perspectivas

Sexta-feira, 26 Outubro 2007

Nietzsche e as mulheres

Filed under: cultura,filosofia — orlando braga @ 2:43 pm
Tags: , , , ,

manequins

Eu penso que um homem que não aprecie a Mulher não pode ser grande “pistola”. Em “Assim falava Zaratustra”, Nietzsche escreve que as mulheres são incapazes de amizade: “são como gatas, aves, ou quando muito, vacas”. Os fundadores do Partido Nazi, sendo praticamente todos gays, levaram o conceito de Nietzsche sobre as mulheres muito a sério.
Por esta e por outras, é que temos que aturar hoje as feministas. Nietzsche deveria ser autorizado a reencarnar e ser obrigado a levar com as feministas todos os dias da sua nova vida, e à porta da sua casa. A sua tortura cármica deveria ser a obrigação de frequentar, como bom ouvinte e de boca calada, as tertúlias feministas da Maria Teresa Horta. Não há direito que um tipo escreva coisas destas, escape à punição da maria-vitória e deixe para os machos vindouros o fardo de passar pela redenção de uma filosofia de que não são responsáveis.

“O homem será preparado para a guerra e a mulher para passatempo do guerreiro. O mais é loucura.”
— Nietzsche

Quem lê Nietzsche, pensa que o tipo é um maganão e que “está a reinar com a gente”. Se a guerra de auto-defesa é, por vezes, necessária, Nietzsche acaba com as padeiras de Aljubarrota. Não existe nenhuma nova e potencial padeira de Aljubarrota que subscreva esta frase de Nietzsche, e portanto, estamos condenados a “levar no corpo” sem nos defendermos.
Assim como o Volkswagen “carocha” foi a vingança de Hitler [porque fez milhões de vítimas em acidentes de automóvel, devido à sua instabilidade], o feminismo politicamente correcto é a vingança de Nietzsche. Pelo simples facto de um país se organizar para uma guerra de auto-defesa, temos as feministas todas a recordar-nos os conceitos Nietzscheanos de “homem guerreiro” e da “mulher passatempo”, e a manifestarem-se nas ruas e nos Mídia. Este é o paradoxo histórico de Nietzsche: do seu anti-cristianismo, herdamos a “dádiva da outra face”. Estamos condenados a ser invadidos e agredidos, e dar ainda a outra face, em memória de Nietzsche. Eis como uma espécie de anticristo se transforma, involuntariamente e por vontade da Providência, numa referência apostolar.


“Vais ter com uma mulher? Não te esqueças do chicote.”
— Nietzsche

Não tenho a certeza de que tipo de “chicote” Nietzsche se referia, mas a julgar pelo juízo, não me parece que seja aquele em que estou a pensar – até porque há coisas que não esquecemos em qualquer lugar, mesmo quando, infelizmente, não nos lembramos delas.
Dignos de celebração de Nietzsche são o sado-masoquismo gay e o movimento cultural das lésbicas que substituiu o “chicote” pelo vibrador; deveriam colocar Nietzsche num pedestal, arranjar um retrato na parede, e celebrar o dia do seu nascimento como um novo Natal.

wenn-nietzsche-wept

“As mulheres têm muito de que envergonhar-se; há na mulher muito pedantismo, superficialidade, primarismo escolar, vaidadezinha, desmesura e indiscrição oculta…que tem sido restringida e dominada por medo do homem.”

– Nietzsche (“Para lá do Bem e do Mal”)

Nietzsche não era pedante – era lá agora! Desmesura?! Nem vestígios! O “primarismo escolar” não existe nos homens, e quem o afirma é blasfemo! Já viram algum homem analfabeto? A julgar por Nietzsche, o homem é “iletrado”, e as mulheres são “analfabetas”. Conceitos diferentes. Foi por causa do “primarismo escolar” feminino no tempo de Nietzsche que surgiram as sufragistas e aturamos hoje a Germaine Greer e frases como “um em cada dois homens é uma mulher”. Ah, desgraça…!

“Gostar de mulheres inteligentes é prazer de pederasta” (Charles Baudelaire); Nietzsche descobriu o pederasta que existia nele. Vejam bem: as mulheres burras exigem de um homem muito mais imaginação – a imaginação que Nietzsche não tinha. Apreciar uma mulher burra é um desafio para um homem inteligente, e só uma mulher inteligente pode “domesticar” um homem burro. Nietzsche não tinha a mínima noção de Yin e Yang, da atracção dos contrários. Pudera…esteve sempre no “contra”…

“A mulher deve ser considerada como propriedade do homem, como fazem os orientais”

– Nietzsche (“Para lá do Bem e do Mal”)

Das duas, uma: ou Nietzsche tinha problemas de impotência sexual, ou foi cornudo toda a vida. Esta frase é um desabafo de um cornudo magistral e endémico, mas também pode ser um grito de um impotente mal-amado. Contudo, excluamos a hipótese de condição de cornudo, porque sabemos que Nietzsche, de mulheres, conhecia pouco ou nada, à excepção da sua irmã (feia e inteligente, a exteriorização do pederasta), com quem – diziam as más-línguas – teve uma relação incestuosa.
Em consequência de estereótipos Nietzscheanos deste género, passamos a confundir o “machismo” com “marialvismo”. O macho não defende a ideia de que a mulher deva ser propriedade do homem – pelo contrário, a apropriação da mulher pelo homem coloca dificuldades acrescidas a um macho que se preze. A noção de mulher como propriedade do homem é eminentemente marialva, e um marialva é um gay que não “saiu do armário”.

Enfim, sou de opinião que a história da filosofia moderna está mal contada. Se o desconstrucionismo “inventado” por Nietzsche servisse para alguma coisa, deveria ser para desconstruir o próprio Nietzsche.

Sobre Nietzsche ler: “O profeta do anticristo”

About these ads

26 Comentários »

  1. Amigo, os fundadores do partido Nazistas não eram “quase todos gays”. Isso é apenas uma afirmação homofóbica que mascara o sexismo na ideologia nazista, e em nada ajuda-nos a compreender a história.

    Comentário por Renata Piekarski — Quinta-feira, 6 Dezembro 2007 @ 7:01 pm | Responder

  2. Para a Renata homófila:

    http://www.abidingtruth.com

    Se não souber inglês, eu traduzo.

    Comentário por Orlando — Quinta-feira, 6 Dezembro 2007 @ 7:11 pm | Responder

  3. Em primeiro lugar , o que qualquer Estudante de filosofia ou professor iria lhe perguntar: Você lê e conhece Filosofia? Você é idealista? è preocupante academicamente falando , dizer algo de alguém que se conhceia desde a infância e sabia quem era(um homem, animal social) dificil para a maioria se não para quase todos os filósofos que existiram antes de Nietzche. Só para lembrar o Filólogo Nietzche(ele nunca fez Filosofia, pois era autoditada suficiente para não cair em armadilhas da gramática) fala de mulheres em um tom que faz “ELAS” entenderem que o seu papel real no mundo está orientado para o masculino, pois, o Homem forjou a sociedade tal como ela é. Parace frieza e “machismo” , mas ele ataca para que de uma possível “crítica” cosntrutiva da personalidade do Animal feminino apareça sem toques do mundo patrístico masculino.

    A desconstrução é por essa vias em Nietzche , ou ele desconsiderava a mulher como sendo diferente , ou ele deveria aceitar o fato de que elas por si só não construiram sociedades e nem as comandariam. ELE QUEBRA A ESPINHA DORSAL DO HOMEM, por que a mensagem é subliminar..é para que as mulheres parem de nos imitar ou ficarão para sempre ao nosso favor , mesmo inconscientemente. Leia sobre a Genial e Idealista Rosa Luxenbrugo , que era militante(masculino) professora(masculino) mas amava arte e poesia(não há sexo nisso, mas é o lado mais feminino do mundo) ela leu e adorou Nietzche.

    Comentário por Joao — Sexta-feira, 28 Março 2008 @ 4:14 pm | Responder

  4. Sinceramente, devo ser muito burro porque não entendi o que o comentador acima quis dizer em relação a Nietzsche e a sua relação com as mulheres. Aconselho o comentador a ler o que o ateu Bertrand Russell escreveu sobre Nietzsche, para que não fique aqui a ideia de que a minha opinião está contaminada por algum tipo de religiosidade. Existem coisas que não têm justificação.

    Por outro lado,parece-me que o comentador confunde Nietzsche com Karl Marx ou Engels, quando ele escreve que Nietzsche queria “quebrar a espinha dorsal do homem”. Estive para não deixar aparecer este comentário, mas acabei por o permitir para que conste a total ignorância sobre as ideologias que prevalecem hoje.

    Comentário por Orlando — Sexta-feira, 28 Março 2008 @ 6:17 pm | Responder

  5. “Vais ter com uma mulher? Não te esqueças do chicote.” – Nietzsche

    este é o chicote ao qual ele se refere, esta foto foi tirada ainda quando Friedrich era amigo de Paul Rée e Lou Salomé, quando ele se apaixonou uma unica vez pela mesma, e foi rejeitado, e traído, por ela com o seu melhor amigo, o Paul!

    Eu sou mulher, e afirmo tudo quanto ele fala a nosso respeito, somos um tanto quanto criaturas odiosas em certos momentos! Sou mulher o bastante para adimitir tal coisa! E nós mulheres sabemos que no fundo tudo que ele fala é verdade, e se não achamos que são, é porque ainda não pensamos melhor!

    Abraços a todos!

    Comentário por Ilana Pêpe — Segunda-feira, 11 Agosto 2008 @ 4:59 am | Responder

  6. [...] O super-homem abandona toda a fé na vida e no Homem, e aventura-se na procura de “todas as possibilidades”; o super-homem é aquele “valentão” que diz que “não vai morrer estúpido”; é aquele “super-macho” que procura com um afã doentio distinguir-se da essência do Homem, tentando a máxima diferenciação possível; o super-homem é gay. [...]

    Pingback por A escatologia do Super-homem de Nietzsche « Ilha do Paraíso — Domingo, 21 Setembro 2008 @ 8:14 pm | Responder

  7. antes de mais nada, esse foi um ótimo post digno de ser lido até o final!

    bem não podemos negar que Nietzsche teva algum problema sentimental (e quem nunca teve?) e infelizmente deixou seus escritos contaminados por essas flutuações … agora alguns pontos devem ser esclarecidos:
    1° O partido nazista de carater nacionalista alemão não tinha o apóio de Nietzsche, eles usaram os seus textos de forma fragmentada e contextualizados segundo seus interesses.
    2° A idéia de super-homem se remente a trasposição dos valores sujos de um sociedade contaminada pela hipocrizia, é um princípio e não uma imagem … se alguem acha isso algo gay explique-se!!!
    3° Nietzsche adorava ser ácido e atacar tudo aquilo que se remetesse as falsas relações sociais como o machismo e o subjetivo papel da mulher na sociedade … existe um trexo em “Ecco Homo” no capítulo “Porque eu escrevo livros tão bons” parágrafo 5 onde ele motra algumas das suas ideologias referentes as mulheres , segue algumas partes:

    “Elas todas me amam – uma velha história: descontadas as mulherinhas fracassadas, as ‘emancipadas’, as incapazes de ter filhos … Por fortuna não tenho a menor intenção de deixar que me arreebentem: a mulher completa arrebenta, quando ela ama… Eu conheço essas mênadas amáveis… Oh, que predadora sutil, perigosa, subterrânea, baixa! E é tão agradável ao mesmo tempo!… Uma mulher baixa, que vai atrás de sua vingança, seria capaz de passar a perna até mesmo no destino.. A mulher é indizivelmente mais má do que o homem, e também mais esperta: a bondade na mulher já é uma espécie de ‘degeneração’… ”
    (Nietzsche – Ecco Homo)

    …que eu tenha esclarecido alguma coisa flw

    Comentário por lorduakiti — Quarta-feira, 31 Dezembro 2008 @ 3:43 am | Responder

    • @ lorduakiti :

      1. O título do livro é “Ecce Homo”

      2. Nietzsche sofria de sífilis, tinha dores de cabeça horríveis e
      praticamente não saía da escuridão porque não suportava a luz do dia.
      Toda a filosofia do homem reflectia a sua condição, e o deplorável é que
      ele seja levado a sério por muita gente que se considera “séria”. Ele
      foi muito mais um ficcionista do que um filósofo.

      3. Nietzsche morreu em 1900, 20 anos antes da formação do Partido Nazi.
      É verdade que Nietzsche foi usado pelo nazismo, mas muitos dos
      princípios defendidos por Nietzsche (a supremacia aristocrática
      absoluta, a inferioridade inata e intrínseca de uma casta de humanos (os
      cristãos), o Super-Homem ateu, etc.) encaixavam bem na ideologia nazi.

      4. Nietzsche não tem nada a ver com gayzismo, nem eu afirmei isso aqui.
      A ideia do Super Homem é baseada na cosmogonia grega dionísica; no
      fundo, não há muito de original neste aspecto. Nietzsche inspira-se nos
      gregos pré-socráticos para preterir a História a favor da Natureza, o
      que fez dele um apaniguado de um monismo naturalista. É inconstestável o
      facto de Nietzsche ter sido influenciado por Darwin.

      5. Nietzsche tinha mesmo um problema com mulheres; ele era um misógino
      completo, o que não significa que tenha sido homossexual. Não há que
      dourar a pílula e inventar razões para além da real.

      Comentário por O. Braga — Quarta-feira, 31 Dezembro 2008 @ 11:04 am | Responder

  8. A mulher quer tornar-se independente: e para isso começa por esclarecer
    [aufklären] os homens sobre a “mulher em si” – isso pertence
    aos piores progressos do enfeiamento geral da Europa. Pois o que tem
    que vir à luz em todas essas grosseiras tentativas de cientificidade
    feminina e autodesnudamento?4

    Gostaria de chamar a atenção para a proximidade entre a expressão
    “a mulher em si”, que aparece nesse aforismo, e aquela que figura
    no Prefácio como um dos elementos centrais do capital erro dogmático
    de Platão, a saber, “espírito puro e Bem em si”. Despertando o interesse
    para isso, quero sublinhar a correlação entre o tema permanente da crítica
    do platonismo e aquele, para nós principalmente emergente, da crítica
    do feminismo.
    A “mulher científica” deseja esclarecer os homens sobre “a mulher
    em si”; com isso, sub-repticiamente reedita a estratégia ancestral de
    idealização, que é constitutiva do platonismo: ou seja, ela cria a hipóstase
    metafísica “da mulher”, ficciona algo como uma essência objetiva do Feminino,
    fixa “a mulher” num conceito e, ao fazê-lo, transforma a feminilidade
    da mulher numa entidade puramente intelectual, numa idéia abstrata,
    que só pode ser apreendida e exposta pelo olhar privilegiado da
    teoria.
    Para Nietzsche, é demasiadamente alto o preço a ser pago pela
    cientificização “da mulher”. O pressuposto daquela Aufklärung
    emancipatória da e sobre “a mulher em si” é o triunfo do dogmatismo
    platônico, ou seja, o expediente que consiste em pressupor a existência
    daquilo sobre o que se procura esclarecer, neste caso, a idéia da mulher.
    Para isso, é necessário desenraizar a mulher da carne e da terra,
    exaurir todo seu sangue, fogo e paixão, privá-la do corpo feminino, transfigurar
    a mulher numa abstração, capaz de ser igual ao homem, dotada de
    iguais direitos e prerrogativas; em outras palavras: colonizar e masculinizar
    o eterno Feminino.
    (…)
    Ai de nós, afirma Nietzsche, se a mulher “começa a esquecer
    radicalmente e por princípio sua inteligência e sua arte, a inteligência e a
    arte da graça, do jogo, do afugentar as preocupações, do tornar as coisas
    leves, do pegar leve, sua sutil destreza para os desejos agradáveis”.6 Gostaria
    de chamar a atenção aqui para o pathos envolvente da formulação
    “sutil destreza para toda sorte de desejos agradáveis”, absolutamente insólita
    na boca de um vitoriano catedrático de filologia clássica.

    Leiam mais em:
    Nietzsche e o feminino

    http://pepsic.bvs-psi.org.br/pdf/nh/v4n1/v4n1a01.pdf

    Comentário por Cat — Quinta-feira, 26 Fevereiro 2009 @ 1:33 am | Responder

  9. Em relação ao comentário da Cat:

    Quer se queira quer não, Nietzsche tinha um problema com as mulheres ― era um misógino. Ele poderia ter todos os argumentos do mundo para escorar a sua misoginia, mas esses argumentos não lhe retirem o epíteto. O próprio feminismo radical moderno é consequência do desenvolvimento histórico das ideias de Nietzsche ― não esquecer que Nietzsche seguiu o evolucionismo tão em moda no seu tempo. A diferença é que Nietzsche levou o evolucionismo a um extremo tal que inspirou o próprio nazismo.

    A “cientificação da mulher” é um conceito absurdo que só poderia vir da mente de um misógino, porque a mulher e o homem partilham a mesma essência. Nietzsche levou o Nominalismo a um extremo absurdo ― tal como o positivismo e o neopositivismo o fizeram. Para o Nominalismo, as coisas não tem uma realidade intrínseca fora da linguagem que as descreve, e nesta medida, Nietzsche atribuiu à mulher uma identidade de acordo com a linguagem que ele entendeu utilizar. Porém, o erro do Nominalismo consiste em não admitir que as realidades universais podem ser compreendidas através da Definição: a Definição compreende tudo o que uma coisa não pode deixar de ser, tudo o que é estritamente necessário ― por exemplo: “O ser humano é uma animal bípede, dotado de inteligência e de linguagem”.Esta Definição justapõe-se ao homem e à mulher, e define o ser humano independentemente do sexo.

    A filosofia não é a exploração do absurdo, mas antes a utilização da Razão. Nietzsche via no absurdo a razão, como se fosse possível privar o homem do corpo masculino e a mulher docorpo feminino. Em parte por culpa de Nietzsche, o homem sofre o feminismo radical. Sinceramente, não vejo que interesse tenha ler Nietzsche senão pelo masoquismo de nos confrontarmos com o irracional.

    Comentário por O. Braga — Quinta-feira, 26 Fevereiro 2009 @ 1:02 pm | Responder

  10. Bem… usando suas próprias palavras:”ouve, eu sou alguém é, sobretudo, não me confundais com os outros”;”uma coisa sou eu, outra é minha obra”.
    Nietzsche é o machista-bizarro, suas motivações são extremamente opostas a dos outros homens, ele teve pupilas mulheres em sua vida e a obra auto-biográfica ECCE HOMOS coloca o texto de uma delas. Suas motivações são algo difício de se ver de um único ângulo, ou talvez de qualquer ãngulo, senddo necessário lê-lo de nenhum ângulo e soldar seu pensamento como um quebra-cabeças fadado a ser incompleto. E por último, culpá-lo pelo nazismo é o mesmo que culpar Jesus pelo cristianismo e todas as suas cagadas, de diferentes seitas, ao longo da história.

    Comentário por Bruno — Sábado, 4 Abril 2009 @ 2:21 pm | Responder

    • Brun@:

      Essa comparação entre Jesus e Nietzsche ― ou entre Jesus e Marx ― é
      história para boi dormir, para além de ser um slogan e um lugar comum.

      Jesus não incitou à violência. Nietzsche não fez outra coisa.

      Comentário por O. Braga — Sábado, 4 Abril 2009 @ 2:49 pm | Responder

  11. {“Vais ter com uma mulher? Não te esqueças do chicote.” – Nietzsche

    este é o chicote ao qual ele se refere, esta foto foi tirada ainda quando Friedrich era amigo de Paul Rée e Lou Salomé, quando ele se apaixonou uma unica vez pela mesma, e foi rejeitado, e traído, por ela com o seu melhor amigo, o Paul!

    Eu sou mulher, e afirmo tudo quanto ele fala a nosso respeito, somos um tanto quanto criaturas odiosas em certos momentos! Sou mulher o bastante para adimitir tal coisa! E nós mulheres sabemos que no fundo tudo que ele fala é verdade, e se não achamos que são, é porque ainda não pensamos melhor!}

    Imagino que seja por isso que Nietzsche afirma que na guerra dos sexos a mulher sempre tem o primeiríssimo lugar.

    Comentário por Bruno — Sábado, 4 Abril 2009 @ 2:28 pm | Responder

    • Brun@:

      Por mais que as mulheres sejam aquilo que são, nada justifica a misoginia.

      Comentário por O. Braga — Sábado, 4 Abril 2009 @ 2:46 pm | Responder

  12. Mais misógino que Nietzsche era Schopenhauer, que muito o influenciou. Freud também era misógino.
    O problema da obra de Nietzsche são as grandes contradições, contradições que ele valorizava. Sua obra nos provoca mais o riso do que a imaginaçãoç. Nietzsche era profundo admirador dos gregos e os gregos antigos tratavam as mulheres como “machos fracassados”, ou seja, alguém só nasceria mulher se a natureza cometesse algum tipo de erro, como se ser mulher fosse um tipo de aleijão. Aristóteles mesmo defendia tais opiniões, embora a Grécia que Nietzsche admirava era um pouco anterior a ele.
    De qualquer forma, os filósofos nunca foram bom de traquejo com o belo sexo. Kant não se interessava por elas e odiava a masturbação e desconfio que tenha morrido virgem. Sartre achou melhor uma relação aberta pra evitar preocupações com coisas triviais, como o ciúme, embora a Simone de Beauvoir tivesse vez por outra ciúmes dele. Sócrates não foi muito feliz com a megera da Xantipa, nem Rousseau com seus cincos filhos. Marx quase matou a mulher de fome para escrever “O Capital” e ainda embuchou a empregada (coisa de camarada). Foucault era uma moça. Isso só para citar alguns.
    De qualquer forma o macho faz tudo para atrair a atenção das fêmeas, é assim em toda a natureza, e há quem diga que falar mal das mulheres, escrever sobre elas, seja uma forma de atrair a atenção delas também, e não é à toa que Schopenhauer, que tanto criticava às mulheres, seja tão lido por elas.

    Comentário por Wandecy Medeiros — Quarta-feira, 12 Agosto 2009 @ 5:42 am | Responder

  13. Caro Wandecy Medeiros, Vc generaliza. Com um pouco de jeito, não só todos os filósofos mas também todos os homens são misóginos. Schopenhauer adorava mulheres: era conhecida a sua vida de estroina, boa vida em bons restaurantes e em luxuosos prostíbulos e de bon vivant. Um misógino é coisa diferente daquilo que Schopenhauer foi. Assim como o misantropo detesta o ser humano e se isola da vida social, o misógino faz o mesmo em relação às mulheres e às relações sexuais (com mulheres, porque não existe outro tipo de relações sexuais). A misantropia e a misoginia são sociopatias, embora de índoles diferentes.

    Neste sentido, também não podemos dizer que Freud tenha sido um misógino. Fernando Pessoa, o poeta português, foi misógino embora em modo suave.

    Vc confunde “misoginia” com “machismo”. É preciso ter cuidado com a semântica. Não é curial que Vc queira defender Nietzsche generalizando a sua (dele) sociopatia por toda a gente.

    O machismo ― melhor entendido através do termo inglês “manliness” que não tem tradução literal para português ― é a ideia de que a mulher não tem, de forma geral, as características e as potencialidades do macho naquilo em que o macho é alegadamente superior, embora reconheça à mulher outras características que o macho não tem.

    Sócrates dependeu de Xantipa a tal ponto que sem ela ele não poderia ter sido o filósofo que foi. Era ela que administrava a casa e o dinheiro, e que tornou possível a vida de Sócrates inteiramente dedicada à contemplação. A Aristóteles foram conhecidas (pelo menos) duas mulheres com quem ele partilhou a sua vida, a primeira das quais lhe deu filhos.

    Kant e Sartre não são exemplos de misoginia: nunca se ouviu, a um e a outro, criticar a mulher na sua condição de mulher ― porque é disto que trata a misoginia: a crítica à condição feminina como tal. No primeiro caso, Vc confunde castidade com misoginia. O casto nada tem necessariamente contra as mulheres: apenas fez uma opção de vida baseando-se em convicções pessoais. Sartre era um putanheiro de primeira grandeza; dizer dele a misoginia não corresponde à verdade.

    Rousseau esteve longe de ser misógino: não havia gineceu onde ele não metesse a antera. O mais que podemos dizer de Rousseau é que era um misópedo (alguém que se identifica com a misopedia) porque colocou os seus filhos num orfanato para poder levar a sua boa vida com as mulheres.

    Foucault não era misógino: ele era bichona e pedófilo. Nem todo o misógino é bichona. Nietzsche era misógino e não era viado.

    Comentário por O. Braga — Quarta-feira, 12 Agosto 2009 @ 6:59 am | Responder

  14. Gente, é simples. Ele sofreu o pão que o diabo amassou com as mulheres (mesmo depois de sua morte). É apenas isso.

    Comentário por Melissa — Terça-feira, 5 Outubro 2010 @ 7:58 pm | Responder

  15. A misoginia de Nietzsche, é movida por baixa resiliência, pois ele tomou um fora da meretriz Lou Salomé.

    Particularmente não gosto de nenhum dos dois. Embora eu pretenda fazer um trabalho critico sobre ela, devido a ela ser um ícone feminista, por causa da vida promiscua que levou, estilo de vida que feministas interpretam como “liberdade”.

    Sobre o comentário de Melissa:

    Ele teve o que teve por que era ingênuo demais com relação a natureza humana: nenhum homem normal pediria a mão de uma conhecida promiscua como Lou Salomé. Contudo para essa gente metida a anti-cristã é perfeitamente normal compartilhar a esposa com outros homens! Georgy Lukaks defendia essa ideia abertamente.

    Não existem biografias dela em português, exceto louvores feministas. Mas pelo que li em inglês por ai, me parece que ela se casou com um homem e nunca deixou ele consumar o casamento! Em compensação o que ela não fez com ele, fez com vários em suas viagens pela Europa.

    Comentário por shamtia ayomide — Quarta-feira, 6 Outubro 2010 @ 2:45 am | Responder

    • O nome “Salomé” é sugestivo…e bíblico!

      Em 06-10-2010 2:45,

      Comentário por O. Braga — Quarta-feira, 6 Outubro 2010 @ 3:38 pm | Responder

  16. Um grande erro de liberais com relação as mulheres, é esquecerem da seleção sexual.

    Eles acreditam que um mundo sem casamento, significaria sexo e libertinagem “para todos”(apelidei isso de teoria de comunismo sexual). Mas isso não é o que acontece: nas culturas sem regras e tabus sexuais, tende a prevalecer a lei do mais forte.

    Nos Estados Unidos aqui e acolá surgem gurus criando comunidades de “poliamorismo e casamento aberto”, mas pelo que li de alguns(depois cito aqui os livros não lembro de memória), o que acontecia na verdade era o óbvio: Os lideres e poderosos ficavam com a maioria(e melhores) mulheres.

    Na história do islamismo, aconteceu algo parecido: Maomé na verdade não legalizou poligamia, ele limitou ela para 4 esposas.

    Nas sociedades sem regras de casamento adequada, a mulher tende a ser tratada como mercadoria, e os homens por não cumprirem sua função social adequadamente ficam marginalizados. Além de que, crianças criadas sem orientação paternal, tendem a criminalidade.

    Comentário por shamtia ayomide — Quarta-feira, 6 Outubro 2010 @ 2:53 am | Responder

  17. Estou lendo “Para além do bem e do mau” e estou a ponto de parar a leitura por conta das críticas extremamente machistas de Nietzsche. Ele chega a dizer que nem pra cozinhar as mulheres servem, e que isso atrasou a evolução fisiológica do homem. Critica as mulheres intelectuais inúmeras vezes etc. O admiro muito como grande pensador que foi, mas nesse quesito ele é extremamente cego e preconceituoso. Não sei se por conta de seu pouco (praticamente nulo) contato com mulheres, ou se por seu tempo. Mas acredito mais na segunda opção, por mais que não seja justificativa.

    Comentário por Fernanda — Sexta-feira, 22 Outubro 2010 @ 4:09 pm | Responder

  18. Fritz Nietzsche contou uma máxima que admiro-a muito: “…que um dia vendo um homem a chicotear um cavalo nao se conteve, correu e lançou-se ao pescoço do animal abraçando-o com amor pela má sorte do bicho; que chorou, e lembrou-se de que era humano, mas, a partir dai, entraria em colapso o homem-filosofo; por que isso acontecia? Simples, dizia ele; quando o humano fala algo, e pratica o seu contrario, seu espirito racha e, dividido entra em colapso”; o que é bem parecido com um velho ditado: “Faz o que eu mando, mas nao faças o que eu faço”; essa divisão no cérebro traz inimizades e muita intriga ao longo do tempo, o que de fato leva ao caos.

    Comentário por Luiz Camargo — Segunda-feira, 28 Fevereiro 2011 @ 12:56 am | Responder

  19. Na história do islamismo, aconteceu algo parecido: Maomé na verdade não legalizou poligamia, ele limitou ela para 4 esposas.

    o maomé era pedófilo, pederasta, zoofilo e necrofilo.

    Comentário por // — Terça-feira, 1 Março 2011 @ 3:01 am | Responder

  20. [...] com uma compleição física que até daria dó espetar-lhe uma lambada, feio todos os dias mas misógino sem vergonha (porque há misóginos com vergonha, como por exemplo Fernando Pessoa), cheio de complexos de [...]

    Pingback por O culto de Nietzsche « perspectivas — Terça-feira, 20 Setembro 2011 @ 7:33 pm | Responder

  21. coitada da Lou, era obrigada a ficar com ele? lide com isso Nietzsche! hahahah

    Comentário por Jessica Laube Lima — Quinta-feira, 15 Março 2012 @ 10:05 pm | Responder

  22. Reblogged this on Klaws.

    Comentário por klawsdoher — Sexta-feira, 1 Junho 2012 @ 12:40 am | Responder


RSS feed para os comentários a este artigo. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Theme: Rubric. Get a free blog at WordPress.com

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 503 outros seguidores