perspectivas

Domingo, 2 Fevereiro 2014

O Iluminismo Negativo (parte 3)

 

O Iluminismo Negativo é uma teoria política contraditória porque tenta conciliar as aspirações do libertarismo económico, por um lado, com a implementação de um ideário de repressão política na sociedade, por outro lado. Por um lado, o Iluminismo Negativo defende a transformação do Estado em uma empresa privada, com accionistas e com um conselho de administração; mas, por outro lado, defende a repressão da expressão política em nome de uma sociedade de bem-estar material.

A democracia pode e deve ser sujeita a crítica, principalmente quando ela se desvia dos interesses da esmagadora maioria da população (como acontece, por exemplo, em Portugal e na União Europeia).
Mas não é aceitável que se utilizem exemplos de uma democracia prostituída e destituída dos seus fundamentos elementares, para se defender uma qualquer forma de fascismo.

O lema do Iluminismo Negativo é o seguinte: “ou o cidadão aceita que não tem voz política, ou sai do país” (no voice or exit). Os exemplos de “bons estados” apontados pelo Iluminismo Negativo são Hong Kong, Singapura e o Dubai. Ou seja, estamos perante uma nova forma de fascismo, com a diferença que esta nova forma de fascismo transformou a soberania de um país em um negócio de privados que são os accionistas do Estado, e que são os únicos cidadãos (os accionistas) que têm voz política dentro do território administrado por esse Estado privado.

Quando leio, por exemplo, que o governo de Passos Coelho autorizou publicidade de empresas privadas nos uniformes dos funcionários dos museus do Estado, não podemos deixar de constatar um indício de uma linha política de privatização do Estado (que a Helena Damião, e bem, critica aqui). Por um lado, esta tendência ideológica é libertária de direita (economia), mas por outro lado tende a transformar o Estado em um negócio privado o que vai contradizer o libertarismo inicial subjacente ao seu ideário, porque um Estado privatizado é sempre anti-político.

Ou seja, para o Iluminismo Negativo, “liberdade” e “libertarismo” são sinónimos de “repressão política” — o que é uma contradição em termos. Não é possível reduzir a liberdade (propriamente dita) ao bem-estar material. Esta noção behaviourista de “liberdade” do Iluminismo Negativo decorre de uma visão positivista do ser humano, por um lado, e por outro lado de um utilitarismo elevado ao seu expoente máximo — e por isso é que esta forma de fascismo é nova, porque as formas anteriores de fascismo ou eram não-utilitaristas, ou mesmo anti-utilitaristas.

A esta privatização do Estado, o Iluminismo Negativo chama de “neo-camaralismo”, porque, segundo esta teoria, é baseada no Camaralismo germânico representado pelo austríaco Heinrich Gottlob von Justi (1720 – 1771), que Kant e Humboldt criticaram em nome da implementação do Estado de Direito. Ou seja, o Iluminismo Negativo representa a negação do Estado de Direito. Ora, a designação de “neo-camaralismo” para essa teoria dita “libertária” é também em si mesma contraditória, porque o Camaralismo foi tudo menos libertário.

Verificamos como uma teoria dita “libertária” pode ser uma nova forma de fascismo, em que o Estado passa a ser propriedade privada, e em que os cidadãos que não forem accionistas do Estado não têm outros direitos e liberdades senão comer, dormir e trabalhar (e fornicar) — ou abandonar o território administrado por esse Estado privado.

A democracia pode e deve ser sujeita a crítica, principalmente quando ela se desvia dos interesses da esmagadora maioria da população (como acontece, por exemplo, em Portugal e na União Europeia). Mas não é aceitável que se utilizem exemplos de uma democracia prostituída e destituída dos seus fundamentos elementares, para depois se defender uma qualquer forma de fascismo.

Sábado, 1 Fevereiro 2014

O Iluminismo Negativo (parte 2)

Filed under: Política — O. Braga @ 8:42 pm
Tags: , ,

O Iluminismo Negativo é uma ideologia política muito perigosa, porque se baseia em um certo irracionalismo que volta a estar na moda, em grande parte em reacção contra o irracionalismo da Esquerda historicista e marxista, a partir da qual irrompeu a partidocracia que vai anulando a própria democracia enquanto expressão de liberalismo político. Por outro lado, a prostituição da democracia também tem sido protagonizada pelo chamado “neoliberalismo”, característico de uma certa direita “Goldman Sachs” e globalista, que tende a ser pelo menos tão internacionalista (a ter aspirações de domínio internacionalista) quando a Esquerda marxista tem ainda.

Enquanto que que Esquerda marxista aproveita-se (“apanha boleia”, por assim dizer) do liberalismo político (leia-se: “democracia”) para o anular através de uma crescente burocratização do Estado (por exemplo), o Iluminismo Negativo aproveita-se da degeneração do liberalismo para fazer a crítica da democracia enquanto vontade da maioria — confundindo a democracia como sistema político, por um lado, com o Estado-providência que é uma deriva degenerescente da democracia, por outro lado.

O Iluminismo Negativo faz uma interpretação errada do Iluminismo — e seu sou insuspeito para falar porque sou também um crítico do Iluminismo, mas por razões bem diferentes. Kant, talvez o último dos genuínos iluministas, escreveu o seguinte:

“Um governo que fosse fundado sobre o princípio da benevolência para com o povo, tal como a do pai para com os filhos, quer dizer, uma governo paternal (imperium paternale), no qual, por consequência, os súbditos, quais filhos menores, incapazes de decidir do que para eles é verdadeiramente útil ou prejudicial, são obrigados a comporta-se de maneira unicamente passiva, a fim de esperar apenas do juízo do Chefe de Estado o modo como devem ser felizes, e apenas da sua bondade que ele igualmente o queira — um tal governo, digo, é o maior despotismo que se pode conceber 1

Como se pode ver, o iluminista Kant não poderia concordar, de modo nenhum, com o Estado-providência. Kant referia-se, na sua crítica, ao Camaralismo ou Wohlfahrtsstaat, ou ainda, assim designado também, “Estado de Polícia”, que foi a variante alemã do absolutismo francês. Note-se que o Iluminismo Negativo adopta aquilo a que chama de “Neo-camaralismo”, de que falarei noutro verbete.

Portanto, dizer que o Iluminismo Negativo é a negação do Iluminismo porque alegadamente aquele combate o Estado-providência e este último já não o fez, é falso. Mas o problema é que gente estúpida e ignorante acredita naquela lengalenga de Nick Land como sendo “factos históricos”. E por isso é que o Iluminismo Negativo é perigoso: é acientífico do ponto de vista da História das Ideias, é Hobbeseano e está longe de ser uma forma de Tradicionalismo político: pelo contrário, é parte integrante do movimento revolucionário que o próprio Iluminismo Negativo critica. É como uma cobra que morde a sua própria cauda.

Nota
1. Kant, “Teoria e Prática”, 1793, II, p. 31


Se a democracia é a “tirania da maioria”, ainda assim prefiro a “tirania de uma maioria” a uma “tirania de uma minoria”.

O Dark Enlightenment — o novo fenómeno político e cultural

Filed under: Democracia em perigo — O. Braga @ 12:48 pm
Tags: , ,

 

O Dark Enlightenment — traduzindo: “Iluminismo Negro”, o que quer significar um “Iluminismo Negativo” — é um movimento filosófico e político que se move já em determinados círculos culturais nos Estados Unidos e no Reino Unido. Por uma questão de facilidade de expressão e de respeito pela nossa língua, vou utilizar a expressão “Iluminismo Negativo”.

O Iluminismo Negativo tem origem no “filósofo” inglês Nick Land; e embora parta de pressupostos, em grande parte, assertivos e até historicamente verdadeiros, acaba por chegar a conclusões erradas porque se baseia em uma “lógica indutiva” aplicada à História das Ideias (ver “lógica da indução”).

O discurso de Nick Land é labiríntico, e por vezes parte de princípios errados — por exemplo, o princípio segundo o qual “Rousseau defendeu a democracia”: o conceito de “Vontade Geral” de Rousseau não significa “vontade da maioria”, por um lado; e, por outro lado, os totalitarismos do século XX foram todos eles escorados no princípio de “Vontade Geral” de Rousseau. Dizer que “Rousseau defendeu a democracia” é não ter compreendido as ideias de Rousseau.

Nos próximos verbetes, e com tempo, vou dar aqui a minha opinião acerca do Iluminismo Negativo. Entretanto, quem quiser consultar alguma coisa sobre o assunto, pode fazê-lo aqui.

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: