perspectivas

Quarta-feira, 8 Julho 2020

¿Se formos abordados pela polícia, seja por que motivo for, podemos filmar com o nosso telemóvel a acção da polícia?

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 7:02 pm

Hoje fui abordado por um polícia que me maltratou verbalmente (o agente da PSP Carlos Pinto, de Vila Nova de Gaia). Ameacei que começaria a filmar (com o telemóvel) a conversa, ao que ele me respondeu que me apreenderia (cassaria) o meu telemóvel se eu tentasse filmar a conversa entre nós.

¿Será que o referido polícia agiu de forma legal?


Não há absolutamente nada no Código Penal que puna uma qualquer filmagem em local público para efeitos de auto-defesa da pessoa que filma.

Uma coisa são os crimes contra a reserva da vida privada (Capítulo VII do Código Penal); outra coisa, bem diferente, é captação de imagens em local público, tendo como intenção uma possível auto-defesa.


Filmar a acção da polícia (fardada), em local público e enquanto funcionários do Estado, não é crime nem é ilegal.

A Laurinda Alves está racionalmente errada

Filed under: A vida custa,Anselmo Borges,catolicismo,Igreja Católica — O. Braga @ 12:59 pm

Eu não estou de acordo com a Laurinda Alves quando ela cita aquiescentemente um “teólogo” francês (hoje, damos um pontapé numa pedra e sai logo um “teólogo” da laia do Anselmo Borges).

1/ A ideia segundo a qual o conceito de “Deus” varia segundo as modas dos tempos, e que “o Deus de agora é melhor do que o Deus dos nossos avós” (falácia ad Novitatem), é uma rendição em relação à prevalência moderna da imanência no mundo; em consequência, a transcendência de Deus dissipa-se perante a força imanente das “modas de Deus”, que se sucedem.

2/ Há, no texto da Laurinda Alves, uma irracionalidade que é própria da visão feminina do mundo (em geral), e neste caso particular, da religião cristã. E essa irracionalidade não me agrada, de modo nenhum.

A própria “fé”sendo sinónimo de “confiança em Deus” — é uma expressão da racionalidade humana, e não um irracionalismo como defendem os “teólogos modernos” da laia de Anselmo Borges.

Segunda-feira, 6 Julho 2020

Ana Gomes e o “anti-futebolismo”

Se dependesse de gente como Ana Gomes ou/e José Pacheco Pereira, Portugal ficaria paralisado devido a um puritanismo ideológico que impediria qualquer desenvolvimento económico do país.

Este tipo de gente tem que ser afastado da política real.

 

Sexta-feira, 3 Julho 2020

A Gaja das Causas

 

GAJA DAS CAUSAS (SOCIAL JUSTIÇA GUERREIRA XXI)

Eu sou a Gaja das Causas (olá!)
E vou faltar a todas as aulas (ahn ahn)
Para te poder chamar Facho
Enquanto cozo a soja no tacho (uuuuu)
Para te poder chamar Facho
Enquanto cozo a soja no tacho (hmm hmm)

História não é comigo (ahn ahn)
Mas sei que o homem branco é o bandido (ya ya)
Racista, machista, fascista
E o meu jantar são pedras com alpista (hmmm)

Racista, machista, fascista
Queimar o porco capitalista (ai que bom…)
Não posso magoar animais (nao nao)
Só polícias, patrões e outros que tais (toma!)

Eu gosto é de vandalizar
Para quê arrendar, quando posso ocupar (é o direito à habitação)
Eu gosto é de vandalizar
Para quê arrendar, quando posso ocupar (é o direito à habitação)

(more…)

Quarta-feira, 1 Julho 2020

Eu lembro-me da Siderurgia Nacional.

Em Portugal havia uma empresa chamada Siderurgia Nacional (SN) que foi estatizada depois do 28 de Abril de Mil Novecentos e Troca o Passo; aquilo era um antro de comunistas. Embalados pelo nacional-porreirismo, os sucessivos governos socialistas “porreiros-pá” foram deixando os comunas tomar conta da empresa, e a tal ponto que os prejuízos acumulavam-se.

SN-webPara se libertar dos comunas e da dívida, houve um governo que vendeu a empresa portuguesa a uma outra empresa concorrente espanhola; e, depois, Portugal passou a importar de Espanha o aço de que necessita para poder viver.

Além disso, a SN tinha três fábricas de produção em Portugal (uma na zona de Lisboa, outra na zona do Porto, e outra na área de Aveiro), que geravam milhares postos de trabalho. Hoje, só resta a pequena unidade espanhola no Seixal e com uma produção muito restrita.

Uma das primeiras coisas que a empresa espanhola fez foi fechar as unidades de produção no Porto e em Aveiro. E Portugal passou a importar aço de Espanha. E um tal Alexandre Mota ficou muito feliz.

Eu não gosto de comunas, mas não fiquei feliz pela alienação da SN. "País sem siderurgia não é um país, é uma horta", disse o ministro da Economia de Salazar, Ferreira Dias. E eu concordo com ele.

Em contraponto, o Alexandre Mota prefere alienar empresas, para ver se consegue livrar-se dos comunas; mas, afinal, as empresas vão-se embora e os comunas ficam teimosamente por cá.

A T.A.P. (assim como era a Siderurgia Nacional) era uma empresa privada, antes do 28 de Abril de Mil Novecentos e Troca o Passo; mas o capital da empresa (antes de os comunas nacionalizarem a empresa) pertencia a empresários portugueses.

Porém, para o Alexandre Mota, o facto de o capital da T.A.P. ser de portugueses, ou não, não tem qualquer importância; o que interessa é vermo-nos livres dos comunas, e vender a T.A.P. ao desbarato a um qualquer Edge Fund americano que pretenda fazer uns patacos de circunstância. Que se foda a pátria.

A chamada “crise do capitalismo” é evidente, e é encarnada por gente da laia do Alexandre Mota. Esta gentinha está a dar cabo do capitalismo; até parecem aliados do Bloco de Esquerda!

Assim como a democracia representativa só funciona em função do Estado-Nação, assim o capitalismo necessita de um Estado de Direito e do Estado-Nação para poder ser plenamente produtivo. E quem disser o contrário disto é burro.

Quinta-feira, 25 Junho 2020

O “progresso” é isto (1)

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 10:51 am

«A society is in decay, final or transitional, when common sense has really become very uncommon. Straightforward ideas appear strange or unfamiliar, and any thought that does not follow the conventional curve or twist, is supposed to be a sort of joke.» G. K. Chesterton

PROGRESSO1-WEB

Quarta-feira, 17 Junho 2020

Black Lives Matter 2

Black Lives Matter

Filed under: A vida custa,Esta gente vota — O. Braga @ 6:24 pm

Segunda-feira, 8 Junho 2020

Entretanto, em Berlim…

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 3:57 pm

white-lives-matter-web

Entretanto, no Canadá…

Filed under: A vida custa,Esta gente vota — O. Braga @ 9:09 am

entretanto-canada-web

Quinta-feira, 4 Junho 2020

The Times They Are A-Changin’

Um tal Bernardo Blanco, ligado ao IL (Iniciativa Liberal), passou a “seguir-me” no Twitter; e — por uma questão de reciprocidade e não porque concorde com as ideias dele — coloquei-o na minha lista de “seguimento”.

Nisto estávamos, quando eu deixei de fazer parte da lista “tuiteira” do Blanco. Fui ver a página do IL (Iniciativa Liberal) no Twitter e deparei-me com este desenho infantil:

il-lgbt-web

Logo a seguir, deparei-me com esta notícia:

il-amn-web

É o desespero do Blanco e dos seus amig@s, que reflecte a realidade da contra-cultura no Ocidente.

CONTRA-CULTURA-web

Sábado, 30 Maio 2020

Não é um problema cultural — isso parece certo!

Filed under: A vida custa,Esta gente vota — O. Braga @ 10:42 am

PROBLEMA-GENETICO-WEB

Página seguinte »

%d bloggers like this: