perspectivas

Domingo, 15 Janeiro 2017

O partido liberal português que é socialista

 

Começo a ter pouca vontade de escrever aqui no blogue. Um dia destes fecho-o sem anunciar que foi fechado — porque, por exemplo, quando leio que se pretende fundar um partido liberal que fica situado entre o Partido Socialista e o Partido Social Democrata, não me apetece escrever sobre o assunto, e sobre nada. Apetece-me insultar os filhos da puta.

“Liberalismo” vem do latim “liberalis”, que significa “benfeitor”, “generoso”.

Em filosofia política, o liberalismo é o conceito do qual John Locke foi um dos primeiros representantes, e que faz do sujeito individual, dotado de direitos inalienáveis (direito à propriedade, à liberdade, etc.), a fonte e o centro das relações sociais.

Em economia política — que é o que nos mais interessa num partido liberal! —, o liberalismo é o princípio associado ao liberalismo político de que se falou acima, mas segundo o qual as leis do mercado devem continuar a ser livres, pois são naturais (por exemplo, a lei da oferta e da procura), e dependem delas mesmas o equilíbrio entre a produção, a distribuição e o consumo (Adam Smith).

A função do Estado liberal deve ser a de garantir os direitos individuais, e a sua autoridade apresenta, então, limites: os seus diferentes poderes (executivo, legislativo, judicial) devem ser separados. Para o liberal, a igualdade é reduzida à igualdade de direitos, e não à igualdade social. A igualdade social, própria do Partido Socialista e da Esquerda em geral, supõe que o Estado intervenha para “corrigir o livre jogo da sociedade civil”, o que é sempre interpretado pelo liberalismo como funesto para a liberdade.

Ou seja, um liberal não é um socialista.

Dizer que o novo partido liberal fica politicamente situado entre o Partido Socialista e o Partido Social Democrata, é dizer que o liberalismo é socialismo.

Sexta-feira, 13 Janeiro 2017

Existe um plano da ONU de genocídio dos brancos

Filed under: Esta gente vota — O. Braga @ 11:15 am
Tags: , , ,

 

Sexta-feira, 6 Janeiro 2017

¿O termo “casa da Mariquinhas” também já é proibido pelo politicamente correcto?

 

É inútil explicar à Fernanda Câncio que meter um pénis no ânus (por exemplo), para além de não ser natural (mas isso há outras coisas que não são naturais), faz mal à saúde. E mesmo usando preservativo, há doenças que não são evitáveis. Mas a Fernanda Câncio é daqueles casos em que “quem tem uma vagina, tem uma mina…”; mas o tempo encarregar-se-á de fazer esgotar a mina: a tudo se chega enquanto a vida dura.


O André Azevedo Alves tem razão.

O politicamente correcto é propaganda comunista em pequena escala. Nos meus estudos acerca das sociedades comunistas, cheguei à conclusão que o propósito da propaganda comunista não era o de persuadir ou convencer, nem sequer informar, mas era o de humilhar; e, por isso, quanto menos ela (a propaganda) corresponder à realidade, melhor serve o seu propósito de humilhar.

Quando uma pessoa é obrigada permanecer em silêncio quando lhe dizem as mentiras mais óbvias e evidentes, ou ainda pior quando ela própria é obrigada a repetir as mentiras que lhe dizem, ela perde, de uma vez por todas, o seu senso de probidade.

O assentimento de uma pessoa em relação a mentiras óbvias significa cooperar com o mal e, em pequeno grau, essa pessoa personifica o próprio mal. A sua capacidade de resistir a qualquer situação fica, por isso, corrompida, e mesmo destruída. Uma sociedade de mentirosos emasculados é fácil de controlar. Penso que se analisarem o politicamente correcto, este tem o mesmo efeito e propósito.”

Theodore Dalrymple

Quinta-feira, 5 Janeiro 2017

Coincidência: o Leopildo (¿ou Leopoldo?) assumiu a gerência, e o Alberto Gonçalves foi despedido do Diário de Notícias

 

“O Alberto Gonçalves, pessoa que não conheço socialmente a não ser das redes sociais, como aliás boa parte dos amigos mais chegados das redes sociais, e autor de colunas de opinião no Diário de Notícias e na revista Sábado com um sentido de crítica e de humor cáusticos quase sempre dirigidas ao governo e aos partidos de esquerda que o apoiam, com especial incidência sobre os socialistas e os bloquistas que lhe dedicam publicamente um odiozinho especial e se dão ao trabalho de o comentar, acabou de ser despedido do Diário de Notícias, jornal do grupo Global Media presidido pelo advogado Proença de Carvalho.”

A censura só conta quando é feita pela direita.

Com democracia desta, venha o Salazar.

Segunda-feira, 2 Janeiro 2017

O coimbrinha Pio Abreu

 

Eu tenho uma aversão natural aos coimbrinhas. Tudo o que seja coimbrinha cresceu à sombra de um qualquer alvará de inteligência. É o caso de um tal Pio Abreu: um coimbrinha chapado.

“Começa logo pelo facto de as mulheres serem muito mais resistentes, perfeitas e durarem muito mais tempo do que os homens.”

death rate 4
Ao contrário do que diz o coimbrinha, o índice de mortalidade precoce da mulher tem aumentado nos Estados Unidos; e tudo leva a crer que na Europa também.

O senhor Pio Abreu pode ter todos os PhD de todas as universidades do mundo; mas é um idiota chapado. 

O homem é uma versão incompleta da mulher por causa do cromossoma Y, elas têm dois cromossomas X e eles têm XY, ou seja têm um cromossoma atrofiado, o que lhes provoca alterações anatómicas.”

Vamos seguir a lógica: a completude abrange um maior leque de características do que a incompletude. E, no entanto, o estúpido coimbrinha Abreu diz que a homogeneidade é mais completa do que a heterogeneidade.

Eu não quero aqui defender o contrário do que defende o Abreu, ou seja, não quero aqui dizer que “a mulher é uma versão incompleta do homem”, porque isso faria de mim um estúpido do mesmo calibre do Abreu — mas não devemos contrariar a lógica para ir ao encontro da estupidez coimbrinha do Abreu.

Sábado, 24 Dezembro 2016

Se o PNR (Partido Nacional Renovador) incomoda os me®dia, talvez comece a votar nele

Filed under: Política — O. Braga @ 1:03 pm
Tags: , , , ,

 

contrapnr
Parece que a opinião do PNR (Partido Nacional Renovador) é censurada pelos me®dia.

“É vergonhoso que pessoas com carteira de Jornalista não tenham o menor código de ética, deontológico, e pratiquem a mais descarada e consciente censura. Tal é a posição manifestada na referida conversa, por Sónia Cerdeira, Liliana Valente, Sílvia Caneco, Bárbara Baldaia, Adriano Nobre, Joana Haderer e Miguel Marujo, jornalistas de órgãos de comunicação social como o Público, Expresso, Diário de Notícias, Sol, Visão, TSF e Lusa.”

Vou ter que repensar as minhas opções políticas.

Quinta-feira, 22 Dezembro 2016

A Esquerda e o Aquecimento Global

 

“The Sahara Desert experienced its first snowfall in thirty-seven years, according to images taken Monday afternoon.

It is the first time since February 1979 that snow has fallen in Ain Sefra, Algeria, a town in the Sahara Desert, the Daily Mail reports.

The last time it snowed in the area, the snow lasted for about an hour. This time, the snow remained for a day.

Karim Bouchetata, an amateur photographer, captured the images of the snowfall on the red sand dunes.”

Sahara Desert Gets First Snowfall in 37 Years


taxamos o ar web

Sábado, 10 Dezembro 2016

A Suécia e os imigrantes

Filed under: Esta gente vota — O. Braga @ 11:16 am
Tags: , , ,

 

O politicamente correcto é comunismo. A construção do comunismo passa pela destruição total e completa da cultura antropológica europeia e cristã.

Quarta-feira, 30 Novembro 2016

Não há uma alma caridosa que anuncie um voto de pesar pela morte de Hitler? É que “todas as mortes são de lamentar…”

Filed under: Esta gente vota — O. Braga @ 7:01 pm
Tags: , ,

 

hitler-simpatico“Ao i, Simão Ribeiro afirmou que “nunca conseguiria votar favoravelmente um voto de pesar como aqueles que foram propostos à Assembleia da República, em que entre outras coisas, tentam branquear quem realmente foi Fidel, chegando mesmo a afirmar que Castro foi um construtor de paz e justiça social”. O deputado não nega, no entanto, “a relevância de uma figura incontornável” e afirma que seria incapaz de votar contra um pesar pela morte de alguém.

O vice-presidente da bancada do PSD Sérgio Azevedo anunciou ontem em plenário que o grupo parlamentar apresentará também uma declaração de voto sobre a morte de Fidel Castro. Ao i, Azevedo afirmou: Todas as mortes são de lamentar e o PSD nunca se opôs no parlamento a que os vários partidos prestassem homenagem póstuma a quem os inspira na sua doutrina. Foi o caso do PCP e é, pelos vistos, o caso do PS. O PSD é um partido humanista e contribuiu sempre para a estabilidade das relações diplomáticas com Cuba, mas isso não impede que estejamos nos antípodas daquilo que Fidel Castro representou e que não condenemos com veemência as atrocidades do seu regime que cortaram a liberdade e a dignidade humana em todas as suas dimensões.”

O Partido Social Democrata continua a mesma merda. Merece desaparecer como partido político.

“Homofobia” é a pata-que-os pôs! É Pedofilofobia, estúpido!

 

Os mesmos que celebram a vida de Fidel Castro e o seu regime como um exemplo, são os mesmos que utilizam a liberdade de expressão para minar o senso-comum que nos resta na cultura antropológica.

“A ministra francesa (socialista) da Saúde, Marisol Touraine, vai levar a tribunal os autarcas conservadores que inviabilizaram nas suas cidades a exibição de cartazes da campanha contra a sida que contam com imagens de homens a abraçar-se e a beijar-se.

“Pela vida, por um fim de semana… Com um amante, com um amigo, com um desconhecido… As situações variam, assim como a protecção”, lê-se num dos outdoors, com a mensagem acompanhada pela fotografia de um homem a abraçar outro pelas costas,

A campanha conta com a apresentação de cartazes em 130 cidades francesas, mas em 12 delas surgiram entraves das autoridades locais que os têm procurado remover.

O autarca de Aulnay-sous-Bois, próximo de Paris, encontra-se entre os que removeram os posters, substituindo-os por imagens com a frase “Proteger as nossas crianças”. Também o autarca de Angers ordenou que fossem retirados os cartazes colocados junto a escolas”.

Ministra francesa processa autarcas por homofobia

ministra-fancesa-homofobia
Ou seja, dá-nos a ideia de que os países da Europa precisam de uma espécie de Fidel Castro de cor oposta.


Os socialistas, e a esquerda em geral, pretendem passar a mensagem segundo a qual “tomar no cu faz bem à saúde e faz crescer as crianças”, conforme vemos nesta outra notícia:

“EVIDENCE has emerged that the views of the Paedophile Information Exchange influenced policy-making at the National Council for Civil Liberties when it was run by former Labour Health Secretary Patricia Hewitt”.

‘We can’t prove sex with children does them harm’, says Labour-linked NCCL

Ou seja, diz a esquerda de que não há provas de que enrabar putos lhes faça mal. E mais: segundo a opinião da Esquerda, não só não faz mal, como até faz bem aos putos serem enrabados.

“Childhood sexual experiences, willingly engaged in, with an adult result in no identifiable damage”.

E mais: a perseguição aos pedófilos é um preconceito inaceitável, porque os pedófilos só fazem bem às crianças quando lhes vão ao cu:

“The present legal penalties are too high and reinforce the misinformation and prejudice. The duty of the court should be to inquire into all the relevant circumstances with the intention, not of meting out severe punishment, but of determining the best solution in the interests of both child and paedophile.”

Isto já não vai com falinhas mansas e argumentos racionais. Precisamos, na Europa, de um enorme paredão de sinal contrário ao de Fidel.


« (…) a lógica do liberalismo político leva-o a tolerar ideias ou movimentos que têm como finalidade destruí-lo. A partir daí, perante a ameaça, o liberalismo está condenado, quer a tornar-se autoritário, isto é, a negar-se ― provisória ou duradouramente ― a si mesmo, quer a ceder o lugar à força totalitária colocada no poder por meio de eleições legais (Alemanha, 1933) »

— Edgar Morin

Quinta-feira, 24 Novembro 2016

Um exemplo chapado do “liberal” português

 

“Donald Trump é certamente o presidente dos EUA eleito com a plataforma de apoio e programa menos liberal (sentido clássico) e mais intervencionista desde Franklin Roosevelt. E não apenas isso. É o mais inexperiente e, (o que é o pior) personagem com personalidade de todo não recomendável para coisa nenhuma. Muito menos para presidir aos EUA. Em suma, um sujeito verdadeiramente perigoso, para todos nós”.


lobotomyPara o típico estúpido liberal português (por exemplo, Pedro Marques Lopes), os impostos têm que ser progressivos. Por isso, quando Donald Trump diz que pretende a mesma taxa de IRS para os mais ricos e para os mais pobres (como acontece na Hungria do faxista Viktor Órban, onde o IRS é de 15% para toda a gente), então segue-se que “ele não é liberal”.

Ser “liberal”, em Portugal, é seguir John Rawls de forma envergonhada ou não assumida.

Quem defende a mesma taxa de IRS para toda a gente é “intervencionista e não é liberal” — diz o estúpido liberal português que, de uma forma ou de outra, se habituou a mamar nas tetas do Estado.

Quando Donald Trump quer cortar na despesa com a NATO, por exemplo; ou cortar na despesa exigida na ONU pelos alucinados do Aquecimento Global antropogénico; e, com esse dinheiro que se poupa, investir em infraestruturas nacionais (estradas, pontes, etc.) — diz o estúpido que “ele não é liberal, mas é intervencionista”: o liberal estúpido português que se preze, acredita no lero-lero aquecimentista da Esquerda radical, por um lado, e, por outro lado, acredita que os Estados Unidos devem andar a plantar guerras em todo o lado (como aconteceu com a Primavera Árabe do Obama e da Hillary Clinton, controlados por George Soros).

Sábado, 19 Novembro 2016

Ensinando o Pai-Nosso ao Padre jesuíta Gonçalo Portocarrero de Almada

 

“I protest against the power of mad minorities to treat the majority as if it were another minority. But still more do I protest against the conduct of the majority if it surrenders its representative right so easily”. → G. K. Chesterton


“Ai do mundo por causa dos escândalos! Eles são inevitáveis, mas ai do homem que os causa!” [Mateus, 18, 1-8]


Depois destas duas citações, vou citar o Padre Gonçalo Portocarrero de Almada:

“O que é, ou não, natural tem muito que se lhe diga. Sem entrar no fundo da questão, pode-se dizer que é natural o que se observa na generalidade das pessoas e que, por isso, se atribui à natureza humana. Ora, no mundo inteiro, cerca de 97% da humanidade sente-se atraída pelo sexo oposto: pode-se dizer portanto que, em termos sociológicos, essa é a tendência mais natural, sem que o seu contrário seja anormal. Neste sentido, o celibato, que contraria uma inclinação generalizada, não é tão natural quanto o casamento, sem que por isso seja nenhuma anormalidade. Ser superdotado também não é natural, embora seja, como é óbvio, excelente”.

Ou seja, para o Padre, “há tendências mais naturais do que outras”. Naturalmente que se ele comparar o ser humano com o peixe-palhaço, chegará à conclusão de que a ideologia de género é natural.

Por outro lado, o Padre compara a “não-naturalidade” do celibato — que é um esforço que contraria o desejo de um fim próximo, em função do desejo de um fim último: ou seja, o celibato é uma virtude —, por um lado, com a “não-naturalidade da homossexualidade”, por outro lado — como se a homossexualidade fosse também uma “virtude não-natural”.


Mais adiante, o Padre escreve:

“A propósito, esclareça-se que a Igreja não reprova a tendência homossexual, nem muito menos as pessoas – algumas, por certo, católicas – que, por vezes contra a sua vontade e com grande sofrimento, se reconhecem nessa situação. O que a Igreja reprova são os comportamentos contrários ao que, segundo a Bíblia, entende ser o recto uso da sexualidade humana, sejam esses actos praticados por um homem ou uma mulher, uma pessoa solteira ou casada, com tendência homossexual ou heterossexual”.

Isto seria o mesmo que o Padre dissesse: a igreja não reprova a tendência psicopata do assassino em potência: o que a Igreja Católica reprova é o acto do homicídio”. Obviamente é falso. O Padre cai na casuística que os jesuítas inventaram e que o papa Chico utiliza de forma adestrada na destruição da doutrina católica.

A verdade, o que o Padre jesuíta Gonçalo Portocarrero de Almada escamoteia, é a seguinte: a Igreja Católica condena, em graus e termos diferentes e como é lógico, a tendência homossexual e o acto homossexual.

É falso dizer que “a Igreja não reprova a tendência homossexual”, porque isso seria afirmar que a Igreja Católica aprova o conatus gay, o que teria como consequência a impossibilidade lógica de condenar o próprio acto homossexual.

Página seguinte »

Create a free website or blog at WordPress.com.