perspectivas

Segunda-feira, 9 Maio 2011

A manifestação do sagrado e os softwares do nosso cérebro (1)

Este vídeo, gravado por um popular na Costa do Marfim, revela uma manifestação do sagrado. Naturalmente que, para uma parte dos europeus actuais, a revelação do vídeo é incompreensível, porque existe hoje a ideia de que a “realidade para nós” coincide totalmente com a “realidade em si”. E essa “realidade para nós” (que alegadamente e segundo a cultura politicamente correcta actual, coincide totalmente com a “realidade em si”) foi moldada por uma cultura indelevelmente marcada pelo Positivismo.

Uma grande parte dos cidadãos da Europa actual foi programada (educada) para pensar que as leis da natureza possuem uma necessidade coerciva, não permitindo qualquer excepção. Existem mesmo professores das ciências da natureza que estão absolutamente convencidos desta necessidade coerciva e exclusivista das leis natureza. Por isso, reconheço a excepcionalidade do professor Carlos Fiolhais quando, num artigo publicado recentemente no Público (salvo erro), escreveu, preto no branco, que as leis da natureza não são, por princípio, infalíveis; isto, vindo de alguém ligado à ciência, é verdadeiramente notável, mas a verdade é que ele traduziu apenas o consenso alargado existente entre a comunidade dos cientistas físicos.

Esta “programação cultural” actual e positivista, este software científico-tecnológico, e que está na moda (é politicamente correcto), implica a existência de uma espécie de “programa de tratamento de dados cerebral” que trata os dados da “realidade” a partir do nosso cérebro.

Mas antes de falarmos deste e de outros tipos de software cerebral, vamos tentar saber o que é a “realidade”.
(more…)

%d bloggers like this: