perspectivas

Domingo, 8 Março 2020

¿Substituição da população europeia?!!! É Teoria da Conspiração da extrema-direita fassista!!!

Quinta-feira, 10 Janeiro 2019

Very British!

Filed under: Inglaterra,Islamismo,islamização,islamofobismo,Reino Unido — O. Braga @ 7:12 pm

 

Aeroporto de Gatwick, o segundo maior aeroporto da cidade de Londres, Reino Unido.

 

Quinta-feira, 13 Dezembro 2018

Os técnicos especializados africanos que enriquecem a cultura europeia

Filed under: imigração,Reino Unido — O. Braga @ 11:51 am

 

Londres, Reino Unido.

Um médico especialista em otorrinolaringologia, oriundo de África, enriquece a cultura inglesa com uma operação gratuita a um nariz partido de um polícia britânico.

 

Sexta-feira, 23 Março 2018

O politicamente correcto diz que “Jesus era gay”; ¿e se fosse o “Alá Gay”?

 

É normal que a Esquerda radical e o grupo LGBT [Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgéneros] diga que “Jesus era gay”, invocando a liberdade de expressão. E os cristãos engolem em seco (que remédio!). ¿E se fosse o “Alá Gay”?

A canadiana Lauren Southern armou uma tenda em uma rua da cidade inglesa de Luton com um cartaz “Alá é gay”. Resultado: a polícia inglesa mandou retirar o cartaz com ameaça de prisão. Mas se fossem cristãos a reclamar o “Jesus é gay”, no pasa nada, hombre!

Terça-feira, 20 Março 2018

O politicamente correcto está fora de controlo

Filed under: politicamente correcto,Reino Unido — O. Braga @ 6:07 pm

Um cidadão escocês, Mark Meechan (conhecido no Twitter por “Count Dankula”), publicou há dois anos, no YouTube, um vídeo com piadas (de mau-gosto, em minha opiniao), em que o cão da sua (dele) namorada fazia uma saudação nazi depois de instruído por ele.

Podem ver o vídeo aqui.

Mark Meechan confessou que tinha amestrado o cão para fazer a saudação nazi para chatear a namorada. Hoje foi condenado pelo tribunal britânico por “crime-de-ódio”.

 

 

Sexta-feira, 22 Dezembro 2017

O Natal da Esquerda

Filed under: Esquerda,esquerdalho,imigração,islamização,Reino Unido — O. Braga @ 8:07 pm

 

O “enriquecimento cultural” trazido pelos “refugiados” trouxe ao Reino Unido o “Natal da Esquerda”.

natal-da-esquerda

Sexta-feira, 1 Dezembro 2017

A estupidez de Theresa May

 

Não me convencem, as mulheres na política (salvo honrosas excepções). Lamento constatar este facto.


Donald Trump cancelou a sua visita a Londres:

“A planned “working visit” to the United Kingdom by U.S. President Donald Trump has been cancelled following Prime Minister Theresa May’s decision to publicly upbraid him over Twitter retweets.

The prime minister said the president was “wrong” to share videos purporting to show Muslims committing acts of violence while on a visit to the Middle East, where she is attempting to curry favour with local dictators.”

She’s Blown It! POTUS Cancels UK Visit After PM May Grovels to EU, Whines Over Trump Tweets


Donald Trump retuitou três vídeos de crítica ao terrorismo islâmico, publicados por uma militante do partido Britain First, considerado de “extrema-direita”.

Vemos aqui um vídeo de Paul Joseph Watson, que é um jovem conservador que critica o partido Britain First. O vídeo foi censurado pelo YouTube, pelo que é necessário clicar em “proceed” para se poder vê-lo.

Paul Joseph Watson diz o óbvio: quando a censura política entrou no dia-a-dia dos ingleses, as pessoas comuns têm medo e calam qualquer crítica ao terrorismo islâmico. E, por isso, o espaço de crítica ao terrorismo passou a ser monopólio da chamada “extrema-direita”, ou seja, do partido Britain First.

Vemos aqui outro vídeo, desta vez de Pat Condell, que era até há pouco tempo um votante no partido Labour — era de Esquerda, mas deixou de o ser. O sistema político inglês (mas não só) está a criar uma resistência que fará implodir o politicamente correcto. É uma questão de tempo.

 

Sábado, 4 Novembro 2017

Um português ou espanhol mediano já não consegue distinguir o radicalismo político

Filed under: Catalunha,Escócia,Espanha,Pedro Arroja,Reino Unido — O. Braga @ 10:43 am

 

Muitas vezes não compreendo o raciocínio do Pedro Arroja. Eu bem tento, mas não chego lá.

Por exemplo, neste poste: Pedro Arroja parece querer sustentar o caso da legitimidade da independência da Catalunha caso existisse em Espanha uma independência do poder judicial em relação ao poder político.

Vamos comparar o caso da independência da Escócia, por um lado, com o caso da independência da Catalunha, por outro lado.

A diferença é que, no caso da Catalunha, o processo de independência foi conduzido e orquestrado por radicais marxistas — ao passo que o referendo da independência da Escócia realizado há pouco tempo (ganhou o “não”), por exemplo, manteria a rainha de Inglaterra como chefe-de-estado da Escócia (tal como acontece ainda hoje com o Canadá, com a Austrália e outros países) se o “sim” ganhasse.

Em contraponto ao que se passa na Escócia, os radicais marxistas catalães pretendem não só uma ruptura total com a história de Espanha (implantação da república), mas vão ainda mais longe: não se importam de levar a Catalunha à bancarrota (a Catalunha já perdeu cerca de 22% do seu PIB) só para tomar o Poder político de assalto.

Se os independentistas catalães defendessem a incorporação da Catalunha independente no reino de Espanha (ou seja, se não fossem radicais marxistas), talvez tivessem tido mais aceitação dos povos de Espanha.

%d bloggers like this: