perspectivas

Domingo, 14 Fevereiro 2016

O Henrique Raposo e as altas taxas de suicídio no Alentejo

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 9:16 pm
Tags: , , , , ,

 

Vemos aqui um texto notável do Henrique Raposo acerca da alta taxa de suicídio no Alentejo, que se baseia em factos. Obviamente que os factos criam imediatamente anticorpos ideológicos.

A principal razão que Henrique Raposo invoca para justificar a alta taxa relativa de suicídio no Alentejo, é a cultura. Mas ele descarta a genética, e bem. Mas não deveria descartar a epigenética que é uma área de estudo relativamente recente.

A cultura antropológica (o mimetismo cultural) e a epigenética  “andam de mãos dadas”.

A reacção do blogue Jugular ao texto do Henrique Raposo é a reacção normal de quem se recusa a identificar as altas de suicídio com o mimetismo na cultura antropológica e com a epigenética — por causa da recente proposta radical de legalização da eutanásia. Perante factos, a Esquerda responde invariavelmente com ideologia.

Anúncios

Quinta-feira, 12 Dezembro 2013

A grave doença espiritual das elites

 

O suicídio de Kate Barry (filha de Jane Birkin) chocou-me, como me chocam todos os suicídios. Mas tratando-se de uma figura pública que não vivia propriamente na pobreza, o seu suicídio torna-se ainda mais incompreensível.

(more…)

Quinta-feira, 12 Novembro 2009

O suicídio de Robert Enke

Não vou aqui fazer juízos de intenções, mas choca-me a actual aridez espiritual dos europeus. Robert Enke era um homem de 32 anos com um futuro pela frente que poderia e tinha todas as condições para ser brilhante; era um indivíduo que vivia em desafogo económico, e ele e a sua mulher tinham recentemente adoptado uma criança na tentativa de transferência emocional em relação à morte da sua filha de dois anos ― um dos problemas que aflige os países do norte da Europa é o da infertilidade, seja masculina ou feminina.

robert-enke

Naturalmente que sempre podemos dizer que as razões de Robert Enke “são as razões dele”, isto é, são razões subjectivas acerca das quais a ninguém cabe o direito de julgar ou especular. Mas ele há razões e razões. Quando vi esta notícia no jornal [PDF] que conta a história de uma realidade de pobreza e desespero de uma mãe de 60 anos e de uma filha deficiente, e ambas sem apoio do Estado e da sociedade, não deixei de pensar que Robert Enke foi também vítima da sociedade mas de um modo diferente. A mãe sentiu o desamparo da sociedade e temeu pelo futuro da filha; reduzida à miséria e à indiferença dos seus concidadãos, pensou eventualmente que os deuses as tinham abandonado. Em contraponto, Robert Enke não admitiu sequer a hipótese de deixar de ser deus.

O problema da Europa está na educação. Pela primeira vez, na nossa História, as nossas crianças e jovens são educados nas escolas públicas sem uma cosmovisão, e é ao Estado maçónico que a sociedade, um dia destes, se Deus quiser, terá que pedir contas (e punir, sob o ponto de vista da História, os responsáveis).

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: