perspectivas

Sexta-feira, 31 Outubro 2014

Leitura necessária no único jornal independente de Portugal

Filed under: Igreja Católica — O. Braga @ 6:57 pm
Tags: ,

 

“O Papa Francisco, que se sentou na cadeira de São Pedro com um sorriso angélico de conciliador, começa a dar sinais de estar refém dos ‘lobbies’ radicais da Igreja. A nova moda no Vaticano, agora, é “sanear” quem não concorda com a “modernização”, o divórcio e os “casais gay”. O PREC instalou-se na Cúria Romana.”

“Saneamentos” de esquerda já chegaram ao Vaticano

O papa blasfemo

Filed under: Igreja Católica — O. Braga @ 3:37 am
Tags: ,

 

Usar o nome de Jesus Cristo para respaldar a violência e o crime em nome da “defesa dos pobres”, é o que este papa blasfemo está a fazer:

“Chamam-me de comunista, mas é Jesus que ama os pobres”cardeal Bergoglio

Jesus Cristo nunca defendeu a ideia de que os pobres deveriam assaltar e roubar a caixa de esmolas do templo. O papa deveria ter referido o exemplo de Judas Iscariotes que é, aliás, o modelo que ele segue. Um papa que incita à violência política é um papa blasfemo.

A verdadeira doutrina social da Igreja Católica passa pela tomada de consciência de toda a sociedade para o problema da pobreza, porque só desta forma será possível mitigar (mas nunca resolver totalmente) o problema. Mas o cardeal Bergoglio — aka “papa Francisco” — prefere acicatar os ânimos e semear a violência política; e ele chama a isso “doutrina social da Igreja”.


O filósofo Eric Voegelin escreveu o seguinte, a propósito do sofrimento no mundo:

« Quando o coração é sensível e o espírito contundente, basta lançar um olhar sobre o mundo para ver a miséria da criatura e pressentir as vias da redenção; se são insensíveis e embotados, serão necessárias perturbações maciças para desencadear sensações fracas.

É assim que um príncipe mimado se apercebeu pela primeira vez de um mendigo, de um doente e de um morto ― e tornou-se assim em Buda; em contrapartida, um escritor contemporâneo vive a experiência de montanhas de cadáveres e do horroroso aniquilamento de milhares de indivíduos nas conturbações do pós-guerra na Rússia ― e conclui que o mundo não está em ordem e tira daí uma série de romances muito comedidos.

Um, vê no sofrimento a essência do ser e procura uma libertação no fundamento do mundo; o outro, vê-a como uma situação de infelicidade à qual se pode, e deve, remediar activamente. Tal alma sentir-se-á mais fortemente interpelada pela imperfeição do mundo, enquanto a outra sê-lo-á pelo esplendor da criação.

Um, só vive o Além como verdadeiro se ele se apresentar com brilho e com grande barulho, com a violência e o pavor de um poder superior sob a forma de uma pessoa soberana e de uma organização; para o outro, o rosto e os gestos de cada homem são transparentes e deixam transparecer nele a solidão de Deus. »

Quinta-feira, 30 Outubro 2014

¿Qual a diferença entre a pseudo-ciência que o David Marçal critica, e o cientismo que ele perfilha?

Filed under: Ciência — O. Braga @ 6:23 pm
Tags: , ,

 

Praticamente nenhuma.

O cientismo é a atitude intelectual que se desenvolveu a partir da segunda metade do século XIX e que concede um valor absoluto ao progresso científico. O cientismo concede à ciência o monopólio do conhecimento verdadeiro e atribui-lhe a capacidade de resolver progressivamente todos os problemas que se apresentam à Humanidade. A noção de cientismo foi fundada por Augusto Comte, com o Positivismo.

A pseudo-ciência ignora o nexo causal dos fenómenos da realidade macroscópica que é produto da acção da Força Entrópica da Gravidade; o cientismo ignora ostensivamente o indeterminismo a-causal que é característico da realidade microscópica condicionado pela Força Quântica.

A diferença entre o cientista Carlos Fiolhais e a teóloga Teresa Toldy

Filed under: Ciência,Igreja Católica — O. Braga @ 9:41 am
Tags: , , ,

 

“É precisamente este “casamento” entre religião e ciência que incomoda Carlos Fiolhais, físico e um dos mais conhecidos divulgadores científicos portugueses. “Isso é um pouco mais perigoso. O perigo está em uma pessoa querer ir buscar à ciência fundamentos para a crença”, explica. “A crença em Deus, segundo penso, radica num ato que de modo algum tem sustentação científica. A fé, a crença, é um salto, que algumas pessoas conseguem dar e outras não, que é um impulso para o desconhecido. Fé é querer o desconhecido.”
Carlos Fiolhais

Eu não estou totalmente de acordo com o Carlos Fiolhais ; mas não é isso que está agora aqui em causa. O que interessa agora é que Carlos Fiolhais tenta basear-se em factos para defender a sua tese: o que conta é a forma de raciocinar de Carlos Fiolhais.

“Teresa Toldy, teóloga e professora universitária, também entende que “o discurso religioso é uma coisa e o discurso científico outra”. Mas não considera que o Papa Francisco estivesse a tentar encaixar as duas variáveis numa só”. Acho que o que ele está a dizer é que uma não é incompatível com a outra”, defende.”

A teóloga especula sobre a putativa e eventual intencionalidade das palavras do papa. Ela não fala de factos: interpreta subjectivamente aquilo que ela pensa que o papa quereria eventualmente dizer.

Isto não significa que todos os teólogos e filósofos utilizem o mesmo método de análise da teóloga Teresa Toldy. O que se quer dizer é que o argumento da teóloga Teresa Toldy não é válido. Quando interpretamos as palavras de alguém, devemo-nos basear em factos objectivos (no sentido puro das palavras, evidentemente intersubjectivas e de acordo com o senso-comum) e não (apenas) na nossa subjectividade.

“Interpretar” não é necessariamente “adulterar” ou “enviesar” ou “subjectivizar”.


Carlos Fiolhais está errado quando diz que “o perigo está em uma pessoa querer ir buscar à ciência fundamentos para a crença.”

Em primeiro lugar, a ciência é baseada em crenças. Por exemplo, quando a ciência diz que “a lei da gravidade se aplica igualmente em qualquer parte do universo”, trata-se de uma crença porque não há nenhuma verificação empírica desse facto. Este assunto “daria pano para mangas”. Em última análise, até o empirismo é uma crença.

Em segundo lugar, não há nenhuma incompatibilidade no facto de a ciência corroborar a religião (ou a metafísica). Trata-se de “corroborar”, e não de “fundamentar” como diz Carlos Fiolhais. “Corroborar” não é a mesma coisa que “fundamentar”. De modo semelhante, a religião (ou a metafísica) pode também corroborar a ciência (ou teorias científicas).

O problema do papa é que ele não quis corroborar coisa nenhuma. Como é costume nele, só disse asneiras.

A brutalidade e a desumanidade de Passos Coelho

Filed under: josé sócrates,Passos Coelho — O. Braga @ 7:11 am
Tags: , ,

 

“A casa onde vive com três filhos e duas netas vai hoje a leilão por uma dívida do Imposto Único de Circulação.

Ana Dias (nome fictício) deve 1.900 euros ao Fisco, de Imposto Único de Circulação (IUC), porque há cerca de cinco anos mandou abater os dois carros da família e não deu baixa nas Finanças. “Eu sei que a culpa é minha, que devia ter dado baixa dos carros nas Finanças. Mas na altura nem me lembrei disso, não tive o cuidado de pedir os papéis na sucata. Não foi por mal”, justifica.

Às dívidas do IUC, não mais de 500 euros, somam-se agora as coimas avultadas. Diz que não tem ninguém que lhe possa emprestar esse dinheiro. Ana Dias tem 52 anos, é viúva e mãe de seis filhos. A casa, onde vive com três dos filhos e mais duas netas, é posta à venda hoje às 10 horas. A notícia chegou-lhe há um mês.”

Fisco vende hoje casa de família por dívida de 1.900 Euros


A Passos Coelho não chega o julgamento político nas próximas eleições: o que ele fez ao país, nomeadamente na área dos impostos, tem contornos criminosos.

Qualquer pessoa de bom-senso vê que a acção do fisco é desproporcionada — não só neste caso, mas em geral. “Sacar” uma casa de família por 1.900 Euros é uma brutalidade política, só comparável com a acção discricionária do Estado nos regimes totalitários.

Haveria outras formas de pagar a dívida, nomeadamente através de serviço comunitário. Mas a brutalidade do sistema fiscal, protagonizado por Passos Coelho, optou pela desumanidade própria dos regimes mais brutais que a História conheceu.

Passos Coelho representa o terrorismo de Estado em Portugal. E é nessa condição que ele tem que ser levado a tribunal por cidadãos organizados (como José Sócrates deveria ter ido a tribunal, embora por razões diferentes).

José Sócrates e Passos Coelho são duas faces da mesma moeda: gente sem escrúpulos e moralmente deficiente; psicopatas alcandorados ao Poder. Gente sem planta nenhuma, sem estrutura ética e intelectualmente débil.

Quarta-feira, 29 Outubro 2014

Já não aguento mais este papa !

Filed under: Igreja Católica — O. Braga @ 1:27 pm
Tags: ,

 

francisco-ambiguoO “papa Francisco” diz que “Deus não é um demiurgo” e que “o universo surgiu de um princípio supremo” (impessoal). Mais diz o “papa Francisco” que “Deus não é um ser divino”; e diz que “o evolucionismo darwinista não é incompatível com a Criação do universo” por parte desse deus que não é divino.

Quando um papa introduz na sua linguagem e no seu discurso o conceito de “demiurgo”, mesmo que seja para negar que Deus seja um demiurgo, afasta-se dos princípios fundamentais da teologia católica. Por outro lado, ao afirmar que “o universo surgiu de um princípio supremo”, o cardeal Bergoglio assume como boas as filosofias orientais imanentes e monistas; ou seja, esse “princípio supremo” presume-se que é impessoal. O “papa Francisco” coloca em causa o monoteísmo que é a essência do Cristianismo.

O bioquímico Michael Behe, no seu livro “A Caixa Negra de Darwin”, escreve o seguinte:

“Evolução é uma palavra flexível. Pode ser utilizada por alguém para designar uma mudança que ocorre no tempo, ou por outra pessoa para referir a descendência de todas as formas de vida de um antepassado comum, não se especificando o mecanismo dessa mudança.

No seu sentido biológico, contudo, a evolução designa um processo pelo qual a vida emerge da matéria não-animada e se desenvolve depois por meios naturais. Foi esse o sentido que Darwin emprestou à palavra e foi retido pela comunidade científica. É neste sentido que eu utilizo a palavra evolução ao longo deste livro.” — Michael Behe, in “A Caixa Negra de Darwin”, Editora Ésquilo, ISBN 978-989-8092-44-1.

Sempre que este papa fala, arrepiam-se-me os pêlos, porque ele é superficial e insipiente nas suas abordagens teológicas e filosóficas, e porque as suas ideias não coincidem integralmente com a doutrina milenar da Igreja Católica. Sinceramente, já não o suporto mais!

É claro que “evolução”, no seu sentido biológico dado por Michael Behe, é totalmente incompatível com o Cristianismo — seja este católico, protestante ou ortodoxo.


Se “evolução” é um processo através do qual Deus se apresenta no espaço-tempo, e por isso, se “evolução” subentende que o espírito, a alma e a razão são produtos de uma evolução segundo a lei divina (e não só a lei natural que é uma consequência da lei divina), então o termo “evolução” não representa qualquer problema.

Mas se o termo “evolução” for entendido em termos meramente biológicos e naturalistas, então, o facto da verificação da autoconsciência, por um lado, e a possibilidade de acesso à dimensão das verdades perenes, por outro lado, destrói este quadro e esta mundividência evolucionários.

Adenda: a ler: Jorge on Evolution

Terça-feira, 28 Outubro 2014

O Partido Socialista quer discutir o sexo dos anjos

 

“O PS quer que 17 de Maio passe a ser o Dia Nacional contra a Homofobia e a Transfobia. A data – que evoca o dia em que a Organização Mundial de Saúde retirou a homossexualidade da sua classificação de doenças, em 1990 – já é assinalada como Dia Internacional. O PS quer agora consagrá-la no calendário português.”

PS quer criar dia contra homofobia e transfobia

Até hoje, ninguém me conseguiu dar uma definição  de “homofobia”; e de “transfobia”, também não. Haja alguém, por favor, que defina “homofobia”, para eu poder ter uma noção. E o povo português também tem direito a uma noção de “homofobia”, e não a um mero conceito alargado e subjectivista.

Não havendo uma definição de “homofobia”, o Partido Socialista anda a discutir o sexo dos anjos. Ou seja, está a falar de algo que não se sabe bem o que é. O conceito abstracto de “homofobia” está a ser utilizado pelo Partido Socialista para enganar os portugueses e para desviar a atenção do povo em relação à realidade concreta e objectiva do país.

Segunda-feira, 27 Outubro 2014

Eu vou ter que dizer alguma coisa acerca das eleições no Brasil…

Filed under: Política — O. Braga @ 8:28 am
Tags: , ,

 

Não se pode desligar o que se passa no Brasil do que se passa no processo de controlo globalista. Dilma Roussef é apenas a ponta do aicebergue.

O Globalismo actua sempre de forma dialéctica: qualquer dos candidatos, Dilma ou Aécio, a serem eleitos, serviam os interesses dos globalistas, embora de maneira diferente — e não servem propriamente os interesses do Brasil. Ganhou Dilma e os mentores do globalismo estão satisfeitos, como ficariam satisfeitos se Aécio tivesse sido eleito.

Os globalistas actuam dialecticamente, em todo lado, da seguinte maneira: ou a sinificação (Dilma) ou a desnacionalização (Aécio). Os dois processos são sancionados pela plutocracia globalista.

Tanto num caso como no outro, a plutocracia globalista fica sempre a ganhar. Hoje, não existe nacionalismo político no Brasil; pode existir nacionalismo na cultura antropológica brasileira, mas a ruling class ou tende a um processo político de sinificação (Dilma) ou a um processo político de desnacionalização (a chamada “direita liberal”). Só o futuro poderá dizer qual dos dois processos políticos, minimamente controlados pelos globalistas, irá ter sucesso definitivo no Brasil.

O processo de sinificação, encarnado por Lula / Dilma, é o mais perigoso para o Brasil, porque tende a enquistar-se a si próprio e ao país. Apesar dos seus inconvenientes, a desnacionalização liberal teria a vantagem de tirar rapidamente o Brasil do seu actual estatuto global de “anão comercial”.

Através de argumentos ad Terrorem contra Aécio, Dilma nada mais fez do que continuar o processo de enquistamento do Brasil na cena internacional: esse enquistamento pode ser o prelúdio de um provável desenvolvimento da sinificação do Brasil.

“Sinificação” não significa que o Brasil se transforme em uma cópia fiel da China. Isso seria impossível.

O que é comum a todos os países, no processo de sinificação, é o desenvolvimento de uma qualquer forma absolutista de Poder “em nome do povo”, que em uma fase inicial pode utilizar as eleições para legitimar o enraizamento cultural da necessidade de um Poder político cada vez mais discricionário. O Brasil tem vindo a resistir a esse processo de sinificação, como prova o facto de Aécio ter tido uma votação próxima de Dilma.

Este processo político — de sinificação progressiva do Brasil — só poderá ser contrariado mediante um qualquer fenómeno político extraordinário que hoje não podemos prever. Hoje encontrei um texto no FaceBook que resume a realidade do processo de sinificação no Brasil:

“Ganhou a Dilma de novo.

O pobre não entrava na faculdade. O que o PT fez? Investiu na Educação? Não, tornou a prova mais fácil.

Mesmo assim, os negros continuaram a não conseguir entrar na faculdade. O que o PT fez? Melhorou a qualidade do ensino médio? Não, destinou 30% das vagas nas universidades públicas aos negros que entram sem fazer as provas.

O analfabetismo era grande. O que o PT fez? Incentivou a leitura? Não, passou a considerar como alfabetizado quem sabe escrever o próprio nome.

A pobreza era grande. O que o PT fez? Investiu em empregos e incentivos à produção e ao empreendedorismo? Não. Baixou a linha da pobreza e passou a considerar classe média quem ganha R$300,00.

O desemprego era grande. O que o PT fez? Deu emprego? Não. Passou a considerar como empregado quem recebe o “bolsa família” ou não procura emprego.

A saúde estava muito ruim. O que o PT fez? Investiu em hospitais e em infraestrutura de saúde, criou mais cursos na área de medicina? Não. Importou um monte de cubanos que sequer fizeram a prova para comprovar sua eficiência e que aparentemente nem médicos são. (Um já foi identificado como capitão do exército cubano)

Alguém ainda duvida que esse governo é uma tremenda mentira?”

Domingo, 26 Outubro 2014

Afinal, o Frei Bento Domingues já não gosta do “papa Francisco”. Amuou.

Filed under: Igreja Católica — O. Braga @ 6:52 pm
Tags:

 

“Não vale a pena dizer que isso não tem importância. Cada um ficará onde já estava. Os casais que se identificam com a doutrina da HV e a da Familiaris Consortio (J. Paulo II) suspenderam os seus receios. Quem aguardava, para já, uma alteração dessas posições, terá de esperar por melhores dias.”Frei Bento Domingues

Mais uma vez, o Frei Bento Domingues manifesta uma certeza do futuro: a inversão da percepção do tempo é uma característica da mente revolucionária. E a inversão da moral, também. Por exemplo, quando o frade utiliza o termo “casal” para uma associação sodomita entre duas avantesmas (que podem ser quatro ou cinco, dependendo da suruba). Na aldeia em que o Frei Bento Domingues nasceu e foi criado, aparentemente não havia casais de burros: era toda a gente inteligente — até os burros como ele.

Na sua obsessão dogmática político-ideológica pela “igualdade”, o Frei Bento Domingues vai ao ponto de dizer que o acasalamento (humano ou não) é um fenómeno de “privilegiados”…! — é que, “casal”, por um lado, e “acasalamento”, por outro lado estão intimamente interligados. Ora, que eu saiba, um par de homossexuais não acasala, embora o Frei Bento Domingues os considere como “casal”. Segundo o dicionário, “acasalamento” é o “acto de acasalar” que, por sua vez, é “juntar macho e fêmea para criação”.

(more…)

Sábado, 25 Outubro 2014

A lei 36/98 ou Lei de Saúde Mental

 

Trata-se de uma lei iníqua e monstruosa que só poderia ter origem em uma mente socialista.

A lei 36/98 (ver PDF) foi assinada pelo presidente da república socialista Jorge Sampaio durante o governo socialista de António Guterres. Os pareceres técnicos foram da lavra do psiquiatra socialista Daniel Sampaio, irmão do presidente da república socialista.

O Vítor Cunha, do blogue Blasfémias, traz aqui um assunto pertinente e que está ligado à lei socialista 36/98. O problema não está propriamente na área da psiquiatria, mas está sobretudo no facto de a lei criar um espartilho à acção da psiquiatria. O Direito não se deveria meter em áreas que não são da sua lavra.

A lei 36/98 faz com que alguém com uma neurose histérica, por exemplo, passe a ser tratada legalmente como se fosse esquizofrénica. Ora, uma neurose histérica não é uma esquizofrenia, embora uma neurótica histérica também recuse tratamento e não tenha plena consciência da gravidade do seu estado — embora esteja em um sofrimento psicológico atroz. A lei não distingue casos de mais gravidade e de menos gravidade, e trata todos os casos por igual.

Por outro lado, a lei dificulta, ou impossibilita mesmo, qualquer revisão de diagnóstico psiquiátrico quando a doente se encontra em tratamento ambulatório (fora de internamento em hospital) — uma vez que a doente passa a estar sob alçada de um tribunal.

Quando a máquina enferrujada da “justiça” entra na equação do processo de tratamento ambulatório, acontece uma certa inibição médica em relação a qualquer revisão de diagnóstico.

Ou seja, o primeiro diagnóstico saído do internamento compulsivo passa a ser de difícil modificação por parte do médico do ambulatório — não só porque existe uma resistência natural e corporativista em relação a um diagnóstico anterior de um profissional do mesmo ofício, mas sobretudo porque existe uma enorme inércia burocrática da “justiça” que é necessário vencer. O tribunal passa a ser uma espécie de “eminência parda” em todo o processo de tratamento médico, e inflexibiliza a acção médica.

Na prática, a lei 36/98 nega direitos essenciais e básicos ao doente. Por exemplo, ao incentivar o imobilismo do diagnóstico médico, não reconhece nem prevê a possibilidade de que o primeiro diagnóstico possa estar errado ou inadequado. Ao doente é negada qualquer tentativa de recusa racional do diagnóstico inicial, porque o estigma fica instalado através da intervenção ilegítima da lei. Trata-se de uma lei iníqua e monstruosa que só poderia ter origem em uma mente socialista.

Desabafo de cão

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 1:12 pm

 

Dantes, a gente arranjava um cão, punha-lhe uma coleira com o nome e dava-lhe uma vacina da raiva, e estava feito. Hoje temos que pagar uma série de vacinas e mais reforços de vacinas, desparatizações mensais, mais a vacina da raiva, temos que lhe meter um chip subcutâneo, registar o cão na Junta de Freguesia…

Um dia destes, e por este andar, vai ser obrigatória a pulseira electrónica para cães delinquentes, vai haver uma mesa de voto para canídeos, vamos ter que descontar para o SNS sobre o cão que temos, e vai haver um imposto de circulação canina (estou a dar ideias a Passos Coelho).

No meio desta estória, não sei bem quem é o cão.

Sexta-feira, 24 Outubro 2014

A ILGA Portugal, os me®dia, e a destruição linguagem

 

ilga filhos de gays

Repare-se na linguagem: “Portugal ainda não protege filhos de casais homossexuais”. Parece que os “casais” homossexuais dão filhos.

Um gay adopta uma criança, por exemplo, e automaticamente a criança passa a ser “filha” de outro gay com quem ele vive. Através da destruição da linguagem e do senso-comum, pretende-se a destruição da família natural.

Se um homem tem uma filha, essa filha tem uma mãe. E se uma mulher tem um filho, esse filho tem um pai. Mas o politicamente correcto elimina, da cultura, a noção de maternidade e de paternidade naturais. E os me®dia aplaudem. E depois temos toda a gente a dizer que existe uma crise de natalidade em Portugal.

Se um homem tem uma filha de uma mulher e depois casa-se com outra mulher, ninguém diz que a filha é da segunda mulher do referido homem. Mas se um gay tem um filho de uma mulher e depois “casa-se” com um outro gay, os me®dia e o politicamente correcto dizem que o filho é também do outro gay com quem ele vive. Os gays passam a parir pelo cu.

fascista familiar

Página seguinte »

Theme: Rubric. Get a free blog at WordPress.com

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 522 outros seguidores