perspectivas

Quinta-feira, 20 Agosto 2015

O prevenção em relação às parafilias é um “horror” — diz Isabel Moreira

 

Tudo o que seja estigma social em relação aos desvios sexuais — por exemplo, a pedofilia — é considerado pela deputada lésbica do Partido Socialista como um “horror”; a prevenção das consequências sociais e culturais da pedofilia “é um horror”, segundo a lésbica Isabel Moreira.

 

isabel-moreira-jc-web

Domingo, 28 Junho 2015

Talvez Olavo de Carvalho tenha uma palavra a dizer sobre isto

Filed under: Política,politicamente correcto — O. Braga @ 5:26 pm
Tags:

 

Vejam um comentário a uma notícia que coloquei no FaceBook.

pedofilia-noticia

A pessoa em causa está desorientada;  e a sua desorientação retira-lhe o foco de análise: em vez de criticar quem defende a legalização da pedofilia, ela critica quem denuncia essas ideias. Quando ela não gosta da mensagem, tenta “matar” o mensageiro. Ora, isso é próprio do politicamente correcto.

Tenho notado que este fenómeno de desorientação tem vindo a crescer entre os “seguidores” de Olavo de Carvalho, e agravou-se depois da decisão do SCOTUS sobre o “casamento” gay nos Estados Unidos.

O que me parece é que censurar a verdade não leva a nada. A ideia segundo a qual “é melhor manter a populaça na ignorância sobre o que está a acontecer”, só pode ser burrice. Os chamados “conservadores” já pensam que a legalização da pedofilia é inevitável, e que, portanto, qualquer notícia sobre o assunto deve ser censurada (o que é uma contradição em termos: porque se a legalização da pedofilia é inevitável, de nada vale censurar notícias sobre o assunto).

Em vez de baixar os braços, há que arregaçar as mangas.

Domingo, 29 Março 2015

Jugulando o Jugular: “pedofilia é uma orientação sexual fixa e exclusiva”, diz ela. Mas a homossexualidade não é!

Filed under: Política,politicamente correcto — O. Braga @ 7:55 am
Tags: ,

 

“Informam-nos, depois, que tais sujeitos têm “comportamento habitual de tipo heterossexual com adultos, geralmente não sendo pedófilos”. Adoro o “geralmente não sendo pedófilos”. Se escreveram antes que tem “comportamento habitual (…) com adultos” não são, por definição, pedófilos – o “habitualmente” (comportamento ou não) no pedófilo versa a criança.”

Jugular

A seguir, continua:

“Agora em capitais, O PEDÓFILO PODE NÃO SER, E HABITUALMENTE NÃO É, UM ABUSADOR DE MENORES, SUAS BESTAS. Que merda é essa de deitar mão do diagnóstico de pedofilia para justificar o injustificável?”


Por um lado, o “geralmente não sendo pedófilos” não se aplica; mas, por outro lado, “o pedófilo pode não ser e habitualmente não é um abusador de menores”. Ou seja, o juízo universal só se aplica nos casos que convém a uma determinada visão subjectiva.

A sedução sexual (do pedófilo) de uma criança não é vista como um “abuso sexual”.

Está na moda, por exemplo, as mulheres estudarem a História para descobrir a putativa e alegada feminilidade escondida por detrás da narrativa histórica. E outras estudam psiquiatria para justificar as suas “orientações sexuais”: tentando justificar no pleno sentido, incluindo o ético.

E depois caem em contradições: por exemplo, quando dizem que a “orientação sexual” não é uma condição rígida quando se aplica ao binómio heterossexualidade/homossexualidade: dizem eles que há uma fluidez entre as duas orientações sexuais, que “as coisas não são a preto e branco”, que há uma espécie de “espectro” que vai desde o totalmente homossexual ao totalmente heterossexual.

Mas quando se trata da pedofilia entendida pela psiquiatria como “orientação sexual”, esse “espectro fluido” já não existe: o pedófilo é exclusivamente pedófilo. E por isso — dizem eles — há pedófilos, por um lado, e abusadores de crianças, por outro lado. Não tem nada a ver uma coisa com a outra — dizem.

Ou seja, há orientações sexuais, e orientações sexuais. A diferença entre elas é estabelecida subjectivamente por quem embutiu na carola alguns conceitos académicos embotados que estão na moda.

Repare bem caro leitor: sei pouco de psiquiatria (e não perco nada, porque a psiquiatria anda pelas ruas da amargura, controlada pelo cientismo politicamente correcto), mas basta que utilizemos a lógica para reduzir aquela mente retorcida a um monte de escombros.

Sábado, 14 Março 2015

A pedofilia e os sofismas politicamente correctos

Filed under: Política,politicamente correcto — O. Braga @ 7:50 pm
Tags:

 

O último DSM (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders) tentou retirar a pedofilia da lista das doenças mentais.

Perante protestos de várias áreas da sociedade americana, a APA (Associação Americana de Psiquiatria) foi pressionada a manter a pedofilia como doença mental (parafilia); mas passou a considerar a pedofilia como uma “orientação sexual”.

Vem desta classificação, por parte da “ciência”, da pedofilia como “orientação sexual”, que a APA (Associação Americana de Psiquiatria) sentiu a necessidade de distinguir o agressor sexual, por um lado, do pedófilo, por outro  lado, elaborando em uma série de sofismas que se baseiam na relação do predador sexual com a vítima.

Em função desta categorização distinta — entre pedofilia e agressão sexual — que se baseia no comportamento (behaviourismo) do agressor sexual, mas que relega para um segundo plano as circunstâncias (o contexto) em que o crime é praticado (“um agressor sexual que não viva na família é pedófilo; um agressor sexual que viva na família já não é pedófilo”), fazendo crer que o pedófilo não faz parte da família da vítima mas que o agressor sexual já faz parte dela — a psiquiatria politicamente correcta passou a considerar a pedofilia como uma “orientação sexual”, por um lado, e por outro  lado, considera o agressor sexual que actua na família como não pertencendo geralmente à  categoria dos pedófilos — o que é uma falácia politicamente correcta que tende a branquear a chamada “orientação sexual” pedófila.

O argumento principal da ciência politicamente correcta é o seguinte: o agressor sexual (o tal que vive no seio da família) demonstra uma agressão continuada ao longo do tempo; o pedófilo apenas procura uma criança de uma determinada idade, e passando essa idade de preferência, o pedófilo perde o interesse na criança.

Parece-nos óbvio e lógico que o comportamento do pedófilo acima descrito tem a ver exactamente com a circunstância de não viver no seio da família da criança — e por isso não existe agressão sexual continuada, porque o controlo sobre a criança é mais precário por parte de quem vive fora do seio familiar. Isto induz o público a acreditar que não há pedófilos no seio da família e que nesta apenas há “agressores sexuais” (a tal distinção falaciosa que a ciência politicamente correcta faz).

Outro argumento é o de que, sendo a pedofilia uma “orientação sexual”, o pedófilo tem uma atracção sexual exclusiva por crianças — o que é outra falácia da ciência politicamente correcta para justificar o estatuto de “orientação sexual” para a pedofilia. Os casos de pedófilos casados e com filhos, que não agridem sexualmente os seus próprios filhos mas os dos outros, são tantos e documentados que é impossível ignorá-los.

Em suma: existe uma agenda política para despenalizar criminalmente a pedofilia. É no contexto dessa agenda política que se escreve isto e isto. E se não é, parece; e “em política, o que parece, é!”.

Segunda-feira, 4 Agosto 2014

A evidência da ligação do lóbi político homossexual à tentativa de legalização da pedofilia

Filed under: homocepticismo,Homofascismo,Homofobia,Homofobismo — O. Braga @ 7:23 pm
Tags: ,

 

“Paedophilia Information Exchange (PIE) était une organisation fondée en 1974, issue du lobby homosexuel, et destinée à obtenir la légalisation de la pédophilie. Son président, Keith Hose, était également impliqué dans le Gay Liberation Front. En 1975, Keith Hose a tenu un long discours en faveur de la pédophilie au cours du congrès annuel de Campaign for Homosexual Equality (CHE).”

Du lobby homosexuel au lobby pédophile au Royaume-Uni : histoire de scandales politiques

Segunda-feira, 10 Fevereiro 2014

Isabel Moreira deve ter razão: os direitos das minorias não podem ser referendados

 

«Helen Reece, a reader in law at the London School of Economics, called on Theresa May, the Home Secretary, to relax rules which automatically ban sex offenders from caring for children, saying that this could breach their human rights.

In an article in the respected Child and Family Law Quarterly, Miss Reece suggested that reoffending rates were not high among sex criminals, adding: “despite growing public concern over paedophilia, the numbers of child sex murders are very low.”»

Sex offenders including paedophiles should be allowed to adopt, Theresa May told

A esquerda inglesa, muito progressista e evoluída, defende a ideia segundo a qual os direitos da minoria pedófila não devem ser referendados; e, por, isso, em nome dos direitos dos pedófilos, defende que estes também têm o direito a adoptar crianças.

Não ficaria nada mal ao António Costa (do Partido Socialista) abrir um pouco mais a sua mente e aceitar (em directo, no programa Quadratura do Círculo) esta novidade do progresso da nossa sociedade. Afinal, quem defende que os pedófilos não devem adoptar crianças são as mentes conservadoras e retrógradas, gente troglodita que ainda não saiu das cavernas.

Os pedófilos têm direitos iguais a qualquer outro cidadão — independentemente das suas orientações sexuais! — e por isso os seus direitos não devem ser referendados. E, por isso, os pedófilos têm todo o direito a adoptar crianças.

Espero que o António Costa não seja retrógrado e conservador, e que admita na pantalha televisiva a realidade, tal qual ela é: existem pedófilos! — é uma situação de facto! E porque existem pedófilos, é contra os direitos humanos que eles não sejam autorizados a ter os direitos iguais a qualquer cidadão, inclusivamente o direito a adoptar crianças.

Terça-feira, 12 Novembro 2013

A grandessíssima alternadíssima vaca não desiste, e passa ao insulto

 

"Sexual and reproductive health and rights (SRHR) are under threat in the European Union, warns Edite Estrela."

O insulto da vaca surge aqui:

“Due to a grubby alliance of the Right and Far-Right groups, namely the EFD, the ECR, non-attached MEPs and some of the EPP, the report was referred back to committee, where a new vote will have to take place. As I had the opportunity to state during the vote, this makes little sense (…)”

Ou seja, para a grande puta, quem é contra o ideário radical abortista e pedófilo, é de “extrema-direita”. Quem insulta não merece outra coisa senão o insulto: putas como esta deveriam estar “a atacar” no Intendente (esta só serviria para “encher pneus”), em vez de serem eleitas para o parlamento europeu.

A ler, sobre este assunto:

Quarta-feira, 30 Outubro 2013

Hoje é um dia feliz para o curandeiro da RDP: a pedofilia passou a ser uma “orientação sexual”

 

juliomachadovazwebJúlio Machado Vaz irá certamente festejar: a pedofilia foi retirada do grupo das parafilias pela APA (Associação Americana de Psiquiatria) e considerada uma “orientação sexual”.

«In the fifth edition of the Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (DSM V), the American Psychiatric Association (APA) drew a very distinct line between pedophilia and pedophilic disorder. Pedophilia refers to a sexual orientation or profession of sexual preference devoid of consummation, whereas pedophilic disorder is defined as a compulsion and is used in reference to individuals who act on their sexuality.»

Agora, já é possível a Júlio Machado Vaz defender a pedofilia em directo nas emissoras da rádio nacional. Deixa de existir a vergonha, porque a "ciência" sanciona positivamente a falta de vergonha. Júlio Machado Vaz não irá certamente perder esta ocasião de parecer moderno, actual, retrófobo e de vistas largas, mente aberta, virado para o futuro; e de cair bem nas hostes esquerdistas, habituadas à falácia ad Novitatem.

Naturalmente que ele irá dizer, aos microfones da RDP, que existe uma diferença entre a "orientação sexual" pedófila (que, por ser uma "orientação sexual", é absolutamente normal e não é uma doença mental ou parafilia), por um lado, e, por outro lado, a compulsão do pedófilo em “comer” criancinhas. Ou seja, segundo a nova norma do politicamente correcto, um pedófilo que não “coma” criancinhas é absolutamente normal. E quem sabe, com o “progresso da opinião pública”, o Júlio Machado Vaz ainda venha a ter a alegria de ver a "ciência" verificar e confirmar o acto pedófilo como um acto absolutamente normal: é tudo uma questão de ele continuar, com afinco, as ensaboadelas culturais na RDP no sentido do "progresso da opinião pública".

(more…)

Terça-feira, 10 Setembro 2013

Allahu Akbar!

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 6:53 pm
Tags: ,

«Al Nahar, Lebanon, has reported that an eight year old child bride died in Yemen on her wedding night after suffering internal injuries due to sexual trauma. Human rights organizations are calling for the arrest of her husband who was five times her age.»

8-year-old Yemeni child dies at hands of 40-year-old husband on wedding night

Rawan.jpg

A menina assassinada pelo pedófilo muçulmano chamava-se Rawan

O exemplo do pedófilo Maomé continua a ser seguido pelos maomedanos. Qualquer comparação – que se faz hoje – entre o Cristianismo da Idade Média, por um lado, e o Islamismo actual, por outro lado, é estupidez.

Nem os bárbaros do norte da Europa, que invadiram o império romano toleravam a pedofilia; nem os romanos, já no tempo decadente do império da Antiguidade Tardia, viam com bons olhos os abusos sexuais sobre crianças. Nenhuma tribo africana ou os aborígenes da Austrália têm complacência em relação a um abusador de crianças. Os índios americanos têm pelas suas crianças uma autêntica adoração.

A cultura muçulmana é a única que admite a pedofilia e o abuso de crianças. O Islamismo não é uma religião: é um código de barbárie. Os verdadeiros bárbaros do mundo contemporâneo são muçulmanos.

A menina assassinada pelo pedófilo muçulmano chamava-se Rawan. Allahu Akbar!

Segunda-feira, 1 Julho 2013

O FaceBook é muito tolerante em relação à pedofilia

Por várias vezes, este blogue tem sido denunciado no FaceBook como sendo “homófobo”, o que teve por consequência ou a suspensão das publicações no FaceBook das ligações aos verbetes, ou a criação de “avisos”, por parte do FaceBook, segundo os quais este blogue é “perigoso e homófobo”. Sempre que tal acontece, eu escrevo ao FaceBook e a “sanção” é removida.

A verdade é que este blogue não é homófobo, porque homofobia, por definição é uma fobia: em vez disso, este blogue é homocéptico.

O mesmo FaceBook que censura tudo o que pode em relação à contestação do “casamento” gay e da adopção de crianças por pares de invertidos, é muito tolerante em relação à pedofilia, e tanto assim é que tolera uma página que defende “direitos iguais para os pedófilos”, o que significa a legalização do direito à expressão pública da “orientação sexual pedófila”.

Equal-rights-for-Pedophiles-fb-500-web.png

Sexta-feira, 28 Junho 2013

Fernanda Câncio e a pedofilia

Um dos problemas da nossa sociedade foi o de permitir que muitas pessoas do género de Fernanda Câncio obtivessem, através dos me®dia, a visibilidade que têm. Quando falamos de Fernanda Câncio estamos a falar de uma criatura com um cérebro de galinha mas que está absolutamente convencida da sua superioridade intelectual e moral.
Se não, leiam este verbete .

(more…)

Quinta-feira, 20 Junho 2013

Como se diz por aí, o homossexualismo não tem nada a ver com a pedofilia

«This is one of the LGBT community’s worst nightmares. On Monday, June 17, a gay man-Walter Lee Williams-was put on the FBI’s Top 10 Most Wanted List and declared “dangerous” for allegedly engaging in sexual conduct with minors and producing child pornography.

After years of scientific studies and anecdotal experience finally putting to rest the horrid myth that homosexuality is in any way associated with child molestation , on April 30, a four-count federal warrant was issued for Williams, a former professor of anthropology, gender studies and history at USC and the man most responsible for bringing the ONE Gay & Lesbian Archives to USC “for sexual exploitation of children, travel with intent to engage in illicit sexual conduct, engaging in illicit sexual conduct in foreign places and criminal forfeiture.”»

FBI Puts Gay Former USC Professor Walter L. Williams on Top 10 Most Wanted List

gay-man-pedofilia-web-500.jpg

Página seguinte »

O tema Rubric. Blog em WordPress.com.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 680 outros seguidores