perspectivas

Sábado, 23 Outubro 2021

Diogo Faro, o palhaço

diogo faro web

Um tipo que corrobora a política de propaganda dos me®dia, concorda com a política educacional das elites universitárias, com as posições políticas das multinacionais globalistas, e com a aculturação da elite de Hollywood… … e diz que faz parte da Resistência.

A economia socialista

carro novo web


greta-esperta-web


guterres-costa-taxamos o ar-web

Domingo, 17 Outubro 2021

O exemplo da política “ecológica” alemã que Portugal devera seguir: meia dúzia de bicicletas e “um mundo melhor”

A cidade alemã de Berlim é controlada politicamente pelo partido ecologista “Die Gruenen”, que resolveu mandar cortar 61 árvores de uma determinada rua da cidade, com o intuito de ali construir uma pista “ecológica” para bicicletas.

Depois de os “ecologistas” mandarem cortar as árvores, chegaram à conclusão de que não era necessário construir a pista para as bicicletas.

rua conde de avranches web

Ora, este é um bom exemplo que o Rui Moreira deveria seguir na cidade do Porto: não há nada mais “ecológico” do que cortar as árvores das ruas da cidade para construir pistas de ciclismo achinesadas por todo o lado.

Por exemplo, o ecologista Rui Moreira destruiu a beleza da rua Conde de Avranches, no Porto, para construir uma ciclovia por onde passam meia dúzia de bicicletas por dia! “Seis bicicletas por dia, e um mundo melhor …!”

O caso Selminho transformou o Rui Moreira em um “ecologista”, da noite para o dia. Ele há milagres do diabo…!

rua conde de avranches ecologica web

Segunda-feira, 4 Outubro 2021

Ó Abreu!: ¿o que é um “negacionista”?!

Temos aqui um Abreu a “tocar rabecão”, alegadamente contra os “negacionistas” — mas fico sem saber o que é um “negacionista”, na medida em que, ao Abreu, não lhe interessam as definições: a rabeca do Abreu pauta-se pelo toque de caixa da ideologia.

E mais, pergunto eu ao Abreu: ¿o que é a “extrema-direita”?

Sem estas noções bem claras nos nossos espíritos, ficamos todos — apenas e só — nos conceitos abstractos que (aparentemente) conduzem ideologicamente o Abreu.

pass-auf-ao-burro-webEsta coisa de dizer das pessoas, com quem nós não concordamos, que são da “extrema-direita” ou que são “fassistas”, é próprio de indigentes intelectuais.
Mas tratando-se de um professor universitário, a coisa assume um contorno muito mais grave. Naturalmente que, para o referido “lente”, quem discorda da mundividência dele deve ser interditado — começa a estar na moda, entre as “elites” na Europa, o modus operandi do Estaline que mandava internar em psiquiatria os dissidentes políticos.

A culpa não é dele: a culpa é de quem o fez professor universitário. Infelizmente, há muita merda como esta, por aí…

Napoleão dizia, e com razão, que “não devemos atribuir à psicopatia o que pode ser explicado pela malícia”.

Mas isso era o Napoleão, que tinha dois dedos de testa. Com “professores” destes, e em barda, estamos todos futricados. A criatura não consegue distinguir o insulto, por um lado, e a manifestação política entendida em si mesma, por outro lado — o que é sinal de cegueira ideológica asinina.

É perfeitamente possível realizar uma Manif política sem que os manifestantes incorram em ataques pessoais (insultos); mas o asno julgador confunde propositadamente as duas coisas — porque, no arquétipo mental do referido lente jumentil, a dissensão em relação a um qualquer intérprete do actual regime político é, em si mesma, entendida como um ataque ad Hominem.

É claro que quem insultou deve ser punido pela lei; mas não deve ser punido porque se manifestou publicamente contra o que o Ferro Rodrigues representa politicamente! — ora, o que aquela cavalgadura defende é que se puna o manifestante anónimo, por delito de opinião. Quando eu falo em “Totalitarismo de Veludo”, é também disto que se trata. Grande besta!

Segunda-feira, 20 Setembro 2021

O meu avô é homófobo…

… e como eu sou progressista, moderno e prá-frentex… — apetecia-me dar-lhe uns pontapés nos tomates, espetar-lhe a minha faca de cozinha no lombo, tirar-lhe o coração pelas costas, e estripá-lo como a um porco…! para depois poder aparecer nos me®dia globalistas e receber muitos aplausos!

jose cid homofobia web

Quarta-feira, 15 Setembro 2021

O vestido da Alexandria Ocasional-Cortex na gala do MET(E)

vestido da aoc web

Sábado, 4 Setembro 2021

¿O que existe em comum entre o Pacheco e o PAN? São perigosos!

O absurdo tomou conta da nossa realidade política, social e cultural — e a tal ponto que se torna penoso, até, escrever sobre ela, na medida em que devemos ter a preocupação de sintetizar a mensagem escrita, não a tornando complexa em um mundo controlado pelo minimalismo do Twitter e/ou do FaceBook. Ora, não há nada mais absurdo do que sintetizar o absurdo.


O Miguel Sousa Tavares escreve acerca do PAN – Pessoas-Animais-Natureza (ler em PDF); raramente estou de acordo com ele mas, desta vez, assino por baixo.

“Um partido, dito animalista, cujo fanatismo e ignorância podem conduzir à extinção de espécies animais e ao empobrecimento do mundo rural, podem afastar as pessoas da natureza como ela é, tornar as suas vidas mais pobres e mais tristes, é um partido perigoso.”


Ora, é disto que o José Pacheco Pereira não fala; mas desata aos berros por causa de um cartaz de campanha eleitoral da social-democrata Susana Dias (ler em PDF). E a razão é simples: o José Pacheco Pereira tem um arquétipo mental totalitário — o puritanismo pós-modernista, o gnosticismo actualizado.

susana dias sistema web

Para o Pacheco, não é incomum ou anormal que a Esquerda pretenda proibir tudo e mais alguma coisa; pelo contrário, o espírito puritano do Pacheco acha até normal que se proíba tudo com o que ele não concorde (sem qualquer consulta popular directa; o Pacheco é contra os referendos; o Pacheco é o “Rei-filósofo”, segundo Platão.

O Pacheco, para além de ser um dos mais activos comissários políticos do Totalitarismo de Veludo, assume o papel de “consciência ideológica” do Partido Social-democrata.

“… quando alguém de uma candidatura autárquica da Amadora coloca noutro município um grande cartaz a dizer "No dia 26 de Setembro o sistema vai tremer", este cartaz cujo conteúdo é tipicamente do Chega, mas não é do Chega, faz parte da natural liberdade de expressão que a democracia assegura. O problema é onde ele está: em frente da Assembleia da República. O "sistema" é aquilo que a Assembleia da República personifica, a democracia.”

Para o Pacheco, Democracia = Esquerda. São sinónimos.

jpp-marxTudo o que não seja da Esquerda é anti-democrático. Trata-se do maniqueísmo característico dos puritanos e gnósticos de todos os tempos — o maniqueísmo de que ele acusa a toda a gente que não é de Esquerda.

É surpreendente como aquela besta enganou tanta gente, durante tanto tempo. E não nos esqueçamos que foi o Cavaco Silva (acolitado pelo Pedro Santana Lopes) que o guindou na política.

Para o Pacheco, o “sistema” (que a Susana Dias critica) é a “democracia” que, por sua vez, é a “Esquerda”.

“Sistema” = Democracia = Esquerda.

Por isso, na visão míope do Pacheco, quem se atreve a criticar a Esquerda, está “tomaticamente” a condenar a própria “democracia”.

Há muito tempo que o Pacheco deveria ter sido sumariamente expulso do PPD/PSD — mas a cobardia política dos sucessivos dirigentes deste partido tem tido custos avultados, como podemos ver hoje com os números das intenções de voto.

O Pacheco, enquanto comissário ideológico do Politburo do P.S.D., pretende transformar este partido em uma espécie de “partido suplente do Partido Socialista” — e está a conseguir isso, através de uma estratégia de “agit-prop” repugnante.

Para o Pacheco, a democracia só existe se as diferenças ideológicas entre os vários partidos se resumem às diferenças de prioridades na acção política. Ou seja: “estamos todos de acordo, uns com os outros e em praticamente tudo — excepto no que diz respeito às prioridades na execução das várias políticas (com que todos concordamos)”. Para o Pacheco, é nisto que consiste a “democracia”.

jpp oposicao politica pacheco web

Sábado, 28 Agosto 2021

O cientismo estúpido do José Pacheco Pereira

O cientismo é a atitude intelectual que se desenvolveu a partir da segunda metade do século XIX e que concede um valor absoluto ao progresso científico 1 .

gouveia-e-melo-web

O cientismo concede à ciência o monopólio do conhecimento verdadeiro e atribui-lhe a capacidade de resolver progressivamente o conjunto de todos os problemas que se apresentam à Humanidade. A noção de cientismo foi fundada por Augusto Comte, com o Positivismo.

Como extremo oposto do irracionalismo, o cientismo é o racionalismo positivista levado ao seu máximo possível — não no sentido de positivismo absoluto que corrige a noção exclusiva de “sensível”, e que é característica do Positivismo de Augusto Comte; mas antes no sentido do exacerbar da influência do “sensível” no racionalismo.

O José Pacheco Pereira é um demagogo — a julgar por este artigo que publicou num pasquim qualquer (ler em PDF). É um demagogo, porque assume uma posição cientificista (cientismo) perante a ciência — exactamente porque (tal como os positivistas têm feito) ele politiza a ciência, ou seja, ele incorre no erro de que ele próprio acusa os ditos “negacionistas” de cometerem.

O Pacheco escreve:

“Mas o negacionismo é igualmente uma atitude política que deve ser tratada politicamente. Ele é um dos traços do actual populismo, que vive da desconfiança com os "poderosos", incluindo os cientistas e o saber, do mesmo modo que implica a não aceitação da autoridade democrática. Quando a mecânica do populismo do "nós" e "eles" se desloca dos alvos mais estritamente políticos, para a educação, a ciência, a segurança, a justiça, o grau de disfunção é consideravelmente maior. E mais, este populismo comunica entre si, o negacionismo tem fortes relações com o Chega, uma parte mais activa dos manifestantes contra as vacinas está nas manifestações do Chega, e partilha a mesma zanga e ressabiamento contra o mundo.”

Só uma mente distorcida e cristalizada (em um sistema ortorrômbico, ou triclínico), como é a do Pacheco, pode colocar em causa a necessidade da afirmação política do sentido crítico do cidadão.

O conceito de “negacionismo”, segundo o José Pacheco Pereira (e dos outros Comissários Políticos do Totalitarismo de Veludo), é ideológico no sentido da necessidade política de catalogação (ou de categorização) dos recalcitrantes, em relação ao carneirismo político próprio das atitudes colectivas e colectivistas. Só uma mente distorcida e cristalizada (em um sistema ortorrômbico, ou triclínico), como é a do Pacheco, pode colocar em causa a necessidade da afirmação política do sentido crítico do cidadão.

Finalmente: o Pacheco é “mais papista que o papa”; ou melhor, é mais defensor das “vacinas”de tipo mRNA do que a própria comunidade científica. Acima de tudo, o Pacheco revela um profundo desconhecimento da problemática das “vacinas”de tipo mRNA, que não são propriamente vacinas normais como as que nós todos já tomamos.

Quando o Pacheco mistura as vacinas normais (por exemplo, varíola, BCG, tétano, etc.), por um lado, com as “vacinas”de tipo mRNA, por outro lado, demonstra a sua ignorância (e estupidez) em todo o seu esplendor. E, ainda por cima, chama os outros de “negacionistas”.

jpp-vesgo-web


Nota
1. Segundo Karl Popper, o cientismo é a crença dogmática  na autoridade do método científico e nos seus resultados, que é totalmente errada porque é dirigida contra o método crítico da Ciência da Natureza ou contra os grandes cientistas.

Sexta-feira, 20 Agosto 2021

¿O que é que o “imunologista” Luís Delgado pensa do Paul-Ehrlich-Institut?

Filed under: Cuidado que esta gente tem opinião!,Esta gente vota — O. Braga @ 10:03 am
Tags:

Segundo o Paul-Ehrlich-Institut (Alemanha), as pessoas que foram inoculadas com a vacina mRNA correm sério perigo de vida (texto em alemão), a partir do Outono, quando se iniciar a gripe sazonal (texto em inglês).

Ou seja: a vacina mRNA pode desencadear um processo de aumento geométrico da carga viral na pessoa vacinada — exactamente o contrário do que é propalado pelas farmacêuticas multinacionais e pelos responsáveis políticos.

Cerca de 2,5 mil milhões de pessoas, em todo o mundo, tomaram a vacina mRNA, e ficarão praticamente indefesas aquando do início da próxima estação da gripe.

Naturalmente que o senhor “imunologista” Luís Delgado irá dizer que os tipos do Paul-Ehrlich-Institut são uma cambada de burros. Inteligentes, esses sim!, são o António Costa e o vice-almirante condecorado pelo palhaço Marcelo.

survive-wo-vaccines-web

Quarta-feira, 11 Agosto 2021

O burro José Manuel Oliveira Antunes e o COVID-19

Eu não sei se o José Manuel Oliveira Antunes entende alguma coisa de língua inglesa, mas seria aconselhável que alguém lhe traduzisse este vídeo — um médico americano especialista que demonstra que o Antunes é burrinho todos os dias.

Um dos argumentos mais utilizados pelos burros com alvará de inteligente — como é o caso do Antunes —, para justificar o carneirismo covideiro, é o de quemorriam 300 antes da vacina e agora só morrem 30”. Ou seja, depois de morrerem os velhos quase todos que tinham maleitas graves associadas, vem o burro dizer que “agora morrem 30 por causa da vacina”.

A vacina passou a ser uma espécie de placebo, uma forma de instrumentalização política da ciência.

Naturalmente que o burro jurista Antunes irá dizer que o referido médico imunologista não sabe nada do que diz. Faz parte do argumentário dos burros que escrevem no Observador. Grande burro!

Domingo, 8 Agosto 2021

O olhar esbugalhado do Bugalho

O Bugalho segue a tradição da Teoria Crítica: malha em toda a gente (ler em ficheiro PDF), a torto e a direito. Ele só não malha no Poder socialista — seguindo o bom exemplo do Pacheco; e por isso é que o Bugalho assume hoje um papel preponderante nos me®dia televisionados.

O Bugalho coloca Otelo Saraiva de Carvalho e André Ventura na mesma categoria política — o que é (para a casta socialista que nos desgoverna) genial!

Não é só o Bugalho que anda esbugalhado! É o próprio povo que se esbugalha com a merda dos me®dia que temos.

Terça-feira, 27 Julho 2021

Otelo, a audácia de mandar (matar e roubar)

Era suposto eu não dizer mais nada acerca do Otelo, mas este artigo (ver ficheiro PDF) de Eugénio Lisboa, publicado pelo Carlos Fiolhais (que devia ter um pouco de vergonha na cara) causou-me náuseas.

Especialmente dedicado ao professor Eugénio Lisboa, aqui vai a lista dos crimes do “herói Otelo”:

Sequência cronológica dos atentados

1980

  • Março – Formação da coligação Força de Unidade Popular;
  • 20 de Abril – Apresentação pública da organização Forças Populares 25 de Abril com o rebentamento por todo o país de dezenas de engenhos explosivos de fraca potência contendo o documento “Manifesto ao Povo Trabalhador”;
  • 3 de Maio – Assalto simultâneo a dois bancos no Cacém, Banco Totta e Açores e Crédito Predial Português que resulta na morte do soldado da GNR Henrique do Nascimento Hipólito, durante a confrontação com elementos da organização; Neste assalto foi roubado 5.141.982$00.
  • 9 de Maio – Assalto ao Banco Espírito Santos em Paço de Arcos e colocação de uma bomba- relógio contra o administrador da fábrica Alfa. Esta bomba não chegou a deflagrar.
  • 13 de Maio – Morte do militar da GNR Agostinho Francisco Ferreira, por tiros de pistola metralhadora, durante a detenção de elementos de um comando da organização em Martim Longo, Algarve;
  • 9 de Julho – Assalto ao Banco Borges e Irmão na Cruz de Pau. Neste assalto foram roubados 1.340.207$00;
  • Julho – Destruição por incêndio de viaturas da PSP;
  • 22 de Julho – Assalto à Conservatória do Registo Civil de Vila Nova de Gaia tendo sido roubados impressos para bilhetes de identidade;
  • 30 de Julho – Assalto ao Caixa Geral de Depósitos em Xabregas. Neste assalto foram roubados 113.500$00;
  • 12 de Setembro – Rebentamento de explosivos no consulado e na embaixada do Chile respectivamente no Porto e em Lisboa;
  • 4 de Outubro – Rebentamento de explosivos nas sedes dos ex-Comandos em Faro e Guimarães e Porto; esta associação era considerada pelas FP-25 como a tropa de choque das desocupações de terras no Alentejo;
  • 6 de Outubro – Assalto simultâneo a dois bancos na Malveira na sequência do qual são mortos três pessoas: dois elementos da organização mortos durante a fuga, (Vítor Oliveira David e Carlos Alberto Caldas) um morto por tiros de caçadeira por um comerciante local e outro linchado pela população. Nesse assalto viria ainda a morrer um cliente de um dos Bancos (José Lobo dos Santos), baleado na cabeça quando tentava desarmar um dos terroristas, ficando ainda feridos dois elementos da população local; Neste assalto foram roubados 2.854.822$00;
  • 5 de Novembro de 1980 – Troca de tiros com PJ na Cova da Piedade;
  • 24 de Novembro de 1980 – Assalto ao Banco Pinto e Sotto Mayor no Fogueteiro. Neste assalto foram roubados 3.200.787$00;
  • 28 de Novembro de 1980 – Tentativa de assalto ao Banco Totta e Açores em São Roque da Lameira, Porto. Na troca de tiros com a PSP é morto o terrorista Carlos Pé Curto. Na fuga os terroristas atiram uma granada para baixo de um dos carros da PSP, provocando ferimentos graves em dois agentes e seis transeuntes.

(more…)

Página seguinte »

%d bloggers like this: