perspectivas

Sexta-feira, 17 Fevereiro 2017

Portugal, o Euro, e o Índice de Desenvolvimento Humano

 

No mesmo ano em que teve lugar o referendo do Brexit, os políticos da União Europeia (incluindo Angela Merkel) andavam entretidos a importar dois milhões de imigrantes islâmicos. E depois ficaram admirados porque o Brexit ganhou. Um dos que ficou surpreso foi o insurgente.

Por vezes pergunto-me se esta gente tem cérebro; não percebem que são eles próprios — é a sua própria existência — que alimentam a Marine Le Pen e quejandos. Viktor Orbán, da Hungria, não teria tanto sucesso político se a Angela Merkel tivesse tido filhos, e não tivesse o síndroma da mãe sem filhos que vê nos imigrantes os filhos que ela não teve.

Quem está a destruir a União Europeia, em primeiro lugar, são os políticos defensores da União Europeia e do Euro. Escreve o Insurgente:

“O fim do euro, que acontecerá caso Marine Le Pen vença em França, o regresso tão desejado do escudo, que trará inflação, reduzirá salários, aumentará a pobreza, trará aflição para muitos. Mas servirá também de pretexto. As causas facilmente se apontarão ao estrangeiro. Seremos pobres, estaremos aflitos, não em virtude do Governo da geringonça mas por responsabilidade da Europa que se auto-liquidou.”

vesgoPortugal está no Euro, e no Índice de Desenvolvimento Humano, Portugal está no lugar 43.

Está abaixo de Malta e da Grécia; está abaixo da Lituânia e da Estónia; está abaixo da Eslovénia, da Islândia (que não está no Euro) e da Irlanda. Mas Portugal está no Euro.

Isto significa que, a julgar pela tese do insurgente, se o Euro acabar, Portugal passará para o nível do Burkina Fasso em termos de Índice de Desenvolvimento Humano. Ou seja, se dentro do Euro Portugal está no lugar 43 do Índice de Desenvolvimento Humano, fora do Euro estará aí por um lugar perto do 100.

“Ou o Euro, ou o caos” — diz o Insurgente.

E depois queixa-se da existência da Marine Le Pen ou do Viktor Órban (que não está no Euro). E dizem que o Brexit destruiu o Euro, mesmo sabendo que o Reino Unido não adoptou o Euro.

Segunda-feira, 30 Janeiro 2017

A estupidez natural do Frei Bento Domingues

 

Quando leio o Frei Bento Domingues fico incomodado: não por qualquer dissonância cognitiva da minha parte, mas porque ele parece ter um sério problema cognitivo. E quando eu leio um burro, fico logo com a mosca.

“Seria, todavia, grave que, por causa das análises inadequadas do autor, não perguntássemos com insistência: o que aconteceu, ao longo dos séculos, para se esquecer, que numa das primeiras comunidades cristãs não havia, entre eles, nenhum indigente (…); distribuía-se a cada um segundo a sua necessidade? Hoje, o abismo entre ricos e pobres continua escandaloso. Alguns desses ricos e opressores ainda passam por benfeitores. Que enxertos perversos foram feitos na árvore cristã para dar frutos tão maus?”

Frei Bento Domingues

fbd-2-webO Frei Bento Domingues é um caso sério de burrice; se houvesse um doutoramento em burrice, ele seria até Honoris Causa. Ora, diz o burro que nas “primeiras comunidades cristãs não havia, entre eles, nenhum indigente (…); distribuía-se a cada um segundo a sua necessidade”; e é verdade.

Conforme referi anteriormente,

1/ Os historiadores (Boak, Russell, MacMullen, Wilken) apontam para uma população total de cerca de 60 milhões de pessoas em toda a área do império romano, após a crucificação de Jesus Cristo.

2/ O Cristianismo, então nascente, é considerado um fenómeno sociológico, que passou de 1.000 seguidores (no total) no ano 40 d.C., para 7.500 no ano 100 d.C., 218.000 no ano 200 d.C., e seis milhões no ano 300 d.C..

Isto são factos relativamente documentados (mais coisa, menos coisa).

Quando as comunidades cristãs atingiram as muitas centenas de milhares de pessoas, o comunitarismo de que fala o burro deixou de ser possível, em termos práticos, nas diversas comunidades cristãs no império romano.

Ou seja, o comunitarismo cristão do “tudo em comum”, segundo o burro, só foi praticamente possível enquanto a população cristã total, e em todo o império romano, era apenas de alguns milhares — no século I da nossa Era.

Comparar as comunidades dos cristãos do século I, por um lado, com a realidade do século III, por outro lado e por exemplo, ou com a realidade actual — como faz o asno —, é um sofisma; e só se compreende esse sofisma do Frei Bento Domingues por estupidez natural.

Domingo, 15 Janeiro 2017

Boualem Sansal: "A França está no bom caminho para a total islamização".

 

Sexta-feira, 23 Dezembro 2016

O molho tártaro do Leopildo do Diário de Notícias

 

Na fotografia abaixo vemos a actual primeira-ministra romena, Sevil Shhaideh, que é muçulmana. Mas ela não é só muçulmana: vemos, na foto e ao lado dela, uma placa com a bandeira turca e com os dizeres: União Democrática Turca da Roménia.

Sevil Shhaideh

Imagine o leitor, por exemplo, que António Costa concorria às eleições com a bandeira da Índia, e com uma placa a dizer: “União Democrática da República Indiana em Portugal”.

Naturalmente que o Leopildo do Diário de Notícias vê a eleição de uma romena que se diz muçulmana e turca, para primeira-ministra de um país da União Europeia que não é a Turquia, como uma coisa boa. E por quê? Porque o Leopoldo acredita que é possível integrar na Europa uma cultura que nunca se integrou ao longo de 1500 anos.

Quarta-feira, 21 Dezembro 2016

A santidade laica do Soromenho

 

Viriato Soromenho Marques revela, neste texto, uma das características do chamado “intelectual de esquerda”: a recusa da auto-crítica e a dificuldade em lidar com os factos provenientes da realidade. Lenine dizia que “os factos são teimosos”; a “esquerda intelectual” actual acrescenta: “mas nós ainda somos mais teimosos que os factos”.

“Com uma sinistra ironia, o camião assassino veio de oeste, da Kantstrasse – a rua que celebra o filósofo da "paz perpétua" -, galgou o lancil e varreu quase uma centena de metros de passeio, onde estava instalado o mercado natalício, para estacar à beira da rua de Budapeste. Escassos segundos para tanto sofrimento. Foi um ataque à generosa hospitalidade alemã para com os refugiados, em 2015. Mas aquilo que o camião assassino quis esmagar, derramando o veneno do medo com fria premeditação, é a capacidade de os europeus transformarem 2017 no ano de reencontro com o seu futuro comum. Contra a inteligência da solidariedade, o terror quer empurrar-nos para o caos da discórdia.”

Soromenho: “O nosso futuro atacado em Berlim”.

Há no Soromenho uma espécie de aura de santidade laica que o (auto)coloca acima do comum dos mortais; e essa santidade laica do Soromenho escora-se na negação da natureza humana — assim como os santos da Igreja Católica desafiavam o pecado, intrínseco à Natureza Humana. A diferença, talvez, é a de que os santos da Igreja Católica dependiam de Deus, ao passo que a santidade laica do Soromenho depende do conceito deificado e prometaico de “Humanidade” hipostasiado nele próprio: a realidade do Soromenho reduz-se ao mundo sub-lunar delimitado pelos satélites artificiais.

Qualquer cidadão com dois dedos de testa (com bom senso) sabia que a importação, por parte da Europa, de milhões de muçulmanos, não seria uma boa ideia. Mas o santo Soromenho acredita em milagres — não nos milagres de Deus: mas antes acredita nos “milagres” das ciências e das engenharias sociais que caracterizam o eunuco espiritual e intelectual de esquerda.

Sábado, 30 Julho 2016

O terrorismo e a singularidade islâmica

 

“As sociedades europeias / ocidentais são hoje muito diversas face à realidade de há meio século atrás. Abandonaram a ideia de uma cidadania culturalmente homogénea, a qual foi substituída por uma cidadania multicultural. O ideal é apreciável, especialmente face aos excessos nacionalistas do passado e a modelos de cidadania pouco inclusivos. Parece em sintonia com a diversidade do mundo globalizado. Mas enfrenta um problema delicado.

Entre as elites políticas, empresariais, académicas e artísticas emergiu uma cidadania cosmopolita e multicultural. Na grande maioria da população a ideia não teve ressonância. O principal quadro de referência continua a ser o Estado-nação, como se viu na crise da Zona Euro”.

O Daesh cresce no multiculturalismo de gueto na Europa


O conceito de “elite” é hoje pejorativo; a elite é hoje uma espécie de classe kitsch ou filistina cujos membros aparecem amiúde nos me®dia e que se regulam por um utilitarismo básico e bacoco a que chamam de “cosmopolitismo”.

Em vez de “elite”, adoptemos o conceito de “escol” segundo o critério de Fernando Pessoa: um escol é tanto mais perfeito quanto mais diferente é do resto da população em grau de tudo; quanto mais está, contudo, unido a esse resto da população por um interesse nacional; e na acção que tem sobre esse resto da população.

O escol não significa uma classe de pessoas, mas antes é uma série de indivíduos. Pode pertencer ao escol um rico ou um remediado e até um indivíduo despojado (como foi Agostinho da Silva), um intelectual ou um artista, um industrial ou um operário. Um membro do escol não frequenta necessariamente o Jet7 e a figuração pública, e a maioria prefere até o recato da privacidade.

As condições auxiliares do escol: a aristocracia de sangue, pois estabelece a cisão no país; segundo Fernando Pessoa, um país democratizado baixa imediatamente o nível do escol. A aristocracia não é estritamente necessária, mas ajuda. São condições biológicas do escol: não intervenção do Estado em matéria biológica ou demótica. Condições económicas do escol: regime concorrencial o mais apertado possível.


islam-is-the-problem

A tese do “gueto islâmico na Europa” (conforme vemos no texto) que pretende explicar o terrorismo islâmico, é própria do Romantismo positivista do século XIX que voltou a estar na moda.

Para os românticos, o erro humano não é do domínio da psicologia, mas antes decorre do padrão de valores de uma sociedade; desde logo, a culpa do erro do indivíduo é da sociedade entendida de uma forma quase abstracta. O Positivismo é o romantismo na ciência que alimenta o laicismo radical actual das elites que transformam a ciência em uma religião (o Positivismo é uma metafísica): é a Religião da Humanidade de Augusto Comte que voltou a estar na moda depois da queda do muro de Berlim.


Bikini-Burqajpg

Conforme constata o texto referido, o problema do terrorismo islâmico escora-se na diferença radicais entre culturas; mas a cultura tem pressupostos metafísicos e éticos.

Por exemplo, existem na Europa comunidades de siques ou comunidades de budistas, mas não vemos os membros dessas comunidades a cometer actos de terrorismo. São os tipos de metafísica e de ética que determinam a forma de uma determinada cultura antropológica e a sua psicologia.

A sociedade europeia actual é herdeira do Cristianismo que, desde as suas origens, separou o Poder político e a religião (“Dai a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus”). Esta separação entre o Estado e a religião marcou a metafísica e a ética cristãs e, por isso, determinou um padrão cultural comum a quase todos os povos da Europa ocidental.

A metafísica islâmica tem como consequência, na ética e na política, exactamente o oposto da cristã: defende a teocracia, ou seja a fusão do Estado e da religião, e neste sentido é uma ideologia política, e não uma religião propriamente dita.

Esta diferença cultural entre o Cristianismo e o Islamismo é impossível de ultrapassar, porque tem origem na metafísica que marca indelevelmente uma mundividência (a ética e a cultura antropológica). A única forma de “secularizar” o Islamismo é a repressão cultural do Islamismo — o que iria contra a ideologia dos direitos humanos e contra a Religião da Humanidade. Portanto, a solução do problema do Islamismo é o de o confinar (dentro do possível) aos países de origem, por um lado, e por outro lado regular os fluxos de imigração islâmica para a Europa.

A partir de um certo patamar de influência na sociedade, a comunidade islâmica tende a exigir uma lei separada para ela — a Sharia, ou lei islâmica. Nestas condições estão, para além da França, a Suécia, a Inglaterra, a Bélgica e a Holanda.

A partir de uma determinada percentagem de muçulmanos (digamos, 10%) em relação à população total em uma sociedade europeia, surge o fenómeno da “singularidade islâmica1, que é o ponto através do qual a sua influência se começa a aproximar do infinito. É preciso que se note que a intenção do Islão não é só a conversão dos infiéis; é sobretudo a imposição da lei da Sharia em todo o mundo, independentemente da fidelidade ou não fidelidade ao Islão.

A partir dos 10% do total da população, começa uma guerra civil autêntica, como acontece na Índia (14%), Israel (16%), Rússia (15%), Etiópia (33%). A partir dos 40% começam os massacres em massa contra as populações não-islâmicas, como na Bósnia (40%), no Chade (53%), ou no Líbano ( 60%). A partir dos 60% começam as limpezas étnicas e a aplicação do imposto islâmico (Jizya) — Iraque, Malásia, Catar, Sudão…E por aí fora.


Nota
1. Em termos matemáticos, uma “singularidade” é o ponto em um determinado domínio de uma função no qual o valor da função se torna indefinido. Em uma singularidade típica, a função “aponta para o infinito”, ou seja, na área em torno da singularidade o valor da função aumenta à medida em que este se aproxima daquela ― quanto mais próximo da singularidade, maior é o valor; quando o valor chega à singularidade, torna-se infinito. Em termos da lógica, a singularidade aponta para o absurdo de uma função.

Na astrofísica, o buraco-negro é também referido como uma “singularidade”. Quando a matéria de uma estrela em fim de vida é comprimida para além de um terminado ponto — conhecido como “radius de Schwarzchild” —, torna-se impossível a alguma coisa escapar à sua gravidade, produzindo um ponto de massa de uma “densidade infinita”. Na singularidade, as leis da Física (e da ciência em geral) deixam de ser aplicáveis.

Sexta-feira, 29 Julho 2016

A União Europeia e o materialismo marxista

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 9:33 am
Tags:

 

O materialismo marxista do século XIX (conforme a 1ª Internacional) tinha três características principais:

  1. a negação de Deus;
  2. a negação da pátria;
  3. a negação da propriedade privada.

A Constituição da União Europeia (o Tratado de Lisboa) difere dessas três características do materialismo marxista apenas no ponto 3.

Portanto, a Esquerda marxista europeia já teve sucesso em dois pontos essenciais: 1/ a negação do papel fundamental da religião na sociedade e na civilização; 2/ a negação da pátria como lugar da nação que é fundamental para a instituição da democracia.

A luta da Esquerda marxista é agora restrita à limitação ou mesmo negação da propriedade privada. Sem Deus e sem pátria, a vitória da Esquerda marxista é certa.

Terça-feira, 26 Julho 2016

Como acabar com o terrorismo islâmico na Europa

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 6:33 pm
Tags: , , , ,

 

“Trigo limpo, farinha amparo”. “Para grandes males, grandes remédios”.

garrote

A “estagnação secular” e a Religião da Humanidade

 

Ontem, em um programa na RTP3, três economistas falaram da “estagnação secular”. Um deles (de Esquerda) fez referência a Karl Marx, e outro (da Não-Esquerda) afirmou que a solução para o problema da estagnação económica é uma (ainda) maior globalização das economias (internacionalização). Vemos como a Esquerda e a Não-Esquerda estão de acordo em pontos essenciais sobre este assunto.

Em ambos os casos (na Esquerda e na Não-Esquerda) verificamos a eliminação do elemento ético nas relações económicas, e a redução de toda a realidade humana à economia.


Segundo Karl Marx (“Ideologia Alemã”), a estagnação da economia deve-se às “relações de propriedade” — que é a relação que existe entre as “forças produtivas” e as “relações de produção”: alegadamente, quando as “forças produtivas” atingem determinado estado de desenvolvimento, “entram em contradição” com as “relações de produção”, e essa “contradição” é a causa da estagnação económica.

Quando os marxistas e os neoliberais reduzem a realidade inteira à economia, simplificam o que é complexo e adoptam um pensamento dogmático que ignora as retroacções da História. A História é vista por eles como sendo linear e progressiva, sem possibilidade de recuperação, por parte da sociedade, de conceitos do passado; e quando esses conceitos retroactores surgem, marxistas e neoliberais adoptam o ad Novitatem, fazendo com que o “novo” nunca possa ter qualquer coisa em comum com o “velho”.

A reacção contra a estagnação secular já se está a fazer sentir. Por exemplo, o Brexit é uma reacção à estagnação económica na União Europeia; a eleição de Donald Trump nos Estados Unidos também; na Hungria temos o Viktor Orbán com os 12% de IRS universal; fenómenos similares acontecem na Irlanda, na Polónia, na Rep. Checa, ou mesmo na Eslovénia. No Japão, a reacção à estagnação secular é por demais evidente:

“This week, Japan’s Liberal Democratic Party and its coalition partners won a two-thirds majority in the legislature’s upper house, to go along with their two-thirds majority in the lower house. A two-thirds majority is required in each house to begin the process of amending Japan’s constitution. And amending the constitution is one of the central planks in the LDP’s platform”.

Japan’s New Fascism

Os direitos humanos, entendidos em si mesmos como uma política, tende a ser colocada em causa ou questionada. Os Direitos do Homem não são uma Política [Marcel Gauchet, “Le Débat”, 1980].


É neste contexto que surge a imigração aberta e suicida na Europa. É uma fuga para a frente, no sentido errado.

mulher islamica em inglaterra kodachromeAntes de o problema da “estagnação” ser económico — é metafísico, ético, cultural e político. Os “comunistas do mercado” (os neoliberais) e os “comunistas da revolução” (os marxistas) descobriram a vantagem da imigração em massa, e dizem que os resultados são excelentes: ambos pensam que saem a ganhar do negócio da imigração em barda.

A instalação multiculturalista de comunidades de imigrantes acelera a proletarização dos imigrantes, e também reduz os trabalhadores indígenas (os brancos europeus) à antiga condição de proletários: privados da protecção de uma nação coerente, tratados como “suspeitos históricos” pelo poder político controlado pelos “comunistas do mercado” (os neoliberais) e pelos “comunistas da revolução” (os marxistas), os europeus indígenas perdem as suas últimas imunidades comunitárias: transformam-se em uma versão actualizada dos proletários do século XIX, em zômbis em potência.

Esta estratégia de proletarização geral da sociedade convém tanto aos neoliberais como aos marxistas, embora por razões distintas — é aquilo a que eu chamei de sinificação.

Trata-se de uma aliança entre Trotski e Hayek.

O neoliberalismo utiliza os velhos intelectuais marxistas (por exemplo, Francisco Louçã, José Pacheco Pereira, Daniel Oliveira, etc.) que são os seus compagnons de route, e que se transformam no novo clero inquisitorial da Religião da Humanidade (esse novo ópio do povo): uma religião que se baseia nas tábuas da lei dos direitos humanos, ou seja, nos direitos dos zômbis, e que se transformam nos deveres do Homem. A Religião da Humanidade tem os seus dogmas, e o seu braço secular: a União Europeia e os tribunais nacionais e internacionais.

Um dos instrumentos privilegiados de controlo dos zômbis europeus por parte dos “comunistas do mercado” e dos “comunistas da revolução”, é a exploração sistemática do sentimento de culpa colectiva dos europeus: a Victimilogia “virou” ciência, e transformou-se em um sistema de legitimização de uma sociedade pouco legítima.

“A classe que tem o poder material dominante da sociedade é, ao mesmo tempo, a que tem o poder espiritual do dominante” → Karl Marx, “Miséria da Filosofia”

¿Quem detém hoje o Poder espiritual dominante? É a Religião da Humanidade. E repartem entre si o poder material. Trata-se de uma aliança que aparece ao povo como a mistificação de uma cisão política. É a nova “superstrutura” constituída pelos “comunistas do mercado” e pelos “comunistas da revolução” (Karl Marx pode ser útil, mesmo quando é inútil).

Segunda-feira, 25 Julho 2016

As tensões aumentam na Alemanha.

Filed under: Europa — O. Braga @ 7:18 pm
Tags: , , , ,

 

 

As tensões aumentam na Alemanha. No funeral das vítimas do atentado de Sábado, os anormais dos muçulmanos gritaram “Alaú Vamos Ao Bar!”. E a reacção dos alemães não se fez esperar. Muitos dos muçulmanos que vivem na Europa terão que ser deportados; é uma questão de tempo. A convivência é impossível.

Domingo, 24 Julho 2016

O enriquecimento cultural que nos traz a imigração islâmica

 

antistigma1“Un refugiado sirio solicitante de asilo en Alemania, de 21 años y con antecedentes policiales, mató este domingo con un machete a una mujer e hirió a otras dos personas en la ciudad de Reutlingen (suroeste del país), según informó la policía local en un comunicado”.

Detenido un refugiado sirio en Alemania tras matar con un machete a una mujer

É claro que não tem nada a ver com o Islão: nada de “amálgamas” e de confusões.

 

nonconfundir

Segunda-feira, 18 Julho 2016

Portugueses e turcos nunca se deram bem

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 10:26 am
Tags: , , ,

 

Eu não simpatizo com o Erdogan; mas quando vemos o Bloco de Esquerda a atacá-lo, não podemos também gostar dos golpistas. Os turcos não têm uma cultura de matriz europeia. Ponto final.

O QI médio turco é de 89, o que aproxima a Turquia da ingovernabilidade. A cultura islâmica promove o casamento entre primos direitos, o que é uma das causas do baixo QI dos turcos.

erdogan

A arbitrariedade política turca é de tal forma que o Erdogan pretende reintroduzir a pena-de-morte para crimes do passado — o que vai contra o definido pelo Iluminismo no Direito (por exemplo, com Reimarus): uma lei punitiva não se aplica retroactivamente; não devemos criar uma lei hoje para punir um crime de ontem.

Portugueses e turcos nunca se deram bem. Os portugueses, sempre em minoria, causaram terror entre os turcos.

Página seguinte »

site na WordPress.com.