, e a sua figura foi desvalorizada pelo protestantismo.

Em consequência da repressão da prostituição, a partir do século XVII, (e da repressão sexual em geral), os casamentos passaram a realizar-se mais tarde na vida das pessoas, por um lado, e por outro lado, a idade dos nubentes passou a ser semelhante.

O que se passa na Holanda actual é outra coisa, e pouco ou nada já tem a ver com Lutero ou Calvino: o laxismo moral na Holanda (e em quase todos os outros países europeus), é o utilitarismo entendido como religião política a que se convencionou chamar de “secularismo”. E por isso é que os maomedanos vão tomando o poder político.

 

O efeito do feminismo na cultura europeia

São os nossos políticos que nos dão o exemplo da emasculação da nossa sociedade: uma sociedade composta por eunucos ou panascas é muito mais fácil de controlar.

mrs-juncker

Sexta-feira, 24 Março 2017

A cagada psicótica do Anselmo Borges

 

O Anselmo Borges escreveu uma cagada em dois actos. O primeiro acto enumera as futuras conquistas do chamado trans-humanismo, por exemplo:

“Já mudamos o género de um ser humano através da cirurgia e de tratamentos hormonais.”

Não, ó Anselmo Borges, não mudamos nada. Mesmo que tirem o útero a uma mulher, ela não deixa de ser mulher. O “problema” está no ADN, no XX; ¿estás a perceber, ó Anselmo? Portanto, caro Anselmo Borges, vai à bardamerda, tu e mais a “mudança de género” gramatical.

“Com ela e outras formas de engenharia biológica pode pensar-se em realizar alterações profundas na nossa fisiologia, no sistema imunitário, na esperança média de vida, nas nossas capacidades intelectuais e emocionais.”

“Poderíamos realizar alterações profundas, por exemplo, no nosso sistema imunitário”, se soubéssemos o que é e como se formou o nosso sistema imunitário. Aconselho o leitor assíduo do Anselmo Borges a ler um livro do professor universitário Michael Behe “A Caixa Negra de Darwin”, porque de outro modo seria trabalhoso estar aqui a explicar a psicose do Anselmo Borges — ou melhor: o delírio interpretativo do Anselmo Borges.

O segundo acto cagado especula sobre a primeira cagada. O Anselmo Borges irrita-me, porque usa e abusa da falácia ad Novitatem, por um lado, e por outro lado, o velho gaiteiro gosta de se pavonear como sendo “pr’á frentex”.

Quinta-feira, 23 Março 2017

A impotência e o terror da classe política europeia face ao Islão

 

Aquilo a que se convencionou chamar de “secularismo” não irá travar a expansão violenta do Islão totalitário na Europa.

ACORDEM-ISLAO-WEB

Aquilo a que se convencionou chamar de “extrema-direita”, nada mais é do que a reacção popular (e populista) ocidental à estupidez institucionalizada promovida pela classe política dos países europeus. Como vimos recentemente com as eleições na Holanda, basta que a classe política (em geral) seja realista (olhe para a realidade e para os factos, por um lado, e para a História, por outro lado), para que a chamada “extrema-direita” seja dissipada.

horror-merkel-web

Quarta-feira, 22 Março 2017

Amanhã haverá velas, flores, vigílias e lágrimas em Westminster; e o Islão continuará a matar europeus.

Jeroen Dijsselbloem: “No sul da Europa, é só putas e vinho verde”

Filed under: Euro,Europa,Holanda,Norte da Europa,União Europeia — O. Braga @ 11:19 am

 

Na década de 1980, quando pela primeira vez visitei Amesterdão e passeei pelas ruas com lanternas vermelhas à porta e montras com mulheres nuas, comentei com alguém: “aqui na Holanda, é só putas e cerveja belga”. Afinal e agora, o ministro holandês das finanças inverteu o sentido da coisa: agora é o sul da Europa — e já não a Holanda — onde há putas nas montras e com álcool à mistura.

Bem sei que, entretanto, a Holanda mudou. Agora, as mulheres holandesas necessitam dos homens muçulmanos imigrantes — porque os homens holandeses autóctones (por exemplo, Jeroen Dijsselbloem ou Geert Wilders) já não “dão conta do recado”. Ao Jeroen Dijsselbloem só lhe resta a cerveja belga, porque, de mulheres, estamos conversados.

O homens do norte da Europa sofrem hoje do “síndroma das putas e vinho verde”: por um lado, não produzem vinho verde (o clima não o permite); e por outro lado, já não têm pedalada para as suas próprias mulheres, a ponto de serem obrigados a importar machos islamitas para as cobrir.

 

Terça-feira, 21 Março 2017

Morreu um pobre diabo, rodeado de brinquedos

Filed under: Bilderberg,Globalismo,Nova Ordem Mundial — O. Braga @ 6:56 pm
Tags: ,

 

“Some even believe we are part of a secret cabal working against the best interests of the United States characterizing my family and me as ‘internationalists’ and conspiring with others around the world to build a more integrated global political and economic structure – one world, if you will. If that’s the charge, I stand guilty, and I am proud of it.”

David Rockefeller

David Rockefeller reconhece, nas suas memórias, que traiu — em acções concretas — o seu próprio país. E nada lhe aconteceu; permaneceu impune. O mesmo acontece ainda hoje com George Soros.

Na reunião de Bilderberg de 1991, David Rockefeller afirmou a agenda política dos globalistas, apoiados pelos me®dia:

“The supranational sovereignty of an intellectual elite and world bankers is surely preferable to the national autodetermination practiced in past centuries.”1

david-rockefeller-web

David Rockefeller morreu aos 101 anos depois de 7 (sete) transplantes cardíacos realizados depois dos 70 anos. Sete! PQoP! Ele certamente estaria convencido de que se fizesse mais 20 transplantes cardíacos chegaria aos 200 anos de idade.


eric_voegelin«Para um (homem), as portas da existência estão abertas de par em par, para o deixar contemplar as etapas do ser, depois a natureza inanimada, até Deus. O mundo desdobra-se largamente nele, os seus significados confrontam-se numa relação bem reflectida, e dão assim lugar a uma ordem ontológica; depois, com a valorização destas etapas do ser, formam uma ordem hierárquica, e como resposta à questão da razão de ser, reenviam a uma ordem da criação.
Um máximo de acolhimento da realidade encontra-se ligada com um máximo de racionalidade na ordem e no encadeamento, e encontra-se coroada pela transfiguração dogmática2 da experiência espiritual e religiosa numa ideia de Deus, tal como o Ocidente a desenvolveu na doutrina analogia entis3 .

A outro (homem)4 , só foi dado o prazer de olhares áridos sobre a realidade, talvez mesmo apenas um único: sobre a Natureza, sobre o dinheiro ou Poder, sobre um grande homem, sobre um povo, sobre a humanidade — o que ele tenha visto tornar-se-á para ele em Realissimum, o ser mais verdadeiro que se eleva ao lugar de Deus e lhe esconde, assim, todo o resto — nomeadamente, e sobretudo, o próprio Deus.»

(Eric Voegelin, “As Religiões Políticas”, páginas 29/30)


Notas
1. “A soberania supranacional de uma elite intelectual e de banqueiros internacionais é seguramente preferível à autodeterminação nacional praticada em séculos passados”.
2. “Há duas espécies de pessoas: as que têm dogmas mas que não reconhecem que os têm, e os que têm dogmas e reconhecem que os têm.” → G. K. Chesterton
3. Semelhança (mas não igualdade) essencial entre o ser humano enquanto criatura, e Deus enquanto criador.
4. neste caso, David Rockefeller.

Domingo, 19 Março 2017

O Lutz Brückelmann é um idiota chapado

 

Uma coisa é roubar uma bicicleta; outra coisa, bem diferente, por exemplo, é violar uma mulher; ou arrebentar uma bomba em sítio público.

Penso eu que roubar uma bicicleta não é tão grave como fazer explodir uma bomba em sítio público e matar dezenas de pessoas: mas ele há gente que pensa que não se deve generalizar no que diz respeito aos ladrões de bicicletas (aka, portugueses na estranja) e/ou aos bombistas islâmicos e/ou marroquinos.

Há por aí um inteligente que dá pelo nome de Lutz Brückelmann que diz que a Holanda só deve deportar os marroquinos que se fazem explodir em Allauhakbar , ou que assassinam em nome de uma religião, ou que violam mulheres porque não vestem Burka, etc..

Ou seja, o Brückelmann pensa que há uma cultura islâmica pacífica e compatível com a herança europeia de tradição cristã, por outro lado, e, por outro lado, uma outra cultura islâmica violenta dos marroquinos criminosos que devem ser deportados.

Vemos aqui em baixo um vídeo acerca dos muçulmanos moderados que o idiota Brückelmann não quer deportar da Holanda.

 

É caso para dizer: Lutz Brückelmann: vai à bardamerda!

Como a Isabel Moreira vê o mundo

 

Isabel Moreira: “Eu só quero ser um espírito livre. E pago o preço disso com a solidão. Os homens têm medo de mulheres livres”.


mundividencia-feminista-web.png

Página seguinte »

Site no WordPress.com.