perspectivas

Quarta-feira, 14 Outubro 2020

Importem imigrantes em massa; e institucionalizem a eutanásia para todos e a pedido do freguês. E a viva a Geringonça !

Filed under: Bloco de Esquerda,Esquerda,esquerdalho,esquerdopatia,geringonça — O. Braga @ 5:36 pm

O Pacheco Pereira deve andar sorridente!

rua dos douradores 1 web

rua dos douradores 2 web

Sexta-feira, 11 Setembro 2020

A candidata digna de alcouce volta à carga

Filed under: Bloco de Esquerda — O. Braga @ 5:16 pm
Tags:

marisa_outdoor_web2

Quarta-feira, 9 Setembro 2020

A Mariana Mortágua mente descaradamente

Eu sou a favor de uma taxa única de IRS (por exemplo, 15% de imposto universal); ou, pelo menos, sou a favor de um escalonamento mínimo do imposto, com apenas três ou quatro escalões.

Ou seja, eu estou de acordo com a proposta do CHEGA em relação ao IRS.


Contudo, a Esquerda estatista opõe-se ao imposto único, como podemos ver pela opinião da Mariana Mortágua.

mariana-mortagua-irs-web

Mas ela mente, sem vergonha! O que ela esconde do público é o facto de o IRS não se aplicar a rendimentos até 650 Euros.


Por exemplo, “um trabalhador casado e com dois filhos que receba 800€”, segundo a proposta do CHEGA, irá pagar menos IRS:

  • 800 Euros – 650 Euros = 150 Euros

O imposto incide sobre 150 €, e não sobre 650 € como mente a Mariana Mortágua.

Ora, 15% de 150 € = 22,50 € de imposto, ou seja, 2,8% do salário bruto.


No caso de “um trabalhador casado e com dois filhos” que receba 3.600 € :

  • 3.600 € – 650 € = 2.950 €

O imposto incide sobre 2.950 €, e não sobre 3.600 € como mente a Mariana Mortágua.

Ora, 15% de 2.950€ = 442,50€, ou seja, 12,3% do salário bruto.


mariana_mortagua_webÉ preciso mudar Portugal. É preciso meter o esquerdalho no Tarrafal.

Segunda-feira, 7 Setembro 2020

O Bloco de Esquerda quer proibir as pessoas de pensar

Já vi, várias vezes, paneleiros em linha a afirmar que, segundo a lei portuguesa, “a homofobia é crime”; e invocam o artigo 240 do Código Penal.

A intenção da paneleiragem é a de inibir a livre opinião de quem não vê com bons olhos o acto de tomar no cu.

paneleiro_criminoso-web

O que a lei diz é que é ilegal incentivar a violência, ou apelar publicamente à violência, contra um ou vários indivíduos apanascados . Porém, no referido artigo aparece o conceito ambíguo de “discriminação”: ¿O que é “discriminação”?

A ambiguidade da lei consiste na ideia segundo a qual a “discriminação” pode decorrer do simples acto de pensar: o simples facto de eu pensar que “não gosto de rotos”, pode ser (alegadamente, e segundo o esquerdalho que fez esta lei) considerado como um acto de “discriminação”.

Ou seja: começa a ser proibido pensar.

Domingo, 6 Setembro 2020

É preciso retirar o Bloco de Esquerda do círculo do Poder, nem que seja à custa de violência extrema

“A criança é o corolário significativo do pai e da mãe, e o facto de se tratar de uma criança humana traduz o significado ancestral dos laços humanos que ligam o pai e a mãe. Quanto mais humana, e por isso menos bestial, for a criança, mais esses laços ancestrais são duradouros e adequados à ordem da natureza.

Por isso, não é um progresso na cultura e na ciência a tendência para enfraquecer esse vínculo primordial, mas antes o progresso deve ir logicamente no sentido de fortalecê-lo… Este triângulo de truísmos constituído pelo pai, pela mãe e pela criança, não pode ser destruído; só podem ser destruídas aquelas civilizações que não o respeitam.

→ G. K. Chesterton


Não há argumentação racional que possa ser utilizada contra a “irracionalidade” do Bloco de Esquerda, que controla o governo de António Costa — como é óbvio: o problema do “irracional” é o de que não é racional. Por exemplo, a argumentação racional de Tiago Abreu contra a eliminação, por parte do Estado bloquista, do estatuto cultural de “pai” e de “mãe”:

« Em vez de “pai”, o Estado Português decidiu por bem chamar-me “Primeiro Progenitor”. À mãe, já devem ter adivinhado, chamaram-lhe “Segundo Progenitor”. Mas ¿como pode uma criança nascer de dois progenitores em que um deles não seja o pai e outro a mãe? Se a ideia era a não discriminação de filhos adoptados, ou não gerados pelos pais, ¿não seria então muito mais sensato dar-se o nome de “pai” e “mãe”, seguindo o adágio popular de “pai é quem cria”?

Porque “progenitor” é precisamente aquele que gera, que procria e nos casos em que tal assim não foi, a neutralidade do nome “pais” seria muito mais adequada (e historicamente mais correcta).

Além disso, ¿a quem cabe por direito o lugar de “Primeiro Progenitor”? ¿Como se define a ordem hierárquica? Com “mãe” e “pai”, problemas desta natureza jamais se poriam. Não sei se a vontade dos pais entra na equação – suspeito que não –, mas se me perguntassem, eu gostava mesmo de ser pai. Primeiro ou Segundo (ou que número seja) Progenitor é muito deprimente.»

jf-revel-web


O Tiago Abreu demonstrou, no trecho, a irracionalidade e a auto-contradição da eliminação, por parte do Estado, do estatutos naturais de “pai” e de “mãe”.

Porém, a brutalidade do marxismo cultural (que o patético José Pacheco Pereira diz que “não existe”), protagonizada pelo Bloco de Esquerda, não ficará certamente por aqui: há que destruir qualquer tipo de ligação entre o ser humano e a Natureza — porque a coerência ontológica entre o Homem e a Natureza é, em primeiro lugar, uma salvaguarda contra a discricionariedade tirânica e absoluta dos novos gnósticos (os novos puritanos); e, por outro lado, a ligação entre o Homem e a Natureza é um Ersatz (um substitutivo simbólico) da ligação entre o ser humano e Deus — o que, para os novos gnósticos, é uma nova heresia.

Como escreveu a Isabel Moreira (um submarino do Bloco de Esquerda no interior do Partido Socialista) : “Antinatural, felizmente !”. O mesmo soe dizer-se: “Anti-Deus, felizmente!”. Os novos gnósticos / puritanos negam a existência de qualquer entidade superior a eles, seja essa entidade a Natureza ou Deus — porque os novos gnósticos / puritanos assumem-se a si próprios como uma espécie de deuses (os modernos Pneumáticos) que vêem na própria Natureza um desafio ao seu Poder absoluto.

Talvez não fosse má ideia a reedição do livro “A Tentação Totalitária”, de Jean-François Revel. Chegamos a um ponto em que as “elites” confundem propositadamente “libertarismo” (à moda de Stuart Mill), por um lado, com “totalitarismo” (à moda de Lenine).


“O bolchevismo e o grande capital são parecidos; ambos são sustentados pela ideia segundo a qual tudo se torna mais fácil e simples depois que se elimina a liberdade; e o inimigo irreconciliável de ambos é aquilo a que se convencionou chamar de ‘pequenas e médias empresas’ [no original: ‘Small Business’]”.

→ G. K. Chesterton

O argumento, estúpido (digno de um José Pacheco Pereira, entre outras abéculas da nossa praça providas de um alvará de inteligência), segundo o qual “o que se está a passar não tem nada a ver com marxismo cultural, mas antes é o desenvolvimento actualizado do pensamento (ideológico) libertário de Stuart Mill”, é fácil de desmontar:

quando, por exemplo, jovens estudantes universitários actuais confessam (à boca pequena) que têm medo de opinar — não porque temam pelas suas vidas, mas porque temem pelas suas carreiras profissionais —, estamos muito longe do libertarismo de Mill: esta realidade da espiral do silêncio atemorizadora, imposta pelos agentes políticos do marxismo cultural, está muito longe do pensamento libertário de Stuart Mill.

A “irracionalidade” bloquista, referida acima e denunciada pelo Tiago Abreu, é uma marca do novo totalitarismo sancionado pelos novos gnósticos (ou os “novos filhos-de-puta”): somos todos obrigados, mediante a força bruta do Estado, a subscrever uma doutrina e uma realidade política que sabemos, à partida, serem absurdas: ao aceitar (implicitamente) a mentira imposta pela ideologia, a probidade do cidadão é automaticamente destruída.

A eliminação do estatuto cultural de “mãe” e de “pai”, por parte do Bloco de Esquerda, tem menos a ver com os interesses da minoria guei, do que com a intenção de destruir a honestidade intrínseca do cidadão comum: um cidadão desonesto, desprovido de princípios morais, é mais fácil de controlar por um Estado manobrado pelos novos filhos-de-puta.

Quinta-feira, 3 Setembro 2020

Temos que convidar o Sérgio Sousa Pinto para o #Chega

Este é o Partido Socialista de António Costa & Comandita Radical, controlado pelo Bloco de Esquerda.

sergio-sousa-pinto-web

Terça-feira, 18 Agosto 2020

A máfia “caviar”

Filed under: Bloco de Esquerda — O. Braga @ 5:02 pm
Tags:

mafia-caviar-web

Terça-feira, 11 Agosto 2020

A restrição da liberdade da “Cultura do Cancelamento” do Bloco de Esquerda que manda em Portugal

Filed under: Bloco de Esquerda,CHEGA — O. Braga @ 9:32 am

Lembro-me de um comício do CDS na Póvoa do Varzim em 1976 (¿ou 1977?), em que o Zeca Afonso (que se dizia que era simpatizante do Partido Comunista) abrilhantou a festa do CDS. Naquela altura, não passava pela cabeça do Zeca Afonso pedir desculpas públicas por cantar numa festa do CDS.

olavo-bilac-chega-web

Vivemos hoje num país menos livre do que em finais da década de 1970 — em parte devido ao efeito “Bloco de Esquerda”, que é o partido da “Cultura do Cancelamento” em Portugal.

E o Olavo Bilac não teve outra hipótese senão pedir desculpas públicas por cantar numa festa do CHEGA, sob pena de ser culturalmente “cancelado” pelo Bloco de Esquerda que é quem manda em Portugal.

Terça-feira, 28 Julho 2020

Bardamerda, Joana!, Bardamerda!

A Joana Amaral Dias — e os seus (dela) camaradas do Bloco de Esterco e o camarada Mamadou Ba do “SOS Racismo” — vieram a terreiro clamar por “acto de racismo” (ver vídeo abaixo) no caso do homicídio de Bruno Candé. Porém, não me lembro de a Joana Amaral Dias (e a escumalha dela) vir berrar por “racismo” quando, no passado dia 25 de Maio, um cigano assassinou um preto no Seixal.

Chama-se a isto “memória selectiva” de marxista cultural: só quando o branco agride um preto se pode invocar o “racismo”; quando um cigano mata um preto, No Pasa Nada.


(more…)

Sexta-feira, 24 Julho 2020

A nacionalidade portuguesa está em saldo

Filed under: Bloco de Esquerda,Portugal — O. Braga @ 2:46 pm

O Bloco de Esquerda — o campeão do fomento do aborto em Portugal — pretende que a nacionalidade portuguesa seja atribuída às crianças que nasçam em Portugal, ainda que os respectivos pais sejam estrangeiros e não residam no país.

Por um lado, o Bloco de Esquerda promove activamente o aborto de crianças portuguesas autóctones, e uma cultura abortifaciente; mas, por outro lado, o Bloco de Esquerda pretende dar a nacionalidade portuguesa a crianças estrangeiras cujos pais nem sequer vivem em Portugal.

E depois, os iluminados do esquerdalho — de tipo “José Pacheco Pereira” — dizem-nos que a substituição da população portuguesa (autóctone), por estirpes estrangeiras, é uma “Teoria da Conspiração da extrema-direita”.

Esta proposta do Bloco de Esquerda não foi (ainda!) aceite pelo resto da Esquerda que adoptou (por enquanto) uma outra: os filhos dos imigrantes legais (com autorização de residência) ou que fixaram residência há pelo menos um ano, e que nasceram em território nacional, passam automaticamente a ter a nacionalidade portuguesa.

¿Quem votou contra este atentado ao valor da nacionalidade portuguesa? PSD, CDS, IL (Iniciativa Liberal) e CHEGA.

Sábado, 4 Julho 2020

¿O que é o “discurso de ódio”?

Na lei penal portuguesa existe a figura de “incitamento à violência”, que é punível — por exemplo, incitamento à violência contra o Estado de Direito, incitamento à desobediência colectiva, incitamento à guerra civil, incitamento ao suicídio, entre outros.

A injúria também é punível por lei, assim como a calúnia.

Os crimes contra as pessoas também são puníveis — por exemplo, os crimes contra a honra, ou contra a liberdade pessoal (entre estes, o assédio), ou os crimes contra a integridade física, ou contra a liberdade e auto-determinação sexual, ou contra a reserva da vida privada, e contra a vida (intra-uterina ou não), etc.

Neste contexto, não consigo perceber o conceito de “discurso de ódio” de que nos fala aqui o cantarino canhestro Miguel Guedes:

“Desde que a ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, avançou com a garantia de que o discurso de ódio nas plataformas online iria ser monitorizado, protofachos e mini-trumps soltaram angústias existencialistas sobre a sua visão da vida em liberdade, para eles um parente próximo da lei da selva”.

reddit-web


Repare-se que a argumentação do referido “grandoleiro” é, desde logo, ad Hominem; e depois, defende como bom aquilo que ele próprio condena e critica.

A ideia daquela avantesma é a de que “o discurso” (ou seja, a expressão de opinião) “deve ser regulado pelo Estado”; e, segundo o dito cujo, quem não defende a regulação do discurso por parte do Estado é “proto-fassista” e “mini-trump”.

Estamos em presença de um indivíduo com um arquétipo mental totalitário, mas que se considera a si próprio um virtuoso “anti-fascista” (ou seja, trata-se de um puritano do século XXI).

Naturalmente que o referido social-fascista defende a censura na comunicação social — e até menciona abonatoriamente a “censura do Reddit” que permite o bullying e o assédio em relação às maiorias.

Caros leitores: é gente deste calibre que manda em Portugal. É gente que pretende limitar a liberdade de expressão utilizando a força bruta do Estado: hoje é, alegadamente, por “discurso de ódio” (que ninguém sabe bem o que é); amanhã será a censura, pura e dura, por delito de opinião política.

Puta-que-os-pariu!


Ficheiro PDF do texto do cantarino canhestro.

Sexta-feira, 3 Julho 2020

A Gaja das Causas

 

GAJA DAS CAUSAS (SOCIAL JUSTIÇA GUERREIRA XXI)

Eu sou a Gaja das Causas (olá!)
E vou faltar a todas as aulas (ahn ahn)
Para te poder chamar Facho
Enquanto cozo a soja no tacho (uuuuu)
Para te poder chamar Facho
Enquanto cozo a soja no tacho (hmm hmm)

História não é comigo (ahn ahn)
Mas sei que o homem branco é o bandido (ya ya)
Racista, machista, fascista
E o meu jantar são pedras com alpista (hmmm)

Racista, machista, fascista
Queimar o porco capitalista (ai que bom…)
Não posso magoar animais (nao nao)
Só polícias, patrões e outros que tais (toma!)

Eu gosto é de vandalizar
Para quê arrendar, quando posso ocupar (é o direito à habitação)
Eu gosto é de vandalizar
Para quê arrendar, quando posso ocupar (é o direito à habitação)

(more…)

Página seguinte »

%d bloggers like this: