perspectivas

Sábado, 9 Novembro 2019

Não confundir “Estado” e “Nação”

Filed under: nacionalismo — O. Braga @ 4:52 pm

O que está escrito aqui é falso:

“ A «pátria» é a «terra dos pais», liga com um passado que se quer projectar para o futuro. A Nação, ao contrário, é outra coisa: é um conceito essencialmente moderno, não anterior à Revolução Francesa e que substitui o de Reino. (…) Dito de outra forma, a origem do Nacionalismo é fundamentalmente liberal e burguesa, referindo-se a uma ordem de ideias que tem que ver com os valores inerentes às revoluções liberais do século XIX.”

Desde logo, confunde-se o conceito de “nação”, por um lado, com o conceito de “Estado”, por outro lado. Esta confusão é imperdoável.

A Razão de Estado, essa sim, tem origem na modernidade.

A palavra “nações” já era utilizada no latim “natione”, e portanto tem muito mais do que dois mil anos. Dizer que o termo latino “natione” é modernista, só pode vir de uma mente esdrúxula.

O historiador romano Estrabão definiu (no século I d.C.) a Lusitânia nos seguintes termos: "A mais poderosa das nações (latim “natione”) da Hispânia, aquela que, entre todas, por mais tempo deteve as armas romanas".

Grande parte dos países da Europa são “nações históricas” (como é, por exemplo, o caso de Espanha, onde têm politicamente coexistido várias nações propriamente ditas; ou o caso do Império Austro-húngaro).

Uma “nação histórica” é sinónimo de “albergue espanhol”.

E por isso é que o Ernesto Milá, sendo espanhol, confundiu (penso eu que de forma propositada) “nação” e “Estado”. Hoje, é o Estado que substitui o antigo Reino — e não a Nação.

No caso português — onde a evolução linguística e cultural tem sido homogénea (em oposição à heterogeneidade da Espanha) desde a fundação da nacionalidade (e não fundação da “patrionalidade”) — estamos em presença de uma nação propriamente dita.

Em Portugal, o Reino coincidia com a Nação, o que nunca aconteceu com o centralismo castelhano e/ou espanhol.

A diferença entre “nação” e “pátria” é apenas etimológica. Pátria tem uma conotação romântica, literária, retórica; Nação tem uma conotação histórica e científica. Basicamente significam a mesma coisa.

Coisa diferente é o termo “nacionalismo”, que pode ter significados ligeiramente diferenciados. Fernando Pessoa escreveu:

« O nacionalista tradicionalista vai ao passado para descobrir o presente. O nacionalista integral vai ao presente e ao passado para descobrir o presente. O nacionalista cosmopolita busca o presente apenas no presente. » → Fernando Pessoa, in “O Preconceito Tradicionalista”.

Terça-feira, 4 Dezembro 2018

A diferença entre patriotas e globalistas

Filed under: Globalismo,Marine Le Pen,nacionalismo — O. Braga @ 7:44 pm

 

Terça-feira, 19 Junho 2018

O Telmo Três Nomes e a Catarina Martins são duas faces da mesma moeda

 

“O liberalismo resulta desfavorável à liberdade porque ignora as restrições que a liberdade deve impôr a si própria para não se auto-destruir”.Nicolás Gómez Dávila 


Don_Pelayo,_rey_de_Asturias_(Museo_del_Prado)-webHá um indivíduo que escreve no Blasfémias  que dá pelo nome de Telmo Azevedo Fernandes — ¿por que será que os “serial killers”, nos Estados Unidos, usam sempre três nomes?!

Por este texto escrito pelo Telmo Três Nomes, vemos o enorme problema que temos em Portugal — porque se trata de alguém que diz dele próprio que “é liberal” e que “não é de Esquerda”. O problema começa logo quando o Telmo Três Nomes se coloca contra um certo Estado português intrusivo (e muito bem!), mas quando se trata de apoiar a intrusão do leviatão da União Europeia nas nossas vidas, lá temos o Telmo Três Nomes na vanguarda a dizer ámen ao super-estado de Bruxelas.

O “liberal” português (em geral) critica o Estado português, mas adora a ideia de construção do leviatão estatal europeu!

Aquele texto revela o espertalhão que habita no Telmo Três Nomes, por um lado, e por outro lado revela a desorientação que se fundamenta no relativismo axiológico de uma certa mundividência que se diz de si mesma ser “liberal” — mas que de “liberal” tem muito pouco.

O Telmo Três Nomes e a Catarina Martins são duas faces da mesma moeda. Explico por quê.

O Telmo Três Nomes coloca (no referido texto) uma série de perguntas acerca da imigração — por exemplo, “¿com base em que argumento moral se funda a objecção cultural à entrada de imigrantes?”.

Só é possível colocarmos aquelas perguntas se fizermos de conta de que a nossa sociedade (Portugal) não tem passado nem História — e portanto, quem faz aquelas perguntas ignora absolutamente o conceito histórico de nação. Mas simultaneamente, o Telmo Três Nomes (assumindo para si mesmo a ideia do “igualitarismo dos direitos dos imigrantes”) defende implicitamente um tipo de democracia que se deve basear na igualdade de oportunidades. O que o Telmo Três Nomes não sabe nem pode explicar é como é possível haver igualdade de oportunidades e democracia sem a nação — em linguagem kantiana podemos dizer que “a nação é a condição da democracia”.

O Telmo Três Nomes diz-se apologético da democracia, por um lado, mas por outro lado faz de conta de que o conceito de nação não existe.


“O liberalismo prega o direito do indivíduo ao embrutecimento, desde que esse embrutecimento não estorve o embrutecimento do seu vizinho.” — Nicolás Gómez Dávila


Vamos definir “nação” (quando começamos a definir, os espertalhões desatam a tresmontar).

Uma nação é uma comunidade natural em que cada indivíduo se inscreve em função do seu nascimento, da existência de uma História, de uma língua e de uma cultura antropológica comuns.


Vimos a noção de nação; agora vamos alargar a noção mediante uma descrição breve do conceito de nação.

1/ A nação não é a mesma coisa que Estado.

2/ A nação (e, por isso, a nacionalidade) é, por definição e natureza, imposta ao indivíduo por nascimento. Mas o indivíduo pode mudar de nação e de nacionalidade — é livre de adquirir outra nacionalidade que não a original. Neste caso, o indivíduo tem a possibilidade de escolher entre a nação originária e uma outra nação de adopção que raramente deixará de ser adoptiva enquanto prevalecer nele a memória da cultura e a língua da nação de origem.

3/ Portanto, temos dois tipos de nacionalidade: 3.1/ a que decorre da comunidade de origem, e 3.2/ a que pode decorrer de um contrato em relação a determinados princípios fundamentais celebrado com uma determinada comunidade nacional diferente e de emigração.

4/ Um imigrante de segunda geração já nasceu em Portugal, e por isso preenche o primeiro requisito da nacionalidade: o nascimento. E depois, em função da aprendizagem da língua nacional através do ensino escolar, e através do entrosamento em relação à cultura antropológica nacional, acaba por preencher os outros requisitos da nacionalidade.

Repare, caro leitor: depois de definirmos “nação”, as perguntas e dúvidas do Telmo Três Nomes deixam de fazer qualquer sentido.

As dúvidas do Telmo Três Nomes só fazem sentido no universo ideológico da Catarina Martins — em que a História de Portugal é demonizada e/ou obnubilada, por um lado, e escamoteada ou/e esquecida, por outro lado. É nesse mesmo universo psicótico que se move o Telmo Três Nomes.

Sábado, 15 Julho 2017

O Carlos Fiolhais acredita na construção da União Europeia, e por isso questiona a democracia que é nacionalista por defeito

 

O Carlos Fiolhais cita aqui um texto de um tal Brennan que diz que é um “cientista político”. Começo a ler o texto, e desato a fazer perguntas: por exemplo,

¿o que é “um governo que produza melhores resultados”? ¿quais são os critérios que definem os “melhores resultados”? ¿o que são “formas de governo que afectam a virtude moral e intelectual dos cidadãos”? ¿o que é a “virtude moral”? ¿o que é a “virtude intelectual”?

Quando começamos a fazer perguntas, o texto do Brennan vai perdendo sentido. Aliás, o conceito de “cientista político” — ou “politólogo”, como está agora em moda — causa-me comichões no cérebro. Quando alguém se anuncia como “politólogo”, só sai “poli-tolo”.

Esta “coisa” da construção política supranacional e antidemocrática que é o leviatão da União Europeia tem levado cérebros lustrosos (como, por exemplo, o Carlos Fiolhais ou o Anselmo Borges, e sobretudo “coimbrinhas”) a pensar como outrora pensou Hobbes acerca do sistema político; como escreveu Bertrand Russell acerca de Hobbes:

“[Hobbes] tem graves defeitos, que não permitem pô-lo na primeira fila [dos filósofos]. Não suporta subtilezas e tem grande tendência para cortar o nó górdio. As suas soluções são lógicas mas pecam por omissão de factos não enquadráveis”.

Esta descrição de Hobbes poderia aplicar-se ao “politólogo” Brennan. E se o Bertrand Russell disse isto de um seu compatriota, imaginem o que ele diria de Rousseau que, na linha de Hobbes, inventou o conceito de "Vontade Geral  que está na base dos totalitarismos do século XX que o Brennan implicitamente defende, para gáudio dos intelectualóides de urinol “europeístas” da nossa praça.


O problema da análise política começou há mais de 2 mil anos com Platão, que fez a seguinte pergunta:

“¿Quem deve governar?”

O corolário histórico desta pergunta gerou duas posturas políticas distintas com o advento da Idade Clássica: a do romântico Rousseau, com a sua "Vontade Geral", por um lado; e por outro lado a do empirista John Locke.

De Rousseau e da sua "Vontade Geral" herdamos, por exemplo, o Salazarismo e/ou o Partido Comunista Português, ou/e o Bloco de Esquerda; de John Locke herdamos a ideia da democracia britânica ou/e da Constituição Americana com a sua primeira emenda.

Os cabrões ideológicos da laia do Brennan — que estão literalmente a soldo da plutocracia globalista — fazem de conta que a manipulação política supranacional (ou, por outras palavras, a corrupção política proveniente da estranja) através do poder do dinheiro não tem qualquer influência na abstenção política dos votantes.

Ou seja, os sofistas pós-modernos, a soldo da plutocracia internacional, fazem de conta que o poder da economia financeira globalista, que se exerce sobre o poder político nacional, não existe.

E toda a retórica do Brennan é baseada na ideia de que não existe qualquer poder do dinheiro que se sobreponha a um qualquer poder político, por um lado; e por outro lado, baseia-se na na ideia de “nação” como uma “entidade metafísica” que, enquanto tal, está obsoleta face à ciência política (leia-se, “cientificismo paradigmático”) em voga (e em vaga) que já aboliu as entidades metafisicas — estupidamente fazendo de conta de que uma qualquer negação da metafísica também não é, ela própria, uma forma de metafisica.

Segundo o princípio de Pareto, 20% dos cidadãos são mais activos politicamente do que 80% deles.

Mas isso não significa que seja legítimo retirar a priori os direitos políticos dos 80% menos activos politicamente — como defende o Brennan e outros filhos da puta da nossa praça e em nome da construção do leviatão europeu, inserida em uma política globalista de sinificação das regiões do globo.

Verificamos, através das ideias do Brennan, como o libertarianismo pode ser uma forma de fascismo.

¿Quem deve governar?

Karl Popper — na linha de John Locke — deu-nos a resposta: para evitar recorrentes guerras civis e constante derramamento de sangue, deve governar quem o povo elegeu a cada período eleitoral — mesmo que os 20% do princípio de Pareto sejam mais activos do que a maioria do povo.

E, para além do problema de ¿quem deve governar?, as eleições baseiam-se na nação que tem que ter um escol que não se confunde com o povo, e nem se confunde necessariamente com os 20% a que o Brennan chama de “hooligans”.

Sem nação, não há democracia.

Por isso é que, cada vez mais, vemos manifestações contra a democracia por parte das luminárias que defendem a construção do leviatão da União Europeia — como por exemplo, o Paulo Rangel, o Anselmo Borges ou o Carlos Fiolhais; tudo gente pouco recomendável.

Terça-feira, 26 Janeiro 2016

O Portugal da democracia representativa não tem futuro

Filed under: nacionalismo — O. Braga @ 2:43 pm
Tags: , ,

 

“A estratégia de um Estado tem a ver com a concepção, organização, desenvolvimento e aplicação de Poder para fazer face e ultrapassar os obstáculos que se apresentem, em cada momento, e que dificultem a realização dos objectivos do mesmo.

Qualquer Estado deve possuir, portanto, um instrumento que, por de cima dos diferentes ângulos de visão política partidária e sectorial, estabeleça os objectivos permanentes da nação, que representa, e a estratégia a seguir para os alcançar. Um Plano Estratégico Nacional”.

Miguel Mattos Chaves

O Plano Estratégico Nacional, segundo os critérios de Miguel Mattos Chaves, ¿será possível em Portugal? Vou tentar demonstrar aqui que não é possível. Para que seja possível em Portugal um Plano Estratégico Nacional terão que existir elites, ou melhor, aquilo a que Fernando Pessoa chama de “escol”:

“A crise central da nacionalidade portuguesa deriva da sua impotência para formar escóis. Uma nação vale o que vale o seu escol.

As descobertas e as conquistas que se lhe seguiram, a emigração e as guerras que ambas motivaram, arrastavam consigo, como é natural, a parte mais forte, mais audaz, mais competente da nação. Assim se foi destruindo o escol.

O pior é que o escol se não renovou. Quer isto dizer que não tornaram a haver circunstâncias criadoras de um escol, ou, pelo menos, de um escol perfeito.

¿Quais são as circunstâncias criadoras de um escol? Um escol é tanto mais perfeito quanto mais: diferente é do resto da população em grau de tudo; quanto mais está contudo unido a esse resto da população por um interesse nacional; acção que tem sobre esse resto da população.

O escol não quer dizer uma classe, mas uma série de indivíduos.

Condições auxiliares do escol: a aristocracia de sangue, pois estabelece a cisão no país; um país democratizado baixa imediatamente o nível do escol.

Condições biológicas: não intervenção do Estado em matéria biológica ou demótica. Condições económicas: regime concorrencial o mais apertado possível”.

Portugal não tem um escol, mas antes classes, sejam estas oligárquicas na economia ou na política que controlam o Estado. Por exemplo, existe uma classe política, mas não um escol; ou se este existe um escol, é cultural-  e socialmente invisível ou subalterno.

“A chamada ‘democracia’ é apenas uma oligarquia complexa, ou uma complexidade de oligarquias”. — Fernando Pessoa

Sem um escol interveniente e politicamente decisivo, Portugal não tem futuro enquanto país e enquanto nação, e por isso o Plano Estratégico Nacional de Miguel Mattos Chaves é uma utopia.

Terça-feira, 8 Dezembro 2015

O nacionalismo dos deuses pagãos de Wagner através de Nietzsche

Filed under: Europa,nacionalismo,PNR — O. Braga @ 11:06 am

 

Um leitor perguntou o seguinte, nesta apostila:

¿Esse “paganismo nacionalista” deriva directamente da “Nouvelle Droite” francesa?


O Estado Novo de Salazar tinha duas facções distintas: os monárquicos absolutistas do Integralismo Lusitano (António Sardinha & Cia.), por um lado, e por outro lado o apoiantes de uma espécie muito menos virulenta do fascismo italiano aplicado no Portugal republicano (por exemplo, através das ideias de Marcello Caetano).

(more…)

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: