perspectivas

Terça-feira, 24 Novembro 2015

A NATO e os Estados Unidos de Obama apoiam o Estado Islâmico

Filed under: Política — O. Braga @ 12:37 pm
Tags: , , ,

 

A política americana de Obama em relação ao califado islâmico (Estado Islâmico) — e, por conseguinte, a política da NATO — é ambígua. A Turquia abateu um avião russo na fronteira entre a Síria e a Turquia.

Mesmo que seja verdade que o avião russo estivesse nos limites da fronteira entre a Síria e a Turquia, o abate do avião russo é claramente uma manifestação política da NATO de apoio ao Estado Islâmico.

Quarta-feira, 2 Abril 2014

Quem provoca quem? Cuidado com os Neocons americanos!

Filed under: Política — O. Braga @ 8:25 pm
Tags: , , , ,

 

 

«Ukraine’s parliament on Tuesday approved a series of joint military exercises with NATO countries that would put US troops in direct proximity to Russian forces in the annexed Crimea peninsula.

“This is a good opportunity to develop our armed forces,” acting defence minister Mykhailo Koval told Verkhovna Rada lawmakers ahead of the 235-0 vote.

The decision came as NATO foreign ministers gathered in Brussels for a two-day meeting dominated by concern over the recent buildup of Russian forces near Crimea that US officials estimate had at one point reached about 40,000 troops.»

–> Ukraine agrees to host NATO war games


«A Rússia tem tudo preparado para invadir a Ucrânia nos próximos cinco dias, avisa o comandante da NATO na Europa.

Philip Breedlove descreveu a situação na fronteira entre os dois países como sendo “incrivelmente preocupante”. O comandante afirma que ontem à noite a NATO detectou movimentações das tropas russas que considerou suspeitas.»

–> Rússia poderá invadir a Ucrânia ‘nos próximos 5 dias’

É tempo de Portugal sair da NATO/OTAN.

Quinta-feira, 4 Julho 2013

Sobre Evo Morales e a interdição do espaço aéreo português

Filed under: Portugal — O. Braga @ 6:03 am
Tags: , ,

A coisa é simples: Portugal é um país membro fundador da NATO/OTAN, de que também fazem parte os Estados Unidos.

A interdição do espaço aéreo não é só da competência do ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal, mas é também (e sobretudo!) da jurisdição do ministério da Defesa. Um país membro da NATO tem o direito de solicitar a outro país membro, por exemplo, a interdição de passagem de uma aeronave se se entender que esta transporta alguém — ou alguma coisa — que atente contra a segurança desse país.

Quarta-feira, 8 Junho 2011

A NATO e a “libinificação” de Portugal

Filed under: Política,Portugal — O. Braga @ 8:32 am
Tags: ,

Portugal perde força politica na NATO. Digamos que, para as potências da NATO, a permanência de Portugal na organização são “favas contadas”: por isso, tanto faz que Portugal tenha um General na organização, um Cabo, ou ninguém; para a NATO, vai dar no mesmo.

O que parece contar, para a NATO, é o território português, e neste sentido todo o povo português e a força política de Portugal é dispensável e o nosso país parece não ter voto na matéria.

A recente invasão da Líbia, por parte da NATO, pode legitimar o mesmo tipo de acção armada em relação a países como Portugal, caso se arroguem a colocar obstáculos políticos à utilização do nosso território para operações da NATO.

A mensagem da NATO em relação a Portugal é a seguinte: “o vosso território é nosso, e vocês não têm opinião nem voto na matéria”.

Portugal foi um dos países fundadores da NATO e eu sempre fui a favor da permanência do nosso país nessa organização militar. Começo agora a ter dúvidas.

Domingo, 6 Dezembro 2009

O belicismo europeu depois do Tratado de Lisboa

« O ministro dos Negócios Estrangeiros acusou hoje a União Europeia (UE) de ter uma postura subalterna em relação à NATO, defendendo a necessidade de reavaliar o papel do bloco europeu na Aliança Atlântica e a sua participação no Afeganistão.»

Fonte: Público

Os ecos políticos da entrada em vigor do Tratado de Lisboa, que institui o leviatão europeu anti-democrático, não tardam em aparecer. Luís Amado ― o ministro português socialista que em plena campanha eleitoral defendeu a alienação da soberania portuguesa e a anexação de Portugal por Espanha ― coloca em causa a essência da NATO desde a sua fundação em 1947. O que esta gente quer é transformar o leviatão europeu numa potência militar armada até aos dentes, e à custa da carne-para-canhão constituída pelos diferentes povos da Europa.

%d bloggers like this: