perspectivas

Terça-feira, 3 Abril 2018

Mutilação genital feminina : não se deixem enganar pelos Maomerdas

 

Encontrei no Twitter um Maomerdas que publicou a imagem abaixo (clique para ampliar), que faz a apologia pseudo-científica da excisão feminina.

fmg-web

Dado que — em todos os países da União Europeia — a excisão feminina (vulgo “mutilação genital feminina”, ou corte do clitóris) é proibida por lei, fiz uma denúncia à administração do Twitter, no sentido de se proceder à remoção da imagem. A resposta do Twitter foi a de que “a imagem faz parte da liberdade de expressão religiosa islâmica”, e portanto não iria retirá-la da publicação.

Porém, quando (há já alguns meses) eu publiquei no Twitter imagens de fetos humanos e denunciei o aborto, a administração do Twitter apagou a minha publicação, invocando que “a liberdade religiosa não me permitia a publicação de tais imagens”. Ou seja, o Twitter, o FaceBook e o YouTube têm dois pesos e duas medidas: umas aplicam-se aos cristãos, e outras, diferentes, aplicam-se aos Maomerdas.

A extracção do clitóris reduz drasticamente o prazer sexual feminino, e por isso é que os Maomerdas a praticam — porque, segundo a cultura islâmica, a redução do prazer sexual feminino reduz o risco de infidelidade conjugal ou adultério da mulher.


Quando eu fiz a denúncia pública daquela imagem no Twitter, um Maomerdas respondeu-me:

“There is no decree for circumcision in the Quran and it is cultural and any benefits claimed are dubious at best.” (não existe qualquer decreto relacionado com a excisão feminina no Alcorão).

E o mesmo Maomerdas publicou esta outra imagem (clique para ampliar).

fmg is not islamic web


Uma das características permanentes dos Maomerdas é a prática recorrente da Taqiyya  (a dissimulação e a mentira).

De facto é verdade que o Alcorão não decreta a excisão feminina, mas o Islamismo não se baseia apenas no Alcorão: baseia-se também nos Hadith e na Sira.

E nos Hadith está bem patente o decreto da excisão feminina, nomeadamente no Hadith de al-Bukhaari (5889) e no Hadith 257 de Abu Hurayrah, entre muitos outros Hadiths (ver lista de alguns Hadiths que impõem a mutilação genital feminina na cultura antropológica islâmica).

Portanto, não é verdade que “o Islão não impõe a mutilação genital feminina” ! Absolutamente falso, porque os Hadith fazem parte da doutrina islâmica, juntamente com o Corão e a Sira. Não se deixem enganar pelos Maomerdas.

Anúncios

Sábado, 9 Dezembro 2017

A Direita que é de Esquerda

 

Há uma certa “Direita” que prefere que sejam os muçulmanos a controlar a cidade de Jerusalém, em vez dos judeus; porque, dizem eles, “o Estado de Israel é sionista”.

Ora, esta Direita é uma espécie de Esquerda. Se ouvirmos o que diz, por exemplo, o MRPP ou o Bloco de Esquerda acerca de Israel, é “papel carbono”. Temos uma “Direita” que é de Esquerda.

Por princípio, e salvo situações excepcionais: entre a liberdade de culto e o totalitarismo religioso, prefiro a liberdade.

Eu prefiro que Jerusalém seja controlada pelos judeus e que toda a gente tenha liberdade religiosa (incluindo os muçulmanos, obviamente), do que a cidade ser controlada pelos muçulmanos que exercem sempre repressão política sobre cristãos e judeus (Jizya).

Isto não significa que eu subscreva (ou apoie) a cultura e os movimentos políticos judaicos através da História da Europa.

Por exemplo, concordo com Fernando Pessoa em relação ao grupo dos trezentos. Mas se tivesse que escolher entre viver em uma sociedade controlada por judeus, ou em uma outra controlada por maomedanos, do mal o menos: prefiro a primeira.

Terça-feira, 18 Abril 2017

Para além de permitir a pedofilia, o Islamismo permite a zoofilia

 

Um drone americano filma dois muçulmanos a sodomizar cabras, no Afeganistão.

 

Tanto a Sunna como os Hadith permitem a zoofilia, desde que a carne do animal sexualmente violado seja considerado Haraam (ou seja, a carne daquele animal, em particular, deixa de ser Halal ou própria para comer).

Esta é uma das razões por que o macho esquerdista que se preze adora o Islamismo: pode “comer” crianças e ter sexo com cavalos.

Os cintos de castidade voltam a estar na moda

 

¿Lembra-se de ouvir falar dos cintos de castidade da Idade Média?

cinto-de-castidade

Na Europa, com a invasão islâmica, os cintos de castidade voltam agora a estar na moda.

 

Segunda-feira, 27 Março 2017

A defesa do Alcorão deve dar prisão

Filed under: Canadá,Islamismo,islamização,Islamofascismo,islamofobia,Islão — O. Braga @ 12:09 pm

 

O parlamento canadiano acaba de decidir, através de lei, que qualquer crítica ao Islão e/ou Islamismo é crime de “islamofobia”. Segundo a nova lei canadiana, todas as religiões (incluindo o Cristianismo) são susceptíveis de crítica, excepto o Islamismo.


ban-islam-web

  • Se eu — na minha condição de indivíduo com opinião, e sem qualquer vestimenta religiosa — disser ou escrever publicamente que os grupos de pessoas A, B e C são grupos vis, cujos homens necessitam de ser exterminados, e que as suas mulheres e crianças devem ser transformadas em minhas escravas sexuais, provavelmente terei problemas com a Justiça.
  • Mas se uma religião (como é o caso concreto do Islamismo), enquanto tal, disser ou escrever publicamente que os grupos de pessoas A, B e C são grupos vis, cujos homens necessitam de ser exterminados, e que as suas mulheres e crianças devem ser transformadas em escravas sexuais — neste caso, esta posição da religião enquanto religião, é ignorada, ou justificada e tolerada pela classe política do Ocidente.

Enquanto a Europa ou a União Europeia tiver este duplo critério de juízo, não vai a lugar nenhum.

A liberdade de religião não garante a “liberdade” de pregar publicamente o genocídio de um povo ou de uma cultura, e de defender para si própria uma supremacia grotesca.

Por isso, a simples defesa do Alcorão deve dar prisão — assim como a defesa pública dos campos de concentração nazis ou dos Gulag soviéticos deveriam dar prisão. Há limites para a liberdade de expressão.

Quinta-feira, 23 Março 2017

A impotência e o terror da classe política europeia face ao Islão

 

Aquilo a que se convencionou chamar de “secularismo” não irá travar a expansão violenta do Islão totalitário na Europa.

ACORDEM-ISLAO-WEB

Aquilo a que se convencionou chamar de “extrema-direita”, nada mais é do que a reacção popular (e populista) ocidental à estupidez institucionalizada promovida pela classe política dos países europeus. Como vimos recentemente com as eleições na Holanda, basta que a classe política (em geral) seja realista (olhe para a realidade e para os factos, por um lado, e para a História, por outro lado), para que a chamada “extrema-direita” seja dissipada.

horror-merkel-web

Domingo, 19 Março 2017

O Lutz Brückelmann é um idiota chapado

 

Uma coisa é roubar uma bicicleta; outra coisa, bem diferente, por exemplo, é violar uma mulher; ou arrebentar uma bomba em sítio público.

Penso eu que roubar uma bicicleta não é tão grave como fazer explodir uma bomba em sítio público e matar dezenas de pessoas: mas ele há gente que pensa que não se deve generalizar no que diz respeito aos ladrões de bicicletas (aka, portugueses na estranja) e/ou aos bombistas islâmicos e/ou marroquinos.

Há por aí um inteligente que dá pelo nome de Lutz Brückelmann que diz que a Holanda só deve deportar os marroquinos que se fazem explodir em Allauhakbar , ou que assassinam em nome de uma religião, ou que violam mulheres porque não vestem Burka, etc..

Ou seja, o Brückelmann pensa que há uma cultura islâmica pacífica e compatível com a herança europeia de tradição cristã, por outro lado, e, por outro lado, uma outra cultura islâmica violenta dos marroquinos criminosos que devem ser deportados.

Vemos aqui em baixo um vídeo acerca dos muçulmanos moderados que o idiota Brückelmann não quer deportar da Holanda.

 

É caso para dizer: Lutz Brückelmann: vai à bardamerda!

Quarta-feira, 15 Março 2017

A incoerência do esquerdalho universitário

 

Perguntam a estudantes da Universidade de Madison (Estado americano do Wisconsin, que é tradicionalmente de Esquerda):

¿Um músico muçulmano tem o direito de recusar um contrato para tocar em um evento cristão? Todos os estudantes responderam que “sim”, que o músico muçulmano tem o direito de não tocar em um evento cristão.

E, depois, outra pergunta:

¿Um fotógrafo cristão tem o direito de recusar um contrato para tirar fotografias de um "casamento" gay? Resposta dos estudantes: “a pergunta é estúpida”.

 

Site no WordPress.com.