perspectivas

Terça-feira, 11 Dezembro 2007

A Utopia Negativa

Politicamente correcto

Politicamente correcto

Tentei definir aqui o Politicamente Correcto de uma forma que a maioria entenda, mas a verdade é que o politicamente correcto é muito mais complexo e varia de acordo com os tempos e com a cultura das elites.

No tempo de Salazar não deixou de existir o politicamente correcto, porque subjacente ao politicamente correcto, existe sempre uma utopia. No caso do Estado Novo, existia a utopia da Portugalidade e do Quinto Império. Tratava-se de uma utopia positiva, consentânea com a “utopia clássica” de Platão, Tomás Moro, Campanella, Fourier, etc., etc.

O marxismo cultural (ou politicamente correcto actual) trata-se de uma utopia negativa, porque se concentra na crítica dissolvente da nossa sociedade real. A Teoria Crítica da sociedade por parte do politicamente correcto é negativa porque não possui conceitos capazes de superar a distância entre o presente e o futuro, mas “pretende conservar-se fiel àqueles que deram e dão a sua vida pela Grande Recusa” (“O Homem Unidimensional”, de Herbert Marcuse). Quaisquer que sejam as possibilidades reais que a nossa sociedade actual apresenta de um futuro melhor, o marxismo cultural não nos revela quais são, limitando-se a negar totalmente o sistema em que se baseia a nossa sociedade, e na sua totalidade. Exemplos do marxismo cultural são as “picaretas falantes” do Bloco de Esquerda: destrói, destrói, critica e critica, bota-abaixo, mas ficamos sem saber muito bem quais são as alternativas que propõem para a nossa sociedade. Vejam o discurso do Francisco Louçã e reparem se não é verdade.

Por exemplo, a utopia que preside ao blogue “Arrastão” é parte da utopia negativa marxista cultural que procura sistematicamente a dissolução da nossa sociedade, e tem na procura dessa dissolução o seu único objectivo. Quando o Daniel Oliveira (e outros que tais) defende as posições das minorias a ponto de lhes dar privilégios que a maioria não tem, não o faz por piedade ou sede de justiça: fá-lo por pura ideologia socialmente destrutiva, que é seguida de uma forma irracional através de uma cartilha de lobotomia política definida.

A chamada Utopia Negativa (marxismo cultural ou politicamente correcto actual) nasceu com a Escola de Frankfurt, conforme descrito aqui. Herbert Marcuse, Theodor Adorno e Max Horkheimer ligaram estritamente a investigação filosófica à sociologia e à psicologia e declararam inspirar-se em Hegel, Marx e Freud.

Com Hegel, os marxistas culturais insistem no carácter absoluto da Razão, isto é, “o que é real é racional, e o que é racional é real” (sic, Hegel) o que implica um determinismo que já está ultrapassado pela actual probabilística científica. Por outro lado, seguindo Hegel, os marxistas culturais refutam o Saber fora do seu carácter finito, ao contrário de Fichte que distinguiu o Saber Finito em constante evolução, do Saber Infinito. Depois, os marxistas culturais dizem que seguem Hegel no carácter dialéctico (ou carácter negativo) da Razão, ignorando contudo a parte mais importante da dialéctica de Hegel, que é a identidade positiva entre a realidade e a racionalidade. Em suma, os marxistas culturais pegam em Hegel, adulteram a sua filosofia, e depois dizem que se baseiam nele.

A Marx, os marxistas culturais vão buscar a essência da sua filosofia: a crítica à sociedade capitalista, a prognose do fim do capitalismo – que não só não acabou, como se transformou no neoliberalismo actual –, ignorando contudo quer o desenvolvimento da estrutura económica que deveria – segundo Marx – determinar a passagem à sociedade socialista, quer o conceito de Marx de que o homem é essencialmente constituído pelas necessidades e pelas relações de produção e trabalho que as satisfazem (a chamada “Esquerda Caviar”). A diferença ideológica entre o Bloco de Esquerda e o PS de Sócrates, por um lado, e o Partido Comunista está (essencialmente) aqui.

A Freud, os marxistas culturais foram buscar o conceito de “instinto”, entendido como tendência para o regresso a uma situação anterior, primordial ou originária; o “instinto”, segundo Freud, é o retorno à origem do Homem. Depois, foram buscar o conceito freudiano de “repressão”, sendo que (segundo os marxistas culturais) esta é exercida pela civilização sobre o tal “instinto” primordial e originário – ignorando os marxistas culturais a função positiva que, segundo Freud, essa repressão exerce, através do Superego, quer na formação da civilização quer na formação da personalidade humana normal. Por isso é que o Daniel Oliveira diz que “a normalidade exige intimidade”, porque a “normalidade” da personalidade humana está fora do conteúdo ideológico que retiraram de Freud.
Em suma, os marxistas culturais pegam em Freud, adulteram as suas conclusões científicas, e depois dizem que se baseiam nele.

Existem outras vacuidades dos marxistas culturais, como a negação filosófica da relação entre a “razão objectiva” versus “razão subjectiva”. Segundo os marxistas culturais, a tarefa da filosofia não é a de regressar à tradição objectivista do passado, mas antes a total e completa destruição do presente por meio de um “progresso da direcção da utopia que consiste na negação de tudo o que é inútil ao homem e impede o seu livre desenvolvimento” (“Eclipse da Razão”, Max Horkheimer). Paradoxalmente, existe muito de Hayek nesta ideia; vejam esta citação: “precisamos de reformas radicais para libertar o processo de crescimento espontâneo dos obstáculos que a loucura humana erigiu” (Hayek, “Road to Serfdom”). Contudo, e apesar de tudo, a utopia de Hayek é positiva, e não negativa como a dos marxistas culturais, porque pretende utilizar a realidade tal qual existe para chegar à sua utopia, enquanto que os marxistas culturais pretendem destruir a realidade social no seu todo para chegarem à sua utopia.

Para os marxistas culturais, para além da trilogia “Marx, Freud e Hegel”, só existem duas personalidades históricas que não são crucificadas, e que constituem verdadeiros ídolos: Nietzsche (na sua faceta niilista e anti-ética) e o Marquês de Sade, “porque ao declararem a identidade entre a Razão e o Domínio, as doutrinas impiedosas são mais piedosas do que as dos lacaios da burguesia” (“A Dialéctica do Iluminismo”, Adorno & Horkheimer).
Para os marxistas culturais, existe uma obcecação doentia na luta total contra o “domínio”: o domínio dos pais sobre os filhos, o domínio do dono sobre o gato, o domínio do gato sobre o rato, etc., e quando um filho mata o pai, não se trata de um crime, mas “de uma revolta contra o domínio estabelecido pela Razão burguesa”. Quando um heterossexual mata um homossexual, trata-se de “um crime hediondo que exprime o domínio da Razão burguesa sobre uma vítima da civilização”; quando um homossexual mata um heterossexual, trata-se da “reacção de uma vítima da História contra o domínio cultural da burguesia”. Se virem bem, a relação entre o Domínio e a Razão está sempre presente em qualquer coisa que o Daniel Oliveira escreva, e se for necessário acabar com a Razão para se acabar com o Domínio, então é perfeitamente legítimo para ele que entremos todos na irracionalidade.

Outra obcecação doentia dos marxistas culturais é tudo o que se relaciona com a sexualidade. A “repressão do instinto” é pau para toda a colher, tudo o que é “instinto” é valorizado, e a noção aristotélica de “virtude moral” baseada na Razão do “justo-meio” é desprezada sistematicamente pelo marxismo cultural.

A auto-sublimação da sexualidade destrói o primado da função genital, transforma todo o corpo em órgão erótico e transforma o trabalho em jogo, divertimento ou espectáculo. Com o advento do puro Eros, ficaria assim destruída a ordem repressiva da sexualidade procriadora” – “Eros e Civilização”, de Herbert Marcuse

Sendo que “a auto-sublimação da sexualidade destrói o primado da função genital”, legitima-se assim tacitamente a pedofilia através da necessidade da não-sublimação da sexualidade infantil (conforme defendido por Alfred Kinsley, Wilhelm Reich e Michel Foulcault, todos eles marxistas-freudianos), embora os marxistas culturais não assumam abertamente a defesa da pedofilia – para já; lá chegaremos: na Holanda já se iniciou a campanha politicamente correcta marxista-freudiana a favor da legalização da pedofilia.

Depois, consideram a procriação como expressão de uma sexualidade “repressiva”, legitimando assim a prática sexual homossexual, não-reprodutiva por excelência, como sendo “não-repressiva”, e portanto, superior à heterossexualidade.
Quando um homossexual se suicida, o marxista cultural vem dizer que “o suicídio resulta de uma manifestação de desespero perante a repressão da moral burguesa e do domínio dos lacaios da burguesia em relação a uma vítima da História”; quando um heterossexual se suicida, o marxista cultural não diz nada porque os suicídios são maioritariamente cometidos por heterossexuais, e porque o heterossexual faz parte da “maioria dos lacaios da burguesia” – salvo se o heterossexual suicida for um negro ou melhor: uma mulher negra.

Seria fastidioso enumerar aqui toda uma série de contradições ideológicas e filosóficas do marxismo cultural; trata-se de uma retórica risível que defende sistematicamente uma ideia e contradiz essa mesma ideia logo a seguir. Mas a triste realidade é que muita da filosofia inconscientemente absorvida pelos nossos políticos actuais é de origem marxista cultural – Sócrates incluído. Até o ortodoxo Jerónimo de Sousa não escapa.

Anúncios

5 comentários »

  1. Eu (acho que) percebo o que explicas porque é mais ou menos o que eu intuio da simples observação.

    O que eu na minha humilde inesperta opinião acho ser o grande problema, é que até o Darwinismo tem o seu papel nas ideologias que prevalecem e ifluenciam a sociedade. O marxismo cultural é popular, moderno, liberal, permissivo e tolerante com experiências socias, não necessita grande estudo ou instrução por parte das massas pois cavalga o politicamente correcto. Enquanto que defender o minimo de conservadorismo implica grande conhecimento e capacidade de argumentação, apenas uns poucos conseguem enxergar além das correntes predominantes de pensamento. Impôr limites á permissividade é considerado como uma perseguição á “liberdade” por muitos. Vivemos um tempo em que os da minha geração basicamente ignoram e/ou desprezam praticamente todos os conceitos que levaram á criação da sociedade e civilização onde tiveram a sorte de nascer. Disfrutam de todas as comodidades mas nenhuma responsabilidade para as manter.

    Sinceramente, eu acho que a única coisa que pode levar a um inverter da situação e um renascer dos valores, é a ameaça de insustentabilidade e colapso eminente, o que só acontecerá daqui por umas largas décadas, até lá acho que iremos apenas assistir á uma gradual decadência, sem fim á vista.

    Gostar

    Comentar por Fenéco — Quarta-feira, 12 Dezembro 2007 @ 2:04 pm | Responder

  2. Estou TOTALMENTE de acordo com o Fenéco.

    Gostar

    Comentar por Orlando — Quarta-feira, 12 Dezembro 2007 @ 2:30 pm | Responder

  3. Parece-me que a base de sustentação do PC (politicamente correcto) não é exactamente de cariz filosófico, mas antes se situa na área da zoologia ou, com alguma boa vontade, na da antropologia. Interpretando a linguagem na perspectiva de Desmond Morris, por exemplo, e se aceitarmos que o PC se desenvolve principalmente no plano da comunicação (deve dizer-se “pessoa portadora de deficiência” e não “deficiente”, “desfavorecido” em vez de “pobre”, “excluído” por “marginal”, etc.), então poderemos talvez concluir que esse mesmo “linguajar” PC cumpre uma função essencial de arma de arremesso; é uma forma de o primata se salientar e de demonstrar força e poder em relação aos outros elementos do clã. Panfletos como “A Superioridade Moral dos Comunistas”, de ABC, demonstram essa função bélica da linguagem e a sua utilização como arma de intimidação e mesmo de agressão.
    O que remete, portanto, a linguagem PC para o conceito de violência – enquanto expressão de um instinto de supremacia e de subjugação do outro.
    Note-se que, de qualquer forma, esta mesma conotação do PC com a violência está muito bem sintetizada numa expressão repetida neste post: “obcecação doentia”. Exacto. O que é a violência, primeiro verbal e depois (e por consequência) factual e efectiva, se não uma patologia?

    Gostar

    Comentar por JPG — Quarta-feira, 12 Dezembro 2007 @ 6:01 pm | Responder

  4. […] A esquerda e Habermas Arquivado como: politicamente correcto, ética — Orlando @ 6:37 pm Tags: ética, casamento, habermas, Hidra gay, Moral, politicamente correcto, relativismo moral, same-sex marriage, Utopia negativa A esquerda reclama Habermas a todo o transe. A ideia de que todas as normas sociais (moral), assim como toda a verdade, devem ser postas sistematicamente em causa e analisadas de modo crítico, só se aplica se as normas morais tiverem origem religiosa. Seguindo Habermas, a esquerda defende a ideia de que nenhuma verdade é definitivamente adquirida senão a verdade que insulte as convicções religiosas da maioria. A ética da tolerância e de livre comunicação entre cidadãos, made by Habermas, é aquela que manipula a ciência em nome da Utopia Negativa. […]

    Gostar

    Pingback por A esquerda e Habermas « perspectivas — Segunda-feira, 10 Março 2008 @ 6:37 pm | Responder

  5. […] Cristo era um homem igual a outro qualquer. Mais: a Nova Teologia entronca-se ideologicamente com a Utopia Negativa ― vulgo “marxismo cultural”. O mal que a Nova Teologia causou à cristandade europeia foi […]

    Gostar

    Pingback por Bonhoeffer e a Nova Teologia « perspectivas — Sábado, 27 Setembro 2008 @ 3:33 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.