perspectivas

Domingo, 27 Janeiro 2013

¿ “Eu moro em França”, ou “eu moro na França” ?

Filed under: acordo ortográfico — O. Braga @ 3:24 am
Tags:

Em português correcto, dizemos “eu vou para França”, ou “eu vou a França” — e não “eu vou na França”.

De modo semelhante é incorrecto dizer, em bom português, “eu moro na França”: em vez disso, deve-se dizer “eu moro em França”, porque se trata da versão culta da língua. Dizer, por exemplo, “eu moro na França” é próprio de um iletrado funcional e/ou de um subscritor do Acordo Ortográfico.

De igual modo, não é correcto dizer, como muitos brasileiros dizem e escrevem, “o Timor”. Por exemplo: O Timor foi uma colónia portuguesa”. E isto porque “Timor” é neutro em género (não é nem masculino nem feminino).

Exemplos correctos, segundo a versão culta da língua portuguesa:

“Eu moro em França” — e não “eu moro na França”.
“Eu moro na Alemanha.
“Eu moro em Inglaterra” — e não “eu moro na Inglaterra”.
“Eu moro em Timor” — e não “eu moro no Timor”.
“Eu morro em Marrocos — e não “eu moro no Marrocos”.
“Eu moro em Espanha” — e não “eu moro na Espanha”.
“Eu moro na Polónia”.
“Eu moro no Brasil”.
“Eu moro em Cuba” — e não “eu moro na Cuba”.
“Eu moro em Angola” — e não “eu moro na Angola”.
“Eu moro em Moçambique — e não “eu moro no Moçambique”.
“Eu moro em Portugal — e não “eu moro no Portugal”.

Etc.

Anúncios

5 comentários »

  1. No meu bom português, “a França” é um pais do género feminino. Se podemos beber um vinho “da França”, então podemos também morar “na França”.

    Comentar por José Silvestre Morais — Domingo, 27 Janeiro 2013 @ 4:24 am | Responder

    • Podemos falar num português de uma aldeia atrás do sol-posto, ou num português de emigrante, mas não estamos falar em bom português.

      A função de género não se aplica a todos os países. Existem excepções.

      Eu não bebo vinho da França: eu bebo vinho de França. Eu não bebo vinho da Espanha: eu bebo vinho de Espanha.

      Eu digo: De Espanha , nem bom vento, nem bom casamento” — e não digo: Da Espanha , nem bom vento, nem bom casamento”.

      Comentar por O. Braga — Domingo, 27 Janeiro 2013 @ 11:23 am | Responder

  2. Só um detalhe. Aqui no Brasil, até onde eu saiba costuma-se falar “eu moro em Cuba”, “eu moro em Angola”, “eu moro em Moçambique” e “eu moro em Portugal”.
    Mas eu infelizmente moro no Brasil mesmo, hahaha.
    Sério, viver em um país onde são assassinadas cinqüenta mil pessoas todos os anos nas ultimas duas décadas e a população simplesmente não ter um mínimo de reação que não seja a de tentar se esconder dos criminosos enquanto a imprensa e as autoridades dizem que não pode reagir em nenhuma hipótese e onde há certos setores dessa mesma mídia além de ONGs defensoras dos direitos humanos (ou seria direito dos manos) dos bandidos oprimidos e injustiçados… E para coroar temos o PT do “deus” Lula.
    Desculpe me pelo desvio de assunto.

    Comentar por Leonardo Barbosa — Domingo, 27 Janeiro 2013 @ 9:37 pm | Responder

  3. Se o país é precedido do artigo definido, não compreendo a razão por que o mesmo artigo deve ser omitido com a preposição “em”. Se se diz a França, a Espanha, a Alemanha, a Inglaterra, então, segundo a lógica, vem na França, na Espanha, na Alemanha. No caso de não haver o artigo, como em Portugal e Timor, então, na mesma lógica, vem em Portugal, em Timor.

    Comentar por António Manuel Veríssimo Vieira — Quarta-feira, 19 Agosto 2015 @ 9:26 pm | Responder

    • Pela sua lógica, deveria escrever-se “ele vem na Angola”, porque Angola também poderia ser “precedido do artigo definido” — em vez de “ele vem a Angola”.

      Por que razão “Angola” não é habitualmente precedido de artigo definido? Por pura convenção culta da língua.

      Outro exemplo que pode ser “precedido do artigo definido”: A Polónia. Mas não se diz “eu moro em Polónia” !

      A tradição culta da língua não segue “lógicas” do género que você referiu. Tem a ver com o “som” da língua que caracteriza o português que é uma língua poética por natureza.

      Se se convencionou que “Angola” não tem artigo definido — mas “Alemanha” já tem!, por exemplo —, você não pode banir umas convenções e adoptar outras porque lhe apetece.

      Comentar por O. Braga — Quarta-feira, 19 Agosto 2015 @ 10:21 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.