perspectivas

Segunda-feira, 6 Agosto 2018

Pedro Santana Lopes vai “andar por aí”

Filed under: PSD,Santana Lopes — O. Braga @ 4:57 pm

 

psl-walkabout-web

Anúncios

Segunda-feira, 4 Junho 2018

O Rui Rio aliou-se à Esquerda na defesa do aborto, e agora diz que defende a natalidade

Filed under: aborto,ética,eutanásia,PSD,Rui Rio — O. Braga @ 9:45 pm
Tags:

 

Se há político desprezível, é Rui Rio. Mete nojo aos cães. Consegue ser pior do que o monhé.

Depois de se ter aliado ao Bloco de Esquerda na defesa do aborto, e depois de tornar vender a alma ao diabo na tentativa de legalização da eutanásia, o cabrão vem agora tentar limpar a sua (dele) imagem pública pútrida com uma pseudo campanha de defesa da natalidade.

O cabrão defende o aborto livre (pago com o dinheiro de todos os contribuintes), e depois diz que é preciso mais crianças.

Bardamerda para a avantesma. Puta-que-pariu!

rui-rio-wc-web

Quinta-feira, 31 Maio 2018

O Rui Rio identifica-se com a Esquerda utilitarista (herdeira de Bentham, o primeiro socialista)

Filed under: Esquerda,esquerdalho,eutanásia,PSD,Rui Rio,utilitarismo — O. Braga @ 12:20 pm

 

Não está aqui em causa a consciência de cada pessoa; o que está em causa é a afinidade política dos seis deputados do Partido Social Democrata que votaram a favor da eutanásia, a saber: Paula Teixeira da Cruz, Teresa Leal Coelho, Adão Silva, Cristóvão Norte, Margarida B. Lopes e Duarte Marques — e não falando nos três deputados do Partido Social Democrata que não votaram contra (abstiveram-se): Pedro Pinto, Berta Cabral e Bruno Vitorino. esquerda-psd

Por esse país fora, há muitos militantes e simpatizantes do Partido Social Democrata que não se revêem na mundividência de Rui Rio, como é o caso, por exemplo, do deputado municipal do PSD e militante da concelhia de Guimarães, José Couceiro da Costa — porque o que está em causa é a mundividência da pessoa inserida em um determinado movimento político.

Não é possível, em coerência, por exemplo, que uma pessoa seja militante do PSD e tenha uma mundividência que se identifique com a que é predominante no Bloco de Esquerda. Ora, a mundividência não se reduz apenas à concepção que se tenha da economia, porque a economia é uma consequência da mundividência. Reduzir a mundividência à economia é inverter o nexo causal da realidade; é como que se dissesse que a causa da existência da perna é o acto de andar; ou que temos olhos porque vemos.

O Bloco de Esquerda tem escrito nos seus estatutos que é um partido “anti-capitalista” (sic); mas trata-se de um anti-capitalismo utilitarista, na linha ideológica de Bentham, de Lukacs e de Marcuse; e o Partido Socialista não o diz claramente, mas é implicitamente um partido anti-capitalista. ¿Onde fica aqui o PSD de Rui Rio?

O Partido Comunista votou contra a legalização da eutanásia por duas razões principais: a primeira, liga-se com a mundividência herdada de Karl Marx, que dizia que “o utilitarismo é moral de merceeiro inglês” (sic). A ser coerente, um marxista não pode ser utilitarista. Em segundo lugar, porque a demografia eleitoral do Partido Comunista impele-o a não apoiar a eutanásia.

Mas ¿e o PSD de Rui Rio?

A mundividência é fundada em valores e convicções. E ¿o que são os “valores”? Os utilitaristas dizem que “os valores não existem por si mesmos”, e os realistas dizem que “os valores existem por si mesmos”: esta diferença de concepção dos “valores” também define a diferença de mundividências.

O valor é a qualidade das coisas, das personagens, das condutas, da acção, cuja conformidade em relação a uma norma — ou a sua proximidade em relação a um ideal — a tornam particularmente dignas de estima.

Para uma pessoa que não perfilhe o utilitarismo, por exemplo, a beleza de uma pintura tem um valor em si mesma, ou a justiça tem um valor em si mesma e não depende de uma qualquer utilidade. Tal como existe o axioma segundo o qual “o círculo tem um centro”, assim também existe sempre e é sempre verdadeiro, numa dimensão espiritual ― independentemente de o ser humano o reconhecer ou não ―, o valor da honestidade ou o da justiça (por exemplo); estes valores existem igualmente numa dimensão do “ideal”, independentemente do seu reconhecimento ou da sua aplicação moral.

Para Rui Rio, o conceito de “valor” reduz-se à economia, ao preço das coisas — como escreveu Óscar Wilde: “O cínico é aquele que conhece o preço de tudo e o valor de nada”. O utilitarista é necessariamente um cínico, no sentido dado por Óscar Wilde. Rui Rio não se dá conta de que, a montante da economia está a política, a cultura, a ética e a metafísica (e mesmo a eventual negação da metafísica é, ainda assim, uma forma de metafísica).

Se considerarmos as personalidades de Teresa Leal Coelho ou Paula Teixeira da Cruz, por exemplo, verificamos que as duas personagens se encaixam perfeitamente no ideário do Partido Socialista.

Se ambas pertencessem aos quadros do Partido Socialista, não admiraria a ninguém. Mas o Rui Rio afirma claramente que é a favor do capitalismo; ou, pelo menos, é o que se pensa dele, na opinião pública. Mas ¿será que o Rui Rio defende uma sociedade em que o capitalismo é o sistema económico desejado? Não me parece.

Para defendermos o capitalismo (ou seja, o liberalismo económico da escola escocesa de economia que teve o seu principal intérprete em Adam Smith) temos de saber qual foi a sua origem sociológica e cultural, e como evoluiu ao longo dos séculos. O capitalismo não pode ser a sua própria negação ideológica fundamental — que é o que defende o Rui Rio, talvez por pura ignorância. Não basta ser licenciado em economia para se saber automaticamente dos fundamentos (culturais, sociais, históricos) das teorias económicas.

JPP-ZAROLHO

Quando Rui Rio diz que “a eutanásia é uma questão de liberdade”, ou está a fazer de todos nós burros, ou é ele próprio um indivíduo naturalmente privado de liberdade devido a deficiência cognitiva congénita — o Adolfo Mesquita Nunes demonstrou, num artigo publicado algures, que a identificação da “eutanásia” com a “liberdade” é um sofisma para enganar os tolos, ou para os estúpidos se enganarem a si próprios.

O problema do Rui Rio é a sua mundividência; ele tem uma mundividência que se identifica com a Esquerda, e por isso é que o José Pacheco Pereira o defende tanto. O que não se admite é que o Rui Rio se identifique com a Esquerda (tal como acontece com o José Pacheco Pereira) e engane os militantes do PSD dizendo que ele próprio não é de Esquerda.

Terça-feira, 29 Maio 2018

Ó Rui Rio : vai pr’ó cara**o !

Filed under: eutanásia,PSD,Rui Rio — O. Braga @ 7:18 pm

 

Todos as propostas-de-lei da eutanásia foram chumbadas no parlamento. Ó Rui Rio, é tempo de ires embora; vai pr’ó caralho!

rui-rio-wc-web

Domingo, 18 Fevereiro 2018

A amálgama política portuguesa

Filed under: António Costa,Partido Socialista,PSD,Rui Rio — O. Braga @ 11:44 am

 

Conforme eu tinha previsto aqui, o Partido Social Democrata de Rui Rio não se distingue do Partido Socialista de António Costa.

bastonaria-psd-web

Sexta-feira, 12 Janeiro 2018

José Pacheco Pereira e a depuração necessária

Filed under: José Pacheco Pereira,PSD,Rui Rio,Santana Lopes — O. Braga @ 10:14 am

 

As declarações de hoje de José Pacheco Pereira aos me®dia, acerca de Pedro Santana Lopes, são a demonstração de que o Partido Social Democrata necessita urgentemente de uma depuração assim que Santana assumir o Poder. E que Rui Rio seria a perpetuação da influência do esquerdista José Pacheco Pereira no partido.

jpp-marx

Segunda-feira, 8 Janeiro 2018

Santana Lopes é medíocre, Rui Rio é péssimo

Filed under: PSD,Rui Rio,Santana Lopes — O. Braga @ 11:18 am

 

1/ O argumento das “boas contas”, a favor de Rui Rio e contra Santana Lopes, não serve; hoje, quem manda nas contas portuguesas é a União Europeia. Tanto faz estar lá o Rui Rio como o Santana Lopes: o Orçamento de Estado é previamente sancionado pela União Europeia.

2/ Votar em Rui Rio ou em António Costa é a mesma coisa. São ambos adeptos do politicamente correcto. São ambos revolucionários nos costumes e contra a tradição portuguesa.

3/ Santana Lopes é a favor do Acordo Ortográfico; Rui Rio também. Neste aspecto estão empatados.

4/ Rui Rio é de Esquerda; tem o apoio, por exemplo, de José Pacheco Pereira e de Manuela Ferreira Leite. Santana Lopes é liberal: do mal, o menos.

Domingo, 12 Novembro 2017

No PPD/PSD faltam tomates

 

Não me surpreendeu a posição do José Pacheco Pereira em relação o golpe-de-estado de Outubro de 1917 (a que os comunas chamam de “revolução”) patrocinado pelo império alemão, posição essa expressa neste artigo.

O que me surpreende é que no PPD/PSD não haja alguém com tomates para o colocar com dono.

O José Pacheco Pereira sempre foi um perfeito idiota (um produto político de Cavaco Silva que não fez o liceu); e com o avançar da idade vai ficando pior.

death-toll-communism-web

Sábado, 4 Novembro 2017

Rui Rio pertence à Esquerda

 

Ter Rui Rio como primeiro-ministro, ou ter António Costa, é praticamente a mesma coisa.

São ambos de Esquerda. Mais: a eventual eleição de Rui Rio a presidente do Partido Social Democrata cai que nem uma luva nos planos políticos de José Pacheco Pereira, que assim seria “recuperado” politicamente para o PPD/PSD.

Entre o Rui Rio e o Santana Lopes, venha o diabo e escolha; mas é preferível eleger “os violinos de Chopin”.

Segunda-feira, 2 Outubro 2017

Chegou o momento de expulsar o José Pacheco Pereira do Partido Social Democrata

Filed under: José Pacheco Pereira,partido social-democrata,PSD — O. Braga @ 9:56 am

 

José Pacheco Pereira rejubilou publicamente com a derrota do Partido Social Democrata nas eleições autárquicas. É insustentável que um Partido político mantenha, no seu seio militante, uma figura pública que se congratula com a derrota do Partido.

É tempo de o Partido Social Democrata “limpar a casa”; em um primeiro momento irá causar comoção (ou mesmo escândalo) política, mas o Partido beneficiará a médio prazo.

JPP-ZAROLHO

Quinta-feira, 21 Setembro 2017

Eu já baixei os braços. A única solução é o PNR (Partido Nacional Renovador).

 

Eu já baixei os braços — porque a luta ideológica não passa já por factos, por demonstrações lógicas, por verificação de nexos causais, pela ciência.

drag-culture-to-kids

left-freakHoje, a dinâmica política é totalitarizante, e temos que escolher entre o Bloco de Esquerda e Partido Comunista, por um lado, e o PNR (Partido Nacional Renovador), por outro lado. Tudo o que está no meio (ou no chamado “centro político”) está minado pelo marxismo cultural.

O terreno político está totalmente minado; por exemplo, ¿quem manda no CDS/PP?

Resposta: Assunção Cristas (que, por exemplo, defende “quotas de género” para as administrações das empresas privadas e públicas) e o Adolfo Mesquita Nunes (um fanchono que defendeu publicamente o "casamento" gay, a adopção de crianças por pares de invertidos e as "barriga de aluguer"). É esta a tipologia da Ordem no CDS/PP: longe vão os tempos de Manuel Monteiro.

Ora, o CDS/PP era suposto ser um partido da Não-Esquerda. O terreno está minado. A diferença ideológica entre o CDS/PP, por um lado, e o Bloco de Esquerda, por outro lado, não é tão grande como os me®dia nos querem fazer crer.

No Partido Social Democrata de Passos Coelho vive-se a “pluralidade”, que é uma forma de dizer que vingam quase sempre as teses ideológicas que estão na moda. Também no Partido Social Democrata o terreno está minado, com Teresa Leal Coelho, Paula Teixeira da Cruz, e merda quejanda. E no Partido Social Democrata impõe-se a espiral do silêncio em quem não concorda com algumas aberrações humanas que por lá pululam.

Eu não tenho dúvidas que chegará o dia em que o Bloco de Esquerda, por exemplo, irá impôr a mudança de sexo aos 12 anos, a despenalização e descriminalização da pedofilia, e a legalização da eutanásia a pedido do freguês. E o Partido Social Democrata e o CDS/PP protestam “para tuga ver”, mas anuem.

Cheguei à conclusão de que a única solução para o problema nacional é o PNR (Partido Nacional Renovador).

Sábado, 2 Setembro 2017

O gado vacum no Partido Social Democrata

Filed under: eutanásia,Paula Teixeira da Cruz,PSD — O. Braga @ 12:23 pm

 

No Partido Comunista é mais gado bravo; no Partido Socialista predomina o gado cabrum; no Bloco de Esquerda vê-se mais gado miúdo (por exemplo, cabritinhas esganiçadas); no CDS/PP é vulgar o gado de lã à espera de ser tosquiado; e o Partido Social Democrata é coutada de gado vacum.

“De um lado, a deputada do PSD e ex-ministra da Justiça Paula Teixeira da Cruz, a defender que a eutanásia é um “direito” da “vida humana”, e do outro, o deputado do PSD e médico, Ricardo Baptista Leite, a defender o “não”, reforçando antes o dever do Estado de assegurar os cuidados paliativos.”

A múmia que defende a eutanásia


O problema do Partido Social Democrata é o gado vacum. Enquanto não se apartarem as vacas, o partido não vai a lado nenhum.

gado-vacum-psd-web

Página seguinte »

Site no WordPress.com.