perspectivas

Sexta-feira, 8 Maio 2020

Ricardo Quaresma está errado; e é racista

Filed under: André Ventura,CHEGA,Esquerda,esquerdalho,esquerdopatia,Racismo — O. Braga @ 9:02 am

Eu não tenho nada contra a comunidade Cigana, assim como nada tenho contra (por exemplo) a comunidade Evangélica.

Porém se a comunidade Evangélica violasse a lei de isolamento social do covi19, não constataríamos certamente a benevolência complacente de gentinha estúpida como (por exemplo) Isabel Moreira, Francisco Louçã, Ana Gomes, Teresa Leal Coelho, António Costa e outras avantesmas (que já estão a mais na nossa política) que demonstram agora em relação à comunidade cigana.


chesterton-tolerancia-webSlavoj Žižek, em uma palestra nos Estados Unidos, fez uma crítica feroz à Esquerda de Raça Branca (‘white liberals’); e contou o episódio de um nigeriano (negro) se sentir insultado pela “Esquerda de Raça Branca” porque nem sequer concede aos negros a prerrogativa humana de “ser mau”.

Segundo a “Esquerda de Raça Branca”, o negro (ou o cigano) nunca tem culpa; e a culpa da maldade do negro é do colonialismo europeu.

A historieta do “bom selvagem” (de Rousseau) ganhou raízes na cultura do Imbecil Colectivo da “Esquerda de Raça Branca”.

Neste caso concreto, juntou-se a ignorância e o facciosismo étnico (que é uma forma de racismo) do cigano Ricardo Quaresma, por um lado, com o Imbecil Colectivo da “Esquerda de Raça Branca”, por outro lado; e esta mistura é explosiva.

Quando o cigano Ricardo Quaresma nega quaisquer defeitos comportamentais generalizados da comunidade cigana, demonstra ele próprio ser racista em relação às pessoas que não são ciganas. O Ricardo Quaresma é racista.

E o paternalismo obsolescente do Imbecil Colectivo da “Esquerda de Raça Branca” em relação a determinadas minorias (mas já não em relação a outras minorias), e, no caso concreto, em relação à comunidade cigana, é uma forma de racismo encapotado.

Quando o André Ventura pretende que os ciganos cumpram a lei (não vou discutir agora se a lei está certa, ou não), como quaisquer outros portugueses, é tudo menos “racista”; e o ónus de “racismo” cai sobre gentalha da laia da Isabel Moreira, Francisco Louçã, Ana Gomes, Teresa Leal Coelho, António Costa e outras bestas ambulantes que, tal como um vírus letal, contaminam mortalmente a cultura portuguesa.

Terça-feira, 18 Fevereiro 2020

¿Por que razão os me®dia e as ‘elites’ empolam o “caso Marega”?

Filed under: Esquerda,esquerdalho,esquerdopatia,imigração,Racismo — O. Braga @ 5:49 pm

 

A reboque de um incidente em um estádio de futebol — que ainda está sob investigação policial e, por isso, ainda sem conclusões objectivas dos factos —, os me®dia portugueses causam já um alarme social e a tal ponto que os portugueses são considerados racistas (ler este artigo no Porta da Loja): por exemplo, quando a vergonha do grupo SONAE — o jornal Público, na voz do seu director — afirma que “há comportamentos racistas arreigados na sociedade portuguesa”.


¿O que é que está em causa, com esta campanha me®diática patrocinada pela extrema-esquerda e apoiada caninamente pela Não-esquerda?

1/ um país — democrático — com uma cultura homogénea é de mais difícil controlo discricionário por parte do Estado.

Num país democrático (repito: democrático), o nível de abuso do Poder do Estado sobre os cidadãos é directamente proporcional à “diversidade cultural”. A chamada “diversidade cultural” — que é, basicamente, o multiculturalismo — é fonte de conflitos culturais e étnicos que tornam imprescindível a existência de um Estado omnipresente e omnisciente.

O multiculturalismo — ou a chamada “diversidade cultural” — conduz inexoravelmente a um reforço desmesurado da discricionariedade do Poder do Estado.

2/ a alternativa ao multiculturalismo e ao consequente aumento brutal da discricionariedade do Poder do Estado, é a negação da democracia por parte das elites — o que, por enquanto, ainda não é abertamente admitido pela ruling class.

3/ A imposição coerciva do multiculturalismo, em uma sociedade culturalmente homogénea, tem a grande vantagem de aumentar desmesuradamente o Poder discricionário do Estado sem colocar (aparentemente) em causa o formalismo da democracia parlamentar.

Podemos verificar que, em países como a Suécia, a discricionariedade do Poder do Estado atingiu actualmente níveis próprios de um Estado autoritarista — embora o sistema político sueco e as suas elites sublinhem veementemente o formalismo democrático do regime político. Na Suécia, por exemplo, estamos em presença de uma democracia apenas formal, e que já não o é na sua substância.

Dez porcento da população da Suécia é já proveniente de países exóticos. E a corrente imigratória continua.

 

Imigração na Suécia

Para que o povo português aceite passivamente uma imigração massiva que é pretendida pelas “elites”, pretende-se convencer as pessoas de que “os portugueses são todos uma cambada de racistas”, aumentando brutalmente os níveis de dissonância cognitiva na sociedade — por forma a inibir qualquer tipo de reacção à imposição coerciva de um Estado plenipotenciário por via do aumento fabricado de conflitos culturais e étnicos.

4/ como eu já tenho escrito aqui — e o Jaime Nogueira Pinto também já escreveu sobre isso — a ruling class (dos países europeus, em geral) é controlada pela aliança entre a plutocracia globalista, por um lado, e os seus caciques locais e nacionais, por outro lado (a aliança entre George Soros e a Esquerda, que conduz paulatinamente à sinificação, mais ou menos literal, dos países da Europa).

O aumento desmesurado do Poder discricionário do Estado é uma imposição da plutocracia globalista que é francamente aceite pela ruling class  portuguesa.

5/ para que o projecto de destruição da homogeneidade cultural portuguesa — e consequentemente, o projecto de fortalecimento desmesurado e discricionário do Poder do Estado sobre os cidadãos e a destruição da nação portuguesa — siga em frente, a ruling class  portuguesa (patrocinada pela plutocracia globalista) tem que promover a importação massiva de imigrantes provenientes de culturas de fora da Europa.

Os imigrantes que Portugal já tem são ainda muito poucos. É preciso invadir Portugal de imigrantes, tendo como limite mínimo os dez porcento da população. Para a classe política portuguesa, o número a atingir (a curto/médio prazo) seria o de 2 a 3 milhões de imigrantes provenientes de países culturalmente exóticos.

E para que o povo português aceite passivamente essa imigração massiva que é pretendida pelas “elite” política, pretende-se convencer as pessoas de que “os portugueses são todos uma cambada de racistas”, aumentando brutalmente os níveis de dissonância cognitiva na sociedade — por forma a inibir qualquer tipo de reacção à imposição coerciva de um Estado plenipotenciário por via do aumento fabricado de conflitos culturais e étnicos.

Quinta-feira, 9 Janeiro 2020

“Racismo” não é sinónimo de “existência de raças”

Filed under: politicamente correcto,Racismo — O. Braga @ 9:44 pm
Tags:

Ele há um tipo de politicamente correcto que, não sendo monopólio da Esquerda, tem um medo da Esquerda que se péla. É o caso do politicamente correcto vindo do António Balbino Caldeira.

racismo-pc-web

Uma das características do politicamente correcto é a negação da realidade; é olhar para a realidade e negá-la: por exemplo, quando se nega a existência de “etnias antropo-biológicas” (vulgo “raças”). É o caso do António Balbino Caldeira : nega a existência de raças. É uma expressão do politicamente correcto.


Antes de mais, vamos definir “racismo” (quando definimos uma coisa, o politicamente correcto foge a sete pés!):

“Racismo” é a doutrina  ou teoria  segundo a qual existe uma hierarquia entre raças, e vontade de preservar a “raça superior” de qualquer cruzamento.


orgulho-racista-webA afirmação da superioridade de uma raça ou de um povo é justificação, a partir deste axioma na definição supracitada, para o pretenso direito à dominação de outros grupos ou raças considerados como inferiores.

Para o politicamente correcto em geral, a diferença é sinónimo de hierarquia; e numa sociedade igualitarista extremada, até a Não-esquerda pretende negar a objectividade de qualquer diferença que não pertença à subjectividade da pessoa — ou seja: “as diferenças subjectivas existem; as objectivas não existem”; o império (politicamente correcto) da subjectividade erradica o mundo objectivo.

O problema do politicamente correcto da Não-esquerda é que confunde (ou mistura) a diferença (ou seja, a existência objectiva de raças diferentes), por um lado, com o racismo e/ou a xenofobia, por outro lado.

Ou seja, reconhecer a evidência da existência objectiva de raças, não é sinónimo racismo — ao contrário do que o ABC parece pensar.

Por exemplo, olhar para um chinês da Manchúria e para um dinamarquês descendente dos Vikings, e afirmar que “não existem raças” é puro delírio interpretativo. É claro que existem raças. Mas o ABC parece dizer que não: “não existe qualquer diferença entre um chinês e um dinamarquês” (parece dizer ele): “a aparente diferença é pura ilusão de óptica!”

O ABC faz lembrar o Groucho Marx : “¿Acreditas no que os teus olhos mentirosos vêem, ou naquilo que eu te digo?!”.

Ora a diferença entre raças (na espécie humana) não significa necessariamente que uma determinada raça (em termos gerais) seja superior a outra raça qualquer (a definição de racismo). Esta confusão entre “diferença”, por um lado, e “hierarquia”, por outro lado, é uma característica da influência do marxismo na cultura da Não-esquerda a que pertence o ABC.

Segunda-feira, 15 Julho 2019

A Esquerda e o racismo

Filed under: Bloco de Esquerda,Esquerda,esquerdalho,esquerdopatia,Racismo — O. Braga @ 2:41 pm

Quinta-feira, 7 Fevereiro 2019

O “racismo negro é inocente” (ou o “Bom Selvagem” de Rosseau)

 

Uma preta chamada Cláudia Silva escreve no jornal Púbico acerca do racismo, invocando a ideologia de uma americana branca radical de Esquerda (marxismo cultural).


1/ A ideia segundo a qual “só os brancos podem ser racistas” (que a tal Cláudia Silva invoca), é uma das maiores filhas-da-putice (é uma forma de racismo encapotada) que a Esquerda inventou para destruir a cultura europeia e ocidental:

“Para entendermos bem o que é o racismo, precisamos primeiro de diferenciá-lo do mero preconceito e discriminação. Preconceito refere-se a um pré-julgamento de uma pessoa com base no grupo social ou racial à qual ela pertence. Discriminação consiste em pensamentos e emoções, incluindo estereótipos, atitudes e generalizações que são fundamentadas em pouca ou nenhuma experiência e que são projectadas em todas as pessoas de tal grupo. Neste sentido, pessoas negras podem discriminar pessoas brancas, mas elas não têm o poder social ou institucional que transforma o preconceito e discriminação delas em racismo. O impacto do preconceito delas em relação às pessoas brancas é temporário e contextual. Pessoas brancas detêm o poder institucional para imbuir o preconceito racial em leis, políticas públicas e educacionais, práticas e normas societárias, de uma forma que uma pessoa negra não tem. Logo, uma pessoa negra pode exercer preconceito e discriminação, mas não pode ser racista, defende Diangelo”.

 

 

Ora, a África do Sul actual desmente a Esquerda.

(more…)

Segunda-feira, 28 Janeiro 2019

Não se trata de racismo; trata-se de factos comprovados pela ciência mas negados pela ideologia dominante

Filed under: Bloco de Esquerda,imigração,Racismo — O. Braga @ 7:19 pm

 

“O racista exaspera-se porque suspeita, em segredo, que as raças são todas iguais; o anti-racista exaspera-se também, porque em segredo suspeita que as raças não são todas iguais”.

Nicolás Gómez Dávila


E ambos acabam por ter alguma razão: as raças não são todas iguais (como suspeita o anti-racista), mas a dignidade ontológica (dos indivíduos de todas as raças) é igual.

catarina-martins-neanderthal-webMas a igualdade ontológica dos indivíduos (independentemente da raça ou etnia) não autoriza que se defenda o fim do Estado-Nação e a abolição das fronteiras nacionais — como defendem simultaneamente (em uma aliança contra-natura) os neoliberais (em Portugal chamam-se “liberais”) e os trotskistas. Les bons esprits se rencontrent…

Por outro lado, afirmar que “as raças são todas iguais” (ou que “os indivíduos de todas as raças são iguais entre si”) é não só cientificamente falso (demonstrável através da estatística), como é uma falsidade auto-evidente que não precisa sequer da ciência para ser demonstrada.

Por exemplo, se nós dissermos que a ciência demonstrou (através da estatística) que o QI médio dos asiáticos (chineses ou japoneses) é superior ao QI médio dos europeus do norte (alemães, suecos, e ingleses, por exemplo) — a Esquerda europeia aceita pacificamente este facto (porque é um facto “contra os europeus”).

Mas se nós dissermos que o QI médio dos africanos oriundos da África sub-sariana é inferior a 80, então temos o Bloco de Esquerda, o Mamadou Ba e o Henrique Pereira dos Santos (outro com três nomes!) a chamar-nos de “racistas” — ou seja, os factos (cientificamente comprovados!) são negados em nome da ideologia marxista cultural, e porque “o discurso do PNR é troglodita” (que é uma forma que a “direitinha” do CDS da Assunção Cristas encontrou para se alinhar com o Bloco de Esquerda na narrativa marxista cultural).

Alguém em França afirmou recentemente que “O SOS BALEIAS serve para salvar as baleias; e o SOS RACISMO serve para salvar o racismo”.

Por alguma razão, nos Estados Unidos, um cidadão com o QI inferior ou igual a 83 (cerca de 10% da população americana) não pode ser admitido nas Forças Armadas. Ou seja, se considerarmos a média do QI africano sub-sariano, a maioria deles não poderia ser admitida na tropa americana. Isto são factos; não é treta politicamente correcta do CDS da Assunção Cristas.

Se é verdade que um indivíduo com um QI de 80, por exemplo, é ontologicamente igual a um outro indivíduo qualquer, este facto (esta igualdade ontológica) não lhe dá privilégios que obliterem o mérito (como defende o politicamente correcto) e que transformem uma minoria no paradigma da Curva de Bell que submeta o mérito à mediocridade (como defende o Bloco de Esquerda).

Não se trata de racismo; trata-se de factos comprovados pela ciência, mas negados pela ideologia dominante na nossa cultural actual.

Domingo, 12 Agosto 2018

O novo apartheid na África do Sul

Filed under: África do Sul,Racismo — O. Braga @ 6:33 pm

 

Quinta-feira, 14 Junho 2018

O Rui Tavares só se preocupa com a morte de pretos; os brancos que se lixem

 

¿Já viram ou ouviram o Rui Tavares (ou alguém da Esquerda) preocupar-se minimamente com o genocídio dos brancos na África do Sul?

Não viram nem verão, porque, para o Rui Tavares, os “cabrões e grunhos” brancos merecem ser assassinados pelos pretos. É assim que o filho-de-puta (não tem outro nome!) do Rui Tavares pensa.

Mas quando um só preto é assassinado por brancos, o Rui Tavares acende uma velinha de aniversário e até constrói umas alminhas no local.

Por isso é que a Esquerda não tem autoridade moral para falar de racismo; e por isso é que eu (como muita gente), que não era racista, já considero uma conversão.

rui tavares web

Quarta-feira, 2 Maio 2018

O privilégio dos brancos na África do Sul

Filed under: África do Sul,Racismo — O. Braga @ 3:02 pm

 

prb

prbr2-web

prbr3-web

prbr4-web

prbr5-web

Quarta-feira, 28 Fevereiro 2018

Podes tirar o negro da selva; mas nunca tiras a selva do negro

Filed under: África,África do Sul,cultura,cultura antropológica,Racismo — O. Braga @ 8:30 pm

 

Imagine o leitor o seguinte cenário:

Dado que a população não-branca de Portugal é (suponhamos!) de 2% do total da população do país, as empresas e o Estado não podem ultrapassar os 2% de empregados não-brancos. Trata-se de uma quota máxima estabelecida por lei para os negros e outras raças.

Este cenário é praticamente impossível na Europa — pelo menos, para já —; mas já se aplica na República da África do Sul.

Dado que a população europeia (branca) da África do Sul é de 8% do total, as empresas e o Estado só podem contratar (por lei) 8% de brancos.

Portanto, caro leitor, trata-se de racismo puro e duro, dos negros contra os brancos. O racismo negro é perfeitamente permitido pelo politicamente correcto (ou marxismo cultural). (more…)

Quarta-feira, 8 Novembro 2017

A Direita tem vindo a ganhar a guerra cultural inteligente

 

Quando falo em “Direita”, não me refiro, por exemplo, ao CDS/PP politicamente correcto que fecha a Esquerda à direita; refiro-me ao páleo-conservadorismo que se opõe, em grande medida, ao neoliberalismo.


O Carlos Fiolhais cita um artigo de um tal Guilherme Valente que escreve no jornal Púbico e que eu não conheço:

"O discurso do arrependimento do Ocidente é esclerosante. É preciso libertar-se dele e pensar para além da vitimização. […] A pergunta que devemos colocar a nós próprios não é: porque sou mal acolhido; mas é: porque parto, porque deixo a minha terra."

Ou seja, a Esquerda está a fazer “marcha-atrás” porque já percebeu que a estratégia marxista cultural da auto-vitimização (política da identidade) está a dar mau resultado, e a Esquerda arrisca-se a “espalhar-se ao comprido”. Por isso, há que mudar um pouco a estratégia política de definhamento da cultura antropológica; mas a “marcha-atrás” da Esquerda é tímida e mínima, porque pretende ser quase uma ilusão para “fintar” o povo. Por isso, o Valente escreve a seguir:

“Elísio Macamo, professor moçambicano numa universidade suíça, brindou-nos recentemente com um rebuscamento "académico" desse queixume absurdo (PÚBLICO, 11/10/17). É a si próprio que Portugal deve pedir desculpas "por ter violado os seus próprios valores" no período dos Descobrimentos e da colonização, escreveu. "Tantas vezes quanto for necessário"!

Ou seja, quer que eu inclua nas minhas orações um pedido de perdão a mim próprio pelas atrocidades que, por exemplo, Vasco da Gama praticou no Índico, com as quais não tive nada a ver e me repugnam! Eu e Portugal estaríamos assim condenados a uma espécie de inferno católico, absurdo histórico há muito abandonado pela própria Igreja”.

Ou seja, para o Valente, por um lado, a auto-vitimização histórica do Ocidente é uma merda; mas, por outro lado, o Vasco da Gama (e os outros todos) também é uma merda. Entalado entre a merda da História e a merda da auto-vitimização, o Valente dá, assim, a volta ao texto político no sentido de enganar-se a si próprio e ao povinho, tentando sair da sua (dele) dissonância cognitiva em relação à realidade histórica e cultural.


Já agora: a ideia de “inferno católico” não foi abandonada pela Igreja Católica, ao contrário do que escreve o valente mentecapto.


Um páleo-conservador pensa de maneira diferente; desde logo, recusa a falácia de Parménides — o que, aplicando-se por exemplo à escravatura, significa que um determinado comportamento cultural (ou costume) pretérito teve lugar na sua época própria e é legítimo do ponto de vista histórico.

Ou seja, os portugueses não têm que se arrepender ou sentir “repugnância” porque Portugal praticou a escravatura no passado, nem têm que sentir “repugnância pelos feitos de Vasco da Gama”, porque os factos históricos devem ser valorizados no seu contexto próprio; e porque, sem a escravatura, por exemplo, não existiria hoje o Brasil.

Portanto, há que ter orgulho na História de Portugal no seu Todo — independentemente da opinião de detractores estrangeiros.


Finalmente, o Valente falou em Mandela e no seu putativo exemplo a seguir. Esqueceu-se de falar da carnificina dos agricultores brancos (assassinados aos milhares) que decorre actualmente na África do Sul.
 
O Mandela apenas ganhou o tempo necessário para tornar invisível a barbárie do racismo negro.
 

 

Domingo, 23 Julho 2017

Os pretos da Cova da Moura e os brancos da África do Sul : a filha-da-putice comunista

 

A mulher do Frankenstein — à semelhança da Fernanda, a tal que “cansava” o Sócrates — fala de “racismo na Cova da Moura”.

ana-sa-lopes-frankestein-web

Diz ela (a mulher do Frankenstein) que ninguém fala da Cova da Moura, e que, por isso, é alegadamente uma manifestação do racismo dos brancos. Mas o racismo contra os brancos já não é mau: até é muito bom porque (alegadamente) ajusta as contas da História, como acontece na África do Sul, onde a minoria branca é tratada de uma maneira tal que faz com os pretos da Cova da Moura sejam uns privilegiados.

brancos-africa-do-sul-web

Quando (alegadamente) ninguém fala dos pretos da Cova da Moura, é racismo. Quando ninguém fala dos brancos da África do Sul, que se lixem estes porque merecem ser todos assassinados.

Página seguinte »

%d bloggers like this: