perspectivas

Quarta-feira, 11 Janeiro 2017

O erro protestante do Anselmo Borges

 

O facto de o Anselmo Borges ser católico é um erro de casting: ele deveria assumir o seu protestantismo, e toda a gente ficaria a ganhar.

Os católicos assumem a figura do purgatório — que os protestantes não assumem. Para o Anselmo Borges e para os protestantes, o purgatório não faz parte das contas: as almas vão directamente ao encontro de Deus, ou vice-versa.

Para o Anselmo Borges, Mário Soares foi uma pessoa muito importante na política esquerdista e na democracia, e por isso foi directamente para o Céu (sem passar pela casa da Partida).

É assim que aquela mente desajeitada vê o destino das almas: se fores de esquerda e democrata, vais para o Céu; e fores como o Padre Pio de Pietrelcina, que de democrata tinha pouco e de esquerda nada, vais para o inferno.

Sábado, 24 Dezembro 2016

O Anselmo Borges é um muito optimista

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 11:37 am
Tags: , , ,

 

politicamente-correcto-grafico-300-webA definição de politicamente correcto: é uma doutrina promovida por uma minoria ilógica e desfasada da realidade (psicótica), e radicalmente propagandeada pelos me®dia sem escrúpulos, que defende o princípio segundo o qual é perfeitamente possível agarrar um cagalhão pela sua parte mais limpa.

Ora, pretender agarrar um cagalhão pela sua parte mais limpa é ser muito optimista.

E o Anselmo Borges, nas suas crónicas no Diário de Notícias, não tem feito outra coisa senão ser muito optimista: tem sido muito optimista em relação à revolução do papa Chiquito, por exemplo; e para poder agarrar o cagalhão pela sua parte asséptica, o Anselmo Borges reinterpreta a realidade de forma heterodoxa: por exemplo, quando diz que Deus quis “ser aquele que está connosco na história da libertação” (¿do capitalismo?!), em vez de ser aquele que disse a Moisés: “Eu sou Aquele que sou” (O “Ser Intemporal”, a “Ordem do Ser que inclui o Não-Ser”).

O Anselmo Borges olha para um pau e vê uma pedra preciosa. É muito optimista. É tudo uma questão de interpretação da realidade; ou “voando sobre um ninho de cucos”. Por exemplo, quando compara Sócrates e S. Paulo:

“(…) de facto, segundo o filósofo grego Sócrates, por exemplo, "ninguém é mau voluntariamente", mas São Paulo queixa-se, porque "faço o mal que não quero e não faço o bem que quero". Portanto, fazer o mal depende só da ignorância ou também, e sobretudo, da vontade má?”

O que Sócrates quis dizer é que ninguém faz o mal pelo prazer de fazer o mal (a não ser que tenha perdido a razão e necessite de ser interditado): mesmo quem faz o mal aos outros, fá-lo para o seu próprio bem — e portanto, há sempre uma faceta positiva no negativo (o não-ser paz parte do Ser: “Eu Sou Aquele Que Sou”).

Assim interpretado correctamente, Sócrates não está em contradição com S. Paulo. Mas o Anselmo Borges, à semelhança do politicamente correcto, especializou-se em encontrar contradições onde elas não existem, para assim convencer toda a gente (através da estimulação contraditória) a pegar na parte mais limpa do cagalhão.

Quinta-feira, 22 Dezembro 2016

O papa Bergoglio faz o que quer por obra e graça do Espírito Santo

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 5:55 pm
Tags: , ,

 

Se o papa Chico defendesse o contrário da doutrina de Jesus Cristo, os "católicos fervorosos" viriam dizer que era “por obra e graça do Espírito Santo”. Ao papa Chico é permitido fazer a merda que ele quiser, graças ao Espírito Santo.

Neste sentido, o comportamento do papa Bórgia também é justificado pelo Espírito Santo. E se o papa Chico nega os princípios norteadores do Direito Canónico, é por obra do Espírito Santo; se o papa Chiquinho pretende destruir a Igreja Católica, é por graça do Espírito Santo.

card_burke_pope_heresy_web

Sábado, 17 Dezembro 2016

O Anselmo Borges, o Chico, e o “amor” imposto através do medo

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 1:21 pm
Tags: , , ,

 

No Vaticano do papa Chico que o Anselmo Borges já canonizou, respira-se o medo: o amor, a que se refere o Anselmo Borges, é imposto pelo medo.

Many were afraid of being removed from their positions, fired from their jobs in Vatican agencies or of encountering severe public or private reprimands and personal accusations from those around the pope or even from Francis himself”.

antichrist_pope_francis
O papa Chico introduziu no Vaticano o ambiente de medo esquizofrénico próprio dos países comunistas; e o Anselmo Borges vem falar de “amor” e de “Misericórdia”; e de “Revolução” do Chico, que passa pela repressão irracional de todas as ideias que contrariem o ditador.

A Igreja Católica do Jorge Chico transformou-se em uma instituição totalitária.

O ditador Chico tem duas faces: por um lado, apela ao diálogo; mas por outro lado instala um clima de medo generalizado no seio da Igreja Católica. Sob o primado do papa Chico, a Igreja Católica entrou em uma idade das trevas, onde impera a censura oficial de ideias e de opiniões.

De nada vale o latinório politicamente correcto do Anselmo Borges acerca do papa Chiquinho. A práxis deste papa revela-nos o seu verdadeiro ideário nepotista e luciferino.

 

Entrevista com o Cardeal Burke

Quarta-feira, 14 Dezembro 2016

Vozes de burros não chegam ao Céu

 

Richard Dawkins escreveu algures que “se uma estátua de uma santa saísse pelo seu próprio pé da igreja onde estaria exposta, esse fenómeno teria uma explicação natural”.

Ou poderíamos imaginar outro cenário de Richard Dawkins : o Cristo-Rei, cansado de estar de pé em Almada, um dia põe-se a caminhar, mergulha no Tejo para uma banhoca, e depois vai deitar-se a apanhar sol na Costa da Caparica: segundo Richard Dawkins — e o Ludwig Krippahl — se isso acontecesse, não se trataria de um milagre, mas antes teria uma explicação perfeitamente natural.

¿O que é que une o Richard Dawkins ao Ludwig Krippahl? É a burrice. São ambos burrinhos. Mas escrevem “coisas”.

É claro que, se o Cristo-Rei fosse, por sua alta recreação, tostar o lombo para a Costa da Caparica, o fenómeno teria que ter uma explicação natural.

O problema aqui é definir “natural” — é saber o que significa “natural”. Quando burrinhos como o Ludwig Krippahl ainda não sabem definir “matéria” (ainda não sabem o que é a “matéria”) , consideram que tudo é natural sem saber o que significa “natural”.

É fácil dizer o seguinte: “ainda não existe uma lei da natureza inventada pelo ser humano que regule o fenómeno dos banhos de sol do Cristo-Rei na Costa da Caparica; mas dentro de dois mil milhões de anos, o ser humano encontrará um explicação para esse caso”. É assim que os porcos cientificistas se refastelam na merda ideológica onde se sentem bem. E depois dizem que as suas crenças são racionais, ao passo que as dos outros são irracionais.

“O determinismo universal seria concebível se não existisse a sua noção” — Nicolás Gómez Dávila

A ciência sabe, por exemplo, que meio grama de urânio se decompõe em 4,5 milhões de anos; mas a ciência não sabe, nem poderá nunca — jamais! — saber, em quanto tempo se decompõe um átomo de urânio: pode ser decomposto imediatamente ou daqui a milhões de anos! É neste sentido que podemos dizer que a ciência do Ludwig Krippahl e do Richard Dawkins não faz a puta da ideia do que é a matéria!

A a-causalidade também é natural. A casualidade e a a-causalidade não são a expressão dos nossos conhecimentos limitados actuais, mas sim são constitutivas da realidade. Por isso, os físicos falam em probabilidade objectiva, por contraposição a uma probabilidade subjectiva baseada apenas em uma falta de conhecimento actual e temporário das razões causais.

Para qualquer pessoa inteligente, é difícil aceitar que, no centro da Física que pretende ser a ciência dos fundamentos de todo o mundo, as leis da nossa razão deveriam ser anuladas. Mas do ponto de vista da física, a realidade é resistente à análise. Mas para o Ludwig Krippahl, a coisa é fácil: basta dizer que os outros são irracionais, e o problema está resolvido.

Eu não estive em Fátima em 1917, e o Ludwig Krippahl e o Domingos Faria também não. Ora, segundo o Ludwig Krippahl, Richard Dawkins e o Domingos Faria, se o Sol “dançou em Fátima”, foi devido a fenómenos naturais. Eu também penso o mesmo: tratou-se certamente de um fenómeno natural, assim como são fenómenos naturais, por exemplo, o “efeito de túnel” ou a-causalidade dos fenómenos. Mas as milhares de pessoas que estavam em Fátima em 1917 testemunharam um fenómeno ou/e têm a crença de que viram um fenómeno anormal (uma anomalia).

Vejamos o que escreveu o físico francês Roland Omnès no seu livro “Filosofia Quântica” (edição americana, páginas 191/192):

“Mesmo um objecto do tamanho da Terra pode estar sujeito a um efeito de túnel, pelo menos em princípio. Enquanto a força gravitacional do Sol impede a Terra de se afastar através de um movimento contínuo, contudo o nosso planeta poderia subitamente encontrar-se na órbita da estrela Sírio mediante um efeito de túnel.

(…)

Felizmente, mesmo que o determinismo não seja absoluto, a probabilidade da sua violação é extremamente pequena. Neste caso, a probabilidade da Terra se afastar do Sol é tão pequena quanto a de 10^200 (1 seguido de 200 zeros). (…) Em termos práticos, é um acontecimento que não terá lugar.

(…)

Uma característica destas flutuações quânticas [o efeito de túnel] que violam o determinismo [das leis da física clássica], é a de que não podem ser replicadas (repetidas).

Imaginemos que um efeito de túnel foi observado por muitas pessoas: elas vêem uma pequena pedra subitamente aparecer em um lugar diferente do que estava há milésimos de segundo. Essas pessoas realmente viram o fenómeno, mas nunca serão capazes de convencer mais alguém; nunca poderão demonstrar de forma irrefutável que o fenómeno se possa repetir. Tudo o que essas pessoas podem fazer é jurar: “Juro que a pedra estava ali, à minha esquerda, e que subitamente apareceu à minha direita!”. Em resposta, as pessoas que não assistiram ao fenómeno atribuirão esse juramento a gin ou whisky em demasia, outras dirão que aquela gente está maluca, e as pessoas que assistiram ao fenómeno acabarão por se convencer de que foram vítimas de uma alucinação.”

Ora, parece evidente que o físico Roland Omnès – quando comparado com o Domingos Faria ou com o Ludwig Krippahl – parece ser burro todos os dias.

A verdade do experimentalismo — por exemplo, com Roger Bacon — é sustentada pela indução por enumeração simples.

Stuart Mill formulou quatro regras de método indutivo, mas essas regras só são úteis se aceitarmos a lei da causalidade [“Todo o fenómeno tem uma causa”]; mas esta lei tem como base a indução por enumeração simples e ignora a a-causalidade : ou seja, Stuart Mill pouco adiantou em relação ao método indutivo de Bacon.

Filósofos como por exemplo Karl Popper insistiram no “círculo vicioso” da indução evocando, por exemplo, o princípio da regularidade dos fenómenos naturais, que é em si mesmo um princípio geral que, portanto, não pode ter sido estabelecido indutivamente. Karl Popper tira daqui o argumento para recusar à ciência fundar-se na indução. Portanto, o experimentalismo do Ludwig Krippahl, do Domingos Faria e o Richard Dawkins, por si só, não é suficiente para determinar qualquer “verdade objectiva”, embora a “verdade científica” seja uma crença de grau superior.

E, entretanto, e apesar dos factos, o Ludwig Krippahl e o Domingos Faria continuam a zurrar.

Sábado, 10 Dezembro 2016

O romantismo do catolicismo New Age

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 10:27 am
Tags: ,

 

Há muito tempo que não comento os artigos do José Luís Martins Nunes, porque os ditos são elaborados a partir da preponderância da emoção que marca a cultura actual, por um lado, e por outro lado, os textos seguem a linha ideológica do Existencialismo pessimista e paralisante de Kierkegaard, que, juntamente com Karl Marx e com Nietzsche, marcaram o fim da Auctoritas na cultura antropológica da Europa.

Por exemplo: diz o Nunes que “ninguém nasce herói”. Eu penso o contrário: todo o ser humano (desde a concepção) é um herói — incluindo (e sobretudo) aquele que aparentemente nasce inferiorizado em relação ao vulgar dos homens. Somos todos heróis, mas há uns mais heróis que outros. Por exemplo, os seres humanos com síndroma de Down são heróis especiais; e de tal forma que, em França, o poder político proibiu que se falassem neles, porque de heróis passaram já à condição de super-heróis.

Escreve o Nunes:

“Para conhecer alguém devemos observá-lo com paciência durante bastante tempo, a fim de identificar qual a sua trajectória entre erros e acertoso tempo corre sempre a favor da verdade!”

Ora aqui está uma frase complicada!. O que para mim é erro, para outra pessoa pode não ser.

Por exemplo, para mim é erro a comunhão de recasados recasados recasados que se recasaram mais uma vez; para o papa Chico (e para o Nunes), a comunhão eucarística de recasados recasados recasados recasados recasados recasados recasados recasados recasados recasados que se tornaram a recasar, já não é erro.

A ideia segundo a qual “o tempo corre sempre a favor da verdade” induz-nos a noção historicista e errada segundo a qual “estamos do lado certo da História”: hoje, a guerra cultural é a de saber “quem está do lado certo da História”, como se o ser humano conhecesse o futuro.

E, normalmente, do lado certo da História faz parte o apelo à emoção em detrimento da razão — é este novo romantismo coevo que afirma (como faz o Nunes) que “ame e lute pelo amor, em qualquer circunstância… custe o que custar. A felicidade está nessa luta”sem se definir “amor”, generalizando o conceito de “amor” a tudo e mais alguma coisa, como convém aos românticos actuais.

Quinta-feira, 8 Dezembro 2016

O Argumentum ad Numerum dos amigos do papa Chico

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 10:36 pm
Tags: , ,

 

O Argumentum ad Numerum  é uma falácia lógica semelhante ao argumento ad Populum, e consiste em dizer que quanto mais pessoas apoiam uma ideia ou uma proposição, então aumenta a probabilidade de essa ideia ou essa proposição estar correcta. Por exemplo:

“Depois que quatro Cardeais expressaram preocupações relativas às ambiguidades em Amoris Laetitia através da publicação do Dubia, o cardeal brasileiro Claudio Hummes os repreendeu dizendo eles estão sozinhos em suas causas”.

Cardeal Brasileiro ataca críticos de ‘Amoris Laetitia’: Nós somos 200 e eles só são 4.

Ou ainda:

“A maioria dos marroquinos defende a excisão feminina. Por isso, ser contra a excisão feminina é ridículo”.

Quarta-feira, 7 Dezembro 2016

O papa burrinho que pensa que consegue enganar o povo

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 7:23 pm
Tags: , ,

 

The “Who am I to judge?” pope recently told an interviewer that he has a hard time understanding why so many young Catholics worship in Latin on Sundays. “Why so much rigidity,” Francis asked. “This rigidity always hides something, insecurity or even something else.”

Ou seja, o papa Chiquinho é rígido em relação a uma certa rigidez que ele não gosta (por várias razões). Se a rigidez fosse aquela que o papa Chico gosta, não haveria problema com a rigidez.

A imposição coerciva de uma determinada dose de caos obedece sempre a uma certa ordem — assim como o “não-ser” é sempre uma forma de “ser”. Este papa é um intolerante (para além de ser um burro que nem uma porta!); é o papa mais intolerante desde o Concílio do Vaticano II.

Segunda-feira, 5 Dezembro 2016

¿O papa é herético? É!

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 7:19 pm
Tags: , ,

 

No habiendo logrado que los hombres practiquen lo que enseña, la Iglesia actual ha resuelto enseñar lo que practican. → Nicolás Gómez Dávila

papa-freak-web(Não tendo conseguido que os homens pratiquem o que a Igreja Católica sempre ensinou, a Igreja Católica actual — a do papa Chico — resolveu ensinar o que os homens praticam).

Ora, ensinar o que os homens praticam é fácil; não é preciso ser papa; para isso, nem precisamos da Igreja Católica: basta-nos a loja maçónica aqui do bairro, e uma em cada bairro.


Hoy pretenden que perdonar sea negar que hubo delito. → Nicolás Gómez Dávila

(Hoje, pretendem (na Igreja Católica) que perdoar seja negar que houve delito).

Para este papa, perdoar é negar o delito. Essa negação do delito é subliminar e melíflua na sua ambiguidade. Para negar o delito, este papa serve-se da tradição jesuítica da falácia casuística.

Nós, católicos, não devemos obedecer a este papa:

“Tanto quanto está autorizado a resistir a um Papa que comete uma agressão física, do mesmo modo que é permitido resistir-lhe se faz mal às almas ou perturba a sociedade e, com mais forte razão, se procurasse destruir a Igreja — é permitido, digo, opôr-se a ele não cumprindo as suas ordens e impedindo que a sua vontade seja realizada.

Não é licito, contudo, julgá-lo em tribunal, impor-lhe punição, nem o depor, pois estes são actos próprios a um superior”.

– São Roberto Belarmino, De Romano Pontifice, Livro II, Capítulo 29.


Um bom católico não cumpre as ordens do papa Chiquitito e impede que a sua vontade seja realizada.

Sábado, 19 Novembro 2016

Ensinando o Pai-Nosso ao Padre jesuíta Gonçalo Portocarrero de Almada

 

“I protest against the power of mad minorities to treat the majority as if it were another minority. But still more do I protest against the conduct of the majority if it surrenders its representative right so easily”. → G. K. Chesterton


“Ai do mundo por causa dos escândalos! Eles são inevitáveis, mas ai do homem que os causa!” [Mateus, 18, 1-8]


Depois destas duas citações, vou citar o Padre Gonçalo Portocarrero de Almada:

“O que é, ou não, natural tem muito que se lhe diga. Sem entrar no fundo da questão, pode-se dizer que é natural o que se observa na generalidade das pessoas e que, por isso, se atribui à natureza humana. Ora, no mundo inteiro, cerca de 97% da humanidade sente-se atraída pelo sexo oposto: pode-se dizer portanto que, em termos sociológicos, essa é a tendência mais natural, sem que o seu contrário seja anormal. Neste sentido, o celibato, que contraria uma inclinação generalizada, não é tão natural quanto o casamento, sem que por isso seja nenhuma anormalidade. Ser superdotado também não é natural, embora seja, como é óbvio, excelente”.

Ou seja, para o Padre, “há tendências mais naturais do que outras”. Naturalmente que se ele comparar o ser humano com o peixe-palhaço, chegará à conclusão de que a ideologia de género é natural.

Por outro lado, o Padre compara a “não-naturalidade” do celibato — que é um esforço que contraria o desejo de um fim próximo, em função do desejo de um fim último: ou seja, o celibato é uma virtude —, por um lado, com a “não-naturalidade da homossexualidade”, por outro lado — como se a homossexualidade fosse também uma “virtude não-natural”.


Mais adiante, o Padre escreve:

“A propósito, esclareça-se que a Igreja não reprova a tendência homossexual, nem muito menos as pessoas – algumas, por certo, católicas – que, por vezes contra a sua vontade e com grande sofrimento, se reconhecem nessa situação. O que a Igreja reprova são os comportamentos contrários ao que, segundo a Bíblia, entende ser o recto uso da sexualidade humana, sejam esses actos praticados por um homem ou uma mulher, uma pessoa solteira ou casada, com tendência homossexual ou heterossexual”.

Isto seria o mesmo que o Padre dissesse: a igreja não reprova a tendência psicopata do assassino em potência: o que a Igreja Católica reprova é o acto do homicídio”. Obviamente é falso. O Padre cai na casuística que os jesuítas inventaram e que o papa Chico utiliza de forma adestrada na destruição da doutrina católica.

A verdade, o que o Padre jesuíta Gonçalo Portocarrero de Almada escamoteia, é a seguinte: a Igreja Católica condena, em graus e termos diferentes e como é lógico, a tendência homossexual e o acto homossexual.

É falso dizer que “a Igreja não reprova a tendência homossexual”, porque isso seria afirmar que a Igreja Católica aprova o conatus gay, o que teria como consequência a impossibilidade lógica de condenar o próprio acto homossexual.

Quinta-feira, 17 Novembro 2016

¿O João César das Neves disse que o papa Chico não é marxista?!

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 6:19 pm
Tags: , ,

 

La última del Papa Francisco: "Las empresas no deben existir para ganar dinero"

papa-che- webSi la semana pasada el Papa Francisco comparaba el cristianismo con el comunismo ignorando el genocidio que acometió este régimen durante décadas, este jueves, el pontífice argentino carga contra los empresarios del mundo.

Aunque los comentarios con tintes anticapitalistas de Bergoglio son muy habituales en sus discursos, esta vez, el Papa no ha tenido pelos en la lengua al reunirse con las Asociaciones de Empresarios Católicos (UNIAPAC).

En su discurso, el pontífice argentino les recordó que considera que "el dinero es el estiércol del diablo" y sostuvo que las empresas "no deben existir para ganar dinero", sino "para servir".

Añadió que "todas las actividades humanas, también la empresarial, pueden ser un ejercicio de la misericordia" y reflexionó sobre "tres riesgos" que la actividad empresarial asume con frecuencia: "El riesgo de usar bien el dinero, el riesgo de la honestidad y el riesgo de la fraternidad".

En esta línea, Francisco aseguró que "la corrupción está generada por la adoración del dinero y vuelve al corrupto, prisionero de esa misma adoración". Para el Papa, "la corrupción es un fraude a la democracia y abre las puertas a otros males terribles como la droga, la prostitución y la trata de personas, la esclavitud, el comercio de órganos, el tráfico de armas, etcétera".

Jorge Bergoglio consideró que "una de las condiciones necesarias para el progreso social es la ausencia de corrupción" y dijo que favorecer esta, por "activa o pasiva, es ya comenzar a adorar al dios dinero". En ese contexto criticó el sistema de acceso al crédito que es "más accesible y más barato para quien posee más recursos, y más caro y difícil para quien tiene menos".

Sexta-feira, 4 Novembro 2016

O Pedro Arroja devia dedicar-se à economia

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 12:42 pm
Tags: , , ,

 

Um dia destes hei-de escrever aqui sobre as façanhas dos Papas da Renascença (século XV) que deram razões a Lutero — a ver se o Pedro Arroja se dedica à economia e deixa filosofia e a História em paz. O Pedro Arroja escreve:

“Portugal, nos últimos anos, pela via do socialismo e da dominância da Alemanha na União Europeia, tem vindo a importar o luteranismo, com todas as suas consequências. Foi o luteranismo que deu origem à ideologia socialista (pela mão, em primeiro lugar, do filósofo alemão Immanuel Kant), a qual é, na realidade, um luteranismo laico, um luteranismo sem "Deus". (Kant era um luterano convicto, um luterano pietista)”.

O luteranismo legitimou (teologicamente) a taxa de juro bancária e a usura (contra uma grande parte da Igreja Católica, que não via a usura bancária com bons olhos), e vem o Pedro Arroja dizer que foi “o luteranismo que deu origem à ideologia socialista”.

E mais: Kant foi um liberal, tanto na economia como nos costumes:

“Um governo que fosse fundado sobre o princípio da benevolência para com o povo — tal o do pai para com os seus filhos, quer dizer, um governo paternal —, onde, por consequência, os sujeitos, tais filhos menores, incapazes de decidir acerca do que lhes é verdadeiramente útil ou nocivo, são obrigados a comportar-se de um modo unicamente passivo, a fim de esperar, apenas do juízo do chefe do Estado, a maneira como devem ser felizes, e unicamente da sua bondade que ele o queira igualmente — um tal governo, digo, é o maior despotismo que se pode conceber.”

→ Kant, “Teoria e Prática” (1793)

Kant critica aqui o Camaralismo ou Wohlfahrtsstaat (o “Estado Providência”) que foi um fenómeno alemão e também austríaco (também da Baviera e da Áustria católicas) que teve a ver com a dinâmica política de unificação da Alemanha que conduziu ao aparecimento de Bismarck. Ou seja, o Wohlfahrtsstaat não tem nada a ver com o luteranismo.

Página seguinte »

Create a free website or blog at WordPress.com.