perspectivas

Quarta-feira, 24 Junho 2015

Syrízicos

 

sirizicos

Neologismo criado pela Helena Matos.

Terça-feira, 23 Junho 2015

Acusamos a classe política e a democracia pela degradação social e cultural em Portugal

 

“Passos, Portas e Costa sabem que o Estado Social tem os dias contados, mas evitam dizê-lo”.

A demografia (também) vai a votos…


“O ministro da Saúde, Paulo Macedo, assumiu hoje que os custos do Serviço Nacional de Saúde vão aumentar e que deve ser discutida a sua forma de financiamento, admitindo que poderá passar por um aumento de impostos”.

Ministro da Saúde: Solução para financiar SNS pode passar por aumento de impostos


“Sector privado realiza 30 por cento dos abortos em Portugal. Interrupção voluntária da gravidez custou ao Estado mais de 11 milhões de euros em 2014. Oito mulheres abortaram mais de dez vezes”.

Estado paga 45 abortos por dia


O problema não é só o do Estado Social. O problema principal é o de que a actual classe política, em geral, está afanosamente a destruir o valor da família nuclear na cultura antropológica.

A sociedade — ou parte dela — tem que se organizar para levar os responsáveis da Esquerda — incluindo os líderes da maçonaria — e seus sucessores ao paredão de fuzilamento.

Antes de existir o Estado Social em Portugal, a família nuclear e tradicional era fortemente valorizada na cultura antropológica. Na ausência de um Estado Social, a família natural supria em grande parte as necessidades de integração social e de sobrevivência do país.

abortoA classe política dita “democrática” investiu no Estado Social ao mesmo tempo que foi desvalorizando a família tradicional na cultura, por exemplo, através do aborto pago pelo Estado, a criação de estereótipos culturais (através dos me®dia) que ostracizam as famílias numerosas, o “casamento” gay, a adopção de crianças por pares de invertidos, a procriação medicamente assistida para todos (transformando a criança em um objecto), as “barriga de aluguer” e o tráfico de crianças que estão na forja no programa político da Esquerda, a ideologia de género, etc..

Sem Estado Social e sem a valorização da família natural na cultura antropológica, Portugal estará entregue, a longo prazo, a uma ditadura.

O que temos que fazer é que essa ditadura não seja de Esquerda e internacional (sinificação de Portugal): temos que começar a trabalhar já na implementação de uma ditadura de Direita e nacional.

A ideia segundo a qual “a União Europeia nos irá ajudar”, é treta. Vimos no caso recente da Grécia que é treta: é uma evidência que é treta. Ou os portugueses olham por si, ou ninguém quer saber. A União Europeia pode desintegrar-se a qualquer momento enquanto o diabo esfrega um olho.

“Olhar pelo país” significa, desde já, julgar a classe política deste regime a que se convencionou chamar de “democrático”. Significa prepararmo-nos para o pior; ter a coragem de erradicar a iniquidade política pelos meios que forem necessários — sejam quais forem (literalmente).

Qual a bandeira portuguesa mais bonita?

Filed under: Portugal — O. Braga @ 3:07 am
Tags: ,

duas-bandeiras

Terça-feira, 16 Junho 2015

O efeito das políticas de esquerda na educação e no ensino

Filed under: Política,politicamente correcto,Portugal — O. Braga @ 8:05 am
Tags: ,

 

bullying profHoje sofri bullying dos alunos. Já participei tudo e vou queixar-me ao meu advogado e ao Estado português. Nem imaginam como me impressionou, logo a seguir à minha aula, ver um colega completamente desesperado com as lágrimas nos olhos, pois ele nem a chamada consegue fazer. O director tem de actuar forte e feio.

A mim, ao fim de mais de 20 anos de carreira, deram-me este mimo: «O professor é uma merda e vir às suas aulas é uma merda»… Arrotaram e deram pus… Colocaram phones, levaram bola, bateram nas carteiras e cantaram… não sei como me segurei. Algumas vezes, penso que vou fazer uma asneira e arrepender-me para o resto da vida… nem me conheço… fiquei calmo, calmo, mas duma calma doentia…

O meu advogado disse-me isto: se alguma vez eles lhe levantarem a mão para si, não responda. Saia e faça queixa, mas não se atire a eles… eu acho que me ia dando uma coisa hoje! Um vagabundo a dizer-me aquilo é surrealista…”

O testemunho de um professor enxovalhado

O Partido Socialista, a ala esquerdista do Partido Social Democrata, o Bloco de Esquerda e o Partido Comunista andam felicíssimos. Gente como a do Jugular rejubila: os meninos podem fazer tudo o que querem, mas ao mesmo tempo que se dizem “arautos dos direitos dos professores”.

Por um lado, o Mário Nogueira, da FERNPROF, morre de amores pelos professores; mas, por outro lado, segundo ele os meninos podem enxovalhar os professores à vontade em nome da autonomia do indivíduo e da educação moderna.

Corolário: precisamos de um partido político à direita do CDS/PP. Isto já não vai com as falinhas mansas do Paulo Portas.

Segunda-feira, 8 Junho 2015

A política gayzista prepara-se para controlar (ainda mais) o país

 

piratas gayzistas web

Presidente, governo e parlamento sequestrados pelo poder gayzista

Quinta-feira, 4 Junho 2015

Raquel Varela compara o Movimento de Defesa dos Caracóis com o Movimento Pró-vida humana

Filed under: Política,politicamente correcto,Portugal — O. Braga @ 9:29 am
Tags:

 

“Bem sei que vós não quereis saber da minha profunda reflexão sobre o assunto mas mesmo assim confesso, a propósito da campanha progressista estilo movimento pró-vida contra comer caracóis e matar traças…”

Sem tino

A Raquel Varela consegue transformar o absurdo do Movimento de Defesa dos Caracóis em absurdo elevado à segunda potência — o que é obra desenganada! É esta merda que aparece na televisão. Isto vai ter que levar uma volta, mais cedo que tarde, com choros e ranger de dentes. Mas desta vez não haverá Tarrafal (Salazar foi muito tolerante): se for preciso pôr a população portuguesa a crescer à custa da eliminação de uma pequeníssima minoria, gaudeamus!

Domingo, 31 Maio 2015

O neoliberalismo apoia a agenda política cultural radical de Esquerda

 

A revista britânica The Spectator  publica um artigo que tenta explicar por que razão os mais ricos do mundo — a plutocracia a que chamamos de “neoliberalismo” — apoia as políticas culturais da Esquerda, e muitas vezes da Esquerda mais radical. Vou tentar fazer aqui um resumo do artigo.

¿Por que razão a maioria das empresas multinacionais, por exemplo, a Google, apoiou o SIM no recente referendo acerca do “casamento” gay na Irlanda? E ¿por que razão os plutocratas, em geral, apoiam as lutas de Esquerda naquilo a se convencionou chamar de “justiça social”?

(more…)

Sábado, 30 Maio 2015

Passos Coelho diz uma coisa, Angela Merkel diz outra (em política, o que parece, é)

Filed under: Europa,Política,Portugal — O. Braga @ 8:18 pm
Tags: , , ,

 

Passos Coelho faz lembrar aquele indivíduo que aparece vestido de smoking em uma festa de churrasco na praia; está toda a gente de calções e T-shirt, e aparece o Passos Coelho de laçarote e smoking.

“As propostas são ambiciosas e claramente a favor da criação de instrumentos de natureza europeia capazes de enfrentar colectivamente os efeitos de choques assimétricos futuros, incluindo o avanço por fases em direcção a um verdadeiro orçamento da zona euro, constituído a partir de recursos próprios e não das transferências nacionais dos Estados-membros como actualmente acontece. As propostas que contém mereceriam facilmente a aprovação do PS, o que torna o secretismo ainda mais incompreensível.”

Passos muda discurso e defende maior integração económica e política

angela merkelEntretanto, Angela Merkel defende exactamente o contrário de Passos Coelho e do António Costa. Depois do seu (dela) encontro com David Cameron, Angela Merkel mostrou-se totalmente aberta à revisão do Tratado da União Europeia vigente, para que o Reino Unido não saia da União Europeia; e sobre o aprofundamento económico (Euro) e político da União Europeia, Angela Merkel chega a dizer o seguinte:

“Uma Europa a duas velocidades já é a nossa realidade actual… já temos velocidades diferentes e não tenho absolutamente nenhum problema em rever o Tratado de Roma para que exista na União Europeia um princípio que estabeleça a legitimidade de uma Europa a velocidades diferentes”.

Chegou a hora da aproximação política progressiva de Portugal às forças que são hostis à União Europeia, incluindo os paleo-conservadores americanos. Portugal vai ter que ter a liberdade de negociar com todos os países do mundo, porque as regras na União Europeia vão ser alteradas a meio do jogo.

Segunda-feira, 25 Maio 2015

António Marinho e Pinto: um advogado que coloca em causa o Direito Positivo

Filed under: A vida custa,Política,politicamente correcto,Portugal — O. Braga @ 7:50 pm
Tags:

 

Assim como David Hume levou a teoria do conhecimento de Locke até as suas últimas consequências, ou seja, a uma auto-refutação da racionalidade e a uma fé irracional em relação à realidade e à possibilidade de conhecimento — assim António Marinho e Pinto levou as incongruências do processo de promulgação do Direito Positivo, segundo Kelsen, às suas últimas consequências, através da sua negação prática.

A Justiça ideal, segundo António Marinho e Pinto, seria aquela decidida e definida por António Marinho e Pinto como corolário de uma Teoria Crítica, picareta demolidora. Montesquieu está obsoleto.

Por outro lado, António Marinho e Pinto, como é seu timbre demagógico, mistura as prebendas dos juízes com a própria função de juiz — quando, em verdade, uma coisa são os privilégios dos juízes que podem ser discutidos; outra coisa, diferente, é transformar o poder judicial em um braço do poder executivo ou do poder legislativo, como parece defender António Marinho e Pinto.

Ou seja, António Marinho e Pinto mistura no mesmo saco a autoridade dos juízes, por um lado, e os privilégios que lhe são concedidos, por outro lado.

António Marinho e Pinto é radicalmente contra qualquer tipo de privilégios seja em relação a quem for; um juiz deve ter semelhantes privilégios dos de um varredor de rua; é tudo igual ao litro — excepto quando ele defende o aumento dos salários dos deputados (porque ele é deputado): aí a coisa fia fino e já não há igualdade em relação ao lixeiro.

Lembro-me de G. K. Chesterton:

“Sem a educação e o ensino para todos, somos colocados numa situação horrível e de perigo mortífero de termos que levar a sério as pessoas cultas”.

Enquanto houver povo inculto, António Marinho e Pinto está nas suas sete quintas.

Sexta-feira, 22 Maio 2015

Dez deputados socialistas apoiaram a lei do cultivo de marijuana do Bloco de Esquerda

 

“PSD, CDS e PCP rejeitaram hoje, na generalidade, o projecto do Bloco de Esquerda que pretendia legalizar o cultivo de canábis para consumo pessoal e criar um enquadramento legal para a existência de clubes sociais de canábis.

O diploma do Bloco de Esquerda teve o apoio de dez deputados socialistas: Maria Antónia Almeida Santos, João Paulo Pedrosa, Paulo Campos, João Galamba, Elza Pais, Vieira da Silva, Pedro Nuno Santos, Isabel Moreira, Pedro Delgado Alves e Gabriela Canavilhas.”

PSD, CDS e PCP chumbam projecto do Bloco para legalizar cultivo de canábis

Dez deputados socialistas já é alguma coisa. António Costa pode ter esperança.

antonio costa marijuana web

A alma do republicano José Alberto Carvalho

Filed under: Política,politicamente correcto,Portugal — O. Braga @ 5:45 am
Tags: , ,

 

“Informam-me que José Alberto Carvalho terminou o Telejornal da TVI em directo do novo Museu dos Coches ao lado do Landau do Rei Dom Carlos a citar o testamento do Buiça, louvando o facto de ele saber que ia dar a vida pelo futuro dos seus filhos ao assassinar um Chefe de Estado constitucional e o Príncipe Real (por sinal marido e filho da fundadora do Museu) como exemplo dos “valores republicanos”. Ainda há quem acredite na evolução da humanidade. Tenho o estômago revirado.”

Tenho o estômago revirado de nojo

Eu vi e ouvi o encómio ao crime. Lembrei-me então de Fernando Pessoa:

“O regime [republicano] está, na verdade, expresso naquele ignóbil trapo que, imposto por uma reduzidíssima minoria de esfarrapados morais, nos serve de bandeira nacional — trapo contrário à heráldica e à estética, porque duas cores se justapõem sem intervenção de um metal e porque é a mais feia coisa que se pode inventar em cor. Está ali contudo a alma do republicano português — o encarnado do sangue que derramaram e fizeram derramar, o verde da erva de que, por direito mental, devem alimentar-se.”

Quinta-feira, 21 Maio 2015

A imoralidade de António Costa e do Partido Socialista

Filed under: Política,Portugal — O. Braga @ 2:08 pm
Tags: , ,

 

António Costa prepara-se para contrariar a Justiça e libertar o seu amigo criminoso José Sócrates:

“Os socialistas querem “introduzir o conceito de pena contínua de prisão na habitação com vigilância electrónica”, uma possibilidade que existe já para os detidos em prisão preventiva, mas que seria alargada às situações de cumprimento de pena efectiva.”

PS: Penas de prisão vão poder ser cumpridas em casa

Trata-se da figura da regime de “meia-prisão” para os militantes do Partido Socialista e provavelmente para os membros da classe política em geral (“uma mão lava a outra”): podes roubar o povo à vontade que, sendo apanhado, vais ter uma prisão dourada com a tua mulher na cama e tudo. O Partido Socialista e António Costa estão a passar uma mensagem clara para o povo português: o crime dos políticos compensa.

Estão a fazer a cama onde se irão deitar; estão absolutamente convencidos que o seu Poder é arbitrário e podem fazer o que quiserem e lhes dá na real na gana, até um dia que aconteça uma desgraça que espolete uma mudança política radical.

Essa gente pensa que a democracia dura para sempre porque é imposta de fora; o problema é quando, de fora, a “democracia das elites” passar a estar em causa por alguma conveniência política das grandes potências.

Página seguinte »

O tema Rubric. Create a free website or blog at WordPress.com.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 663 outros seguidores