perspectivas

Sexta-feira, 24 Abril 2015

A metafísica económica do Partido Socialista

Filed under: Política,Portugal — O. Braga @ 2:45 pm
Tags: ,

 

O plano económico do Partido Socialista faz lembrar aquele gajo que tem uma camisa muito comprida e umas calças muito curtas: o cu fica tapado, é verdade; mas o andar dele torna-se difícil e desafia constantemente a lei da gravidade.

Em economia, como no andar, devemos aplicar o princípio da navalha de Ockham: “não devemos multiplicar as entidades não necessárias”. A economia de pensamento exige que se uma teoria resolve um problema de forma mais simples, não devemos complicar arranjando teorias mais rebuscadas. O Partido Socialista é ateísta na ontologia, mas altamente metafísico em economia. Ora, misturar metafísica e economia é tão perigoso como os talibãs que misturam religião e política.

Uma das características do plano metafísico do Partido Socialista é o presentismo, o que revela uma mentalidade incivilizada:

“A proposta que está no documento é substituir o consumo presente em relação ao consumo futuro. As pessoas consomem mais no presente e consumirão menos no futuro. A necessidade disto é porque estamos numa situação em que é necessário relançar a procura agregada em Portugal. É isso que distingue significativamente esta proposta daquilo que tem sido feito pelo Governo – que é só actuar do lado da oferta e pensar que actuando só aí a economia começa a crescer. Nós achamos que não. Achamos que é necessário algum alívio para as famílias. No fundo, a redução da taxa contributiva dos trabalhadores para a Segurança Social vai aumentar o rendimento disponível das famílias.”

Ou seja, o cidadão “alivia-se” agora em qualquer lado, e alguém virá no futuro que trate da limpeza escatológica.

O que é importante é que o cidadão “se alivie” agora e a qualquer custo; se o cidadão do futuro passar fome e ganhar teias de aranha no cu, problema dele! A metafísica do Partido Socialista traduzida pelo Paulo Trigo Pereira faz lembrar a estória do professor espertalhão que pretendia ensinar um burro a ler, e a mando do rei: diz Paulo Trigo Pereira: “Não há problema!: em um ano, ou morre o rei (o Partido Socialista), ou morre o burro (o povo), ou morro eu”.

O problema da economia portuguesa é insanável enquanto existir a construção actual do Euro.

Tanto os sequazes de Passos Coelho como os de António Costa sabem disso. Aumentem o consumo interno e as importações disparam, e a dívida nacional não diminui. Mas se não aumentam o consumo interno, a economia só cresce para cerca de 5% da população; disparam as assimetrias sociais, e não há mais impostos sobre as heranças que valham: não me importava de ganhar mais 100% e pagar mais 10% de impostos sobre heranças. Preso por ter cão, e preso por não ter: o Euro assim obriga.

Isto é tão simples que não é necessário meter a metafísica no assunto. Deixemos a metafísica para os metafísicos.

Quinta-feira, 23 Abril 2015

Cinismo: « “abrir caminho para uma sociedade socialista” não é normatividade»

Filed under: Política,politicamente correcto,Portugal — O. Braga @ 10:49 am
Tags: ,

O “normativo” é o que fixa e/ou prescreve uma “norma”; e uma norma é toda a regra em relação à qual se pode emitir um juízo de valor. O que é “normal” é o que está conforme com a norma que se pode conceber em referência quer a um costume mutável ou habitual, quer a um modelo descritivo mais ou menos convencional como é o caso das normas lógicas ou jurídicas.

Quando no preâmbulo da Constituição está escrito “abrir caminho para uma sociedade socialista”, estamos perante um modelo descritivo que define uma norma jurídica. Afirmar que essa proposição do preâmbulo da Constituição — “abrir caminho para uma sociedade socialista” — “não é normatividade”, ou é estupidez ou má-fé.

“Abrir caminho para uma sociedade socialista” é uma regra constitucional em relação à qual se pode emitir um juízo de valor e, por isso, é uma norma no sentido lato do termo.

Uma norma pode ser simultaneamente descritiva; por exemplo, o conceito de “saúde” é simultaneamente descritivo (disposição e reacção de um organismo em relação a doenças) e normativo (a referência à “boa saúde” como valor, e não à saúde como facto, o que nos conduz a classificar um estado patológico em contraposição a um estado normal).

Ser “normativo” é, portanto, privilegiar e mesmo até mesmo procurar impôr valores (por mais estúpidos que estes sejam), e só uma comunidade de valores pode fundar a adesão a um juízo normativo. “Abrir caminho para uma sociedade socialista” é tentar impôr um valor e trata-se de pura normatividade.

Ana Maria Caetano na entrevista de ontem na RTPn

Filed under: Portugal — O. Braga @ 8:08 am
Tags:

ana-maria-caetano-webAna Maria Caetano, filha de Marcello Caetano, esteve ontem em uma entrevista na RTPn. Confesso que nunca a tinha visto “ao vivo” e foi uma agradável surpresa. O que não foi surpresa foi o entrevistador que ainda não se deu conta do carácter intimista daquele tipo de entrevistas e que, por isso, não deveria servir para “tirar um furo” jornalístico.

¿Por que foi uma agradável surpresa? Em primeiro lugar porque, para uma mulher de 77 anos 1, está muito bem conservada, física e mentalmente, rápida no raciocínio, perspicaz e até com uma certa sagacidade que lhe permite responder, sempre de forma afável, a determinadas perguntas estúpidas.

Foi também para mim uma surpresa a entrevista porque parece que a comunicação social (também chamada de “me®dia”) finalmente acordou para a realidade da História de Portugal, vencendo mesquinhos preconceitos de uma certa casta política egológica que pretendeu “apagar” a história um pouco à moda de Estaline, retirando a memória de portugueses ilustres da fotografia histórica. Essa casta política umbiguista ainda existe, mas foi já derrotada pela realidade dos factos.

Nota
1. fiz as contas: se ela tem mais 10 anos do que Marcelo Rebelo de Sousa, terá hoje 77 anos; obviamente que nunca se deve dizer a idade de uma senhora senão para a elogiar.

Segunda-feira, 20 Abril 2015

O critério da verificação do direito

Filed under: Justiça,Política,Portugal — O. Braga @ 12:28 pm
Tags: , ,

 

Mulheres forçadas a espremer mamas para provar que amamentam

Clique na imagem para ler a notícia


Eu compreendo a argumentação da Helena Matos, mas há que ver o problema no plano dos direitos: parece que o actual critério de verificação de um direito depende exclusivamente do facto de custar dinheiro ao Estado.

O direito de uma mulher amamentar o seu filho é um direito natural que o Direito Positivo apenas adoptou; esse direito existia antes do Positivismo. Mas como esse direito natural custa dinheiro ao Estado (ou a outra entidade empregadora), tem que ser verificado através do esguicho da mama da mãe.

Mas, por exemplo, o reconhecimento legal do direito ao “casamento” gay não provém de um direito natural, mas como não custa dinheiro ao Estado não há que verificar se as duas avantesmas são gays. Basta que eles assumam que são gays e o direito ao “casamento” gay realiza-se.

Temos, portanto, um direito natural que custa dinheiro ao Estado, e um direito positivo mas não natural que não custa dinheiro ao Estado. E o Estado verifica a autenticidade do primeiro mas não a do segundo. O critério da verificação do direito é o dinheiro, e não o direito entendido em si mesmo.

Aparentemente, desde que não custem dinheiro ao Estado, todos os direitos e mais alguns são permitidos e passíveis de ser legalizados. Em última análise, e por absurdo, se um assassínio não custasse dinheiro ao Estado através do processo em tribunal, também seria permitido como direito.

Portanto, é a lógica do sistema do Direito que temos que está em causa. O Estado desconfia de um direito natural porque lhe custa dinheiro, mas por outro  lado abre uma caixa-de-pandora de todos os direitos não-naturais desde que sejam grátis em relação ao Estado. Desde que o Estado não seja (aparentemente) sobrecarregado com despesas, podes transformar uma tara qualquer em direito.

Sendo o direito de uma mãe amamentar o seu filho um direito natural, ou é reconhecido pela lei ou não, e independentemente do dinheiro que o Estado gaste. Se Passos Coelho entende que esse direito natural não deve ser reconhecido por lei porque custa dinheiro ao Estado, ou entende que a lei deve ser revista estabelecendo um prazo máximo de amamentação da mãe, então que actue nesse sentido; mas o Estado não tem é o direito de transformar todas as mães em prevaricadoras em potência.

Domingo, 19 Abril 2015

A baixa natalidade e os novos hilotas

Filed under: Política,politicamente correcto,Portugal — O. Braga @ 12:29 pm
Tags: ,

 

Uma das soluções apresentada pela Esquerda para o problema da natalidade é a criação de uma nova classe de hilotas. Os hilotas da Esquerda não são escravos (como não eram em Esparta): mas são hoje imigrantes que acabam por ser uma espécie de propriedade do Estado. A Esquerda leva muito a sério a “República” de Platão (mas só a parte dedicada à política).

A baixa natalidade em Portugal é um problema cultural e por isso não há dinheiro que o resolva.

O Estado pode derreter o PIB nacional inteiro no apoio à natalidade que os efeitos serão proporcionalmente muito pequenos: é daquelas situações em que, em cada Euro investido, há um retorno de menos de 10% do capital investido; 90% do dinheiro investido é deitado fora. Mesmo que pagassem 100% do ordenado a uma mulher portuguesa actual (em juízo universal) para ficar em casa depois de ter um filho e durante quatro anos, estou convencido que os resultados seriam surpreendentemente baixos.

As mulheres não estão para parir, porque querem ser iguais aos homens.

Essa coisa de parir inferioriza a mulher. A gravidez é uma doença que se trata com medicamentos comprados na farmácia. Perante esta cultura, não há nada a fazer senão deixar correr o marfim até que a urgência do país seja de tal forma que os líderes políticos (ou os seus sucessores) sejam encostados ao paredão.

O mundo dá muitas voltas; não sabemos o futuro.

Pensamos que o futuro não será muito diferente do presente, e enganamo-nos amiúde. Se é provável que a baixa natalidade acabe com o país a médio prazo; se é provável que Portugal desapareça como país porque não tem hoje crianças; também é provável muita coisa diferente, por exemplo, é provável o colapso do Euro, a transformação da União Europeia em uma espécie de EFTA, o reaparecimento de ditaduras na Europa e o esquerdalho encostado ao paredão.

Andamos todos a brincar com coisas sérias.

Quando digo “todos”, incluo a “direita” do Partido Social Democrata e do CDS/PP. O problema da baixa natalidade vai chegar a um ponto tal que apenas se resolverá com o aparecimento de uma nova ideologia política; e haverá gente a chorar baba e ranho, ranger de dentes entre as feministas, neoliberais e esquerdistas que pensam que a História é irreversível e o “progresso” (tal como é concebido hoje) é uma lei da Natureza. A História já demonstrou que nem sempre a aliança com a plutocracia — que caracteriza hoje a Esquerda e a Direita politicamente correctas — garante o Poder.

Sábado, 18 Abril 2015

A greve dos pilotos da TAP é crime público

Filed under: Política,Portugal — O. Braga @ 10:00 am
Tags: ,

 

Uma greve que vai causar muitas de dezenas de milhões de Euros de prejuízos à TAP e várias centenas de milhões de prejuízos à economia portuguesa, só pode fazer parte de uma estratégia de privatização da TAP — é uma política de terra queimada para tornar mais barata a TAP e mais fácil a sua aquisição.

Quando estamos perante um crime, devemos perguntar: ¿quem beneficiou com o crime?

Neste caso, quem beneficia com o crime da greve dos pilotos na TAP só pode ser um qualquer lóbi político e financeiro que queira comprar a TAP.

Sexta-feira, 17 Abril 2015

A “direita” já perdeu as próximas eleições

Filed under: Política,Portugal — O. Braga @ 9:10 am
Tags: , ,

 

O anúncio da intenção de cortar — ainda mais! — nas reformas dos cidadãos foi a machadada final: a “direita” já perdeu as próximas eleições.

Deixar a política de comunicação do CDS/PP a cargo de neófitas como Cecília Meireles é “a morte do artista”. Neste aspecto o Partido Social Democrata anda melhor: o porta-voz do partido é o Marco António Costa, que apresenta uma credibilidade e uma maturidade que a Cecília Meireles não tem.

Dizer que se pretende cortar 600 milhões de Euros em reformas implica necessariamente dizer claramente os termos concretos e os detalhes desse corte. Defender esse corte de uma forma abstracta, como fez a “direita”, é uma política de comunicação desastrosa que anuncia já uma derrota eleitoral estrondosa.

Infelizmente é a “direita” que temos. “Quem se deita com crianças acorda mijado”.

Quinta-feira, 16 Abril 2015

Sampaio da Névoa

Filed under: Política,Portugal — O. Braga @ 9:52 am

sampaio da nevoa web

Terça-feira, 14 Abril 2015

A lésbica socialista Isabel Moreira diz que o Partido Socialista tem o direito a albergar ladrões

 

Segundo a lésbica Isabel Moreira, um assassino em série, desde que fosse militante do Partido Socialista, não perderia os seus direitos políticos dentro do partido. Isto diz bem do que é a actual concepção da política do Partido Socialista. Referindo-se a Manuel Maria Carrilho, que defendeu que José Sócrates deveria ser expulso da militância do Partido Socialista, a lésbica Isabel Moreira escreve:

“Parece que o homenzinho acha que o PS devia expulsar Sócrates”, começa por escrever a deputada socialista na sua página no Facebook. Isabel Moreira entende que “esta opinião arrotada não traz qualquer embaraço para o PS mas para quem a arrota” e garante que “o PS, como todos os partidos, sabe que nem um condenado perde direitos políticos”.

isabel moreiraA lésbica Isabel Moreira confunde direitos políticos do cidadão enquanto tal, por um lado, com os direitos políticos de um militante de um partido político que é uma instituição do sistema democrático; e por causa de confusões deste tipo é que a democracia vai pela rua da amargura.

Para a fufa Isabel Moreira, os problemas domésticos de Manuel Maria Carrilho (com a sua ex-mulher) são eticamente comparáveis ao roubo, por parte de José Sócrates, de cerca de 25 milhões de Euros, que se aproveitou da sua posição política como primeiro-ministro para se abotoar à custa dos contribuintes portugueses. Para a sapatão Isabel Moreira, roubar 25 milhões de Euros aos portugueses é a mesma coisa que “acertar o passo” ao cônjuge.

“E continua, recordando o passado de Carrilho, nomeadamente os alegados actos de violência doméstica praticados contra Bárbara Guimarães, apresentadora de TV, com quem era casado. “Já o Sr. Carrilho, desejoso de fazer esquecer ao mundo a lama de indignidade em que se enfiou, pensa que produzindo lama se salva. Não se salva. Nós no PS não brincamos à violência doméstica com os nossos militantes”, clarifica.”

Sexta-feira, 10 Abril 2015

O emporcalhamento limpinho

Filed under: Política,politicamente correcto,Portugal — O. Braga @ 8:36 pm
Tags: ,

 

Agostinho da Silva disse um dia em uma entrevista que “os portugueses têm que ser os médicos e os enfermeiros desta Europa doente”, a propósito da entrada de Portugal na União Europeia. O que está a acontecer é Portugal está a ficar mortalmente infectado pela doença da Europa.

Portugal, que foi o primeiro país do mundo a abolir a pena-de-morte, ainda no tempo dos reis, vê-se agora na contingência de a reintroduzir sob as ordens da União Europeia. E vemos um sociólogo, de seu nome Paulo Pereira de Almeida, aparentemente ligado ao Partido Social Democrata, a escrever um artigo com o título “criminosos merecem morrer”.

E do outro lado da barricada vemos o determinismo do comportamento humano, a negação do livre-arbítrio que faz lembrar aquela cena caricata de um assassino que se dirige ao juiz e diz: “Senhor Doutor Juiz: a culpa do assassínio não foi minha! É dos meus genes! Já nasci assim!”. Em vez do Portugal desinfectado (com consoante muda!), defende-se ali o Portugal emporcalhado.

Entre o Portugal desinfectado e o emporcalhado, o cidadão anónimo e anódino interroga-se sobre a qualidade dos auto-denominados “intelectuais” portugueses. Os dois “Portugais” fazem parte do mesmo problema: o dos que se limitam a definir a realidade inteira segundo critérios diferentes de limpeza.

Concordo com Passos Coelho: o custo do trabalho é muito alto, e por isso temos que sair do Euro

 

¿Quantos minutos tem que trabalhar um português médio para comprar um litro de leite? E façamos agora as contas em relação a um alemão médio, e comparemos. Mas tanto o português como o alemão vivem na zona Euro…

Passos Coelho nunca trabalhou na sua (dele) vida. Viveu sempre de expedientes políticos e saiu-lhe a sorte grande quando chegou a primeiro-ministro — neste aspecto não é diferente de António Costa.

Se Passos Coelho chega à conclusão que o custo do trabalho em Portugal é alto, então é porque existe uma incompatibilidade entre a economia portuguesa e o valor da moeda Euro, porque o português médio ganha 25% do que ganha um alemão médio. Naturalmente que Portugal tem 10 milhões de consumidores, ao passo que a Alemanha tem 80 milhões (economia de escala), e para além das diferenças no tipo de indústria.

Mas Passos Coelho pretende fazer a quadratura do círculo: manter o Euro (moeda forte) e reduzir o custo de trabalho em Portugal. Nem os chineses fazem isto!: 1 Yuan = 0,15 Euros. Por isso é que a classe média chinesa vive hoje melhor do que a classe média portuguesa, porque os chineses exportam mais do que importam e são auto-suficientes em grande parte da economia (ao contrário de Portugal).

À medida que o tempo passa, o povo português está cada vez mais confrontado em uma situação de “double blind”: ou vota na merda (Passos Coelho), ou então vota na merda (António Costa). E esta alternativa sistémica e merdosa só nos vai levar a um sítio: a criação de uma espécie de Front Nationale em Portugal. É a própria merda do sistema político que nos vai empurrar para um qualquer radicalismo.

Terça-feira, 7 Abril 2015

O programa de acção política de António Costa

Filed under: Política,Portugal — O. Braga @ 6:09 am
Tags: ,

 

antonio_costa_taxas_web

Página seguinte »

The Rubric Theme. Blog em WordPress.com.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 613 outros seguidores