perspectivas

Segunda-feira, 25 Fevereiro 2019

Das duas, uma: ou Marcelo Rebelo de Sousa é estúpido, ou está senil; e o Frei Bento Domingues também

 

“Marcelo Rebelo de Sousa, católico, conhecedor da realidade da sua Igreja, actor e personalidade atenta a esse universo e a toda a sociedade civil, complementou a sua consideração sobre o papa Francisco com uma reflexão sobre os autores e, podemos dizer, sobre o catolicismo português: afirmou que hoje faz falta, à Igreja e à sociedade, o incómodo, a luta desses católicos comprometidos com um discurso político de esquerda. E a Igreja está mais pobre na medida em que esse grupo vindo das décadas de sessenta e de setenta se vai erodindo, vai perdendo gente e espaço social, vai sendo menos influente. Essa via de pensamento e de atitude faz falta à Igreja Católica, afirmava Marcelo Rebelo de Sousa. Não era, especificamente, de Frei Bento Domingues que Marcelo Rebelo de Sousa falava, mas Frei Bento é quem melhor e mais representa essa realidade.”

Frei Bento Domingues, teologia humanística e cidadania supra-católica

Marcelo Rebelo de Sousa é o exemplo do “político palhaço” da “Direita” que não pode viver sem a Esquerda; mas não só ele: há muitos mais, como, por exemplo, Rui Rio, Assunção Cristas, Paulo Portas, Adolfo Mesquita Nunes, Telmo Correia, etc..


Por vezes pergunto-me se o Marcelo Rebelo de Sousa não atingiu já a “Sétima Idade”, segundo Shakespeare — a idade da senilidade.

Das duas, uma: ou Marcelo Rebelo de Sousa é estúpido, ou está senil — porque a situação a que chegou a Igreja Católica actual é exactamente produto dos “católicos de Esquerda” da laia do Frei Bento Domingues, que saíram vitoriosos do Concílio do Vaticano II. A situação da Igreja Católica é de tal forma putrefaciente que até o obtuso Rodrigo Duterte preconiza o seu fim em 25 anos.

É evidente que “ser de Esquerda” (ou seja, “ser marxista”), por um lado, e “ser católico”, por outro lado, é uma contradição em termos. E é evidente que se o Marcelo Rebelo de Sousa não se dá conta disso, ou é estúpido ou está senil.

Não é possível “ser de Esquerda” sem se “ser marxista”; o que pode variar é a forma como o marxismo molda a pessoa de Esquerda (a forma como o indivíduo de Esquerda adopta o marxismo). Quem não se dá conta da contradição ontológica entre o marxismo e o catolicismo (ou o Cristianismo, em geral), ou é estúpido ou ignorante. É também o caso do Paulo ¿Mentes? Minto!”: para além de estúpido, é ignorante.


Afirmar que o “Frei Bento Domingues é coerente” (da forma como faz o Paulo ¿Mentes? Minto!”) é pretender afirmar que a coerência de um discurso é, em si mesma, a prova da sua verdadee não apenas e só a prova da sua coerência (porque, na realidade, a Verdade é a soma de evidências incoerentes). A alegada “coerência” do Frei Bento Domingues não faz dele necessariamente um católico: o mais que pode fazer dele é um indivíduo “coerente” com alguma coisa — no sentido em que a coerência é o postulado que falsifica qualquer interpretação do Concreto e do Real.

Ter hoje a alegada “coerência” do Frei Bento Domingues é coisa fácil: basta seguir a corrente da moda, alardear ao mundo as nossas virtudes gnósticas e deitar a culpa do Mal do mundo para cima dos Hílicos modernos. Ter a “coerência” do frade não tem qualquer dificuldade.

O que não é fácil é ser o oposto de Frei Bento Domingues, ou seja, transformar a coerência em uma rede com a qual apenas o paradoxo pesca realidades. O não é fácil é gritar que o rei do Frei Bento Domingues vai nu”, que o progressismo na Igreja Católica está a matar a Igreja e a religião. Isto é que não é fácil!

“A Teologia costuma ser centrada em Deus, raiz grega que marca a palavra. Mas, para Frei Bento, apenas interessa pensar Deus se for um caminho para o humano. Mais certo seria falar em “Humanologia”, para não dizer Antropologia. Mas o lado rico da humanização de Frei Bento reside na forma como, através da centralidade de Jesus, afirmando que ele se fez Homem, a Teologia distante dos dogmas se transforma na brilhante, simples e bela reflexão sobre a vida, a condição humana e a humanidade. Para Frei Bento, Teologia é libertação, não é conformismo.”

ibidem

A essa “teologia” do Frei Bento Domingues podemos chamar de “pastoralismo político”.

A verdade é que apenas nos resignamos a amar o próximo porque cremos na divindade de Jesus Cristo — ao passo que os “teólogos” modernos, da laia do Frei Bento Domingues, não se resignam a crer na divindade de Jesus Cristo porque Ele ordenou o amor ao próximo. A Igreja do Frei Bento Domingues e do Concílio do Vaticano II absolve os pecados — e não já os pecadores.

O dogma de Rousseau (adoptado pelos “teólogos” da laia de Frei Bento Domingues), ou seja, o dogma do “Bom Selvagem”, segundo o qual “o Homem é naturalmente bom, e a culpa do Mal é da sociedade” (a “teologia” do Frei Bento Domingues reduz-se a isto) resume, em termos éticos, a experiência central do gnóstico moderno: “o Homem é naturalmente bom porque é naturalmente deus”.

“There are two kinds of people in the world: the conscious dogmatists and unconscious dogmatists. I have always found myself that the unconscious dogmatists were by far the most dogmatic.”

→ G. K. Chesterton : ‘Generally Speaking.’

A tentação do pastor político, da laia do Frei Bento Domingues, é a de transportar as águas da religião com a peneira de uma “teologia” que se transforma na arte de reduzir o Mistério ao irrisório.

É neste contexto que o Frei Bento Domingues defende “a teologia distante dos dogmas”, quando se sabe que os dogmas cristãos não são especulações da consciência religiosa, mas antes são a fórmula canónica de enigmas experimentais. E quem repudia (ou desvaloriza) o dogmatismo na Igreja Católica terá que escolher entre o indiferentismo, por um lado, e a hierarquia, por outro lado; o anarquismo do Frei Bento Domingues opta claramente pelo indiferentismo.

A “teologia” do Frei Bento Domingues (como a do clero do Concílio do Vaticano II), pretende racionalizar o dogma, abrandar a moral, simplificar o rito — o que resulta na aproximação da Igreja ao incréu, e não na aproximação do incréu à Igreja.

Que a terra lhe pese como chumbo!

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: