perspectivas

Sexta-feira, 26 Maio 2017

Hannah Arendt e o Islamismo

 

O Paulo Tunhas escreveu um artigo acerca do xeique Munir (ou xeque Munir) que eu considero (o artigo) benevolente. É compreensível que assim seja, porque ele (o Paulo) não é um bloguista e, portanto, não tem a liberdade que nós temos em dizer a verdade acerca do Islamismo e do xeique de Lisboa.

MAOMERDAS-RADICAL-web

Hannah Arendt escreveu o seguinte (os sublinhados são meus):

«Em oposição quer aos regimes tirânicos quer autoritários, a imagem mais adequada do governo e organização totalitários parece-me ser a estrutura de uma cebola, em cujo centro, numa espécie de espaço vazio, está situado o líder; o que quer que este faça — quer integre o corpo político como numa hierarquia autoritária, quer oprima os seus súbditos à maneira de um tirano — fá-lo a partir de dentro, e não de cima ou de fora.

Toda a extraordinária diversidade de partes deste movimento — as organizações e as várias agremiações profissionais, os membros do partido e a burocracia do mesmo, as formações de elite e os grupos de polícia — estão relacionadas de tal como que cada uma forma uma fachada numa direcção e o centro noutra, ou seja, desempenha o papel de um mundo normal exterior numa das faces, e o de um radicalismo extremo noutra. A grande vantagem deste sistema é que, mesmo numa situação de governo totalitário, o movimento fornece a cada uma das suas camadas a ficção de um mundo normal e, ao mesmo tempo, consciência de ser diferente dele e mais radical.

Assim, os simpatizantes nas chamadas organizações de fachada, cujas convicções só em intensidade diferem das dos membros do partido, rodeiam todo o movimento e providenciam uma enganadora fachada de normalidade para o mundo exterior devido à sua ausência de fanatismo e de extremismo, ao mesmo tempo que representam o mundo normal para o movimento totalitário, cujos membros acabam por acreditar que as suas convicções só em grau diferem das crenças das outras pessoas e que, desse modo, nunca precisam de ser conscientes do abismo que separa o seu mundo do mundo que de facto o rodeia.

A estrutura em forma de cebola faz com que , do ponto de vista da organização, todo este sistema seja invulnerável à factualidade do mundo real. »

(“Entre o Passado e O Futuro”, 2006, página 113)


 


No Islamismo, o “líder”, por assim dizer, é o Alcorão, os Hadith e a Sira (a estória da vida do Maomerdas), por um lado, e, por outro lado, o Islamismo dito “radical” que está no “centro da cebola” da religião política totalitária.

O xeque munir desempenha o papel de um mundo normal exterior numa das faces da cebola, ao passo que o radicalismo extremo desempenha outro papel.

Assim, os simpatizantes nas chamadas organizações islâmicas de fachada (a que pertence o xeque Munir), cujas convicções só em intensidade diferem das dos radicais islâmicos, rodeiam todo o movimento islâmico e providenciam uma enganadora fachada de normalidade para o mundo exterior devido à sua ausência de fanatismo e de extremismo, ao mesmo tempo que representam o mundo normal para o movimento totalitário islamita, cujos membros acabam por acreditar que as suas convicções só em grau diferem das crenças das outras pessoas e que, desse modo, nunca precisam de ser conscientes do abismo que separa o seu mundo do mundo que de facto o rodeia.


A liberdade gay é maior do que a liberdade do cidadão normal

 

No texto, os deputados do Bloco de Esquerda sustentam que duas alunas da Escola Secundária de Vagos “terão sido vistas “a beijarem-se por uma funcionária da escola” e depois “chamadas à direcção da escola, onde terão sido informadas que não se podem beijar em público porque isso ‘incomoda pessoas’”.

“A actuação da direcção da escola visou especificamente a orientação sexual das alunas. Os alunos da Escola Secundária de Vagos realizaram hoje um protesto contra a homofobia e contra a presente situação em concreto”, expõem os deputados bloquistas, acrescentando que, “de acordo com relatos de alguns alunos e alunas, a polícia terá sido chamada e os estudantes ameaçados de processo disciplinar”.

Alunos de Vagos protestam contra “homofobia”, BE pede explicações

Vemos aqui em baixo um exemplo da “liberdade gay” na via pública.

liberdade-gay-web

Quinta-feira, 25 Maio 2017

Sem tirar nem pôr

Filed under: Fernando Pessoa — O. Braga @ 6:54 pm

ser-revolucionario-fernando-pessoa-web

Cuidado com a Vodafone Empresas — Vigarice Q.B.

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 1:39 pm

 

Durante dois anos gastei mensalmente, na empresa, um balúrdio em telefones móveis; e, por isso, eu ia angariando pontos em função do consumo, no chamado Clube Viva.

Mas, afinal, os pontos angariados pelo consumidor (neste caso, a empresa) não lhe pertencem; ou seja, o cliente da Vodafone não pode fazer o que quiser com os pontos que legitimamente ganhou — ao contrário do que acontece na MEO, por exemplo.

A Vodafone exige que, na compra de material utilizando os pontos legitimamente ganhos, seja fidelizado um nº de telemóvel da Vodafone durante 18 meses, o que significa que a Vodafone obriga o cliente a não mudar de operadora durante 18 meses se quiser utilizar os pontos acumulados pelo seu próprio consumo.

Note o leitor, o seguinte: mesmo que a Vodafone diga que “são as condições do Clube Viva”, essas condições não podem ser válidas juridicamente — assim como uma burla, por exemplo, não passa a ser válida só porque uma das partes contratantes não se apercebeu previamente da burla. Uma burla ou acção em má-fé não podem ser legais senão em um estado selvagem.

Por causa desta vigarice da Vodafone, vou mudar para outra operadora de telefones e Internet. Mas, antes disso vou utilizar os pontos legitimamente ganhos, adquirir o material a que tenho direito, e depois mandar a Vodafone à merda — que é o que eu aconselho a todos os leitores que tenham Vodafone.

Quarta-feira, 24 Maio 2017

Na Alemanha de Angela Merkel, já se pede para se expulsar os alemães

 

Nesta Manif de imigrantes africanos na Alemanha, lê-se naquela faixa: “Refugiados ficam, e expulsem os nazis”.

expulsem-os-alemaes

Ou seja: os imigrantes entram ilegalmente no país, reclamam benefícios sociais e pedem para ficar a residir “à pala” dos contribuintes alemães — e os alemães que se opõem são considerados “nazis” que devem ser expulsos do seu próprio país.

Esta é a Alemanha de Angela Merkel.

O intelectual português é burro

Filed under: Cuidado que esta gente tem opinião!,esquerdalho — O. Braga @ 10:20 am

 

Diria mais: o intelectual português é, em geral, deficiente mental.

Por exemplo, um intelectual portuga faz o seguinte comentário em um meu verbete: “Este texto não tem ponta por onde se lhe pegue”. ¿E por quê? “Porque não!”.

O “porque não” é considerado pelo intelectual portuga como sendo um bom argumento. A classificação ou categorização puramente subjectiva de um texto ou de uma ideia são consideradas pelo intelectual tuga como argumentos suficientes.

Confrontado pelas suas próprias limitações cognitivas e epistemológicas, por um lado, e encerrado na campânula do normal narcisismo esquerdista, por outro lado, o intelectual tuga arrota postas de pescada (“Este texto não tem ponta por onde se lhe pegue”) quando não tem argumentação possível.

Perante um facto racionalmente irrefutável mas que lhe desagrada, o tuga espertalhão de Esquerda entra em dissonância cognitiva.

Terça-feira, 23 Maio 2017

Feminismo, opressão patriarcal, e #mulhernãoentra

 

Um texto de uma tal Paula Cosme Pinto, que eu desconhecia (não conheço muita gente em Lisboa, nem quero conhecer), e que é de difícil classificação. O título é: Não queiram obrigar ninguém a ser feminista.

PODER FEMINISTA-web

Vamos resumir o texto:

  1. ser feminista é uma condição superior à do comum dos mortais;
  2. o feminismo é uma ideologia superior;
  3. o feminismo é uma ideologia que tem como base igualdade (entre os dois sexos), respeito e liberdade individual;
  4. o feminismo defende a “igualdade de género” independentemente da “igualdade de sexos”;
  5. o feminismo está na moda;
  6. o feminismo pretende que vivamos em um mundo igualitário;
  7. tal como acontece no Islamismo em que há maomerdanos radicais e/ou outros alegadamente moderados, assim também há feministas moderadas e feministas radicais;
  8. o feminismo “é sobre igualdade de escolha, tratamento e oportunidades”;
  9. definição de feminismo: “ movimento que preconiza a igualdade de direitos entre homens e mulheres”.

feminismo_trabalho_domestico_web

1/ Comecemos pela definição de “feminismo”, segundo o dicionário: “movimento ético, político e cultural que preconiza a igualdade de direitos entre homens e mulheres”.

Trata-se de uma definição nominal, que assenta em uma convenção prévia. Se seguíssemos outra convenção qualquer, o termo “feminismo” poderia ter outra definição qualquer. Portanto, tratando-se de uma definição nominal, convencionou-se que o feminismo é um movimento que preconiza a igualdade de direitos entre homens e mulheres.

Mas, para além da definição nominal convencionada e muitas vezes politicamente correcta, existe a definição real de “feminismo”, que é a que resulta das características invariavelmente observadas a partir dos dados da experiência.

Ou, por outras palavras: as coisas são o que são, e não aquilo que se convenciona que são; se nós chamarmos “pedra” a um pau, o pau não passa por isso a ser pedra. As definições nominais valem o que valem; e é a definição real de “feminismo” — aquela que nos chega da observação dos dados da experiência — que é importante.

feminismo

2/ Quando se fala de “igualdade entre homem e mulher”, estamos a falar de uma impossibilidade objectiva. Não é possível uma “igualdade entre homem e mulher”. Mesmo que um homem corte o pénis e uma mulher retire o útero, nunca seriam “iguais”.

PRIVILEGIO-MASCULINO-FEMINISMO-WEB

3/ Só se pode falar em “igualdade de direitos” entre o homem e a mulher no Direito Natural. Todos os seres humanos são iguais face ao Direito Natural.

Ou, por outras palavras: o Direito não se pode fundar sobre os factos (não são os factos que fazem o Direito; no caso vertente, o facto de a mulher e o homem serem diferentes: essa diferença é um facto objectivo e natural); no entanto, somos obrigados a reconhecer (a partir dos dados da experiência) que os factos nos impõem o Direito.

Isto não significa que vejamos na Natureza um “modelo do Direito” (!); mas antes significa que os seres humanos são obrigados a instaurar o Direito em função da Natureza.

É certo que o Direito pode “corrigir a Natureza” nas diferenças entre os dois sexos através da Razão humana, mas essa correcção não implica que “se faça de conta que a Natureza não existe”, mas antes essa correcção é feita através do conceito aristotélico de “equidade” — mas nunca com a “igualdade” que é objectivamente impossível.

STOP-opressing-me-feminism-web

Neste sentido podemos dizer que, em determinados casos, o Direito Natural rectifica o Direito Positivo — porque o Direito Positivo não elimina o problema de saber o que funda o Direito, a não ser reduzindo a norma legal ao facto (transformando o Código Civil e o Código Penal em autênticas bibliotecas com vários apêndices) e à sua lógica interna (o Direito Positivo que se alimenta burocraticamente a si próprio, em função da total discricionariedade das elites políticas).

mulher-nao-entra-web

A maçonaria sempre traiu a Pátria

Filed under: José Adelino Maltez,Maçonaria — O. Braga @ 10:23 am

 

“As eleições para Grão-Mestre do Grande Oriente Lusitano (GOL) estão ao rubro. O pai de Sofia Fava, ex-mulher de Sócrates, entrou na campanha a matar. José Fava apelidou o candidato da lista A de José Adelino Maltez de "monárquico fascizóide".”

Para mim é-me infinitamente indiferente saber quem ganha as eleições para a maçonaria irregular e jacobina de origem franco-alemã. Penso que a maçonaria faz tanta falta à sociedade como os cães na missa; e alguns ladram.

Porém, dizer que o José Adelino Maltez é “monárquico”, é um insulto à monarquia — porque um rei nunca é eleito (como ele diz que é), mas antes é aclamado em Cortes. A aclamação não é nem uma eleição, nem um referendo, nem um plebiscito. Uma eventual negação circunstancial da aclamação do rei supõe uma crise nacional grave.

Por outro lado, o Maltez diz-se (dele próprio) “liberal”; mas não sei como um liberal pode ser “fascistóide”. Ora, ou ele é um liberal (politicamente), ou não é. Mas o Maltez — tal como o Harry Potter — consegue ser uma coisa e o seu contrário através de uma retórica sofista que engana os tolos. Ou, dizendo de outra forma: é difícil aos tolos perceberem o arquétipo mental do Maltez. Por isso é que ele pretende liderar a maçonaria irregular: para enganar os tolos portugueses. Em terra de cegos, quem tem um olho é zarolho.

O novo engodo dado aos portugueses é a ilusão da soberania, à medida em que se vai transferindo a soberania para determinadas potências estrangeiras, que sabemos hoje ser a França de Macron e de Rothschild, e a Alemanha de Angela Merkel e George Soros.

Vamos perdendo a soberania, mas simultaneamente temos gente como o Maltez que faz a apologia da soberania portuguesa através do conceito de “monarquia republicana”: através da quadratura do círculo, pretende-se dar a ilusão aos portugueses que a soberania continua intocável, mesmo quando começamos a ser súbditos declarados de suseranos alienígenas. É por isso que o Maltez dará um belíssimo líder da maçonaria irregular.

Domingo, 21 Maio 2017

Como um deputado socialista escapou a trabalho comunitário e à prisão

Filed under: corrupção,Partido Socialista,Política,PS — O. Braga @ 6:48 pm

 

Um artigo de uma tal Sílvia Caneco foi apagado pela revista Visão. Mas ficou o CACHE. Ó Sílvia!: C’um caneco! Também guardei o CACHE em ficheiro PDF, para memória futura.

Como um deputado escapou a trabalho comunitário

“Deputado do PS foi condenado a trabalho comunitário por conduzir embriagado, mas faltou às sessões. Salvou-se de ir preso com a ajuda de um membro da sua comissão política”.

deputado-escapa-a-justiça

Este papa Chico está a criar confusão na Igreja Católica.

 

A confusão, em si mesma, não é necessariamente má quando se sabe que se trilha um caminho positivo; o problema é que ninguém tem um vislumbre de certeza — nem mesmo o Chico — de que o caminho escolhido pela actual elite clerical católica é o melhor caminho.

Por isso é que o Chico ataca descaradamente os cardeais que manifestaram dúvidas em relação à encíclica papal “A Alegria do Adultério”. Para o Chico, perguntar é ofensa; “os quatro cardeais perguntaram e ofenderam, e dividiram a Igreja Católica”. Não foi o Chico que dividiu a Igreja Católica: foram os 4 cardeais.

A justificação melíflua do Chico para atacar os 4 cardeais que fazem perguntas é a seguinte: os cardeais transformam a doutrina  (da Igreja Católica) em ideologia  (política) — que é exactamente que o Chico e os seus apaniguados fazem!: misturar a religião e a política. O Chico cabrão acusa os outros de fazerem aquilo que ele próprio faz.


Eu já começo a reparar alterações na liturgia da missa.

Por exemplo, o Padre aqui da freguesia já começou a entrar em diálogo com os participantes na missa que se transforma em uma espécie de “brainstorming” de analfabetos funcionais. E depois, o Padre mete os pés pelas mãos nos “diálogos com os crentes”, como aconteceu hoje em plena homilia na missa, por exemplo, quando, em resposta a uma pergunta de um participante na missa, tentou explicar “racionalmente” “o que é o Espírito Santo”. 1 

A hierarquia da Igreja Católica portuguesa — o Bispo do Porto, nomeadamente —, em vez de implementar as modernices que transformam a Eucaristia em uma “pseudo-sessão de reflexão colectiva New Age”, deveria ensinar, por exemplo, os sacerdotes a explicar simbolicamente o que é a Santíssima Trindade, tal como explicou Santo Agostinho há dois mil anos nas “Confessiones”: a realidade humana também é trinitária: nós somos, nós amamos, nós conhecemos.

Nós experimentamo-nos a nós próprios e ao mundo na perspectiva da primeira pessoa (eu sou), na perspectiva da segunda pessoa (eu amo um tu) e na perspectiva da terceira pessoa (eu conheço um ele, uma ela, uma coisa). Eu encontro-me no mundo como um eu, encontro o tu de um outro ser humano, e tudo isto acontece dentro do espaço e do tempo, dentro das estruturas e coisas que são descritas com os pronomes ele e ela. O nosso mundo constrói-se a partir do eu, do tu e das coisas. O mundo aparece-nos nesta trindade: é sempre o mesmo mundo, mas eu tenho uma relação tríplice com ele.

As propriedades de Deus, que são determinantes para a minha existência no tempo e na eternidade, e pelas quais posso orientar a minha vida em confiança e segurança, revelam-se-me no contexto destas três categorias. É neste contexto que o cristão faz as experiências fundamentais sobre a essência interior de Deus, experiências essas que têm o poder de interpretar todas as outras experiências do mundo.

Bastaria ao Padre ter previamente lido Santo Agostinho para explicar simbolicamente ao povo o que é a Santíssima Trindade.

Mas os padres andam confusos com as modernices do Chico. Os padres já não sabem quem é Santo Agostinho: só sabem quem são os teólogos da moda, os supra-sumos do espírito do tempo, os novos fariseus como o Anselmo Borges e o Frei Bento Domingues.


Nota
1. Na Idade Média, os diálogos entre o Padre e os crentes também existiram, mas era sempre no fim da missa, antes de as pessoas abandonarem a igreja — e não em plena homilia!

Sábado, 20 Maio 2017

Estudo recente: o conceito de “pénis” é uma construção social

 

O Bloco de Esquerda e o Partido Socialista vão ficar exultantes!


“Abstract: Anatomical penises may exist, but as pre-operative transgendered women also have anatomical penises, the penis vis-à-vis maleness is an incoherent construct. We argue that the conceptual penis is better understood not as an anatomical organ but as a social construct isomorphic to performative toxic masculinity.

Through detailed post-structuralist discursive criticism and the example of climate change, this paper will challenge the prevailing and damaging social trope that penises are best understood as the male sexual organ and reassign it a more fitting role as a type of masculine performance.

1. Introduction

The androcentric scientific and meta-scientific evidence that the penis is the male reproductive organ is considered overwhelming and largely uncontroversial. It is true that nearly all male-gendered persons who were also male at birth have a genital organ that, among other purposes, carries the duct for the transfer of sperm during copulation. This organ is usually identified as the penis, and for many “males” it serves the role of their reproductive organ. There are, however, many examples of persons with penises who will not reproduce, including those who have sustained injury, are unable to coerce a mate, are uninterested in producing offspring, are medically infertile, or identify as asexual. While these examples may still constitute “males,” it is distinctly fallacious to identify their penises as reproductive organs. Furthermore, there are many women who have penises. These are specifically pre-operative transgendered women and chromosomal “males” who choose to identify as women without indicating a desire to transition (…).”

The conceptual penis as a social construct

Conforme se explica aqui, trata-se de uma paródia de dois professores universitários americanos.

 

A anti-igreja diz que houve “visões subjectivas” em Fátima, mas nada de aparições objectivas

 

Num cruzamento com semáforos, um automóvel embateu numa bicicleta. Instintivamente corri para o ciclista para saber se ele estava bem, e comecei a berrar com o automobilista. Foi então que alguém me disse que o ciclista tinha passado o sinal vermelho… ou seja, o meu instinto foi o de proteger o mais fraco (o ciclista), mas eu estava errado porque a culpa do acidente tinha sido do ciclista.

O que eu quero dizer é o seguinte: aconteceu um facto objectivo, mas eu interpretei esse acontecimento à minha maneira, interpretei esse facto conforme uma certa “inclinação” endógena e subjectiva. O facto de a minha interpretação ser subjectiva não retira ao acontecimento a sua objectividade — ou seja: não é por eu interpretar de uma certa forma subjectiva que o acidente deixou de ocorrer objectivamente.


relampago_vaticano_webUma situação análogaanalogia, mas não uma comparação ! — aconteceu com os três pastorinhos de Fátima em 1917: aconteceu “qualquer coisa” de objectivo, factual; e cada uma das crianças interpretou o fenómeno subjectivamente, dando lugar a pequenas discrepâncias na descrição do fenómeno.

E é baseando-se nessas pequenas diferenças subjectivas de relato devidas às interpretações, que a anti-igreja se encontra em um processo de colocar em causa a objectividade da aparição de Nossa Senhora de Fátima.

O Santo João Paulo II, antes de ser Papa e na década de 1970, já nos tinha prenunciado o aparecimento da anti-igreja, que é hoje representada pelo Chico Bergoglio e seus acólitos: em Portugal, temos por exemplo, a representação da anti-igreja em Anselmo Borges, o Bispo rabeta Carlos Azevedo, o Frei Bento Domingues, o Padre estalinista Mário Oliveira, entre outros. Les bons esprits se rencontrent…

A anti-igreja é indistinguível da ideologia secularista que obliterou a Lei Natural e os 10 mandamentos.

Página seguinte »

Site no WordPress.com.