perspectivas

Domingo, 28 Fevereiro 2016

As estórias da Teresa de Sousa

 

A Teresa de Sousa escreve sobre política como se tratasse de uma estória de embalar meninos renitentes ao sono; e, no fim da estória, longa, acabamos todos por adormecer.

teresa-de-sousa-webQuando sabemos que não temos razão acerca da realidade, construímos uma estória rebuscada e o mais confusa possível, misturando alhos e bugalhos, de modo a que os nossos leitores se embrenhem em uma fantasia que os transporte para o domínio da utopia onde o concreto se esbate e dá lugar ao subjectivo “à la carte”.

Em nome da “razão”, a Teresa de Sousa defende a construção de um leviatão na Europa.

A não ser que um leviatão seja racional, a Teresa de Sousa entra em contradição; ou seja, ela não tem razão. Ou então terão que me demonstrar a existe alguma racionalidade na construção de um leviatão europeu.

O que significa “leviatão”?

O Leviatão é um monstro bíblico, do qual fala o Livro de Jó, afirmando que “sobre a Terra, nenhum é seu mestre”. No texto da Bíblia, o poder terrestre do Leviatão é evocado para simbolizar a que ponto ele ultrapassa o poder celeste de Deus.

O “filósofo” Hobbes retoma o conceito de “leviatão” no século XVII na sua obra “Leviatão” que designa o Estado e sublinha o seu poder absoluto. A teoria absolutista do Poder, que Hobbes desenvolve, fez do conceito de “Estado” o símbolo do carácter monstruoso do Estado moderno (que a Teresa de Sousa apoia) — “o mais frio dos monstros frios”, segundo Nietzsche —, devorando as forças vivas do indivíduo.

A contradição e a irracionalidade da Teresa de Sousa consiste em chamar de “democrática” a construção de um leviatão (um absolutismo) na Europa.

Quarta-feira, 27 Janeiro 2016

A psicótica Teresa de Sousa e o argumento ad Hitlerum em relação ao controlo da imigração

 

teresa-de-sousa-webA jornaleira Teresa de Sousa compara as medidas da Dinamarca de controlo da imigração, por um lado, com o holocausto nazi, por outro lado. Naturalmente que teria que ser no jornal Púbico.

A psicose é um quadro psicopatológico clássico, reconhecido pela psiquiatria, pela psicologia clínica e pela psicanálise, como um estado psíquico no qual se verifica certa "perda de contacto com a realidade".

Segundo Freud, enquanto que na neurose, o Eu tenta recalcar as reivindicações pulsionais, na psicose produz-se uma ruptura entre o Eu e a realidade, o que deixa o Eu sob domínio do ID. Num segundo momento, o Eu reconstrói a realidade segundo os desejos do ID (construções delirantes).

Comparar o controlo da imigração, por um lado, com o holocausto nazi, por outro lado, revela a psicose da Teresa de Sousa. Ela precisa de tratamento urgente.

Aliás, praticamente toda a Esquerda padece de um tipo especifico de psicose: o delírio interpretativo, que é incurável, embora sem demência terminal.

%d bloggers like this: