perspectivas

Sábado, 20 Março 2010

A Quinta Coluna marxista na Igreja Católica

A partir dos anos 50 do século XX, afirmou-se no cristianismo protestante europeu a Nova Teologia de Dietrich Bonhoeffer. Não vou entrar aqui em grandes exercícios de análise filosófica que seriam fastidiosos para quem lê. Apenas direi que a Nova Teologia foi devastadora e altamente destrutiva, não só para a Europa como para a América Latina na medida em que a Nova Teologia esteve na base da Teologia da Libertação que ainda hoje se mantém activa e que é a ponta do icebergue da infiltração comunista/marxista na estrutura da Igreja Católica.
(more…)

Segunda-feira, 26 Outubro 2009

Não confundir religião com submissão em relação à política

Estou de acordo com a ideia de que José Saramago tem todo o direito de publicar o que quiser e como quiser; o que se passa realmente é que a autoridade moral está sempre do lado de quem admite “a priori” a liberdade de expressão, e não de quem luta para que a nossa liberdade de expressão colectiva seja coarctada ― Voltaire dizia qualquer coisa deste género ― como é o caso de Saramago, que sendo defensor da ditadura do proletariado, luta activamente e todos os dias para que as opiniões dos cidadãos (que não as dele) sejam censuradas. Portanto, se existe uma autoridade moral quanto ao exercício da liberdade, ela é minha e de outros como eu, e não de Saramago. Desafio a quem quer que seja que coloque em causa, de uma forma racional, este ponto prévio.
(more…)

Quarta-feira, 15 Julho 2009

Sobre a encíclica “Caritas in Veritate” do Papa Bento XVI e o governo mundial

O Eurodólar

O Eurodólar

Na sua recente encíclica “Caritas in Veritate” que pode ser lida aqui em PDF, o Papa Bento XVI refere-se quatro vezes à “globalização”, e em nenhuma das suas referências se vislumbra qualquer sombra de espírito crítico. A posição do Papa face à globalização (imposta por Wall Street e pela City de Londres) não é de um “não” nem de um “sim”: porventura será a de um “nim”, mas nem este ficou claro.

Na medida em que a posição do Papa no que respeita à globalização ― aqui entendida como governo mundial ― não se traduz numa posição crítica, pode ser interpretada por alguns como uma posição favorável por parte do Vaticano a essa globalização.

Numa altura em que se prepara já a moeda mundial (o Eurodólar) imposta pelo G8 e sem ouvir sequer os países representados na ONU; numa altura em que se prepara uma taxa global por causa do “aquecimento global devido ao CO2″ — o maior embuste político de sempre — imposta pelo lóbi mundialista a que pertencem Al Gore e George Soros, e cujo valor taxado a nível mundial será gerido a partir de um off-shore nas Caraíbas; numa altura em que está em progresso uma campanha massiva contra a liberdade de expressão, nomeadamente na Internet onde se defende claramente a censura política ― seria importante que a Igreja Católica lançasse um “alerta à navegação” e não um sinal de submissão clara ao poder económico e político mundialista.

Quinta-feira, 11 Dezembro 2008

Vaticano clarifica boatos

Filed under: Sociedade — O. Braga @ 5:44 pm
Tags: , ,

LD (Europa Press) “El director de la sala de prensa del Vaticano, Federico Lombardi, aseguró este jueves que la Iglesia católica “está a favor de la despenalización de la homosexualidad” y aclaró que esto “nunca se ha puesto en discusión”.

La Iglesia es “contraria a las leyes penales que consideran que la homosexualidad es un crimen”. Lo que rechaza, en cambio, es el reconocimiento de los matrimonios entre personas del mismo sexo, ya que, según su doctrina, “el verdadero matrimonio es entre un hombre y una mujer”, explicó.

Lombardi hizo estas declaraciones durante la rueda de prensa de presentación del mensaje de la paz de Benedicto XVI para el año 2009 y en respuesta a las preguntas de los periodistas, que le pidieron que aclarara la postura del Vaticano con respecto al documento que Francia quiere presentar ante la ONU para despenalizar la homosexualidad.

De hecho, el portavoz destacó que la polémica sobre el supuesto ‘no’ del Vaticano a dicho documento “se ha construido” sobre algo “vago”, ya que el texto todavía no ha sido presentado.”

Sexta-feira, 5 Dezembro 2008

Alto-representante do Vaticano diz que “Alá é bom para a Europa”

Filed under: Islamismo — O. Braga @ 9:38 am
Tags: , , , , , ,
Jean-Louis Tauran

Jean-Louis Tauran

A recente notícia segundo a qual o Cardeal Jean-Louis Tauran, alto-responsável no Vaticano para relações ecuménicas, agradeceu aos muçulmanos por terem “reconduzido Deus à Europa”, revela bem o que é a Igreja Católica hoje: um corpo desconexo e sem estratégia definida, um barco à deriva.

Se ― segundo afirmou o cardeal ― os islamitas fizeram com que a religião fosse hoje discutida mais do que nunca no domínio público europeu, não é pelas melhores razões. É surpreendente como o Vaticano não vê isso.

O Vaticano não tem o direito nem a razão quando tenta atribuir as culpas do esvaziamento dos templos católicos à separação entre o Estado e a ICAR, decorrente do Vaticano II que reconheceu a liberdade religiosa, a separação entre o Estado e a Religião, e que abriu caminho para que a Maçonaria se transformasse na nova religião dos Estados europeus.

Hoje, a “religião-de-Estado” na Europa é a religião niilista-maçónica, e só neste contexto de “revolta” poderei entender as palavras do cardeal francês. Porém, o seu discurso laudatório em relação ao Islamismo é um tiro no próprio pé, porque é sabido que a islamização da Europa é amplamente promovida pela própria Maçonaria como parte de uma estratégia a longo prazo de controlo do mundo islâmico ― aguardando-se o “último confronto” que oporá as forças do niilismo maçónico ao Islão, depois de destruída a ICAR. O Vaticano segue fielmente e de forma suicida o livro-de-instruções da Maçonaria.
(more…)

Sábado, 27 Setembro 2008

Bonhoeffer e a Nova Teologia

Bonhöffer

Bonhöffer

Ontem (26/9) estive a ver um programa na RTP2 sobre a vida de Dietrich Bonhoeffer, e dei comigo a pensar que sendo Bonhoeffer contemporâneo de Maximiliano Kolbe, nunca se deu a este último a importância nos me®dia que se dá àquele. Uma das razões é, certamente, a de que Kolbe foi católico e Bonhoeffer era luterano. A cultura anglo-saxónica não se perdoa a si mesma pelo seu falhanço teológico, e por isso continua sistematicamente a secundarizar a importância da ICAR na História do Cristianismo.


A Reforma de Lutero foi um fenómeno que anunciava muita coisa de positivo e depois resultou exactamente no contrário das suas intenções de princípio, porque a Reforma luterana trazia já em si os germes da sua contradição.

A Reforma teve duas consequências historicamente marcantes e negativas:

A primeira, foi a de reconhecer o princípio inabalável do Estado absolutista e o princípio da inexistência de liberdade humana na sua própria teologia (que consequentemente acabou por defender a limitação dos direitos dos cidadãos em relação ao Estado, em consequência de uma visão determinista do mundo), e o princípio da total submissão da igreja luterana ao absolutismo de Estado. Não sei como Bonhoeffer, como luterano, se pôde revoltar contra Hitler se o próprio Lutero já tinha legitimado todos os ditadores “ad Aeternum”.
Ademais, não podemos esquecer que o próprio Lutero defendeu por escrito a perseguição aos judeus, tal como a Igreja Católica o fez; não sei com que argumentos os luteranos podem denunciar ou criticar a Inquisição católica.
(more…)

Terça-feira, 26 Agosto 2008

Giordano Bruno

Filed under: filosofia — O. Braga @ 10:50 am
Tags: , , , , , ,

Não há nada que possa justificar a Inquisição católica; mas a Inquisição secularista, cientificista e ateísta do século 20 foi de uma virulência tal que transforma os inquisidores católicos medievais em meninos de coro.

Giordano Bruno

Giordano Bruno

Há já tempo que estou para escrever alguma coisa sobre Giordano Bruno; sempre que me deparo com um postal blogosférico clamando por justiça contra a ICAR a favor do mártir herético, lembro-me do caso de Galileu: a razão porque Galileu caiu na desgraça da ICAR prendeu-se com uma sua publicação na qual deliberadamente caricaturou a figura do Papa; tratou-se de uma questão pessoal. Afinal, o diferendo entre o “físico” e a ICAR resumiu-se a um diferendo pessoal e privado entre ele e o Papa Urbano VIII ― a ICAR já tinha inclusivamente aceite o heliocentrismo nove anos antes de Galileu o ter proclamado, através da teoria heliocêntrica da autoria do clérigo católico polaco Copérnico ― pasme-se! o heliocentrismo original é da lavra de um padre católico. Portanto, a estória de Galileu foi mal contada, ou pelo menos, enviesada. Coisa semelhante se passa com Giordano Bruno.

Giordano Bruno não foi morto por serviços prestados à ciência, assim como Galileu não foi perseguido por defender o heliocentrismo. Bruno foi morto por razões que se misturam entre a transgressão espiritual e teológica, e questões pessoais e privadas.

(more…)

Sexta-feira, 8 Agosto 2008

O castigo da consciência

Um dos grandes problemas do cristianismo é a absorção do judaísmo, a aglutinação de uma religião com a qual Cristo não concordava. Jesus Cristo combateu o Judaísmo, mas a Apologética medieval incluiu o Antigo Testamento na religião cristã.

Como cristão, devo aqui afirmar: não valorizo minimamente o Antigo Testamento. Nada. Não há nada no Antigo Testamento que eu considere como guia filosófico ou religioso. O que me interessa no cristianismo é o relato da vida de Jesus Cristo: os Evangelhos.

Não posso compreender que um católico possa — por um segundo — defender a pena de morte. Tratando-se de um monárquico, penso que deveria ter em mente que o nosso rei D. Carlos foi condenado à morte, e com o julgamento republicano feito à posteriori e à revelia (in absentia) do rei. Não podemos defender a pena-de-morte em função dos nossos valores, e condenar a pena-de-morte em função dos valores dos nossos adversários políticos.

Quem sabe, sabe que é a nossa própria consciência que castiga.

Um homem de posição perguntou então a Jesus: “Bom Mestre, que devo fazer para possuir a vida eterna?” Jesus respondeu-lhe: “Por que me chamas bom? Ninguém é bom senão só Deus. Conheces os mandamentos: não cometerás adultério; não matarás;não furtarás; não dirás falso testemunho; honrarás pai e mãe”.


(more…)

Sábado, 2 Agosto 2008

É preciso racionalizar as questões


Preservativo do século 16

O que é a contracepção? O uso do preservativo é contracepção? Claro que é. Tudo o que evite a gravidez da mulher é contracepção. Visto deste prisma, até a abstenção sexual é uma forma de evitar a gravidez, e portanto, uma forma passiva de contracepção.

E o onanismo (masturbação) é contracepção? Pela mesma bitola de valores, é. E um sonho erótico que cause uma ejaculação, é contracepção? Pela mesma bitola, alguém que tenha um sonho erótico que cause uma ejaculação incorre em pecado contra a vida humana.

Hoje estou em maré de contraditório. Gosto de ler o FIAT LUX, mas quando a ICAR coloca no mesmo saco o preservativo e o aborto, o que faz é ― nada mais e nada menos ― do que validar eticamente o aborto, porquanto desvaloriza as diferenças entre as duas situações. Em vez de convencer racionalmente as pessoas acerca da inviolabilidade da vida humana, quando radicaliza posições, a ICAR descredibiliza ― aos olhos do povo ― a importância da vida, na medida em que compara coisas incomparáveis. Em resultado isso, o aborto passou a ser um método de contracepção, porque um dos lados da contenda se descredibiliza quando coloca no mesmo nível o onanismo e o aborto.

Sob o ponto de vista ético, é absolutamente irracional que alguém defenda a ideia de que o uso do preservativo é mais grave do que o incesto. Custa-me imenso que a Igreja Católica assuma posições destas.

Muitas das “guerras” culturais perdidas nos últimos 30 anos se devem a uma posição monolítica da Igreja Católica em assuntos de “lana caprina”. Eu sou insuspeito para falar nisto, porque sou e assumo-me publicamente como cristão.

Em relação a Elisabeth Anscombe: comparar o onanismo ― ou o uso do preservativo ― à sodomia e a outros desvios sexuais é classificar, à partida, o ser humano como um animal irracional. A ICAR deveria dar o exemplo na racionalização do ser humano numa altura em que este é cada vez mais tratado (pela política correcta) como um animal controlado pelo instinto. Partindo do princípio de que o ser humano é um ser irracional, Elisabeth Anscombe defende a ideia de que ao se condescender com o uso do preservativo, a besta humana cairá automaticamente na sodomia, isto é, uma coisa leva inexoravelmente à outra, como se a sodomia não existisse quando ainda não tinha sido inventado o preservativo. Este raciocínio só joga a favor de quem defende a degradação ética e moral da Humanidade, e os resultados estão à vista.

Toda a ética tem uma escala de valores racionalmente construída; misturar tudo no mesmo saco só lembra ao diabo.

Quarta-feira, 9 Julho 2008

Lésbicas anti-Papa

Um grupo de lésbicas representando os gays da religião Raeliana que acredita que o mundo foi criado por extra-terrestres há 25.000 anos atrás (o Homo Sapiens com 150.000 anos? É treta!), manifestaram-se em Londres contra a visita do Papa.

Glamour lesbians attack Pope and Catholic Church

Sacerdócio para mulheres

Há quem diga que uma mulher não poderia chegar a Papa porque não consegue guardar um segredo. Já imaginaram um conclave com uma mulher cardeal? Passaria a “semclave”: antes da eleição do Papa, todos os cardeais presentes e ausentes saberiam a intenção do voto ― não só dela, mas dos outros todos. Com uma mulher num conclave, não era necessário fumo branco e negro da chaminé do Vaticano: ela utilizava o telemóvel e falava com as amigas; antes do fumo sair da chaminé, já a CNN dava a notícia. Os únicos segredos que a mulher consegue ― de vez em quando ― guardar são os que podem colocar em causa o seu prestigio pessoal.

Naturalmente que Jesus Cristo, que não era burro nenhum, percebeu isso e elegeu só homens para seus apóstolos.

Se uma mulher não pode ser Papa, não pode ser sacerdote (ou sacerdotisa). Portanto, todas as encíclicas, epístolas, concílios e missivas papais, ao longo da História, se resumem ao facto de a mulher ser como é, e pelo facto da sua natureza a impedir de guardar segredos que não sejam os seus segredos mais íntimos (e nem sempre!). Para uma mulher, os segredos dos outros são sempre uma boa notícia: já imaginaram uma mulher sacerdote no confessionário?! No bairro, e durante a semana, havia sempre o cochicho das novidades fresquinhas.

%d bloggers like this: