perspectivas

Terça-feira, 27 Outubro 2015

A diferença entre a Esquerda e a Direita é a liberdade responsável

 

O Partido Socialista espanhol anunciou que se ganhar as eleições em Dezembro, vai proibir as aulas de religião e moral, mesmo nos estabelecimentos de ensino privados. Obviamente que o Partido Socialista espanhol tem o apoio de toda a Esquerda radical espanhola (Podemos & Cia.).

É provável que, com a deriva radical esquerdista do Partido Socialista de António Costa, um governo de Esquerda em Portugal venha também proibir as aulas de religião e moral no ensino privado. A diferença entre a Esquerda e a Direita é sobretudo a liberdade responsável.

Outra diferença entre a Esquerda e a Direita é a de que as leis de Esquerda são consideradas irrevogáveis pela Direita. Dou um exemplo:

a lei do aborto foi revista e reformulada pela coligação Partido Social Democrata / CDS/PP. A radical socialista Isabel Moreira anuncia a anulação da reforma da lei. Seria previsível que um próximo governo maioritário de Direita voltasse a introduzir a reforma anulada pelos radicais; mas provavelmente isso não acontecerá, porque a Direita move-se menos por convicções e valores do que pelo cálculo. Muitos dos votos da coligação de Direita são de pessoas de outras áreas políticas que não concordam com a lei do aborto esquerdista.


barriga-de-aluguerOutra lei radical anunciada é a adopção de crianças por pares de invertidos, que terá como consequência a normalização do estatuto de filho-de-puta (na medida em que a herança genealógica é intencionalmente coarctada, na lei, como princípio válido) , que até agora era uma condição excepcional na lei. Até agora, a adopção de crianças sem pai e/ou mãe era exclusiva de casais (naturais, obviamente: mulher e homem) que assumiam, de forma simbólica na educação da criança adoptada, o papel e função de ambos os sexos.

A adopção de crianças por pares de invertidos introduz na lei a validade do “grau zero” da árvore genealógica da criança — ao contrário do que acontece com a adopção de crianças por casais, em que a ausência de uma árvore genealógica é vista pela lei como um mal a remediar através da adopção. Com a adopção de crianças por pares de invertidos, esse mal é validado por lei.

Em termos de princípio da lei, a adopção de crianças por pares de invertidos colide com a obrigatoriedade de assunção da paternidade por parte do homem. Qualquer bom advogado poderá pegar na lei da adopção de crianças por pares de invertidos e, com ela, refutar a lei que obriga ao homem assumir a paternidade de uma criança — porque o espírito da lei é contraditório.


Outra lei radical é a procriação medicamente assistida para toda a gente. Até agora, a procriação medicamente assistida é exclusiva para pessoas casadas (ver definição de casamento). A procriação medicamente assistida para toda a gente vai incentivar o negócio das “barriga de aluguer” que sacrifica e explora as mulheres mais pobres, para além de transformar a criança em um objecto que se compra e vende. É este o desiderato de radicais sinistros como a Isabel Moreira.


Em Espanha, prepara-se a fundação de um novo partido de Direita, alternativo ao P.P. espanhol e ideologicamente semelhante ao UKIP (United Kingdom Independent Party) britânico. Em toda a Europa surge uma nova Direita que tende a substituir paulatinamente uma “direita” submetida aos radicais de Esquerda (como é o caso do Partido Social Democrata português). É possível que um partido dessa nova Direita surja em Portugal, depois de aparecer em Espanha. Será uma Direita do não-compromisso com os radicais esquerdistas, uma Direita que defenderá a irreversibilidade absoluta das suas propostas.

Anúncios

Sexta-feira, 16 Janeiro 2015

O Partido Socialista quer destruir Portugal

 

O Partido Socialista considera que a situação de um homem que viva com outro homem, ou a situação de uma mulher que viva com outra mulher, é igual à de uma mulher que viva com um homem. E é baseado neste conceito de “igualdade” que o Partido Socialista defende a adopção plena de crianças por pares de homossexuais e, surpreendentemente, “no superior interesse das crianças”.

Se uma relação entre dois ou duas homossexuais é igual a uma relação entre uma mulher e um homem, então segue-se que o Partido Socialista tem razão. ¿Mas será que é igual?

foi cesarianaMas se essas relações não são iguais, na realidade, então o que o Partido Socialista tem que fazer é convencer o povo português de que aquilo que não é, de facto e na realidade, igual, passa a ser igual mediante decreto-lei. E é isso que o Partido Socialista está a fazer.

Em termos sociais e culturais (já nem falo na economia e nas finanças!), a política do Partido Socialista é suicida do ponto de vista dos interesses do país e da nação. Portugal, um país economicamente débil, não vai resistir durante muito tempo a um ataque cultural desta dimensão à coesão social que tem o seu fundamento na família nuclear.

O Partido Socialista está a atacar a família natural que é o fundamento de qualquer sociedade.

Num país economicamente pobre como é o nosso, a extensão da procriação medicamente  assistida a toda a gente e sem restrições, por uma questão de mimetismo cultural vai criar um aumento exponencial de mães solteiras que terão que contar com o apoio do Estado para poderem fazer face às despesas com a educação dos seus filhos. Ou seja, o que o Partido Socialista está a fazer é criar as condições para uma ainda maior intervenção do Estado na sociedade.

fascista familiarA adopção plena — sublinho: plena — de crianças por pares de homossexuais abre a porta ao comércio de crianças através das “barriga de aluguer”: é a nova escravatura, que será o próximo passo a propôr pelo Partido Socialista.

Os portugueses devem ter em mente que o Partido Socialista começou pelo “casamento” gay em 2010, passou depois à  defesa da “co-adopção gay” em 2012, e agora, passados apenas alguns meses, já defende a adopção plena de crianças por pares de homossexuais e a procriação medicamente  assistida para todo o bicho careta. Por isso não há nenhuma razão para pensarmos que o Partido Socialista não irá brevemente defender o tráfico de crianças mediante as “barriga de aluguer”.

Do ponto de vista ético, toda a gente sabe que uma relação entre dois homossexuais não é igual a uma relação entre um homem e uma mulher:“está na cara”!; é uma evidência, não é preciso fazer prova. Portanto, não podemos tratar de forma igual situações que não são iguais. E se as situações não são iguais, não podemos afirmar que as consequências para a educação das crianças (mediante a adopção) são iguais — ou semelhantes — nos dois casos.

Segunda-feira, 14 Julho 2014

Um livro que deveria ser editado em português: “As Minhas Origens: Um Assunto de Estado”

Filed under: ética — O. Braga @ 11:53 am
Tags: ,

 

“Mettre un visage sur son géniteur. Audrey Kermalvezen devait déjà le désirer très fort lorsqu’elle s’est, “par hasard”, orientée vers le droit de la bioéthique. À cette époque, la jeune femme ignorait encore qu’elle avait été conçue par insémination avec donneur de sperme anonyme. Depuis qu’elle a appris la “vérité” sur son mode de conception, il y a un peu plus de quatre ans, Audrey bouillonne, décortique les textes, multiplie les recours judiciaires et les actions militantes en faveur d’une réforme législative. Connaître son origine est devenu pour elle une “affaire d’État”, titre de son livre publié le 7 mai*.”

Accès aux origines : “Ce n’est pas un chromosome qui fait le père”

Audrey Kermalvezen

Quarta-feira, 25 Junho 2014

Resistência passiva em França contra o governo socialista e jacobino de François Hollande

 

As duas fotos abaixo foram “respigadas” aqui e foram tiradas hoje na cidade de Lyon, em França.

As “Sentinelas” são grupos espontâneos de pessoas que se manifestam em silêncio contra a redefinição da instituição do casamento, contra a procriação medicamente assistida indiscriminada e contra o negócio sórdido das “barrigas de aluguer”, entre outras engenharias sociais dos jacobinos socialistas em França.

sentinelas-lyon-1

sentinelas-lyon-2

Sexta-feira, 17 Maio 2013

O Partido Social Democrata aprovou a lei de adopção de crianças por pares de homossexuais

A lei da adopção de crianças por pares de fanchonos passou no parlamento graças ao Partido Social Democrata. Este partido deve ser responsabilizado pelas consequências sociais e culturais que advenham desta aprovação.

“Teresa Leal Coelho, Luís Menezes, Francisca Almeida, Nuno Encarnação, Mónica Ferro, Cristóvão Norte, Ana Oliveira, Conceição Caldeira, Ângela Guerra, Paula Cardoso, Maria José Castelo Branco, Joana Barata Lopes, Pedro Pinto, Sérgio Azevedo, Odete Silva e Gabriel Goucha foram os sociais-democratas que votaram a favor do diploma do PS.”

Três deputados do CDS/PP abstiveram-se na votação — e quem cala consente. Foram eles: João Rebelo, Teresa Caeiro e Michael Seufert. Não conheço o último, mas os dois primeiros nunca me enganaram, e agora confirmaram aquilo que eu já pensava deles. E enquanto eles se apresentarem nas listas do CDS/PP para qualquer eleição, o CDS/PP não terá o meu voto. O CDS/PP causou um dano a si próprio maior do que esse partido possa pensar agora.

O termo “co-adopção” é um eufemismo próprio da linguagem orwelliana adoptada pela classe política

Co-adopção significa adopção; ponto final. E significa também basicamente três coisas:

1/ à criança adoptada por um par de gays é-lhe retirada a possibilidade de ter uma linhagem genealógica de pai e mãe; o parlamento criou uma nova injustiça de raiz que só pode ser remediada com a repressão política e cultural sobre os casais naturais que tenham filhos; e se ter filhos e educá-los já é difícil, as consequências políticas da nova lei vão desincentivar (ainda mais) os futuros casais a ter filhos. A classe política criou uma nova injustiça de base, para assim justificar, no futuro próximo, a tirania sobre as pessoas comuns e normais em nome de uma putativa igualdade.

Devemos todos temer o pior. Ao legitimar uma nova injustiça, a classe política procura uma nova forma de despotismo em nome do igualitarismo.

2/ a lei dá sinal verde às lésbicas e às mulheres em geral que queiram engravidar de pai incógnito, dizendo-lhes que a ausência de pai biológico declarado nos Tribunais de Menores não tem problema nenhum. Algumas disposições do Código Civil que procuram definir a identidade da criança e a legitimação do pai biológico, deixam de ter um valor real. Esta lei transforma o estatuto de “filho de pai biológico incógnito” em um valor cultural a seguir. Os efeitos na cultura antropológica desta valorização serão devastadores, como é óbvio e como qualquer pessoa com dois dedos de testa pode prever.

3/ a nova fase da luta gayzista já surgiu hoje mesmo:

“A aprovação do projecto de lei do PS, que consagra a possibilidade de co-adopção pelo cônjuge ou unido de facto do mesmo sexo, “é bem-vinda, mas não deixa de ser um passo pequenino numa escadaria enorme”, reagiu nesta sexta-feira João Paulo, editor do site Portugal Gay.”

A nova fase da luta política gayzista é a adopção não-biológica, o negócio das “barriga de aluguer” e a procriação medicamente assistida para todas as mulheres — ou seja, a valorização e celebração do estatuto da criança filha-de-puta. Naturalmente que quando a própria lei protege e acarinha a existência de filhos-de-puta, estes têm que ser protegidos através da repressão da maioria da população. É neste sentido que se declara o seguinte:

“A Associação Novos Rumos – Homossexuais Católicos também já se congratulou com a aprovação do projecto de lei socialista. “É um passo importante no sentido de vir a alargar as famílias com capacidade de adopção aos casais do mesmo sexo”, escreve a associação num comunicado em que reclama do Estado acções de sensibilização, a fazer verter nos programas escolares, por exemplo, para que “essas crianças não sejam vítimas de preconceito, isolamento e bullying nas escolas”.

A repressão sobre as crianças com pai e mãe vai começar a acentuar-se, podendo atingir mesmo níveis de desumanidade e em nome do bullying. A partir de agora, qualquer frase de uma criança pode ser arbitrariamente considerada bullying e sujeita a repressão. A escola deixou de ser pré-politica (como deveria ser e foi defendido por Hannah Arendt) e já está totalmente politizada.

Note-se que segundo o catecismo católico, o comportamento homossexual é considerado erro moral grave. E no entanto vemos os me®dia referirem-se acriticamente a “homossexuais católicos”, como se a sodomia fosse perfeitamente aceite pelo direito canónico.

A seguir, prevê-se que o parlamento vá adoptar a “lei de ódio”, por iniciativa do Bloco de Esquerda. Mesmo que a proposta de “lei de ódio” do Bloco de Esquerda não passe imediatamente, o Partido Socialista irá filtrar a lei e adaptá-la ao “progresso da opinião pública”.
Por exemplo, se eu escrever aqui “fanchono” em vez de “homossexual”, poderei ser preso preventivamente aguardando julgamento. E mesmo que escreva homossexual, se a minha opinião for crítica, poderei ser no mínimo censurado pelo ministério público através de uma intimação nesse sentido ao servidor onde este blogue está alojado.

A censura à liberdade de expressão está na calha. Esta classe política já não merece credibilidade e deve ser combatida por todos os meios possíveis e disponíveis.

Quinta-feira, 25 Abril 2013

O homofascismo progressista e a legalização da escravatura e do eugenismo

A compra de uma criança será sujeita a um contrato de compra e venda legal.
Uma criança poderá custar entre 5 mil e 100 mil Euros (excluindo viagens e recrutamento), dependendo da raça da mulher que vai parir, do país dessa mulher, da qualidade da procriação, da qualidade do material oferecido pela “barriga de aluguer”, e do contrato em particular.

A reclamação do “direito” homofascista “a ter uma criança” permitirá a criação de um mercado “progressista” de compra e venda de seres humanos, e criará as condições para o aparecimento de uma nova escravatura de mulheres pobres e crianças em todo o mundo.

Antes de votar nas próximas eleições para o parlamento, há que saber o que cada partido pensa da adopção de crianças por pares de homossexuais. Eu votarei num partido que se oponha, nem que seja o Partido Comunista.

A aprovação do “casamento” gay e da adopção de crianças por pares de homossexuais em França vai ampliar o mercado do tráfico de crianças e estabelecer definitivamente um novo tipo de escravatura que é promovida não só pela Esquerda caviar, mas também por uma certa “Direita”.

1/ existe uma diferença entre o conceito de “ausência de fertilidade”, por um lado, e por outro lado, o de “infertilidade” propriamente dita e entendida como condição médica. A “ausência de fertilidade” não é uma condição médica, mas antes é uma opção do homem e/ou da mulher homossexuais — os homossexuais que escolheram não procriar mediante relações sexuais. A ausência de fertilidade não é determinada pela natureza, mas tem um fundamento volitivo (opção de estilo de vida).

(more…)

Sábado, 19 Janeiro 2013

A retórica da promoção cultural de uma sociedade de filhos sem pai

Autrement dit, la majorité réfléchit sérieusement à l’idée d’ouvrir l’AMP à toutes les femmes, mariées ou non, homosexuelles ou hétérosexuelles, fertiles ou infertiles, en couple ou célibataires.

via « Mariage gay » et PMA : danger maximal – Décryptage – L'information – Liberté Politique.

1/ Porque o casais naturais (ditos “heterossexuais”) podem, regra geral, ter filhos, o politicamente correcto considera que é uma injustiça que os pares de lésbicas (e fanchonos) não possam ter filhos. E por isso, o politicamente correcto pretende que os pares de mulheres lésbicas “casadas” tenham acesso à procriação medicamente assistida, mesmo sendo férteis.

2/ Por outro lado, reservar a procriação medicamente assistida somente para os pares de lésbicas “casadas” é, segundo o politicamente correcto, injusto e viola os direitos dos casais naturais. Segundo o politicamente correcto, não é aceitável que os pares de lésbicas “casadas”, mesmo sendo férteis, tenham direito à procriação medicamente assistida, e os casais naturais, mesmo sendo a mulher fértil, não tenham (por exemplo, o “direito” às barrigas de aluguer).

3/ Ora, acontece que existe aqui uma outra injustiça que o politicamente correcto não tolera: um casal natural (um homem + uma mulher) não precisa de se casar para ter um filho: basta que esse casal tenha relações sexuais, ou viva em união-de-facto, para que a mulher engravide e nasça uma criança.
Segundo o politicamente correcto, isto é uma injustiça!, porque uma mulher “heterossexual” fértil não precisa de se casar para ter filhos, enquanto que uma mulher lésbica precisa de se “casar” com outra mulher para ter direito à procriação medicamente assistida. Decorre daqui, que a mulher lésbica deverá ter acesso à procriação medicamente assistida, seja ela casada, ou não.

4/ De injustiça em injustiça, o politicamente correcto pretende que a procriação medicamente assistida seja aberta a todas as mulheres, casadas ou não, lésbicas ou não, férteis ou inférteis, vivendo com alguém ou solteiras.

Ou seja, o politicamente correcto pretende criar uma sociedade tendencialmente de filhos da puta, em que a árvore genealógica das crianças tenda a desaparecer.

Engels defendeu essa sociedade de filhos da puta na sua teoria da família e da propriedade privada.

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: