perspectivas

Sexta-feira, 16 Março 2018

A censura por delito de opinião já é praticada sem vergonha por parte dos globalistas / esquerdistas

Terça-feira, 15 Março 2011

Não sejas carneiro! Diz “NÃO” ao Censos 2011

“Falar Claro”, no Porto TEDX

Vinha há pouco no carro e ouvi na Antena 1 da RDP o anúncio — com direito a entrevista — de um evento a realizar no Porto TEDX sobre o tema “Falar Claro”. A “coisa” é mais ou menos assim:

Uma vez que o nosso ensino está a formar analfabetos funcionais, é necessário reduzir a complexidade da linguagem escrita (a todos os níveis, incluindo a das instituições do Estado), de modo a que os novos analfabetos possam ser integrados na sociedade. Em vez de tentarmos elevar o nível cultural dos cidadãos, vamos baixar o nível e a complexidade da comunicação, através da redução da significação da linguagem ao mínimo possível.


Eu não conheço os promotores dessa conferência no Porto, e portanto, não vou fazer juízos de valor acerca das pessoas. Vou só analisar as ideias.

O cientista político dinamarquês Kresten Schultz-Jørgensen (ver página dele no FaceBook) escreveu recentemente um artigo com o título “Technology, Superficiality, and Fascism” (Tecnologia, Superficialidade e Fascismo). Eu não tenho tempo para traduzir o artigo, mas o leitor poderá fazer-me o favor de utilizar o tradutor do Google.

A certa altura do texto, Kresten Schultz-Jørgensen escreve o seguinte:

[A simplificação da linguagem] é um retrocesso, e George Orwell tinha razão : a dissolução da competência linguística com justificação na necessidade, leva à erosão do poder mental [do cidadão] e ao aparecimento de um fascismo auto-criado.

Menos palavras, menos espaço mental, mais preconceitos: os componentes-chave do fascismo.

A iniciativa “Falar Claro” faz parte de um projecto social-fascista, certamente ligado a uma Esquerda fascista protagonizada pelo Bloco de Esquerda e pelo Partido Comunista. Até que ponto os organizadores do tal evento têm a consciência disso, é secundário. O que interessa são os factos.

Domingo, 13 Março 2011

As Dez Mentiras do Censo 2011

A União Europeia liderada politicamente pela Alemanha, é uma péssima ideia. Um exemplo do que quero dizer é o Censo 2011 que alegadamente já está a acontecer, e que foi imposto ao parlamento europeu pelo lóbi político da Alemanha, em 2008.

A forma e conteúdo deste Censo tem uma forte influência cultural e política alemã, e contém até alguns resquícios do nazismo; não esqueçamos que a Alemanha é praticamente o único país europeu que não autoriza o ensino em casa, mantendo uma lei de 1933 promulgada por Adolfo Hitler.

Se existe um país na Europa Ocidental onde a liberdade é subliminarmente reprimida, é a Alemanha. O cidadão comum alemão vive em uma espécie de estado difuso e indefinido de medo constante, em um ambiente social que raia o Estado policial. O regime político alemão, se não é repressivo, é certamente depressivo.

O formato do Censo na União Europeia seguiu exactamente o modelo alemão já em vigor há alguns anos. O sítio NO2ID elenca as Dez Mentiras do Censo 2011.

Para mais detalhes sobre a inconstitucionalidade do Censos 2011, ver página no FaceBook.

Sexta-feira, 5 Fevereiro 2010

Maria José Morgado e as bases de dados de ADN

« (…) precisamos de bases de dados de ADN, amostras de ADN, porque essas amostras de ADN previnem erros judiciários, permitem focalizar a investigação no autor verdadeiro dos crimes e afastar as hipóteses de imputação ao autor errado.

(…)

Precisamos de renunciar a uma pequena parte da nossa liberdade para termos toda a liberdade. »

Maria José Morgado

(more…)

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: