perspectivas

Segunda-feira, 11 Janeiro 2016

A produtividade dos países da União Europeia

 

produtividade na ue


Uma analogia:

Os luxemburgueses produzem 1 kg de ouro por hora, e os portugueses produzem 1 kg de alheiras por hora.

O esforço do trabalho por hora é idêntico nos dois casos, porque os luxemburgueses não são super-homens. A diferença é que os luxemburgueses têm os meios necessários para produzir ouro, e os portugueses não têm esses meios. A diferença de “produtividade” está aí.

Ora, é possível dotar Portugal de meios para produzir 1 kg de ouro por hora, em vez de alheiras. Mas isso iria baixar o preço do ouro no mercado — se toda a gente procurar produzir ouro, o preço do ouro baixa no mercado, e a produtividade baixa também. Por isso, quem produz ouro não quer que os outros o produzam, e fazem tudo para que os meios de produção de ouro não sejam transmissíveis a outrem.

A União Europeia é um mercado em que uns produzem ouro, e outros produzem alheiras; pelo meio, há uns que produzem prata ou cobre. E qualquer tentativa de alterar a situação dos produtores de alheiras é considerada um “atentado às instituições europeias”.

Para quem produz ouro, a competitividade não é problema, porque existem poucos com os meios necessários para produzir ouro. A produção de ouro é uma espécie de monopólio de um grupo pequeno. A competitividade só se coloca a nível dos produtores de alheiras, em que os meios de produção estão ao alcance de muitos países.

Portanto, a competitividade é proporcional à produtividade. Quanto menos produtiva é uma sociedade (ou país), menos competitiva ela é (a não ser que restrinja as importações, como faz a China, valorizando a produtividade no mercado interno). 

Para que Portugal possa dar um salto qualitativo e passar a produzir cobre ou prata (e já nem falo em produzir ouro!) tem que fazer um “corte epistemológico” em relação ao status quo.

E esse “corte epistemológico” passa por alianças bilaterais com países com interesses semelhantes aos de Portugal, e principalmente fora da Europa. Ou seja, a atitude de Portugal em relação à União Europeia tem que ser revolucionária, no sentido de colocar em causa a “lógica” de mercado que condena a que uns produzam alheiras toda a vida, enquanto os outros se pavoneiam com a sua “produtividade” produzindo ouro.

(fonte do gráfico)

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.