perspectivas

Terça-feira, 5 Abril 2022

O estado a que a “pachecagem” chegou…

Filed under: família,José Pacheco Pereira,marxismo,marxismo cultural — O. Braga @ 7:13 pm

“Quem defende a família quer o domínio do homem sobre a mulher.”

José Pacheco Pereira, no programa televisivo “Princípio da Incerteza”


A “pachecagem” é o Imbecil Colectivo português, que não se restringe apenas à Esquerda, mas estende-se também a uma certa “Direitinha” bem educadinha e paneleira de que fazem parte alguns barões do extinto CDS/PP (por exemplo, Paulo Portas).

Para que se entenda bem o que é o Pacheco, aconselho a leitura do blogue Porta da Loja.

A pachecagem governa Portugal; estamos a ser governados por um Imbecil Colectivo composto e controlado por pachecos.

A ideia de “família” supracitada — que é adoptada pela pachecagem e imposta coercivamente ao povo português através da manipulação dos me®dia — vem directamente de Engels, e baseia-se em uma flagrante falsa historicidade do conceito de “família”, contida no seu livrinho “A Origem da Família, da Propriedade e do Estado”, de 1884. Para quem tem dois dedos de testa, o conteúdo deste livrinho é confrangedor; mas para o imbecil Pacheco, é seguramente uma obra-prima.

Para a Esquerda (marxismo), a diferença objectiva (entre sujeitos) é sinónimo de uma qualquer “hierarquia”.

Por isso é que (para os marxistas) toda a gente tem que ser (objectivamente) igual, para não existir “domínio de uns sobre outros” — porque, alegadamente, a diferença objectiva significa a existência de “uma hierarquia que legitima necessariamente um domínio”.

O marxista, em busca da igualdade, passa a bitola sobre a humanidade para cortar o que diferencia: a cabeça. Decapitar é o rito central da missa marxista e pachequista.

Em contraponto, a diferença subjectiva (entre sujeitos) é incentivada pelo marxismo cultural pachequista — porque a afirmação da diferença radical subjectiva (“casamento” gay, adopção de crianças por pares de invertidos, legitimação de transgéneros e de dezenas de diferentes “géneros”, legalização subjectivista do aborto, do infanticídio e da pedofilia, eutanásia a pedido do freguês, etc.) não incomoda a construção paulatina do Poder absolutista dos pachecos, por um lado, e por outro lado cultiva a anomia social essencial ao Totalitarismo de Veludo, e conduz a uma ilusão de “liberdade” que alimenta a burocratização do Estado e a alienação das massas.

Os pachecos são radicalmente contra a diferenciação objectiva, e totalmente a favor da diferenciação subjectiva.

Crer que o interesse pessoal (como acredita o Pacheco) determina exclusivamente as nossas convicções — neste caso, as convicções pessoais do homem e da mulher acerca da “família” segundo Engels, e da relação entre o homem e a mulher — converte-se em uma convicção que pode determinar os nossos actos, e de um modo tal que o motivo de toda a convicção passa a ser o exclusivo interesse pessoal.

Eu acredito que o Portugal controlado pela pachecagem é um país com morte anunciada. Por isso, ou morrem os pachecos, ou morremos todos nós. A escolha é fácil. Morte aos pachecos, Pum!

jpp-vesgo-web

2 comentários »

  1. […] a problemática do aborto resume-se a “uma longa guerra pelo corpo da mulher” — assim como, para o marxista José Pacheco Pereira, “quem defende a família quer o domínio do homem sobre a […]

    Gostar

    Pingback por O diálogo político torna-se impossível, porque a irracionalidade volta a estar na moda | perspectivas — Segunda-feira, 16 Maio 2022 @ 6:16 pm | Responder

  2. Mas para compensar somos um dos países mais seguros do mundo…lol(os últimos dois dias de crónicas criminais foi um fartote,e eu não vejo cmtv).

    Gostar

    Comentar por Martim Moniz — Terça-feira, 31 Maio 2022 @ 6:42 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: