perspectivas

Sexta-feira, 13 Janeiro 2017

Existe um plano da ONU de genocídio dos brancos

Filed under: Esta gente vota — O. Braga @ 11:15 am
Tags: , , ,

 

Quarta-feira, 24 Setembro 2014

Júlio Machado Vaz aplaude Emma Watson com as mãos atrás das costas

Filed under: aborto — O. Braga @ 9:06 am
Tags: , , , ,

 

Júlio Machado Vaz é aquele tipo de pessoa que atira a pedra e esconde a mão. Este verbete é uma demonstração disso: colocou um vídeo da retórica de Emma Watson, mas não comentou. Júlio Machado Vaz é perigoso por isso mesmo: só se assume em monólogos: basta que haja contraditório e ele foge a sete pés.

Fazer uma análise crítica da retórica de Emma Watson é complicado, porque ela mistura alhos com bugalhos. Teríamos que analisar cada frase per se, porque não existe um nexo lógico que sirva de ligação entre a maioria das frases. Não é por acaso que, em juízo universal, as mulheres não são grande coisa em matemática.

Ela defende os direitos humanos que incluem a mulher, natural e ontologicamente, por um lado, e por outro lado defende a negação dos direitos humanos aos nascituros. E por isso ela diz que é feminista. E, simultaneamente, diz que o feminismo ganhou uma conotação negativa que não merece ter.

E Júlio Machado Vaz aplaude com as mãos atrás das costas.


O feminismo — tal como acontece com o homossexualismo — não quer igualdade: pretende a supremacia.

Se o feminismo quisesse de facto a igualdade, teria que assumir, em primeiro lugar, a condição feminina em tudo o que isso implica. Dizer que “o corpo é meu e faço dele o que quiser” (como disse Emma Watson), quando há um ser humano — único e irrepetível — em gestação com um ADN diferente do da mulher grávida, não é reivindicar “igualdade”: em vez disso, é reivindicar o direito ao acto gratuito.

Mas o Júlio Machado Vaz aplaude com as mãos atrás das costas.


Um acto gratuito é aquele que não é objectivamente motivado e que manifesta a existência de uma liberdade absoluta, próxima da liberdade da indiferença — por exemplo, um crime sem móbil é um acto gratuito (ver o filme de Alfred Hitchcock, “A Corda”). A vontade de provar a liberdade absoluta por intermédio de um acto sem móbil constitui em si mesmo um móbil.

No fundo, trata-se de um acto perpetrado em função de um capricho, embora um capricho reflectido e pensado, e representando o exercício de um arbítrio total. O objectivo do acto gratuito é o de afirmar uma liberdade total, contra toda a moral e mesmo contra a Razão. Em geral, o aborto é a expressão de um acto gratuito por parte da mulher.


Afirmar que “o corpo é meu e faço dele o que quiser” é reivindicar o direito ao acto gratuito — e isso já não é uma reivindicação de igualdade: antes, pretende-se que a supremacia do estatuto da mulher seja aceite culturalmente pelo homem (por isso é que Emma Watson diz que “a maioria dos homens não apoia o feminismo”). Obviamente que ao homem é sempre negado (e bem!) qualquer acto gratuito em relação a outro ser, incluindo a mulher; mas à mulher, o feminismo pretende a concessão do direito ao acto gratuito mediante um apelo hipócrita à emoção.

E o Júlio Machado Vaz aplaude com as mãos atrás das costas.

Domingo, 23 Fevereiro 2014

Armando Leandro deve ser sumariamente afastado das suas funções públicas

Filed under: Política,politicamente correcto — O. Braga @ 12:20 pm
Tags: , , , ,

 

Armando Leandro foi aquele personagem que defendeu a retirada do filhos de Liliana Melo para adopção, alegadamente porque a mãe é pobre. Ora, é uma besta destas — que defende que os filhos devem devem ser retirados à mãe porque ela é pobre — que vem agora com um pensamento circular acerca das touradas: toma a premissa como a própria conclusão do seu raciocínio:

1/ As touradas fazem mal às crianças;

2/ Temos que averiguar as consequências das touradas nas crianças;

3/ E, depois, proibir a assistência das touradas por crianças, porque as touradas fazem mal às crianças.

O relatório da ONU que fundamenta a argumentação circular de Armando Leandro foi elaborada pelo alemão Franz Weber, que já se esqueceu do que os seus pais e avós fizeram a 6 milhões de judeus nos campos de concentração nazis, e incluindo milhões de crianças. É um filho/neto de um qualquer nazi que vem agora ditar ordens em Portugal e dar opiniões de como os portugueses devem lidar com as suas crianças.

Trata-se de uma tentativa de inversão dos tabus da nossa cultura antropológica.

É esta gente, que defende a adopção de crianças por pares de invertidos, que uma criança pode ter duas mães ou dois pais, que defende a legalização das “barriga de aluguer”, a procriação medicamente assistida para toda a gente, o tráfico internacional de crianças, etc. — que tenta agora branquear a sua imagem pútrida distraindo a atenção da opinião pública para ninharias como esta.

Quinta-feira, 13 Fevereiro 2014

Segundo a ONU, a madre Teresa de Calcutá era a favor do "casamento" gay e da adopção de crianças por pares de invertidos

 

onu madre teresa

Segundo a ONU, a madre Teresa de Calcutá defendia as relações sexuais sodomitas. Ainda hei-de ver a ONU afirmar que Jesus Cristo andou em orgias homossexuais com os seus discípulos.

Segunda-feira, 10 Fevereiro 2014

Petição de apoio à Santa Sé

 

A ONU tem vindo a atacar a Igreja Católica, exigindo que esta aceite o aborto e o ensino da promiscuidade sexual nas escolas. Assine a petição (em português) de apoio à Santa Sé, aqui.

defend Vatican at UN

Quarta-feira, 5 Fevereiro 2014

ONU: “Não podes ser toureiro, porque é coisa feia. Mas podes ser paneleiro, que é coisa muito bonita!”

 

«O Comité dos Direitos das Crianças da ONU aconselha Portugal a criar legislação que restrinja a participação de crianças em touradas, quer como participantes quer como espectadores, mostrando preocupação com os efeitos na saúde física e mental dos menores.

“O Comité está preocupado com o bem-estar físico e mental das crianças envolvidas em treino para touradas, bem como com o bem-estar mental e emocional das crianças enquanto espectadores que são expostas à violência das touradas”, refere um relatório hoje divulgado por aquele organismo das Nações Unidas.

Por isso, é recomendado que Portugal tome medidas legislativas para proteger todas as crianças envolvidas em touradas, “tendo em vista uma eventual proibição”

ONU quer limitar participação de crianças portuguesas em touradas

 

toureiro

Domingo, 9 Junho 2013

O director não-executivo da Goldman Sachs está de acordo com o Bloco de Esquerda

O representante da ONU e organizador do Fórum Global da Migração e Desenvolvimento é o inglês Peter Sutherland que é, também, director não-executivo do Banco Goldman Sachs International, e foi presidente do grupo petrolífero BP (British Petroleum).

¿ E o que é que o director não-executivo da Goldman Sachs (que “por acaso” é o organizador do Fórum Global da Migração e Desenvolvimento) defende, no que diz respeito às migrações populacionais e ao multiculturalismo ? Exactamente aquilo que o Bloco de Esquerda e o Partido Comunista defendem! Ou seja, o Partido Comunista e o Bloco de Esquerda estão de acordo com a Goldman Sachs.

(more…)

Sexta-feira, 18 Março 2011

Crise moral: a ONU aprova ataque militar a um país soberano

Filed under: Política — O. Braga @ 9:36 am
Tags: , , ,

Damo-nos conta de que foi criado um precedente que justifica, a partir de agora, qualquer intervenção armada em um qualquer país soberano. Qualquer golpe de Estado em um qualquer país pode, a partir de agora, sofrer um ataque organizado a partir da ONU.

Já não se trata de invocar o combate ao terrorismo, como aconteceu no Iraque ou no Afeganistão: trata-se agora de legitimar qualquer intervenção militar em um qualquer país, apenas porque as grandes potências assim o entendem. O Direito Internacional está moribundo.

Não estou aqui a defender o Khadaffi: estou a criticar o desrespeito da ONU pelo princípio da soberania de alguns pequenos países (porque Cuba é intocável), enquanto que o Irão, China e outros, cometem atrocidades todos os dias e a seu belo prazer, e ninguém lhes toca. A ONU entrou em Moral Hazard.

Quinta-feira, 15 Julho 2010

Kagame, Zapatero : os espanhóis não gostam!

Filed under: Política — O. Braga @ 5:50 pm
Tags: , ,

Kagame e Zapatero

Trabalhando juntos na Comissão dos Objectivos do Milénio.

Terça-feira, 1 Setembro 2009

UNESCO diz que as crianças de 5 anos devem saber como se masturbam os adultos

Desde a sua formação, a UNESCO é um ninho de eugenistas, mas agora parece ter juntado o eugenismo ao gayzismo, o que dá em nazismo. Segundo orientações da UNESCO, as crianças a partir dos 5 anos devem aprender na escola como os adultos se masturbam. Fico sem saber por que uma criança de 5 anos deve saber como um adulto se masturba excepto para masturbar os indivíduos da UNESCO que elaboraram essas orientações.

Fica um resumo:

  • os pais da crianças não devem ter voto na educação sexual dos seus filhos;
  • as crianças a partir dos 5 anos devem aprender como um adulto se masturba;
  • as escolas devem ensinar às crianças, a partir dos 5 anos de idade, que a estrutura da família é apenas um aglomerado de pessoas, independentemente de quaisquer laços consanguíneos;
  • as crianças devem ser doutrinadas no sentido assimilarem a ideia de que as pessoas não escolhem a sua “identidade de género”;
  • as crianças devem aprender que é normal ter dois pais e duas mães, ou mesmo mais que dois pais ― por exemplo: cinco pais, quatro mães, e uma criança vivendo na mesma casa é absolutamente normal e constituem uma família [tudo ao monte é que é bom];
  • as raparigas a partir dos 13 anos têm direito absoluto ao aborto a pedido, sem autorização ou conhecimento dos pais.

Os FDP andam preocupados com as crianças…querem transformar o Ocidente numa grande Tailândia.

The U.N.’s Shocking Sexuality Guidelines

Segunda-feira, 16 Fevereiro 2009

A Quaternidade Apocalíptica

Filed under: ética,politicamente correcto — O. Braga @ 3:31 pm
Tags: , , , , , ,

mulherUma das características do politicamente correcto é o de que a informação só é boa se vier da esquerda, isto é, a verdade só existe se vier de uma fonte de esquerda ― tudo o que não vem de uma fonte de esquerda é, à partida, mentira. Este preconceito politicamente correcto é negativo, isto é, não admite discussão “a priori”, é uma verdade absoluta.

Porém, na complexidade do nosso mundo, a plutocracia já se apoderou da esquerda, ou como se costuma dizer em linguagem marxista, “a esquerda foi recuperada pelo sistema capitalista”. Isto significa que a esquerda tem que se repensar a si própria de forma a se desmarcar do poder capitalista. Dou um exemplo.

Arie Hoekman é o líder da UNFPA (Fundo das Nações Unidas para a População). Todos sabemos quem comanda a ONU: os mais ricos do mundo; disto não há quaisquer dúvidas.
Num colóquio realizado recentemente na cidade do México, Hoekman disse que a falência da instituição da família, longe de ser uma crise e uma coisa negativa, significa “o triunfo dos direitos humanos” (link PDF). Mais disse que os altíssimos índices de divórcio e de mães solteiras não representam uma crise social, mas antes representam “o triunfo dos direitos humanos contra a família patriarcal”.
(more…)

Terça-feira, 28 Outubro 2008

A UNESCO e a eliminação das tradições nacionais

Filed under: Política — O. Braga @ 7:37 pm
Tags: , , , ,

Estou a preparar um postal sobre o Conservadorismo, e sobre como os valores conservadores ― não só na economia como na cultura ― voltaram à ordem-do-dia depois do descalabro financeiro internacional.

Ainda hoje ouvi o Peres Metelo justificar na TSF as grandes concentrações internacionais à volta dos Bancos Centrais, que são privados, dando como exemplo para as “vantagens da concentração transnacional”, o caso da bancarrota da Islândia. O Peres Metelo pratica a demagogia: estamos a falar de um país (a Islândia) com menos população do que Vila Nova de Gaia (!) e cujos Bancos nacionais viviam exclusivamente da especulação financeira, num país que praticamente não têm indústria. Se é isso que o Metelo quer transformar Portugal ― um país sem produção e sem uma economia real ― pois está no bom caminho com a sua propaganda nos me®dia.

Hoje está na moda falar na “diversidade da Natureza”: biodiversidade “disto” e “daquilo” ― tudo menos diversidade cultural humana, o direito à diferença e à cultura nacional, isto é, a diversidade que se defende para o mundo animal irracional é parcialmente negada ao ser humano (pelo menos na área cultural nacional). Vejam estes dois vídeos sobre os desígnios da ONU para as tradições e culturas nacionais, utilizando como testa-de-ferro, a UNESCO:

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: