perspectivas

Quinta-feira, 5 Março 2009

O Desconstrutivismo de Derrida

Imaginemos este texto:

“Depois da sua derrocada, a socialisma foi sucedida por uma culturalisma que caracteriza tanta a teoria da discursa como a desconstrução e a feminisma.”

Este trecho é escrito na linguagem do feminês levada ao seu extremo caricato, o que traduzido para a linguagem corrente, significa: “Depois da sua derrocada, o socialismo foi sucedido por um culturalismo que caracteriza tanto a teoria do discurso como a desconstrução e o feminismo.”

Se a Fernanda Cância se apercebe desta nova linguagem, vamas ter uma nova estila literária na sua bloga.


O marxismo económico perdeu estrondosamente a sua guerra ideológica. O que restou aos marxistas? Em desespero de causa, dedicaram-se à guerra cultural. E esta guerra de guerrilha cultural passa por destruir a sociedade por dentro, minando-a no seu âmago mais profundo, dissolvendo-a através de um ataque ideológico feroz à família natural. O “casamento” gay, a penalização do casamento e das famílias numerosas por via dos impostos, o aborto livre, e o divórcio simplex, inserem-se nessa estratégia neomarxista. O fenómeno não é só português; é uma doença europeia. A Europa está profundamente doente.

Para isso, os marxistas culturais tiveram que criar barreiras intransponíveis na comunicação entre o homem e a mulher, tentando criar uma lógica de base que pudesse colocar os homens e as mulheres “às avessas”. E sejamos realistas: eles estão a conseguir destruir a nossa sociedade através dessa guerrilha cultural e sem deixarem impressões digitais, coisa que Estaline, Mao, Fidel Castro e todos os comunistas juntos não conseguiram fazer.

A razão porque o homem teve, ao longo da História, um papel preponderante na sociedade está ligada à guerra. A necessidade da guerra deu privilégios ao homem, por motivos óbvios.
Portanto, a explicação para a predominância do homem é simples, mas os marxistas culturais sentiram a necessidade de complicar a história para poderem arranjar uma ideologia (leia-se: dogma) que fizesse o que marxismo económico não conseguiu fazer: destruir a democracia e a liberdade atacando a estrutura da sociedade.

Ao longo da História podemos verificar que nas sociedades em que a mulher teve um papel proeminente e equitativo em relação ao homem, a civilização floresceu invariavelmente. Porém, o que se passa hoje através do feminismo é exactamente o oposto de “civilização”: é a reclamação da mulher pelo direito igual ao homem ao exercício da barbárie.

A desconstrução ideológica

Jacques Derrida é de uma incompreensibilidade histriónica. Porém, o mais grave em Derrida não é o seu discurso incompreensível, mas um cinismo absurdo que impregna as suas ideias. Para entendemos minimamente o enviesamento do pensamento de Derrida, temos de seguir uma linha ideológica que remonta, pelo menos, a Hegel.

pc-diagrama

Embora se atribua a Jacques Derrida a teoria do Desconstrutivismo, ela vem de longe ― pelo menos desde Nietzsche. Esta grande besta foi o responsável não só pela desconstrução ideológica, como ele esteve na base do feminismo radical moderno através da sua feroz misoginia e ao criar as condições ideológicas para o horror do nazismo, fazendo com que o homem passasse a ser demonizado pelas feministas. A Europa é o continente mais inadequado para um homem viver; é muito mais feliz o homem na Ásia, África ou mesmo na América do que na Europa, devido aos fantasmas ideológicos que por causa de Nietzsche e a partir do nazismo, atormentam a nossa memória colectiva.

Foi com Heidegger que o desconstrutivismo assumiu o seu corpo ideológico. Este foi outra grande besta, porque para além de ter sido um oficial nazista, depois da segunda guerra utilizou o seu relacionamento sexual com a judia Hannah Arendt ― que se tinha deslocado à Alemanha integrada numa missão do governo americano para pôr em prática a desnazificação da Alemanha ― para se ilibar de culpas ideológicas que comprometessem a sua carreira académica, e depois de o ter conseguido, “deu-lhe com os pés”.


Vejamos esta proposição:

Ω = 1

Vemos aqui um símbolo ― ou signo ― “Ω” a que corresponde um valor de “1”. Portanto, temos aqui um significante ― o símbolo “Ω” ― e um significado, que é o número “1”. O símbolo “Ω” tem um papel de significante porque é ele que desempenha a função de suporte do sentido que dá ao significado, que neste caso é o número 1. Penso que fui claro, mas se não me fiz entender, enviem-me um email ou escrevam nos comentários.

Agora vejamos outra proposição:

Ómega = 1

Aqui, o significante é “Ómega”, e o significado mantém-se o mesmo: 1. As duas proposições são na realidade idênticas, porque o símbolo “Ω” significa a letra “Ómega” do alfabeto grego, símbolo esse que não existe contudo no nosso alfabeto, e nesta medida o símbolo Ω passa a ser para nós só um signo. Porém, Derrida diz que as duas proposições não são idênticas, porque na primeira existe um símbolo intermediário ( Ω ) escrito entre o locutor e o discurso, e no segundo caso “a escrita é fonética”.


Vou dar um exemplo de denúncia da “dominação cultural” exercida através da escrita fonética, segundo Derrida:

“O porco merece esse nome porque é um animal pouco asseado.”

O significante aqui é o substantivo “porco”. O significado é “animal pouco asseado”. Aqui, Derrida parte de um princípio ― que não é de sua autoria mas do linguista Ferdinand de Saussure ― segundo o qual os sons que compõem uma palavra são totalmente arbitrários e nada têm a ver com o significado. O substantivo “porco” é uma palavra convencionada, e em vez de “porco” poderíamos chamar de “reco” ou “javali doméstico”, ou outro nome qualquer; por exemplo, “pinóquio”. Contudo, a palavra “porco”, por força da escrita fonética que induz o imediatismo de uma imagem mental, acaba por não só designar o animal como designar também a essência da sujidade por ele produzida, o que Derrida atribui à escrita fonética que caracteriza a cultura ocidental.

Vamos ver melhor:

Por exemplo, se Ω = porco, não faria o mesmo sentido escrever: “O Ω merece esse nome porque é um animal pouco asseado” embora soubéssemos que Ω significava “porco”, porque existiria um símbolo ( Ω ) entre o significante e o significado. A diferença está no imediatismo da fonética e da acústica quando se pronuncia a palavra “porco”, em que o substantivo passa a ser adjectivado por força da imagem mental associada ao significante através do significado. Quando escrevemos Ω, existe um símbolo entre a nossa imagem mental do porco e a sua significação; quando escrevemos “porco”, o símbolo intermediário Ω desaparece e a nossa imagem mental do porco é imediata. Acontece que em linguagens escritas como o chinês, a intermediação simbólica está presente, o que não acontece na escrita da nossa cultura, que é fonética e não é simbólica.

Chegado aqui, Derrida partiu para o dogma ideológico. Dizia ele que a presença imediata do significado ― por via da nossa escrita fonética ― “retira autonomia ao significante” por lhe atribuir um papel secundário, isto é, o animal a que se convencionou chamar de “porco” é sujeito à desvalorização do seu significado, sendo que o porco como significante fica diminuído na sua importância ideológica. Segundo Derrida, a maior importância vai para o significado da proposição (“animal pouco asseado”). O significante ― o animal a que demos o nome de “porco” ― saiu inferiorizado do “negócio” da escrita fonética e assume um papel secundário na proposição (assimetria conceptual).

Eu diria que a conclusão de Derrida é subjectiva. Ao invés, poderíamos escrever: “Um animal pouco asseado merece esse nome porque é porco”, e aqui o significante passaria a significado, sem que as valências simétricas fossem beliscadas. O que se passa na realidade é que o substantivo “porco” passou a ser um adjectivo que existe em função de uma realidade que é a de que o porco é, normalmente e na sua pocilga, porco (pouco asseado); não há que escamotear a realidade e dizer que o porco é limpo. Derrida diz que não, que o porco é limpo, e o facto de dizermos que o porco é porco é resultado de uma “dominação” do significado em relação ao significante, isto é, é resultado de uma assimetria de valências que caracteriza a escrita fonética da merda da cultura ocidental.

O mais que eu poderia concordar com Derrida é que, eventualmente, o porco é porco porque vive numa pocilga e não num palácio; de resto, a verdade é que um porco na pocilga é porco. Talvez Derrida culpe a cultura ocidental por manter os porcos nas pocilgas, em vez de os colocar em palácios. Porém, não estou de acordo com ele: eu já vi porcos em palácios, nomeadamente em São Bento, e nem por isso notei a diferença na produção escatológica.

Derrida retira daqui a conclusão que existe uma “linguagem de dominação” sobre o coitado do porco (e não só), linguagem essa que prevalece na cultura ocidental. E a partir deste exemplo do porco (que é da minha lavra, obviamente, mas que serve perfeitamente de exemplo), Derrida extrapola ideologicamente ― e de uma forma absurda ― para a dominação da mulher por parte do homem na cultura ocidental, que se caracteriza pela acção da escrita fonética na relação de assimetria (desiquilíbrio) onde à mulher é invariavelmente atribuído um valor inferior ao homem ― o que levou à obsessão feminista (que está na moda) da reinterpretação dos textos literários e à denúncia de um carnaval que mascarou o sentido literário dos textos escritos ao longo da História, e em que se procuram conteúdos ocultos que recuperem a feminilidade recalcada (como se de uma espécie de um processo de psicanálise literária se tratasse). Como se não bastasse, Derrida chamou a cultura ocidental de “falocrática” (literalmente, “o governo do falo”).

O impacto de tudo isto em determinadas feministas com cabeça de galinha foi devastador. A luta inteligente das intelectuais feministas que ocorreu desde finais do século 19 até aos anos 60 do século passado foi obnubilada por um novo feminismo de tipo “Betty Friedan”, com pouco conteúdo e muito espectáculo mediático, que não luta já pela emancipação política e social da mulher mas por uma revisão dos sistemas simbólicos culturais de forma a que a dominação homem / mulher, denunciada aqui pelo exemplo do porco do Derrida, passasse a ser exercida no sentido oposto. Em vez da emancipação equitativa da mulher, aconteceu a guerra dos sexos que destroça a sociedade.

Os neomarxistas rejubilam com a atomização da sociedade democrática e livre através da destruição da família nuclear, rumo a um totalitarismo. Afinal, nem tudo estava perdido.

About these ads

20 Comentários »

  1. É isso e a “diferança”. Verdadeiramente fascinante, como se pode falar sobre o nada durante tanto tempo e ser-se aplaudido por tanta gente.

    Comentário por harms — Domingo, 14 Junho 2009 @ 10:01 pm | Responder

  2. Excelente artigo !

    Comentário por D — Domingo, 14 Junho 2009 @ 10:09 pm | Responder

  3. Não concorda fundamentalmente com a texta, mas deu-me uma goza bestial lê-la. Esta blog vai para as minhas favoritas.

    Comentário por AMorais — Quarta-feira, 30 Setembro 2009 @ 5:22 pm | Responder

  4. [...] Para se compreender esta dissonância cognitiva, ler este postal sobre o desconstrucionismo de Derrida. [...]

    Pingback por O superlativo absoluto simples do politicamente correcto « perspectivas — Quinta-feira, 8 Outubro 2009 @ 9:23 am | Responder

  5. [...] O Desconstrutivismo de Derrida [...]

    Pingback por A esquizofrenia feminista « perspectivas — Segunda-feira, 12 Outubro 2009 @ 10:42 pm | Responder

  6. [...] feminismo (decorrente da teoria do discurso) é muito útil para convencer as mulheres de que os homens as respeitam ― um respeito formal [...]

    Pingback por Um dia destes, vamos ter um “subsídio de coito” estatal para José Sócrates « perspectivas — Domingo, 7 Fevereiro 2010 @ 10:08 am | Responder

  7. [...] feminismo, o gayzismo e o desconstrucionismo histórico-ideológico são produto da Teoria do Discurso que foi introduzida no seguimento da constatação científica [...]

    Pingback por A afirmação do feminismo resulta em decadência civilizacional e em desordem social « perspectivas — Segunda-feira, 15 Fevereiro 2010 @ 10:12 pm | Responder

  8. [...] a ler: O Desconstrutivismo de Derrida Comentários [...]

    Pingback por Membros e “membras” « perspectivas — Domingo, 28 Fevereiro 2010 @ 6:23 pm | Responder

  9. [...] (*) Quando me for autorizado, como sendo politicamente correcto, escrever que “eu sou um pessoa” (masculino) em vez de escrever “eu sou uma pessoa” (feminino), então acederei em escrever “à bloco de esquerda”: “a todos os co-autores e todas as co-autoras”; ou “a todos os leitores e todas as leitoras”, etc. Porque se o feminino se me aplica em determinadas circunstâncias, terá que o masculino se aplicar às mulheres noutras circunstâncias. Quid pro Quod (a ler sobre este assunto: o Desconstrutivismo de Derrida). [...]

    Pingback por Bom fim-de-semana « Socraquistão — Sexta-feira, 26 Março 2010 @ 7:54 am | Responder

  10. [...] Quando uma mulher é executada nos Estados Unidos por ter sido responsável pelo crime de assassínio do seu marido e do seu enteado, a Isabel Stilwell vem denunciar o enviesamento cultural anti-feminino da merda da civilização ocidental. [...]

    Pingback por O enviesamento cultural anti-feminino da merda da civilização ocidental « perspectivas — Sábado, 25 Setembro 2010 @ 12:08 pm | Responder

  11. [...] Nota : escrevi “toda a gente” para evitar o politicamente correcto “desejo a todos e a todas”, que está na moda; opto pelo feminino (“toda a gente”) para não ter que me chatear com a desconstrução da linguagem. [...]

    Pingback por Bom Ano Novo ! « perspectivas — Sexta-feira, 31 Dezembro 2010 @ 8:57 am | Responder

  12. [...] A ler : O Desconstrutivismo de Derrida [...]

    Pingback por A “presidenta” Dilma Roussef « perspectivas — Domingo, 2 Janeiro 2011 @ 2:09 pm | Responder

  13. [...] O Desconstrutivismo de Derrida [...]

    Pingback por A saga da “presidenta” continua no Brasil « perspectivas — Sábado, 20 Agosto 2011 @ 6:41 pm | Responder

  14. [...] foi essencialmente desenvolvido pelo desconstrutivismo que culminou em Derrida, conforme escrevi aqui. Aliás, o conceito de “violência simbólica” não tem uma definição, mas antes baseia-se em [...]

    Pingback por O feminismo e a esterilização das relações humanas « perspectivas — Sexta-feira, 2 Setembro 2011 @ 10:42 am | Responder

  15. [...] Zera Selbstwerther-Eigenwerth defendeu a ideia segundo a qual a matemática é “androcêntrica” e que existe uma outra matemática que não é “androcêntrica”; que o conceito de “linha recta” é opressivo e “hetero-normativo” [ver marxismo cultural e o desconstrucionismo de Derrida]. [...]

    Pingback por Você soube da existência de Zera Selbstwerther-Eigenwerth ? « perspectivas — Segunda-feira, 2 Abril 2012 @ 11:11 am | Responder

  16. se a linguagem não carrega elementos de opressão, então por que a literatura, a imprensa, a cultura letrada portuguesa desconsidera os anglicismos, tampouco a própria linguagem portuguesa-brasileira ? abraços fraternos de um simples brasileiro d´além-mar

    Comentário por Márcio L Rangon — Sexta-feira, 21 Dezembro 2012 @ 2:31 pm | Responder

    • 1/ em primeiro lugar, a semântica do linguajar brasileiro não é exactamente igual à portuguesa. Por exemplo, em Portugal não temos a preocupação excessiva que o Brasil tem — e que se transformou em uma obsessão brasileira — com expressões de carácter rácico.

      Em Portugal, “um preto é um preto” e “um branco é um branco”, e estes factos são absolutamente naturais, e não vem mal ao mundo pelo facto de “um preto ser um preto” e um “branco ser um branco”. Não é por um “preto ser um preto” que é inferior a outro cidadão português qualquer, e esta noção existe na esmagadora maioria do povo português.

      No Brasil, por razões históricas e apesar da miscigenação, não é assim. Basta sabermos que Portugal aboliu a escravatura em Portugal europeu e nas colónias da Índia em 1761, e que em 1854 aboliu a escravatura nas colónias africanas — enquanto que o Brasil independente só aboliu a escravatura em 1888.

      2/ em segundo lugar, vamos ver o que significa “língua” e “linguagem”.

      Língua ou idioma é um sistema de comunicação humana falada e/ou escrita comum a uma comunidade linguística. Linguagem é expressão da volição de um ser pela palavra, pela escrita ou por meio de sinais. Ou seja, a linguagem pode não ser escrita e/ou mesmo falada (pode ser apenas simbólica, através de sinais: por exemplo, a “linguagem dos golfinhos”: não se trata de um eufemismo, porque os golfinhos têm mesmo uma linguagem simbólica e inteligível).

      3/ em terceiro lugar, sendo que língua ou idioma é um sistema de comunicação comum a uma comunidade (humana) linguística, a língua diz respeito a uma cultura, entendida em primeiro lugar, no sentido antropológico de “cultura” (só depois de fala em “cultura intelectual”). Isto significa que a língua e a nação (ou nacionalidade) estão intimamente ligadas (como defendeu Fernando Pessoa).

      4/ portanto, a recusa de anglicismos ou de galicismos tem mais a ver com a cultura antropológica portuguesa do que com a alegada “opressão da linguagem”. E a prova da verdade do que eu digo é que quando não existe um substitutivo para uma palavra inglesa (ou francesa), esta última é, por assim dizer, “aportuguesada”. Por exemplo: “mídia”; ou “champanhe”.

      Portanto, a inclusão de galicismos e de anglicismos na língua portuguesa não é tabu — desde que não existam substitutivos autóctones para esses termos.

      Aliás, a língua portuguesa não tem feito outra coisa senão incluir neologismos: por exemplo, a palavra “maluco” foi importada pelos portugueses do século XVI das Ilhas Molucas, no oceano Pacífico; o habitante das Ilhas Molucas era um “moluco” que, por evolução semântica, se transformou no “maluco” de hoje.

      Comentário por O. Braga — Sexta-feira, 21 Dezembro 2012 @ 5:11 pm | Responder

  17. [...] Adenda: Sobre a Linguagem, ler: O Desconstrutivismo de Derrida. [...]

    Pingback por O “escurinho” do FMI « perspectivas — Quarta-feira, 30 Janeiro 2013 @ 5:47 pm | Responder

  18. Muito bom.

    Comentário por Camila Almeida — Domingo, 9 Junho 2013 @ 3:10 am | Responder

  19. […] este tema, ler este verbete que escrevi em 2009; mas quero dizer mais alguma coisa, porque entretanto parece que as coisas […]

    Pingback por O politicamente correcto e o fim do discurso | perspectivas — Quarta-feira, 22 Janeiro 2014 @ 1:12 pm | Responder


RSS feed para os comentários a este artigo. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

The Rubric Theme. Blog em WordPress.com.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 497 outros seguidores