perspectivas

Segunda-feira, 24 Setembro 2018

O Bloco de Esquerda e os seus sequazes estão a ir longe demais. Tenham cuidado!

 

« Todos sabemos do caso “para maiores de 18” que Serralves instalou numa sala com algumas das fotografias feitas precisamente por Mapplethorpe.

É sábio o comentário que um ex-director de Serralves (entre 2003 e 2012), João Fernandes, fez ao Público, ao considerar a decisão censória um uso indevido pela parte do museu: ”Trata-se, simplesmente, de uma questão de cidadania, de direitos cívicos. O pai ou a mãe de um menor devem ter o direito de levar os filhos a qualquer exposição, de decidir com eles a que imagens vão expô-los, que imagens querem discutir. Não deve ser o museu – não pode ser o museu – a decidir por eles, O que um adolescente viu nesta exposição é mais explícito do que viu já, sem filtro, na Internet ou na televisão?” Evidentemente. »

Francisco Santos


O argumento do senhor Santos (e quiçá do Bloco de Esquerda) é o seguinte: os pais das crianças é que sabem que “conteúdos culturais” que os seus filhos podem ver.

Mas só às vezes!, quando convém à extrema-esquerda !

Noutras vezes, por exemplo, na escola, é o Estado que sabe o que as crianças podem ver e aprender, e tudo à revelia dos respectivos pais. Ou seja, segundo o Santos, os pais só mandam nas crianças quando convém a uma determinada agenda política da Esquerda radical.

cu1


Para se perceber o assunto deste verbete, há que ler, em primeiro lugar, o seguinte artigo no Observador : Polémica em Serralves: chovem críticas à administração do museu.

Desde logo, o artigo referido contém informação falsa — porque de facto não houve qualquer censura em relação aos artigos a expor.

Segundo ouvi na TSF e noutras estações de rádio, o critério de selecção das obras (por parte do estafermo João Brito) a expôr não foi sujeito a qualquer tipo censura. O que aconteceu foi que, dado o cariz sexualmente explícito das fotografias expostas, a administração da Fundação de Serralves entendeu que as ditas fotos seriam expostas em uma sala reservada; e é a isto que os filhos-de-puta do Bloco de Esquerda chamam de “censura”.

Portanto, é falso que a administração da Fundação de Serralves tenha retirado / censurado fotos de “conteúdo explícito”— como diz o artigo do Observador. O que chateou o Bloco de Esquerda e os seus sequazes foi a escolha de uma sala reservada para a exposição:

« João Ribas tinha sido citado a 14 de Setembro pelo Público, dizendo que a mostra não teria “qualquer tipo de restrição a visitantes de acordo com a faixa etária”, porque “um museu não pode condicionar, separar ou delimitar o acesso às obras.” »

A ideia segundo a qual “um museu não pode condicionar, separar ou delimitar o acesso às obras”, é um absurdo! — porque se parte do princípio de que uma criança é o mesmo que um adulto. Qualquer pessoa com bom-senso percebe que uma criança não é o mesmo que um adulto!

O que está em causa aqui — com a “indignação” do Santos, do Brito, e do Bloco de Esquerda — é a nova causa fracturante do Bloco de Esquerda:

1/ o abaixamento da idade de consentimento sexual para os 10 ou 11 anos, em uma primeira fase;

2/ numa fase seguinte, a descriminalização da pedofilia.

É isto que está em causa. É isto que o Bloco de Esquerda quer. E para conseguir isto, o Bloco de Esquerda não olha a quaisquer meios.


A transformação da pornografia em “arte para todas as faixas etárias”, ou seja, em Cultura, tem o objectivo de promoção da pedofilia como “orientação sexual”. O que se pretende é a deslocação da Janela de Overton no sentido da permissão legal do sexo entre adultos e crianças. É isto que o Bloco de Esquerda pretende.

Por isso é que a comparação que o Santos faz entre “pornografia na Internet”, por um lado, e “pornografia em um museu”, por outro lado, é absolutamente estúpida — porque a pornografia exibida em um museu (como o da Fundação de Serralves) é avalizada e valorizada como sendo um conteúdo cultural de primeira grandeza, e não já o conteúdo cultural bas-fond e eticamente desprezível da pornografia na Internet. Só um estúpido como o senhor Santos não consegue ver a diferença.

Anúncios

Segunda-feira, 8 Janeiro 2018

A Rute à procura de Agulhas no palheiro

Filed under: ética,Moral,parafilias,Pedofilia — O. Braga @ 7:15 pm

 

Uma gaja que dá pelo nome de Rute Agulhas escreveu isto (via) — ver ficheiro PDF — acerca da hebefilia. Diz ela que um abusador sexual “pode aprender a mudar” “se for devidamente ajudado”. Mas não diz como se ajuda um abusador sexual a deixar de o ser. Diz ela que “a prisão não resolve. Pune e adia comportamentos, mas não os elimina”.

Há, no texto da gaja, um cheirinho a Foucault. E, portanto, um forte odor a marxismo cultural.

(more…)

Domingo, 10 Dezembro 2017

A Suécia é um país governado por feministas, e onde crianças se casam com adultos Maomerdas

 

“Sweden must be the only country in the world where you can receive child benefit for your wife. We can thank our ‘feminist’ government and the spineless opposition”.

Stå Upp För Sverige

islamic-marriage-web

Sábado, 21 Outubro 2017

Caetano Veloso = #CaetanoPedofilo

Filed under: Esquerda,esquerdalho,Pedofilia — O. Braga @ 6:12 pm

Novo Hashtag no Twitter : #CaetanoPedofilo


Terça-feira, 18 Abril 2017

Para além de permitir a pedofilia, o Islamismo permite a zoofilia

 

Um drone americano filma dois muçulmanos a sodomizar cabras, no Afeganistão.

 

Tanto a Sunna como os Hadith permitem a zoofilia, desde que a carne do animal sexualmente violado seja considerado Haraam (ou seja, a carne daquele animal, em particular, deixa de ser Halal ou própria para comer).

Esta é uma das razões por que o macho esquerdista que se preze adora o Islamismo: pode “comer” crianças e ter sexo com cavalos.

Sexta-feira, 13 Março 2015

A pedofilia vista pela Esquerda

Filed under: Pedofilia — O. Braga @ 6:42 pm

Pode-se depreender daqui que apenas 8,7% dos abusos sexuais sobre menores são perpetrados por gente com parafilias, ou seja, gente tarada. E os restantes 91,3% dos casos de abusos sexuais de menores são perpetrados por familiares ou conhecidos das crianças vítimas, e portanto, depreende-se que esses 91,3% não é composto por gente tarada.

E depois escreve-se o seguinte:

“Enquanto media,  responsáveis políticos e opinadores continuarem a confundir pedofilia (que não é crime) com abuso de menores, a comunidade não tem consciência da realidade atestada por estes números e isso tem efeitos claros na (des)protecção de crianças.”

Vamos tentar seguir o raciocínio da criatura que escreveu aquilo:

O pedófilo não é um criminoso, salvo se cometer um acto de pedofilia. Por outro  lado, “abuso sexual de menores” é coisa diferente de “acto pedófilo”, ou seja, podem existir abusadores sexuais de crianças que não são pedófilos.

julio machado vaz web¿Você percebeu? Eu também nem tanto. Parte-se do princípio da separação da parafilia pedófila, por um lado, do acto sexual com crianças, por outro  lado: “pedofilia” é uma coisa (segundo esse raciocínio) e o “abuso sexual de menores” é outra coisa diferente.

O Júlio Machado Vaz não diria melhor.

Fazendo uma analogia: um psicopata não é um criminoso, salvo se assassinar alguém: só depois de o psicopata assassinar uma pessoa é que podemos considerá-lo “criminoso”.

Afirmar que “um psicopata é um assassino em potência” é discriminação intolerável, porque não se pode provar “cientificamente” que ele possa vir um dia a assassinar alguém. Só depois de haver uma vítima mortal é que podemos  considerar que o psicopata é criminoso. A teoria das probabilidades é uma batata, assim como a lógica.

De modo semelhante, afirmar que “um pedófilo é um predador sexual de crianças em potência” é — segundo aquele raciocínio —  não ter consciência da realidade. E quem escreveu aquilo deve ser jurista, a julgar pelo enviesamento do relambório.

Dito isto: sou contra a lei da ministra justiceira do Partido Social Democrata, porque abre um precedente perigoso. Não tarda nada começam a haver listas informáticas dos cidadãos da oposição.

Quinta-feira, 1 Maio 2014

Primeiro gay francês “casado”, preso por pedofilia

Filed under: Pedofilia — O. Braga @ 10:36 am
Tags:

 

casamento gay e a pedofilia web

Imagem daqui.

Domingo, 20 Outubro 2013

Edite Estrela: uma mulher execrável

 

Edite Estrela é a autora de um relatório que pretende transformar em lei, para todos os países da União Europeia:

1/ o aborto como um “direito humano”;

2/ a restrição, ou mesmo proibição, da objecção de consciência em relação ao aborto por parte dos profissionais de saúde;

3/ negação do princípio do papel principal dos pais na educação sexual dos seus filhos (ver § 47 do documento);

4/ e, finalmente, a imposição da “educação sexual” (dentro e fora da escola) segundo os critérios do chamado Standards for Sexuality Education in Europe, que reza assim:

Children aged 0-4 should be informed about: “enjoyment and pleasure when touching one’s own body”, “early childhood masturbation”,different family relationships”, “the right to explore gender identities”, “the right to explore nakedness and the body, to be curious”, etc. and they should develop “curiosity regarding own and others‘ bodies” and “a positive attitude towards different lifestyles”.

Children aged 4-6 should be informed about “enjoyment and pleasure when touching one’s own body”, “early childhood masturbation”, “same-sex relationships”, “sexual feelings (closeness, enjoyment, excitement) as a part of all human feelings”,“different kinds of (family) relationship”, “different concepts of a family”, and should develop “respect” for those different lifestyles and concepts.

Children aged 6-9 should go on learning about “enjoyment and pleasure when touching one’s own body (masturbation/self-stimulation)”, but they also should be informed about “different methods of conception” and “the basic idea of contraception (it is possible to plan and decide about your family)”

Children aged 9-12 should be informed about “first sexual experience”, “orgasm”, “masturbation”, and should learn to “make a conscious decision to have sexual experiences or not” and “use condoms and contraceptives effectively”.

Quinta-feira, 13 Junho 2013

As Pessoas Atraídas por Menores

Camaradas!

As Pessoas Atraídas por Menores têm sido, ao longo de centenas de milhares de anos, vítimas de estereótipos patriarcais, de estigmas e do medo. Chegou a altura de fazer valer o progresso da humanidade e libertar as Pessoas Atraídas por Menores do jugo despótico da sociedade patriarcal.

As Pessoas Atraídas por Menores têm o direito à sua orientação sexual, tal como os homossexuais têm. A orientação sexual das Pessoas Atraídas por Menores não é diferente da orientação sexual dos homossexuais e/ou dos heterossexuais. O Bloco de Esquerda bate-se sempre, e em toda a parte, pelos direitos humanos dos indivíduos e, neste caso, pelo direito à orientação sexual das Pessoas Atraídas por Menores.

Os maiores cientistas do mundo e do universo inteiro, patrocinados pelo Bloco de Esquerda, reuniram-se recentemente para denunciar a moral patriarcal e fascista, e demonstraram cientificamente que a palavra “pedofilia” foi inventada já no tempo do paleolítico para negar o direito humano da orientação sexual das Pessoas Atraídas por Menores. Portanto, camaradas!, não devemos dizer “pedofilia”!, mas antes devemos dizer “Pessoas Atraídas por Menores”. A ciência já provou que quem utilizar a palavra “pedofilia” é fascista!

A APA (Associação Americana de Psicologia) já defendeu, em 1998, que a orientação sexual das Pessoas Atraídas por Menores não causa o mal nas crianças que os fascistas dizem que causa. Os fascistas e antidemocratas do partido republicano nos Estados Unidos tentaram que as Pessoas Atraídas por Menores deixassem de pertencer a uma orientação sexual específica, mas o nosso camarada Obama não concordou com essa proposta fascista, e por isso manteve o direito das Pessoas Atraídas por Menores a não ser discriminadas em função da sua orientação sexual.

Este ano, dois psicólogos canadianos — os maiores do mundo e do universo, a par com o nosso camarada Júlio Machado Vaz — declararam solenemente no parlamento canadiano que a orientação sexual das Pessoas Atraídas por Menores é tão normal quanto a homossexualidade, e, o que é talvez um pouco estranho, até quanto a heterossexualidade! E os deputados progressistas canadianos aplaudiram de pé.

As orientações sexuais das Pessoas Atraídas por Menores e dos homossexuais não podem ser mudadas porque são congénitas e genéticas. A única orientação sexual que pode ser mudada é a heterossexual porque é um produto de construções sociais e culturais.

Um professor da universidade do Hawai – o melhor e maior professor universitário do mundo, dos arredores e do universo! – afirmou que a pornografia infantil é boa para a sociedade, porque mantém entretidas as Pessoas Atraídas por Menores na sua dignidade. Camaradas!: como podem verificar cientificamente, nunca a ciência foi tão científica como é hoje!

As Pessoas Atraídas por Menores têm todo o direito à sua orientação sexual desde que as crianças dêem o seu consentimento. Se, por exemplo, uma criança de dois anos de idade der o seu consentimento, então não só uma Pessoa Atraída por Menores passa a ser feliz como essa criança também.

Camaradas! O que conta é o Amor!

É por amor, de uma pelo outro ou de um pela outra, que um casal de um homem e de uma mulher concorda em abortar. É por amor que um casal de homossexuais adopta uma criança e apaga a sua árvore genealógica. É por amor que uma Pessoa Atraída por Menores se interessa pelas crianças. Por isso, é tempo de acabar com os preconceitos e com a ignorância!

A luta continua! A vitória é certa!

Sábado, 6 Abril 2013

O Laicismo, a metafísica de Estado

Um tribunal superior da Holanda validou a existência legal de uma associação que defende a pedofilia, ou seja, defende os putativos “direitos” dos pedófilos a ter relações sexuais “consentidas” com crianças. Parte-se assim do princípio segundo o qual uma criança de seis ou sete anos pode “consentir” ter relações sexuais com um adulto — princípio esse que o tribunal holandês sancionou.

En un controvertido fallo, un tribunal de apelaciones en Holanda validó la existencia de una asociación de pedófilos, que en primera instancia había sido disuelta el año pasado, por considerar que no constituye “una amenaza a la desintegración de la sociedad”.

via Un tribunal holandés avala la existencia de una asociación de pedófilos – ReL.


Uma extensão indefinida dos “direitos do homem” tornou-se a religião de Estado, uma religião oficial que se impõe, hoje, repressiva e coercivamente a toda a sociedade civil com uma amplitude inédita. O integrismo laico e o salafismo gay são instrumentos de uma ambição demiúrgica da Esquerda — apoiada incondicionalmente pela maçonaria —, a que se junta o aborto e a pedofilia considerados como “direitos humanos”.

Mais do que “politicamente correcto”, devemos hoje falar em “religiosamente correcto”, porque o Estado funciona já como uma igreja dogmática (e gnóstica) apostada em restringir a liberdade de pensamento.

Assim, o Estado colocado ao serviço de uma crença religiosa laicista, não respeita a separação do político e do religioso, uma vez que o político e o religioso coexistem sobrepostos no Estado.

O laicismo liquida a laicidade que era, até há pouco tempo, a distinção entre o profano e o sagrado; a laicidade que era uma característica cristã da mundividência dos dois reinos, o temporal e o espiritual. Hoje, o novo gnosticismo de Estado transformou o laicismo em um dogma religioso onde não existe separação entre o temporal e o espiritual.

Resulta deste fenómeno de dogmatismo religioso, uma metafísica de Estado, uma religião da Humanidade construída sobre o reino da imanência, que faz dos “direitos humanos” uma política em si mesma. Resulta desse deísmo humano um direito penal religioso e uma sacerdotisa judicial que sanciona a desobediência em relação a qualquer tabu ético ou moral herdado do passado.

Segunda-feira, 25 Março 2013

O dedo pedófilo da maçonaria

Filed under: Maçonaria,Pedofilia — O. Braga @ 8:05 pm

Todos os quatro arguidos do processo da Casa Pia pronunciados por crimes de abuso sexual de menores cometidos numa casa particular em Elvas foram absolvidos nesta segunda-feira no julgamento no Campus da Justiça de Lisboa.

via Arguidos da Casa Pia absolvidos dos crimes na casa de Elvas – PÚBLICO.

Quinta-feira, 31 Janeiro 2013

Já ninguém pode dizer que ignora a agenda política homossexualista

Chris Ashford, Reader in Law and Society at the University of Sunderland analyses the Marriage (Same sex Couples) Bill for PinkNews and argues that despite first appearances, it isn’t the final piece of the jigsaw to achieving gay equality.

via Comment: The same-sex marriage bill isn’t the end of the journey towards gay rights – PinkNews.co.uk.

Chris Ashford, activista político homossexualista e Leitor em Direito da Universidade de Sunderland, Reino Unido, escreveu no sítio PinkNews que a legalização do “casamento” gay é apenas o início de um “caminho sem fim” em direcção à “total liberdade sexual”, que deverá incluir acesso livre e universal à pornografia (incluindo as crianças), à poligamia, ao incesto e às relações sexuais com crianças em função do “consentimento” dado por estas.

Verificamos, assim de repente, três factos objectivos:

1/ As academias e/ou universidades conduzem o processo de degeneração da cultura antropológica na Europa.

2/ A maçonaria perfilha esta agenda política homossexualista, como vemos hoje, por exemplo, em França e em Inglaterra.

3/ Os ideólogos homossexualistas já não escondem a sua agenda política, por um lado, e por outro lado, dado o clima de inanição cultural na Europa, partem já do princípio segundo o qual a “vitória é certa”.

the same sex marriage bill isn’t the end of the journey towards gay rights   PinkNews.co

[ ficheiro PDF ]

Página seguinte »

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: