perspectivas

Terça-feira, 12 Julho 2016

Os judeus e o Cristianismo

Filed under: A vida custa,cultura — O. Braga @ 7:57 pm
Tags: ,

logo-montepio

¿O leitor sabe qual é a origem do nome do Banco Montepio? Já lá vamos. Antes vamos analisar as asneiras escritas aqui, segundo as quais o Cristianismo foi um instrumento utilizado pelos judeus para derrubar o império romano.


Todo aquele que resiste ao Poder (político do império romano), resiste a Deus.” – S. Paulo, Romanos, XIII, 2

O Cristianismo, por sua própria natureza, defende a submissão do cristão ao Poder político; esta ideia de submissão ao Poder só foi ligeiramente alterada século XIII através de S. Tomás de Aquino que dizia que uma lei injusta não chega a ser lei, e por isso o cristão não tem que obedecer. Mas, nos primórdios do Cristianismo, S. Paulo era o paradigma. Por isso, não faz sentido alguém dizer que “o Cristianismo minou o Poder do império romano”. Quem escreveu aquilo não tem noção da História da Antiguidade Tardia.

A queda do império romano tem razões exógenas e endógenas. As exógenas têm a ver com os movimentos dos povos bárbaros do norte da Europa, acossados pelos mongóis. Qualquer pessoa com um mínimo de conhecimento de História sabe disto; e por isso fico surpreendido como alguém que se diz licenciado em História parece ignorar esse facto. As razões endógenas têm a ver com a decadência da cultura antropológica da Roma dos imperadores, que já pouco tinha a ver com a cultura saudável da república romana de Catão.

Infelizmente, os cristãos sempre foram contra os judeus. Uma característica do Cristianismo — seja católico ou luterano — foi o anti-semitismo. Isto é um facto histórico tão inelutável que até arrepia que alguém que se diz “licenciado em História” não reconheça.

Para além dos muçulmanos, os principais inimigos da humanidade — segundo os cristãos da Idade Média — era as bruxas e os usurários. Desde Santo Ambrósio, no século V, até S. Bernardo, no século XV, que os pregadores cristãos insistiam em que ser usurário era um meio de hostilidade e uma ofensa contra a caridade para com o próximo. Ora, os judeus não faziam outra coisa senão praticar a usura.

No século XV, para combater a usura dos judeus, os frades católicos italianos fundaram uma instituição bancária de nome Monti di Pietá, que abriu várias sucursais em cidades italianas. É da instituição italiana Monti di Pietá que adveio o nome do Banco Montepio. Diziam os frades italianos que, uma coisa é uma pessoa particular emprestar dinheiro a juros a outra (o que envolve uma relação entre indivíduos), e outra coisa, diferente, é a criação de uma instituição financeira (os Monti di Pietá) impessoal, destinada a financiar a economia em geral e em termos impessoais. Vemos esta tendência contra a usura, por exemplo, em Shakespeare e no “Mercador de Veneza”: levar qualquer coisa a mais em troca de um empréstimo era um golpe na amizade.

Em toda a Idade Média, de todos os que eram mais considerados, pelos cristãos, como pertencendo à categoria dos inimigos da raça humana, eram os judeus. A diferença de atitude para com os judeus e para com os muçulmanos é inconfundível, e não se pode atribuir à existência, no primeiro caso, e à ausência, no segundo caso, de fortes poderes de retaliação. Os judeus não eram uma classe, mas antes eram um povo; e se estavam frequentemente ligados à usura e à cobrança de impostos, essa era a consequência de um antagonismo antigo. Cristãos e judeus nunca se deram bem, desde S. Paulo.

Os judeus foram os primeiros inimigos de Cristo, autores da crucificação e morte, e ficaram maculados, assim como os seus filhos, pelo sangue de Jesus. Era assim que o cristão da Idade Média via os judeus. Para as comunidades judaicas, agrupadas em torno das suas sinagogas, desde Sevilha a Frankfurt, por mais certas que de que estivessem da benevolência dos reis, o tempo da Páscoa cristã era sempre perigoso. No carnaval, em Roma, os judeus eram obrigados a exibirem-se publicamente como um instrumento do diabo, a fazerem corridas nas ruas debaixo de insultos ou chicotadas, e a manterem-se em cena como alvo de troça e zombaria. Em Espanha e na Idade Média, era vulgar que, durante a Semana Santa, se realizasse um qualquer ataque ao bairro judeu. Depois da Reforma, na Alemanha, era comum que fosse tabu qualquer contacto físico com judeus (considerado pecaminoso). O tabu também abrangia as prostitutas, considerando-se que era económico e sensato — por exemplo, em Frankfurt — situar os bordéis nos bairros dos judeus.

Neste estado de emoção pública, a reacção imediata a um qualquer sinal de ira divina, em qualquer cidade com judeus, era atacá-los e fazer a depuração, expulsando-os, queimando-os ou matando-os. A passagem da Peste Negra na Alemanha deixou um rasto de destruição entre as comunidades judaicas. Na península ibérica, o problema dos judeus foi resolvido de forma diferente: em vez de uma política de perseguição ou de exterminação, adoptou-se uma política de conversão compulsiva ao Cristianismo — transformando-se assim um problema de judeus, em um problema de hereges, o que levou a persegui-los durante mais de um século.

O que é espantoso é que um licenciado em História diga que o Cristianismo era aliado dos judeus. Eu, que já sou avô, pergunto-me sobre o que se ensina hoje nas universidades.

Segunda-feira, 13 Junho 2016

O “muçulmano secularista” não é muçulmano

 

O famigerado ateísta Sam Harris escreveu o seguinte no seu (dele) Twitter:

sam-harris-muslim-secularists

Gostaria que me explicassem como é possível haver “secularismo” no Islão. Por definição e por defeito, o Islamismo não separa a política e a religião.

Nos países de maioria islâmica, ou existe um regime ditatorial e repressivo (Turquia de Ataturk, Indonésia) que assegura o “secularismo”, ou a teocracia islâmica vai tomando conta do Poder e da política (como já vai acontecendo com a Turquia de Erdogan). Ou então, o Islamismo vai perdendo fiéis (o que é muito difícil de acontecer).

De todas as religiões universais, a única que separa — em tese e desde a sua origem — claramente a religião e a política, é o cristianismo.

O conceito de “muçulmano secular” é contraditório nos seus próprios termos, porque teríamos que eliminar a Sharia (a lei islâmica), os Hadith, e refazer a maior parte do Alcorão. O “muçulmano secularista” não é muçulmano.

Sexta-feira, 3 Junho 2016

O Direito Positivo nunca substituirá a moral

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 10:24 am
Tags: , , ,

 

“A Secretária de Estado da Inclusão explica o novo diploma e admite que é nos “estabelecimentos que implicam maior espera para atendimento" que podem vir a existir algumas situações de conflito, até as novas regras estarem interiorizadas.”

Passou a estar na lei: deficientes e grávidas têm sempre prioridade nas filas

Aquilo que, até há pouco tempo, fazia parte dos bons costumes, foi destruído pela classe política “democrática”; e agora querem que a lei imponha coercivamente uma regra moral. Primeiro destruíram valores preciosos da cultura antropológica; e depois reforçam o poder do Estado em relação ao comportamento individual.

Mas os políticos que se desenganem: “um direito, digno desse nome, não caduca quando a força bruta do Estado acaba” (Rousseau). O Direito Positivo nunca poderá substituir a ética e a moral.


O historiador francês Pierre Chaunu escreveu — com a sua habitual precisão estatística — que em Paris até meados do século XVII, 57,5% dos testamentos exigiam aos herdeiros a reparação das ofensas cometidas pelo autor do testamento contra terceiros; e 42,4% garantiam o perdão por ofensas cometidas contra ele [P. Chaunu, “Mourir à Paris”, 1976]. Mais: segundo Chaunu, em 1400, a percentagem de cada um dos casos rondaria os 100%.

O hábito da restituição e da indemnização material à hora da morte, por ofensa, pela prática de usura, etc., era uma forma particular da prática geral. Confissão e restituição eram, para quem morria, um incidente importante e indispensável na sua passagem de cristão para o outro mundo.

Ou seja, esta prática testamentária fazia parte da cultura antropológica, e não da lei. Não havia nenhuma lei que a impusesse. Com o declínio dos valores cristãos na Europa, é hoje praticamente impossível que um qualquer usurário se tente redimir, à hora da morte, ressarcindo as suas vítimas mais notórias.

Sábado, 28 Maio 2016

O Anselmo Borges reduz o Cristianismo à política

 

“Jesus, na iminência da condenação à morte, ofereceu uma ceia, a Última Ceia. Nela, abençoando o pão e o vinho, que significam a entrega da sua pessoa por amor a todos, disse: "Fazei isto em memória de mim." Os primeiros cristãos reuniam-se e, recordando (recordar é uma palavra muito rica, pois significa voltar a passar pelo coração) essa Ceia, o que Jesus fez e é, celebravam um ágape, o "partir do pão", uma refeição festiva e fraterna em sua memória, abertos a um futuro novo de Vida. E aconteceu o que constituiu talvez a maior revolução do mundo: se algum senhor se tinha convertido à fé cristã, sentava-se agora à mesma mesa que os seus escravos, em fraternidade”.

Anselmo Borges

A interpretação de Anselmo Borges da Eucaristia não corresponde à da iniciação mística cristã, por exemplo, em S. Paulo.

Anselmo Borges reduz a uma estrutura colectiva, exterior ao indivíduo, um comportamento ético que, a não ser que seja interior ao indivíduo, não é nada. O clero “progressista” — por exemplo, o Anselmo Borges — defende a ideia segundo a qual há uma reforma social capaz de branquear as consequências do pecado (o que é uma influência do Romantismo do século XVIII, mormente em Rousseau, que voltou a estar na moda na actual Esquerda depois da queda do muro).

No cristianismo primitivo (Mircea Eliade, por exemplo), o convívio fraternal entre o senhor e o servo não eliminava as categorias sociais dos dois — como parece defender Anselmo Borges.

S. Paulo defendeu que o senhor de escravos deve tratar os seus escravos com o respeito devido à sua humanidade (Direito Natural), mas nunca defendeu a igualdade social entre o senhor e os seus escravos (Direito Positivo); não o podia fazer porque isso seria misturar a religião com política — que é o faz o Anselmo Borges.

A tentativa de desconstrução do símbolo do sacrifício da Eucaristia, feita pelo Anselmo Borges, é delirante, chegando ao ponto de ligar (negativamente) o celibato, por um lado, ao sacrifício eucarístico, por outro lado — quando sabemos que o celibato era apenas e só uma característica dos discípulos de Cristo Jesus que foi seguida pelos apóstolos e bispos dos primeiros séculos da nossa Era (há uma diferença entre “discípulo” e “apóstolo”).

A visão que Anselmo Borges tem da religião cristã é uma visão estritamente política. Refutar aquele texto do Anselmo Borges daria tanto trabalho que teria eu que escrever um texto com o triplo da quantidade de palavras que ele utilizou no dele; mas já não há pachorra.

Domingo, 22 Maio 2016

A Santíssima Trindade e a dificuldade da Lógica

 

A Lógica macroscópica, tal como a conhecemos depois de Aristóteles, aplica-se (obviamente) na realidade macroscópica; ou então (em alternativa), teremos que basear a Lógica na unidade do Todo (existe uma Lógica mais abrangente, que não renega a de Aristóteles, mas que a inclui) — Santo Agostinho dizia que “quando começamos a contar, começamos a errar”; um dias destes, a Física ainda vai chegar à conclusão de que Santo Agostinho tinha razão.

O Domingos Faria escreve aqui acerca do “problema lógico” do dogma da Trindade na Igreja Católica. Em analogia, vou falar aqui do problema lógico das partículas elementares e das ondas subatómicas, segundo a Física mais actual. Ou seja, se existe um problema lógico no conceito de Santíssima Trindade, também existe um problema lógico na ciência actual.


1/ As partículas elementares a que hoje chamamos de “fotões” são partículas sem massa e que viajam no espaço sempre à velocidade da luz.

2/ Na medida em que toda a matéria tem massa — ou, utilizando a terminologia de Kant: na medida em que a massa é a condição da matéria —, os fotões (a luz) não são matéria. Ou seja, existe uma realidade “material”, e uma outra “não material”.

3/ Mas os fotões (luz), e as ondas de probabilidade, são simultaneamente partículas elementares subatómicas e ondas de probabilidade (sem massa). À luz da Lógica macroscópica, esta contradição é insanável, porque atenta contra os princípios lógicos do pensamento. O estudante de Física que diga que percebeu a quântica, não percebeu nada — a não ser que dispa a Lógica macroscópica e vista uma outra Lógica, mais abrangente.

4/ As partículas elementares (que têm massa) podem ser ondas (que não têm massa) ao mesmo tempo. Se o leitor ou o Domingos Faria têm dúvidas acerca do que afirmo, perguntem ao Carlos Fiolhais, por exemplo. As “ondas”, a que me referi, e segundo a física quântica, não são, porém, autênticas ondas tridimensionais, como são as ondas do som ou da água.

5/ Perante a dificuldade lógica de definir o conceito daquilo que não é matéria (a onda de probabilidade quântica), a física quântica recorre à noção de “abstracto”: segundo a física quântica, as ondas de probabilidade quânticas são “quantidades matemáticas abstractas” com todas as propriedades características das ondas,  que estão relacionadas com as probabilidades de encontrar as partículas elementares em pontos particulares do espaço e em um tempo determinados.

6/ A noção de “quantidades matemáticas abstractas” é uma forma que a ciência, escorada na Lógica, encontrou para conceber aquilo que não é lógico (que é contraditório) do ponto de vista macroscópico. Ou seja, a matemática, não só penetrou na imanência, mas também dá-nos um vislumbre da transcendência através do conceito de “infinito” onde todas as leis da Física se anulam (por exemplo, na noção de “singularidade”). Para o cidadão comum, a noção quântica de “quantidades matemáticas abstractas” pode ser considerada um dogma ou uma “invenção humana”.

7/ A noção de “Santíssima Trindade” é uma noção constante da noção de “Deus para mim”, ou seja, das propriedades que Deus possui no “encontro comigo” e às quais me revela.

Por outro lado, a interpretação (humana) do Todo não é um trabalho conceptual (elaboração de conceitos) que um ser humano tenha que levar a cabo, mas também não é um trabalho em relação ao qual tenha que desistir (como defende o Positivismo). A interpretação do Todo (da Realidade) há muito que faz parte da existência humana, antes de serem colocadas questões filosóficas e metafisicas.

Mas, sendo que a razão se baseia na construção de conceitos, se a interpretação significasse apenas algo como uma dedução conceptual de novos conceitos a partir de conceitos anteriores (modus ponens), então qualquer tentativa de interpretar o Todo seria inútil. A física quântica, através do conceito de “quantidades matemáticas abstractas” e da complementaridade  onda/partícula, (por exemplo), colocou em causa a Lógica clássica e desvendou uma Nova Lógica que abrange a Lógica aristotélica.

8/ Nas “Confissões”, Santo Agostinho utiliza símbolos — tal como a física quântica utiliza símbolos para exprimir a contradição lógica do subatómico — para exprimir a significação do conceito de Santíssima Trindade: a realidade do ser humano também deve ser encarada como uma realidade trinitária; nós somos (Deus Pai), nós amamos (o Filho ou Logos), e nós conhecemos (Espírito Santo); nós experimentamo-nos a nós próprios e ao mundo da perspectiva da primeira pessoa (eu sou), na perspectiva da segunda pessoa (eu amo um tu), e da perspectiva da terceira pessoa (eu conheço um ele, uma ela ou uma coisa).

Pode-se dizer que, para nós, a Realidade é uma espécie de tripé. O nosso mundo constrói-se a partir do eu (a consciência), do tu, e das coisas. Estas três categorias são como uns “óculos” que eu coloco para poder “ver” a Realidade; e sem esses “óculos”, não vejo nada; e a Realidade aparece-me nesta trindade: é sempre o mesmo mundo, que é único, mas eu tenho uma tríplice relação com ele.

Sábado, 14 Maio 2016

A herança céltica marcou a viragem do paganismo para o Cristianismo na Europa

Filed under: Europa — O. Braga @ 10:45 am
Tags: , , ,

Um monge que nasceu na região dos Brigantes, (de origem celta), em Inglaterra, e de seu nome Beda, ou Beda Venerabilis, ou Santo Beda (canonizado pela Igreja Católica), escreveu na sua obra-prima “História da Igreja”, na primeira metade do século VIII, sobre um episódio sobre a decisão tomada em 627 d.C. por um rei de origem celta, acerca da adopção ou rejeição do Cristianismo.

Um dos filhos do rei celta disse ao pai:

“Meu rei, a vida actual das pessoas na Terra, em comparação com aquele tempo que nos é desconhecido1 , parece-me semelhante aos momentos em que tu te sentas à mesa com os teus príncipes, no Inverno. A lareira está acesa e aquece a sala, mas, lá fora, ruge uma tempestade de neve.

De repente, vem um pardal e voa rapidamente pela sala — entra por uma porta e sai por outra.

Enquanto está dentro da sala, fica protegido da tempestade de Inverno. No entanto, depois de ter voado pelo pequeno espaço agradável, desaparece dos teus olhos e regressa ao Inverno. Assim, também esta vida é apenas como um único momento. Não sabemos o que lhe antecedeu, nem o que se lhe segue. Portanto, se esta nova religião2 nos proporcionar uma maior certeza sobre isso, em minha opinião, é correcto segui-la”.

Foi assim que os descendentes do povo celta dos Brigantes se converteram ao Cristianismo, deixando o paganismo — usando a inteligência que caracteriza os celtas. Obviamente que esta estória é mítica, mas um mito não é necessariamente falso.


celtas-de-mirandaEu nasci no norte de Portugal, toda a minha família ancestral, desde o princípio da nacionalidade (pelo menos) é oriunda do norte de Portugal entre o rio Douro e o rio Minho.

Nesta região, a origem étnica primordial é céltica. Depois vieram os romanos, que se estabeleceram mais na zona centro do país do que no norte. Mais tarde vieram os suevos (uma elite de cerca de 30 mil) que dominaram a população celta no norte de Portugal (com a capital sueva em Braga), e mais tarde os visigodos, oriundos de Espanha (cerca de 100 mil, com a capital em Toledo, Espanha), dominaram os suevos mas não emigraram em massa para o norte de Portugal (a influência étnica visigótica no norte de Portugal é pouco relevante).

Para além do norte de Portugal, existem na Europa outras nações celtas, a ver: a Galiza (Espanha), Astúrias (Espanha), Bretanha (em França), Gales (Reino Unido), Cornualha (Reino Unido), Ilha de Man (Reino Unido), Escócia (Reino Unido), e Irlanda.


Notas
1. o passado primordial, e o tempo de antes do nascimento da pessoa
2. o Cristianismo

Segunda-feira, 9 Maio 2016

A Esquerda anticatólica

 

“El presidente de Castilla-La Mancha, el socialista Emiliano García-Page, asistió el pasado jueves a la entrega de los Premios Internacionales de Traducción Rey Abdulá ben Adbelaziz, concedidos por Arabia Saudí, que en la edición de este año se han entregado en la ciudad de Toledo, cuya Escuela de Traductores se ha contado entre los galardonados en esta séptima edición”.

burka-socialista

Domingo, 17 Abril 2016

Música desta só foi possível ser criada graças ao Cristianismo

Filed under: Religare — O. Braga @ 7:26 pm
Tags: ,

 

Não se ouve música desta qualidade em nenhuma outra civilização.

Quinta-feira, 7 Abril 2016

O neomarxismo do papa Chico

 

“Noi possiamo fare accordi, una certa pace… ma l’armonia è una grazia interiore che soltanto può farla lo Spirito Santo. E queste comunità, vivevano in armonia. E i segni dell’armonia sono due: nessuno ha bisogno, cioè tutto era comune.

In che senso? Avevano un solo cuore, una sola anima e nessuno considerava sua proprietà quello che gli apparteneva, ma fra loro tutto era comune”.

papa Chico

papa-freak-webO papa Chico refere-se às comunidades dos primeiros cristãos. Vamos traduzir a última parte, a negrito: “Tinham um só coração, uma só alma, e ninguém se considerava proprietário daquilo que lhe pertencia, mas então todas as coisas eram comuns”.

Este é o argumento utilizado sistematicamente dos neomarxistas ditos “católicos”, como por exemplo Frei Bento Domingues ou Anselmo Borges.

Convém, contudo, dizer o seguinte: os historiadores (Boak, Russell, MacMullen, Wilken) apontam para uma população total de cerca de 60 milhões de pessoas em toda a área do império romano, após a crucificação de Jesus Cristo. O Cristianismo então nascente é considerado um fenómeno sociológico, que passou de 1.000 seguidores (no total) no ano 40 d.C., para 7.500 no ano 100 d.C., 218.000 no ano 200 d.C., e seis milhões no ano 300 d.C..

Quando as comunidades cristãs atingiram as muitas centenas de milhares de pessoas, o comunitarismo de que fala o papa Chico deixou de ser possível, em termos práticos, nas diversas comunidades cristãs no império romano.

Ou seja, o comunitarismo cristão do “tudo em comum”, segundo o Chico, só foi praticamente possível enquanto a população cristã total, e em todo o império romano, era apenas de alguns milhares — no primeiro e parte do segundo século da nossa Era.

Portanto, a alegoria do “tudo em comum dos primeiros cristãos” é um sofisma do papa-açorda Francisco; é um engano; o Chico está a tentar enganar os católicos. O papa Chico é um aldrabão que esconde as suas ideias comunistas por detrás do Cristianismo.

Quarta-feira, 6 Abril 2016

As cartas deuteropaulinas

Filed under: curiosidades — O. Braga @ 11:18 am
Tags: ,

 

Um leitor fez a seguinte pergunta:

« Por que “autêntico S. Paulo”? Há um falso? »


As chamadas epístolas “deuteropaulinas” não foram escritas por S. Paulo, a ver:

Efésios, Colossenses, 2 Tessalonicenses, 1 Timóteo, 2 Timóteo, Tito.

As que não fazem parte desta lista foram mesmo escritas por S. Paulo. Porém, mesmo nas que se demonstrou terem sido escritas por S. Paulo, existem as chamadas “interpolações”, como por exemplo em 1 COR 14, 34-35 — ou seja, esta passagem de Coríntios 1 não é de S. Paulo.

As interpolações têm origem em notas marginais que os escribas mais tarde incorporaram no próprio texto, inserindo-as em alguns casos em um determinado lugar, e noutros casos, noutro lugar.

Segunda-feira, 21 Março 2016

O Frei Bento Domingues nega os símbolos do Cristianismo, substituindo-os por sinais

 

Quando lemos o que o Frei Bento Domingues escreve, temos que traduzir o texto, ou seja, temos que fazer a hermenêutica (mas não a exegese) do texto, porque ele esconde a sua (dele) intencionalidade nos passos perdidos das palavras.

fbd-2-webO Frei Bento Domingues escreveu este texto em que constata que o mundo está em desordem, para depois concluir que o lava-pés pascal do papa-açorda Francisco a mulheres, a muçulmanos e a refugiados é uma forma de combater a discriminação. Só falta ao papa-açorda Francisco lavar as patas aos ursos polares para assim contribuir para a soteriologia imanente do materialismo ecologista.

A ideia segundo a qual o mundo está em desordem baseia-se no princípio de que o mundo pode ou poderia estar em ordem (o ser humano só conhece a partir de contrários ou opostos). Mas quando os progressistas (como o Frei Bento Domingues) e os me®dia teceram loas à desordem da Primavera Árabe, o Frei Bento Domingues esteve calado — porque a Primavera Árabe era alegadamente uma “desordem boa”. Parece que, para o Frei Bento Domingues, há desordens boas ou más. Mas quando uma alegada “desordem boa” é causa de uma putativa “desordem má”, os progressistas ignoram ostensivamente o nexo causal, e defendem agora uma “ordem boa” em contraponto a uma “ordem má” que é aquela com que não concordam.

O Frei Bento Domingues parece ver o mundo de forma arbitrária, desligada de nexos causais; o bom e o mau são eleitos em função de cada momento (pensamento hegeliano, dialéctico); a História serve para ser desconstruída e para justificar as opções do dia-a-dia.


O Frei Bento Domingues diz implicitamente que Jesus Cristo discriminou as mulheres, e que o papa-açorda Francisco veio ao mundo para corrigir Jesus Cristo. O lava-pés de Jesus aos discípulos é alegadamente uma forma de discriminação sexista, e a missão do papa-açorda Francisco (entre outras) é a de chamar à atenção do povo para a estupidez de Jesus Cristo. O papa-açorda Francisco veio ao mundo para tomar o lugar de Jesus Cristo e fundar uma nova revelação.

O Frei Bento Domingues ignora a diferença entre “discípulos”, por um lado, e “apóstolos” (que podem ser mulheres), por outro lado; e ignora a condição ontológica do homem e da mulher, que são diferentes: não é só uma questão biológica, mas é também uma questão metafísica. Mas a metafísica do Frei Bento Domingues é imanente, e portanto não pode ter em consideração estas nuances esotéricas.

Quando Jesus Cristo escolheu discípulos (homens), não discriminou as mulheres, porque se assim fosse, a própria escolha daqueles (e não de outros) seria uma forma de discriminação — as ideias do Frei Bento Domingues, se levadas às suas últimas consequências, raiam o absurdo —; e porque a diferença entre homem e mulher não é apenas biológica, mas também metafísica (os budistas chamam “Kharma” a esta diferença metafísica, não só entre os dois sexos mas também entre indivíduos). Além disso, a história da Igreja Católica está repleta de apóstolas (mulheres) que assim cumpriram a sua missão na soteriologia transcendente (e não imanente, como a do Frei Bento Domingues).

O Lava-pés tem símbolos, e não sinais. O Frei Bento Domingues (e o papa-açorda Francisco) reduz a cerimónia a um conjunto de sinais. Os símbolos tem uma função esotérica, isto é, não podem ser mudados sem que se mude também aquilo que o símbolo representa (representação). Aos sinais, falta-lhes a participação no conteúdo do representado/simbolizado, porque, em regra, os sinais são escolhidos arbitrariamente (por exemplo, os sinais de trânsito).

A aleatorização da cerimónia do Lava-pés, por parte do papa-açorda Francisco, transforma os símbolos em sinais (escolhidos arbitrariamente), em nome de um conceito de “igualdade” que não pode existir enquanto tal (utopia), porque o sentido de um conceito só é definido por meio da experiência concreta.

Se levarmos o raciocínio do Frei Bento Domingues (e do papa-açorda Francisco) até às últimas consequências, então concluímos que Natureza discriminou o homem em relação à mulher, porque aquele não pode parir — o que é um injustiça imposta por Deus ao homem. A negação dos símbolos cristãos e a sua substituição por sinais conduz ao absurdo.

Domingo, 6 Março 2016

Descartes copiou Santo Agostinho, e a cultura dividiu a Europa

“Lutero só se deixa convencer pelas Escrituras e pela razão (plain reason). A experiência está omissa. Descartes vai pegar no argumento da razão para fazer o seu célebre exercício intelectual "Cogito ergo sum", penso, logo existo.”

Pedro Arroja

1/ Na “Cidade de Deus”, Santo Agostinho escreveu o seguinte:

“¿Quem quereria duvidar de que vive, se lembra, compreende, pensa, sabe ou julga? É que, mesmo quando se duvida, compreende-se que se duvida… portanto, se alguém duvida de tudo o resto, não deve ser dúvidas acerca disto. Se não existisse o Eu, não poderia duvidar absolutamente de nada. Por conseguinte, a dúvida prova por si própria a verdade: eu existo se duvido. Porque a dúvida só é possível se eu existo”.

Santo Agostinho antecipou, no século IV, a famosa ideia de Descartes do século XVII: “cogito, ergo sum”. Ou seja, basicamente Descartes copiou Santo Agostinho.

Descartes — assim como Kant — tem sido vítima de algumas acusações infundadas por parte de católicos; porque se queremos acusar Descartes do “cogito”, teremos que acusar, em primeiro lugar, Santo Agostinho.


2/ O protestantismo (Lutero) surgiu por questões políticas (inerentes à organização social e política dentro do Sacro Império Romano-Germânico), e por questões culturais. Das primeiras não vou falar aqui e agora. Sobre as questões culturais, invoco aqui o fenómeno cultural do carnaval.

O termo italiano carnevale deriva do latim dominica carnelevalis ou Domingo da quadragésima, que era uma festa que marcava, para o clero católico, a passagem do regime normal para o regime de penitência, e que significava a abolição da carne ou do peixe. Ou seja, carnevale significava a entrada no período temporal e sagrado da Quaresma, dando origem a outros termos vernaculares como antruejo, introitus, carême-entrant, etc. Não há nada que indique a existência do carnaval antes de 1200 d.C. .

Segundo o pregador alemão Johann Geiler von Kaysersberg, era mais difícil convencer o povo a fazer a abstinência e penitência durante o período de tempo que vai do dominica carnelevalis até à Quaresma, do que meter um cavalo num barco pequeno. Então, a partir de 1500, os ritos de dissolução, conhecidos entre o povo coevo como “carnaval”, passaram a ser particularmente cultivados — embora, já antes do século XVI existissem regiões da Europa onde o clero já teria conseguido, com maior ou menor sucesso, introduzir entre o povo a abstinência e penitência da Quaresma.

Porém, o carnaval não se propagou por toda a Europa católica: por exemplo, no noroeste de França e na província francesa da Bretanha, em Inglaterra, na Holanda (excepto na fronteira com a Bélgica), na Alemanha do norte e na Escandinávia, não existe alguma tradição do carnaval. De modo diferente, o carnaval disseminou-se em regiões como Itália, Espanha, Portugal, a maior parte da França, uma grande parte da Alemanha com fulcro na Baviera, e na Grécia.

A razão desta diferenciação cultural (e aqui chamo à atenção para aquilo que é, erroneamente, considerado como sendo uma diferença entre protestantes e católicos) tem a ver com a história da tradição da penitência nas diversas regiões da Europa, e com a forma como a cultura romana influenciou ou não essa tradição da penitência.

Nas regiões do norte e noroeste da Europa comia-se, na Idade Média, panquecas na Terça-feira Gorda, e não se celebrava o carnaval porque eram regiões onde as taxas (impostos) de penitência eram pacificamente aceites, e onde a confissão e a penitência eram vistos como assuntos privados e pessoais — ao contrário do que acontecia nas regiões da Europa mais influenciadas pela cultura romana, em que o processo litúrgico da penitência pública (e não privada) era uma tradição cultural especifica.

A partir do início do século XIII, o carnaval apareceu nas regiões de maior influência cultural romana, onde a tradição da confissão pública e da penitência foi sendo progressivamente abandonada em favor do avanço de uma maior privacidade e privatização.

Em suma: para além das questões políticas relacionadas com a unificação da Alemanha, por um lado, e com a guerra alemã contra o centralismo de Roma que absorvia recursos financeiros, por outro lado — temos as questões culturais. As tradições dos povos da Europa não eram todas iguais, e por isso o catolicismo não podia ser seguido da mesma forma por todos.

 

Página seguinte »

O tema Rubric. Create a free website or blog at WordPress.com.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 786 outros seguidores