perspectivas

Quinta-feira, 3 Abril 2008

O profeta do anticristo

Filed under: ética,Religare — O. Braga @ 1:49 pm
Tags: , , , ,

nietzsche.jpg

Tenho tido aqui uma série de comentários nos posts sobre Nietzsche que revelam que não foram só os nazis que o interpretaram à sua maneira, mas existe uma tendência actual para dar às teorias de Nietzsche os mais diversos significados. Naturalmente que sou, por isso, obrigado a voltar ao assunto de uma forma mais aprofundada, tentando entrar um pouco mais na essência da teoria de Nietzsche, porque me parece que esta serve de inspiração a um certo tipo de ateísmo contemporâneo despido de ciência; o ateísmo nietzscheano moderno é diferente do Novo Ateísmo pseudo-científico de Dawkins, Dennet e Harris, e muito mais perigoso, porque é irracional.

I – Considerações gerais

1. A teoria de Nietzsche – se é que podemos falar numa teoria – pretende ser cosmológica, assim como os filósofos pré-socráticos se caracterizaram globalmente por uma visão cosmológica do mundo que se reflectiu nas suas filosofias. A sintonia entre Nietzsche e os pré-socráticos é evidente, e a antipatia de Nietzsche pelos socráticos que seguiram um tipo de visão ontológica do mundo, também é real. Portanto, qualquer ideia de algo, ou tudo, que possa defender a existência de alguma coisa ou entidade para além do perceptível pelos nossos sentidos é violentamente refutado por Nietzsche, embora os pré-socráticos não tenham adoptado uma posição anti-ontológica como Nietzsche claramente fez.
Na sua visão cosmológica, Nietzsche assume uma posição romântica sobre o Infinito que se opõe ao Idealismo e aos valores da Ontologia tradicional (no sentido metafísico).

Primeira conclusão: Nietzsche era religiosamente ateu.

2. Não podemos falar numa “teoria de Nietzsche”, porque a sua doutrina – porque é de uma doutrina que se trata – liga-se a diversas correntes ideológicas sem se filiar em nenhuma: para além da fonte cosmológica pré-socrática, adoptou – em simbiose – o “evolucionismo”, o “irracionalismo”, a “demonologia”, a “filosofia da vida”, etc. Portanto, não existem dúvidas de que, sendo eu cristão, as minhas críticas a Nietzsche são perfeitamente compreensíveis, e de que Nietzsche não conseguiu resolver o problema ético e moral da sua doutrina que pretendia ser totalmente original e diferente das influências filosóficas que recebeu.

Nietzsche quis propor uma nova doutrina de técnica de valores – os “valores vitais” – que se aplicassem nos planos antropológico, moral e ético, e foi esta doutrina que esteve na base do materialismo filosófico antropocêntrico que se cimentou ao longo do século XX e o transformou num morticínio em escala nunca vista na História da Humanidade.

Segunda conclusão: a teoria de Nietzsche é uma doutrina ideológica em manta de retalhos, e não uma filosofia coerente, como a de Kant, Fichte ou Hegel, por exemplo.

3. Se podemos afirmar com segurança que a apropriação, por parte da doutrina nazi, da doutrina do “super-homem” de Nietzsche, é abusiva, não existem dúvidas de que Nietzsche defendia a “aristocracia absoluta”, isto é, a aristocracia da total e indefectível superioridade dos aristocratas sobre a ralé – o que deu muito jeito aos nazis para aplicarem a doutrina de Nietzsche a uma noção de “raça superior” ariana.

De igual modo, é abusiva a interpretação que se dá à doutrina de Nietzsche de um estetismo hedonístico e decadente, porque o carácter cruel e trágico que Nietzsche dá à Vida são exactamente o contrário de uma visão hedonista.

Terceira conclusão: a doutrina de Nietzsche é precursora da “filosofia” moderna e pós-moderna como instrumento de acção política que explícita ou implicitamente justifica e defende a validade ética e moral do totalitarismo, já não pode ser encarada com simples “contemplação” filosófica, e tem sido sucessivamente adoptada e reinterpretada ao sabor de diferentes interesses políticos totalitários ao longo do século 20.

II – A Doutrina (O Culto de Dionísio)

1. Diga-se que Nietzsche se apresentou, ao longo da sua obra literária, como imbuído de um espírito messiânico e predestinado:

“A minha verdade assusta porque até agora se chamou verdade à mentira. Inversão de todos os valores; eis a minha fórmula para um acto de supremo reconhecimento de si, de toda a humanidade, acto em que em mim se tornou carne e génio. O meu destino exige que eu seja o primeiro homem honesto, que eu me sinta em oposição às mentiras de vários milénios.” – In “Ecce Homo”

Portanto, Nietzsche assume-se como uma espécie de Messias que vem dizer ao mundo que as religiões milenares, desde o Budismo ao Cristianismo, não passam de mentiras pegadas (a propósito, o mesmo tipo de argumentação que o filme “Zeitgeist” propõe), e por isso, não podemos deixar de responder a Nietzsche no mesmo diapasão ideológico, dizendo que a “verdade” de Nietzsche não é dele, porque de milénios antes dele sempre fomos tendo notícias da tese Nietzscheana através do que se convencionou actualmente chamar de “verdade luciferina”, invocando Lúcifer.
A tese de Nietzsche é uma cópia trabalhada do Luciferismo milenar, embora com algumas diferenças – por exemplo, quando Nietzsche ataca a própria ciência, porque segundo ele, a ciência não está longe do ideal ascético do cristianismo quando adora a verdade objectiva, através de um estoicismo intelectual e científico que proíbe o SIM e o NÃO absoluto em relação à realidade, e quando se atém aos factos e renuncia à interpretação subjectiva destes. Em Nietzsche, nem a ciência escapa à fúria do louco.

2. Nietzsche foi muito influenciado – pela negativa – por Schopenhauer, com quem discordou desde tenra idade. Naturalmente que Schopenhauer foi um hipócrita que defendeu o ascetismo metafísico enquanto frequentava os prostíbulos mais requintados e os melhores restaurantes da sociedade do seu tempo. Perante a radicalização ascética e metafísica de Schopenhauer, Nietzsche responde com o radicalmente oposto, isto é, responde a uma aberração com outra aberração, não compreendendo – ou não querendo compreender – que a religião não é, nem poder ser, e conforme está implícito na ideia de ascetismo, a negação da vida vivida racional e plenamente pelo ser humano.

Assim, a verdadeira religião – a tal que se opõe ao ascetismo de Schopenhauer –, segundo Nietzsche, é a religião dionisíaca, isto é, baseada no deus grego Dionísio como sendo “ a afirmação religiosa da “vida total”, “não renegada nem dilacerada”. De certa forma, Dionísio é um substitutivo de Lúcifer, um Ersatz ideológico que Nietzsche encontrou para explanar uma teoria luciferina velha de milénios, de que nos chegaram ecos dos Antigos Impérios e do Egipto Antigo dos faraós, passando pela Antiga Grécia e pela Idade Média. Por exemplo, Nietzsche dá à virtude cristã o significado amoral vigente no Renascimento italiano: para Nietzsche, a virtude cristã é algo de profundamente imoral. Existe de facto uma completa inversão de valores, e é essa inversão de valores de que consiste o niilismo de Nietzsche.

3. Nietzsche coloca a posição do Homem perante a vida em duas situações extremas, e só nessas duas situações extremas se poderá, segundo Nietzsche, viver a vida: a) ou a vida ascética de Schopenhauer, a que chama de “renúncia ou fuga”, ou b) a aceitação da vida com as suas características originárias e irracionais, a total e indefectível valorização do instinto animal no Homem, sendo que Dionísio é o símbolo desse instinto animal originário e Zaratustra o profeta-filósofo da religião dionisíaca. É neste maniqueísmo bipolar de Nietzsche que reside muito da sua irracionalidade.

O espírito dionisíaco de Nietzsche é diametralmente oposto à aceitação da bondade humana, dos valores da solidariedade entre os seres humanos, da humildade do Homem perante o Desconhecido, sendo que estes valores, segundo Nietzsche, são a negação da religião dionisíaca e pertencem às religiões tradicionais.

Segundo a religião dionisíaca de Nietzsche (na minha opinião, luciferina), a aceitação integral da vida, de tipo WYSIWYG (What You See Is What You Get), transforma a dor em alegria, a luta em harmonia, a crueldade em justiça, a destruição em criação. Qualquer esforço em contrariar o instinto animal presente no ser humano é contrário à religião dionisíaca e a Zaratustra, o seu profeta. O deus luciferino de Nietzsche, Dionísio, tende para uma visão trágica da vida interior do Homem que se reflecte na sua visão exterior: Dionísio só se compraz com o espectáculo terrível e catastrófico do mundo, ama o destino terrível em si mesmo e o luxo em que consiste a destruição, a desagregação da vida e do mundo; a malvadez, a insânia e a brutalidade fazem parte da “superabundância vital” que é glorificada por Nietzsche.

4. Segundo a religião dionisíaca de Nietzsche, os homens devem ignorar o passado e construir o Homem Novo (onde é que eu já ouvi isto?! Nazismo? Marxismo cultural?) para quem o futuro é tudo e o passado é nada, e é ao futuro que cada um dos “homens novos” quer chegar em primeiro lugar e, portanto, à frente dos outros homens (a ideia de “sucesso” e de “superioridade evolucionista” neoliberal), ignorando, contudo, a morte. Nietzsche rejeita a ideia da morte, porque é a única forma de justificar a crítica que faz ao cristianismo. Nietzsche faz de conta que a morte não existe, e rejeitando a ideia da morte, ele rejeita a finitude humana.

III – O Cristianismo (como o “ópio do povo”)

O termo supracitado é de Marx, mas Nietzsche tem a mesma noção acerca do cristianismo: trata, segundo ele, de uma forma de controlar o povo por parte de uma aristocracia instalada. A moral cristã é fruto da revolta dos indivíduos inferiores (como é o meu caso, segundo Nietzsche), é fruto da revolta das bestas, e das classes submetidas e escravas, em relação à casta superior e aristocrática a que Nietzsche orgulhosamente pertence. A moral cristã é uma moral de revolta que encontra “uma compensação numa vingança imaginária” no “outro mundo”, de ressentimento contra os aristocratas poderosos e intelectualmente superiores. Em contraponto, a moral dionisíaca e aristocrática de Nietzsche é superior à moral cristã porque nasce de uma afirmação triunfal em si mesma, que se autoproclama superior a tudo e todos sem necessidade de comparação com nada que se lhe oponha dialecticamente, ao passo que a moral das bestas e dos escravos cristãos – num único e exclusivo acto de criação – é inventada para que assim se justifique a sua inferioridade existencial e intelectual. Segundo Nietzsche, o cristão é um ser execrável, intelectualmente inferior, moralmente imundo, e que pode e deve ser usado – e mesmo exterminado – a bel-prazer pela aristocracia dionisíaca.

Segundo Nietzsche, os puros de coração, os homens solidários com os outros homens, os homens caridosos e os que sentem compaixão pelo seus semelhantes, as almas belas que se vestem poeticamente da sua virtude, são essencialmente seres ressentidos e inferiores, carregam consigo o tal espírito de vingança contra os homens superiores e aristocráticos que encarnam a riqueza e o poder. O “homem bom”, segundo a moral cristã e na opinião de Nietzsche, é um homem que foge à realidade, enquanto que outro alguém que não foge à realidade, que não fecha os olhos perante a realidade e que a encara conforme ela é – cruel, terrível, insana e irracional – terá que ser sempre um homem mau, e por isso, um homem superior. O homem mau, vingativo, cruel, é o ideal de Nietzsche: os maus herdarão o mundo, e não os “bem-aventurados simples de espírito” dos Evangelhos. Por isso, o homem mau, segundo o cristianismo, é o homem bom, segundo Nietzsche.

O Homem Novo, segundo Nietzsche, é terrestre, exclusivamente corpóreo, anti-espiritual, irracional, cruel, orgulhoso e vingativo, e autoproclamado superior e aristocrático.

“O meu Eu – diz Zaratustra – ensinou-me um novo orgulho e ensino-o aos homens: não enterreis a cabeça na areia das coisas celestes, mas levantai-a altivamente, uma cabeça terrestre que cria o sentido da terra” (…) “Eu sou inteiramente corpo e nada mais – diz Zaratustra: a alma é apenas uma palavra que indica uma partícula do corpo”.

Se lerem alguma coisa sobre a demonologia luciferina, encontrarão certamente paralelos tão evidentes com isto que não o podemos considerar como simples coincidência.


Poderia ainda referir aqui a concepção absurda de Nietzsche sobre a Arte, ou sobre o Eterno Retorno que se inspira em Parménides e nos eleáticos pré-socráticos, ou no “Amor Fati”, no “Super-homem” e no conceito de “personalidade impossível” segundo Nietzsche que o define como um louco mesmo antes da loucura e o irracional o terem tomado completamente – mas o texto já vai longo de 2.000 palavras. Ficará para outra ocasião.

De tanto criticar o “pessimismo cristão”, Nietzsche não fez outra coisa que não a prática do pessimismo em forma doutrinal. O “optimismo realista” dionisíaco de Nietzsche é teórico, é uma ânsia do seu ser, é uma aspiração que não se verifica nunca em termos reais. Há tanta coisa contraditória em Nietzsche que quem o souber ler o poderá considerar patético, e mais patético ainda será quem não o soube ler e o tenha adoptado, consciente ou inconscientemente, como um paradigma ideológico – como existem por aí alguns bloggers bem-falantes e de prosa fácil. E para quem gostar da doutrina luciferina de Nietzsche, dou um conselho: procure urgentemente um psiquiatra, porque poderá acabar como acabou a insanidade do seu paradigma.

, , , ,

3 comentários »

  1. Simplesmente fantástica as considerações sobre a doutrina nefasta de Nietzsche.

    O ateísmo é uma fuga as explicações, além de ser anti-natural.

    Se a própria Física já proclamou a morte da matéria, além de derrubar o determinismo com o advento da Mecânica Quântica; a Parapsicologia já provou a existência da percepção extrasensorial(PES; a Astronomia está estupefata com a quantidade de informações no Universo que por sí só atestam uma Inteligência Criadora, o que esperam conseguir os ateístas da última hora ? Satisfazer o ego, com o poder da imaginação ?

    Gostar

    Comentar por Emerson — Sexta-feira, 2 Maio 2008 @ 5:55 pm | Responder

  2. Teriam existido dois Nietzsches em um só? Há quem enxergue ele como um ateu e materialista, e outros enxergam de outra forma. Nietzsche era de fato ateu? A sua aparente contradição e loucura, não foram exatamente para chamar a atenção das pessoas? Nietzsche estava certo ao criticar o apóstolo Paulo? Quando descobrirmos estas coisas, ficaremos muito surpresos. Será que sabemos realmente o que estamos falando? Ainda estamos apegados a alguma crença ou religião? Você é muito inteligente meu jovem, mas vá com calma. Ciência é ciência (realidade), quer seja material ou espiritual.

    Gostar

    Comentar por Edmilson — Segunda-feira, 25 Maio 2009 @ 11:58 pm | Responder

  3. @ Edmilson

    Eu conheço gente que escreveu livros e que conseguiu ver muitas qualidades em Adolfo Hitler, e não tenho quaisquer dúvidas de que Hitler teria as suas virtudes.

    Sobre Nietzsche conta-se que já no fim da sua vida, quando ele vivia em Milão (Itália), uma vez viu um cocheiro a agredir um dos cavalos da parelha que puxava o coche, e Nietzsche saiu em defesa do cavalo contra o cocheiro, retirando-lhe não só o chicote das mãos como ameaçando agredir o cocheiro com ele. Portanto, Nietzsche revela aquela mesma sensibilidade das pessoas que hoje têm uma grande sensibilidade em relação aos animais ao mesmo tempo que defendem a liberalização do aborto no ser humano. Se Nietzsche vivesse hoje, seria um dos ideólogos do politicamente correcto, porque o ateísmo dele era um ateísmo naturalista.

    Existem ateus que não são naturalistas, mas para se ser naturalista tem que se ser ateu. O naturalismo é uma religião que recusa Deus ― é um monismo religioso que se baseia na imanência panteísta da natureza que substitui a transcendência de Deus. O materialismo de Nietzsche não é o mesmo materialismo de Karl Marx, nem é o materialismo de Augusto Comte; é o materialismo que inclui uma imanência cosmológica que foi característica dos gregos da escola jónica da Grécia Antiga. É um materialismo pagão, em que os deuses são imanentes à realidade sensível, e não são deuses transcendentes à matéria. Zaratustra era o exemplo desse super-homem [esse deus pagão] que estando imanente à realidade do Homem, se distinguia deste. No culto de Dionísio, essa imanência divina hipostática está presente em Nietzsche.

    Nietzsche era essencialmente um literato, um escritor talentoso, e não propriamente um filósofo, na mesma medida em que Marx foi essencialmente um antropólogo e não propriamente um filósofo ― foi Engels que, entre outros, apoiou Marx e sem o qual o marxismo não seria possível.

    A sua aparente contradição e loucura, não foram exatamente para chamar a atenção das pessoas?

    Nietzsche padecia, desde muito novo, de uma série de complexos de inferioridade que se traduziam num sentimento de superioridade. Qualquer psiquiatra moderno pode explicar isto. Sob o ponto de vista físico, Nietzsche devia muito ao ideal de beleza masculino e teve um constante problema com as mulheres que se traduziu numa evidente misoginia. Portanto, Nietzsche não quis chamar a atenção das pessoas senão chamar a atenção para si próprio como “ser humano superior”, e o mais surpreendente é que ele conseguiu esse desiderato.

    Nietzsche criticou toda a gente, incluindo o próprio compositor alemão Wagner de quem tinha sido antes um admirador e amigo. A única pessoa que Nietzsche não criticou foi o próprio Nietzsche. Ele foi o exemplo acabado do superlativo absoluto simples do narcisismo.

    Caro Edmilson: leia Nietzsche, mas não só: leia, por exemplo, o que o ateu Bertrand Russell escreveu sobre Nietzsche na sua “História da Filosofia Ocidental”, antes de tirar conclusões precipitadas, e Russell não tinha absolutamente razões nenhumas para se esconder por detrás de crenças e religiões. Antes de tudo, caro Edmilson, não afirme coisas que não sabe.

    Eu gostaria de ser tão jovem quanto Vc.; pelo menos teria o beneficio da ingenuidade que torna os homens felizes. Quando Vc me souber definir “ciência” e “realidade”, poderemos então discutir o “material” e o “espiritual”.

    Gostar

    Comentar por O. Braga — Terça-feira, 26 Maio 2009 @ 5:48 am | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: