perspectivas

Sábado, 18 Março 2017

O jornalismo de sacanas

Filed under: comunicação social,jornal Público,me®dia,merdia,semanário Sol — O. Braga @ 11:27 am

 

O semanário SOL está cada vez mais parecido com o jornal Público.

O jornal Púbico tem uma tiragem de cerca de 13.000 unidades diárias — o que significa que está tecnicamente falido; quem está a sustentar este jornal de Esquerda é o capitalista Belmiro de Azevedo & Filho. Vemos, com perplexidade, um capitalista a subsidiar a propaganda radical de Esquerda: chegará a hora em que irão “chiar”, mas será tarde. Ainda iremos ver o senhor Paulo Azevedo a fugir para o Brasil.

Uma das características do jornal Púbico é escolha criteriosa de fotografias mal-paridas de determinadas personalidades, em relação a quem a direcção do jornal tem alguma animosidade especial. O semanário SOL está a imitar o jornal Púbico: vemos aqui em baixo a escolha da fotografia que o SOL faz sistematicamente em qualquer notícia de Joana Marques Vidal.

joana-marques-vidal-sol-web

É certo que, em Joana Marques Vidal, a cara não ajuda. Mas a escolha sistemática de determinadas “poses fotográficas”, que não favorecem a personagem, é própria de um jornalismo de sacanas.

joana-marques-vidal_web

Quinta-feira, 16 Março 2017

O maniqueísmo totalitário do socialista João Galamba

 

As críticas ao jornalismo são diferentes — segundo o Galamba — se forem da Esquerda ou da Direita.

 

Ou seja, o pensamento lógico não se aplica da mesma maneira a uma pessoa de Direita ou a outra de Esquerda. A crítica lógica (seja qual for) só é válida (a tolerância repressiva) se vier da Esquerda: aliás, a julgar pelo Galamba, até a lógica-matemática é de Esquerda.

E ainda dizem que não vivemos no PREC [Processo Revolucionário em Curso].

Quinta-feira, 9 Março 2017

A idiotice do Paulo Baldaia

 

O Baldaia, de vez em quando, balda-se no que respeita ao bom-senso. Desta vez escreveu esta esterqueira ideológica.

O parvalhão Paulo Baldaia fez uso da opinião do parvalhão polaco Janusz Korwin-Mikke para nos tentar aparvalhar a todos: trata-se da lei universal da afinidade: os parvalhões encontram-se e tentam fazer de nós parvos.

Diz o Baldaia que “a sociedade continua bastante machista” — o que pressupõe que, para as filhas dele, recomenda-se o mulismo. Em vez do machismo, convém-lhe mais o mulismo, quiçá por causa das filhas que ele tem em casa.

Há uma coisa que a inteligência do Baldaia parece não abarcar: não devemos reduzir a política ao jurídico — nem tão pouco reduzir a cultura antropológica à política, e muito menos reduzir a ética à política e ao jurídico.

Pelo facto de haver uma lei de mil novecentos e troca o passo que tem que ser mudada, ou por haver uma lei actual que (alegadamente) o Bloco de Esquerda vai mudar — não é por esse facto que um homem deixa de ser biologicamente homem e uma mulher deixa de ser biologicamente mulher.

Ó Baldaia: é ciência, parvalhão!

Site no WordPress.com.