perspectivas

Sábado, 18 Agosto 2018

António de Oliveira Salazar : um grande português

Filed under: Portugal — O. Braga @ 11:31 am

 

Anúncios

Quinta-feira, 16 Agosto 2018

O que podemos esperar da Esquerda portuguesa nos próximos anos

Filed under: Esquerda,Portugal — O. Braga @ 4:39 pm

 

O Partido Democrático dos Estados Unidos entrou oficialmente em uma deriva socialista. Quando digo “socialista”, seria talvez mais apropriado dizer “gramsciana” (de Gramsci), o que identifica claramente o Partido Democrático americano com o Bloco de Esquerda português, e com uma grande parte da elite (liderada pela Isabel Moreira) do Partido Socialista de António Costa.

A estratégia da nova esquerda, personificada pelo Partido Democrático dos Estados Unidos e pelo BE e PS em Portugal, passará pelo seguinte:

1/ ataque feroz e persistente à ética tradicional presente na cultura antropológica, utilizando todos os meios possíveis (Partido Socialista e Bloco de Esquerda).

2/ apoio tácito (não declarado) à violência pública por parte de grupos de tipo “Antifa” (Bloco de Esquerda).

3/ ataque declarado à liberdade de expressão (Bloco de Esquerda), ou a defesa da restrição da liberdade do discurso político (Isabel Moreira, nomeadamente) no sentido do conceito de “tolerância repressiva” de Herbert Marcuse.

4/ erradicação das noções de “pátria” e “nação” da cultura antropológica (Partido Socialista e Bloco de Esquerda), nomeadamente através da desconstrução e falsificação da História (Bloco de Esquerda), o que significa, em termos práticos, a abolição de fronteiras nacionais e imigração massiva e descontrolada.

5/ limitação crescente à liberdade da propriedade privada, nomeadamente através de um contínuo aumento de impostos sobre as empresas, o que tornará praticamente impossível o sucesso de qualquer empreendimento privado que não tenha a chancela de uma multinacional monopolista controlada pela plutocracia globalista. Ou seja, as pequenas e as médias empresas portuguesas terão as suas vidas muito mais dificultadas.


A estratégia do Partido Socialista de António Costa é a de ter uma economia tendencialmente capitalista mas fortemente controlada por um Estado socialista (o que quer dizer “um Estado ladrão”) — ao passo que o Bloco de Esquerda defende a nacionalização das principais empresas portuguesas, à moda da Venezuela.

Adenda: Podemos incluir nesta Esquerda, o PSD de Rui Rio.

Domingo, 12 Agosto 2018

Hoje, quem gosta de Portugal e da sua História, é classificado de “fassista”

 

Podemos inferir deste artigo no Diário de Notícias (escrito por uma jornaleira de seu nome Valentina Marcelino) que todas as pessoas que se preocupam com o futuro do seu povo e com a preservação da sua cultura, são fassistas.

Ou seja, parece que existe um movimento político-cultural dirigido e conduzido pelas elites políticas (mormente pela maçonaria) no sentido de estigmatizar as pátrias e quem as defende.

Os portugueses têm o direito de defender, nomeadamente através do voto, os valores da preservação da sua nação e da sua cultura.

O que as elites (proprietárias do actual sistema político coordenado pela maçonaria) pretendem é destruir, na cultura antropológica portuguesa, os valores da pátria, da nação, e da Portugalidade. Trata-se de uma agenda política radical de anulação da História e da Nação portuguesas, dentro de uma lógica de alienação e submissão ao leviatão da União Europeia. E quem não concorde com esta agenda política, é catalogado de fassista (para além de xenófobo, homófobo, transfobo, sexista, misógino, e toda uma panóplia de adjectivos amigáveis).

Existe hoje uma certa elite política radical que apelida a maioria do povo de “fassista”.

Para essa elite, o povo é fassista, e tem que ser substituído por outro povo com um QI inferior a 80. Pretendem construir um país de uma espécie de símios, onde eles (os da elite) seja senhores absolutos e totalitários.

Em nome do combate à chamada “extrema-direita”, a elite política (vendida e controlada pela plutocracia globalista, entre muitos outros, por George Soros) mete tudo no mesmo saco e classifica qualquer patriota português de “fassista”. Todos os patriotas passam a ser “fassistas”, e através da espiral do silêncio promovida pelos me®dia (como é o caso do artigo em causa), os patriotas portugueses calam-se e permitem o esventrar da pátria que os canalhas que nos governam promovem.

Quinta-feira, 5 Julho 2018

Bem-haja a Duquesa de Coimbra !

Filed under: monarquia,Portugal — O. Braga @ 8:47 am

 

A Infanta D. Maria Francisca Isabel de Bragança passa a ser a Duquesa de Coimbra a partir de 4 de Julho de 2018, Festa da Rainha Santa Isabel.

duquesa-de-coimbra-moti-web

Sábado, 21 Abril 2018

Com o actual regime político, Portugal não tem qualquer hipótese de existência futura

 

Eu penso hoje que Portugal é um país que não tem qualquer hipótese de existência futura.

Dou um exemplo da inviabilidade portuguesa: a Esquerda (que inclui o Partido Social Democrata) fez a promoção do aborto “gratuito” (andam todos os portugueses a pagar “cambalhotas” irresponsáveis) e dos contraceptivos em massa, o que levou a uma taxa de fertilidade de 1,53 bebés por mulher que é inferior à taxa de reposição populacional (2,1 crianças por mulher).

Ou seja, a Esquerda, em vez de apoiar a maternidade, promoveu o aborto e a contracepção massivos e “gratuitos” (pagos pelo Estado que somos todos nós).

É claro que as políticas de Esquerda levaram Portugal a um inverno demográfico. Para resolver o problema, ¿o que faz agora a Esquerda? Em termos práticos, acaba com a nacionalidade portuguesa!

Nacionalidade automática para filhos de imigrantes há dois anos em Portugal

Esquerda e PAN aprovam alterações. Os centristas votaram contra e o PSD absteve-se. Nacionalidade pela ascendência introduzida por projecto do PS.

Vendo a porcaria que fizeram em matéria demográfica, os esquerdistas (incluindo o Partido Social Democrata) tentam agora que qualquer imigrante seja “português automático” : bastam dois anos de residência em Portugal para que uma criança imigrante (não nascida em Portugal) obtenha a nacionalidade portuguesa.

Ou seja: a nacionalidade portuguesa está em saldo; vale praticamente nada!

Um dia destes a Esquerda vai oferecer grátis a nacionalidade portuguesa, sem necessidade de qualquer tempo de permanência em Portugal. E como tudo o que é grátis (ou quase grátis), perde o seu valor.

Este regime político está a destruir Portugal, por um lado, e a substituir a sua população, por outro lado; por isso temos o dever de acabar (literalmente) com as elites temos.

(via)

Quinta-feira, 12 Abril 2018

A ‘diversidade’ e a ‘inclusão’ que servem para ‘dividir para reinar’

 

A Marta Mucznik escreve aqui um artigo em que comete vários erros de análise e de avaliação; desde logo, confunde ‘Lisboa’ com ‘Portugal’, na velha tradição do Estado Novo segundo a qual “Portugal é Lisboa, e o resto é paisagem”.

identity-web

(more…)

Quinta-feira, 22 Março 2018

A partidocracia portuguesa

Filed under: Portugal — O. Braga @ 5:51 pm

 

Graças à maçonaria, os partidos políticos portugueses estão acima da lei.

Terça-feira, 13 Março 2018

Influência de ADN semita em Portugal: no sul são mouros

Filed under: Portugal — O. Braga @ 7:44 pm

 

O Haplogrupo J1 é característica dos povos semitas, ou seja, árabes e/ou judeus. Por exemplo, o fundador do Islão, o Maomerdas, pertence por ADN mitocondrial ao Halogrupo J1.

No norte de Portugal, a influência semita (seja judia e/ou moura) no ADN da população é de 1%; no centro de Portugal passa a ser de 4,9%; e no sul de Portugal é de 7%. Por isso é que nós, aqui no norte, dizemos que “no sul são mouros”.

Haplogroup-J1-P58

Sexta-feira, 16 Fevereiro 2018

A estupidez do “empresário” Ferraz da Costa

 

Em uma entrevista dada a uma estação de rádio inglesa, salvo erro em 2001, o “empresário” português Belmiro de Azevedo afirmou que o “povo português é preguiçoso, não gosta de trabalhar”. Cheguei a ter a gravação áudio dessa entrevista, mas entretanto mudei de computador e perdi-lhe o rasto.

Em uma entrevista à SICn, talvez aí por 2007 (no consulado de José Sócrates), o “empresário” português Pinto Balsemão afirmou que um dos graves problemas de Portugal é ter muita população. “Se Portugal tivesse metade da sua população, muitos dos problemas do país estariam resolvidos”.


Clique Aqui !

Agora temos o “empresário” Ferraz da Costa a afirmar o seguinte: 1/ “Os portugueses não querem trabalhar” (é de igual opinião da do Belmiro); 2/ “Uma economia que não cresce não cria lugares de chefia e não dá hipóteses aos mais jovens que acabam por ficar à espera que os mais velhos morram. Ainda por cima, hoje vive-se mais anos e qualquer dia trabalha-se até aos 80 anos. As empresas são quase lares de terceira idade” — aqui, o Ferraz da Costa está de acordo com o Pinto Balsemão: este país não é para velhos; venha daí a eutanásia para os trastes (excepto para eles!, obviamente) .

É esta merda de gente que dá razão à Esquerda ! Isto não são empresários!: são animais irracionais!

Vemos aqui um anúncio de uma empresa que tem um “empresário” do calibre do Ferraz da Costa, do Pinto Balsemão, ambos ainda por falecer, e do falecido Belmiro de Azevedo. Pretendem um tradutor que fale correctamente cinco línguas pagando 600 Euros por mês. É este o “empresário” português tipo e típico.

tradutor-cinco-linguas-web

E depois surge o Ferraz da Costa e quejandos, na sua estupidez infinita, a dizer que os tradutores portugueses não querem trabalhar ! Essa gentalha não tem vergonha na cara !

O Pinto Balsemão é o símbolo do globalismo e do grupo de Bilderberg em Portugal.

Toda a classe empresarial portuguesa (toda mesmo, não escapa um!) partilha do mesmo espírito globalista dos Bilderbergers e dos Soros deste mundo, que se aliam à Esquerda na política de imigração em massa e sem limites: a Esquerda pretende os votos dos imigrantes, e os neoliberais — da laia dos “empresários portugueses” — pretendem trabalho escravo: Les bons esprits se rencontrent…

Quinta-feira, 18 Janeiro 2018

O absolutismo pode ser invocado a nível supranacional

Filed under: Política,Portugal — O. Braga @ 11:22 am

 

“De todas as mentiras democráticas, nenhuma mais irrisória do que a da soberania do povo. Da soberania advém a faculdade de declarar o interesse nacional e o poder de o defender; mas o povo nunca atinge o grau de consciência e a unidade de pensar que o exercício da soberania exige”.

O Reaccionário


É exactamente este o argumento invocado pelos euro-federalistas — da laia do Paulo Rangel, por exemplo — para justificar a alienação da soberania portuguesa em favor da soberania (não-representativa) do leviatão da União Europeia sobre Portugal.

Ou seja: todo o argumento político absolutista (a nível nacional) pode se invocado para aniquilar a soberania nacional em favor de um poder supra-nacional (também este) absolutista.

Até ao reinado de D. Pedro II, sempre existiram Cortes em Portugal; ou seja, o absolutismo político (propriamente dito) não existia em Portugal até ao início do século XVIII. Foi no fim do reinado de D. Pedro II que as Cortes se foram tornando raras, sendo abolidas no reinado do seu filho D. João V.

Domingo, 3 Dezembro 2017

Atlântico Vermelho : o enviesamento marxista da História de Portugal

Filed under: História,Portugal — O. Braga @ 5:09 pm

 

Fonte.

Quinta-feira, 3 Agosto 2017

Para ser polícia, em Portugal, é preciso ter um QI inferior a 85

Filed under: A vida custa,Esta gente vota,Portugal — O. Braga @ 7:31 pm

 

Vemos na foto em baixo uns polícias de bicicleta a multar automóveis estacionados em cima do passeio de uma rua marginal a uma praia em Vila Nova de Gaia.

policias-de-merda-web

 

Mas os polícias deveriam saber que, num raio de 7 quilómetros partir deste local, não existem parques de estacionamento públicos (a pagar). Portanto, a polícia deveria saber que a alternativa dos automobilistas seria a de andar 7 quilómetros a pé para ir à praia, ou meter o respectivo automóvel no cu.

policia_de_merda-web

Na foto em baixo, vemos uma rua adjacente à rua acima referida; nesta rua, os automóveis também estão em cima do passeio, mas os polícias já não passaram multas. E por quê? Porque a rua é adjacente, ou seja, não dá directamente para a praia. A preocupação dos polícias foi a de multar os automobilistas que se deram ao luxo de estacionar na rua da praia; ora, os luxos pagam-se com multas. Já os outros automobilistas que também estacionaram em cima do passeio mas em ruas adjacentes, foram arbitrariamente poupados pela polícia.

policias-de-merda-2-web

O mais caricato foi ver um dos polícias a multar um carro com matrícula polaca. Dirigi-me ao polícia: “Sr. Guarda, esse é polaco e nunca vai pagar essa multa! A Polónia não está em Schengen nem no Euro!”. A resposta simpática: Bócê não tem nada a ber com isso!”.

pista-de-ciclismo-web

Quando os polícias sabem que não existem parques de estacionamento públicos num raio de 7 quilómetros, necessitam de um QI inferior a 85 para passar multas. Ou então são uma cambada de filhos da puta.

Página seguinte »

Site no WordPress.com.