perspectivas

Segunda-feira, 14 Março 2011

O neo-ateísmo e a quântica (I)

Quando discutimos com ateus temos que falar em ciência, porque é a única linguagem que eles entendem, e é através da ciência que os argumentos neo-ateístas e neodarwinistas são reduzidos ao absurdo.
(more…)

Anúncios

Domingo, 16 Janeiro 2011

A ciência e a recusa do problema

Este postal, que alegadamente pretende “desmontar” a interpretação quântica de Copenhaga, pode ser relacionado com o conceito de Problematologia de Michel Meyer. À primeira vista, uma coisa não terá nada a ver com outra. Porém, a falsa ciência que predomina hoje, e de que o referido postal é exemplo, parte do princípio neopositivista — e iluminista, no sentido em que Kant foi o seu grande percursor — segundo o qual tudo aquilo que não é considerado como objecto de investigação empírica não tem nenhum valor científico.

Repare-se nesta conclusão do referido postal :

“Um dos infelizes resultados da má interpretação deste modelo [refere-se à interpretação de Copenhaga] é a falsa crença de que nada existe sem uma consciência para a observar. “

Uma razões por que a filosofia “morreu”, é a de que se “deixou de questionar radicalmente” (parafraseando Michel Meyer). Kant separou a metafísica da ciência ao mesmo tempo que transformou a metafísica em não-ciência. Depois vieram os positivistas e os neopositivistas que eliminaram o Mundo III de Karl Popper. E assim, o mundo das ideias morreu e a filosofia “morreu” com ele. Escreve Michel Meyer :

“Poder-se-á dizer que o principal [os princípios primeiros] é um logro metafísico a que toda a filosofia, contemporânea e futura, deve renunciar uma vez por todas. Tal como se renuncia ao sem-sentido.

Mas não estaremos também aqui perante uma posição de princípio, se não mesmo uma petição de princípio, que tem como consequência que se responde sempre à questão do originário [os primeiros princípios e o questionamento radical], ainda que indirectamente, mesmo que não a coloquemos? Não pressupomos assim o que faz sentido ou, mais ainda, que o originário é decidido no seio duma teoria forçosamente mais fundamental sobre o sentido e o sem-sentido, que faria originariamente sentido em relação a ele ?”

(A Problematologia).

A “morte” da filosofia através da alegada ideia de confronto com a ciência, para além de ser um conceito moderno idiota, empobreceu a ciência e o espírito humano. Na primeira citação, parte-se do princípio segundo o qual, em todo o universo, só existe a consciência humana. Ou seja: acusa-se uma determinada interpretação da Interpretação de Copenhaga de antropocentrismo, ao mesmo tempo que se adopta uma posição antropocêntrica na própria crítica e acusação.

O questionamento radical deve perguntar: será lógico pensar e concluir que, em todo o universo, só existe a consciência humana ?

A partir do momento em que uma mínima dúvida exista de que, em todo o universo, pode não existir só e apenas a consciência humana, a crítica referida no postal à interpretação de Copenhaga cai por terra. Em termos da razão humana, não é legítimo nem lógico que excluamos aquilo de que não temos a certeza, e apenas consideremos como sendo válido aquilo de que temos a certeza — como a ciência faz —, porque aquilo de que não temos a certeza não deixa de fazer sentido só porque o excluímos da equação do problema.

Sexta-feira, 7 Agosto 2009

A importância de Leibniz no futuro da filosofia quântica

«A simples presença de uma substância, ainda que animada, não basta para a percepção. Um cego, e até um distraído, não vê. É preciso explicar [às pessoas] como a alma percebe o que está fora dela.»

Gottfried Wilhelm von Leibniz ― segunda carta ao filósofo inglês Clarke

Leibniz é essencial para se poder construir uma filosofia quântica que extrapole os parâmetros delimitadores da pura Física ― ele é essencial para uma nova teoria metafísica e espiritualista baseada nas recentes descobertas da quântica. A Física quântica apenas constata factos, ou através da observação ou através do formalismo da lógica matemática; perante a incompreensibilidade das conclusões a que chegou, a Física quântica entra numa espécie de “singularidade” através da qual constata que as leis da Física entram em colapso ― e não consegue explicar esse facto.

Observem este vídeo:

http://www.youtube.com/watch?v=ZtXGq2I4ZI8
(more…)

Quarta-feira, 8 Julho 2009

O gato de Schrödinger

Uma árvore, que cai na floresta, faz barulho se não estiver lá perto dela alguém que possa ouvir o ruído?
(more…)

Terça-feira, 30 Junho 2009

A Razão e o símbolo religioso

«Se há um corpo natural, há também um corpo espiritual. (…) Porém, o corpo espiritual não é o primeiro. Primeiro, foi o natural, depois, o espiritual. O primeiro homem é da Terra e terrestre. O outro homem é do céu…Mas eu digo-vos, irmãos: a carne e o sangue não podem herdar o reino de Deus…mas todos seremos transformados. »

― S. Paulo (1 Cor 15, 44)

(more…)

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: