perspectivas

Sábado, 11 Agosto 2018

Em Roma, sê romano!

 

Eu estou de acordo com o princípio segundo o qual deve ser proibido, por lei positiva, o uso do Niqab e da Burka em locais públicos, mas não pelas mesmas razões descritas aqui. Ou seja, podemos ter uma concordância em relação à forma, mas não no conteúdo.

A principal e mais importante razão por que a Burka ou o Niqab devem ser proibidos em locais públicos, é a preocupação da Lei com a segurança — é um problema de segurança pública. Ponto final.

Imaginemos que eu entrava embuçado em um Banco; mesmo que não tivesse a intenção de roubar, eu iria certamente parar à esquadra policial mais próxima para ser identificado.

As considerações de índole religiosa são subjectivas; o que é objectivo, na lei anti-burka, é a segurança pública.

burka-niqab-hijab-web


londres-burkas-300webOutro problema são as diferenças culturais que possam existir. Podemos não gostar da cultura dos outros, mas esta diferenciação pessoal pode não se relacionar com qualquer questão de segurança pública. Por exemplo, o Hijab muçulmano não coloca qualquer problema de segurança pública, e portanto não há nenhuma razão objectiva para ser proibido, pela lei positiva, o seu uso na via pública.

De resto, os argumentos colocados aqui são sofríveis, também porque faz comparações absurdas. Por exemplo, ao contrário do que é dito, qualquer pessoa tem o direito de escolher não ter férias, desde que o patrão concorde com isso. Ninguém pode ser obrigado por lei a não trabalhar.
Quem quiser trabalhar no dia de Natal, por exemplo, não deve ter nenhuma lei positiva que o proíba. Uma coisa são as leis não escritas (a tradição); outra coisa, bem diferente, é a lei positiva; mas, a não ser em casos muito excepcionais, a lei positiva não deve substituir a tradição.

Ora, é tradição não trabalhar no dia de Natal; e é uma tradição não trabalhar ao Domingo — e quem trabalha ao Domingo é (geralmente) ou deve ser remunerado de forma especial. Mas não deve existir uma lei positiva que proíba que se trabalhe ao fim-de-semana, como sugere o Ludwig Krippahl. E não deve ser proibido por lei positiva que uma pessoa “trabalhe sem descanso”, se ela quiser; o que pode e deve acontecer é que essa pessoa seja avisada dos inconvenientes do seu estilo de vida — assim como quem fuma deve ser avisado dos inconvenientes de fumar, mas não deve ser proibido, por lei, de fumar. Um médico pode proibir (proibição moral) um cidadão de fumar; mas o governo não pode proibir, por lei positiva, que um cidadão fume.

Em suma, o Ludwig Krippahl confunde um problema de segurança pública, por um lado, com um problema de diferenciação de tradições na cultura antropológica, por outro lado.


Contudo, é verdade que a principal tarefa da cultura (Claude Lévi-Strauss) é a de garantir a existência da coesão social, e portanto, a de substituir o “acaso” na organização da sociedade (estruturalismo). O grande inimigo da sociedade é o “acaso” (a imprevisibilidade) que, embora não possa ser totalmente debelado (Merleau-Ponty), exige a função da cultura antropológica, que é a de reduzir ao mínimo possível a influência do “acaso” na organização da sociedade.

E por isso é que, dentro do possível, as leis devem seguir os paradigmas maioritários da cultura antropológica (da tradição), salvo em casos excepcionais e racionalmente fundamentados. E por isso é que “em Roma, sê romano”.

O problema da imigração islâmica é o de que muito dificilmente é assimilável a outras culturas — porque o Islamismo não é uma religião normal: em vez disso, é uma religião política.

O muçulmano, salvo raras excepções, não se integra na cultura nos países de destino da emigração: prefere viver em guetos e zonas de exclusão comunitárias — mas aqui o problema não é o da Burka ou do Niqab: o problema é o do tipo de imigração que a Europa está a tolerar.

Anúncios

Domingo, 5 Agosto 2018

A falência do Estado de Direito na Europa

 

Por toda a Europa, o Estado de Direito vai sucumbindo ao Poder político islâmico e à lei islâmica (Sharia); e tudo isto em nome da “liberdade” — a liberdade dos liberais, que os muçulmanos organizados politicamente pretendem suprimir.

« (…) a lógica do liberalismo político leva-o a tolerar ideias ou movimentos que têm como finalidade destruí-lo. A partir daí, perante a ameaça, o liberalismo está condenado, quer a tornar-se autoritário, isto é, a negar-se ― provisória ou duradouramente ― a si mesmo, quer a ceder o lugar à força totalitária colocada no poder ». [Edgar Morin]


Sexta-feira, 20 Julho 2018

Mais um ataque de um daqueles fanáticos da seita Amish

 

Desta vez foi em Lubeck, na Alemanha. A Angela Merkel está de parabéns.

Quarta-feira, 18 Julho 2018

Richard Dawkins tem razão

Filed under: Islamismo,islamização,Islamofascismo,islamofobismo,Islão — O. Braga @ 7:14 am


dawkins-allahu-akbar-web

“Listening to the lovely bells of Winchester, one of our great mediaeval cathedrals. So much nicer than the aggressive-sounding “Allahu Akhbar.” Or is that just my cultural upbringing?”

Os ateus estão a acordar para o problema do Islamismo, e esperemos que não seja tarde demais.

A reacção da Esquerda ao tuite de Richard Dawkins não se fez esperar. A repórter Ash Sarkar (entre outras avantesmas), uma comunista de alto coturno, chamou Richard Dawkins de “velho racista” — a Esquerda insulta imediatamente as pessoas cujas opiniões não lhe agradam.

O Islão não é só o “Allahu Akbar” dos ataques da Jihad: é sobretudo toda uma mundividência que é absolutamente incompatível com a tradições e culturas europeias.

Segunda-feira, 18 Junho 2018

Mundial no feminino

Filed under: Islamismo,islamização,Islamofascismo,islamofobismo,Islão — O. Braga @ 11:59 am

 

mundial-no-feminino-web

Quarta-feira, 13 Junho 2018

O conceito de “Islamismo moderado” é um oxímoro

Filed under: Islamismo,islamização,Islamofascismo,islamofobismo,Islão — O. Braga @ 8:26 pm

 

"A Eurábia é,simultaneamente, uma ideologia e um sintoma; é uma atitude psicológica colectiva, própria dos povo que se submeteram- por medo e por interesses económicos- aos ditames do totalitarismo islâmico, que engloba, a um tempo, organizações internacionais (…), estados islâmicos e movimentos fundamentalistas com projectos de conquista planetária.

Um dos troféus mais ardentemente cobiçados por este totalitarismo verde, fruto do fracasso do islamismo moderado preconizado pelos estados petro-islâmicos do Golfo nos anos 60, é a Velha Europa, antiga potência colonial, hoje demográfica e psicologicamente enfraquecida e sobretudo dependente dos hidrocarbonetos do mundo islâmico.

Os grandes pólos da nova conquista islâmica (…) compreenderam claramente que chegou o momento de penetrar no Velho Continente, um continente que se encontra em declínio, para o regenerar. Certamente motivada, em grande parte, por um espírito conquistador e imperial inerente a uma leitura radical do Islão ortodoxo, a islamização da Europa é também vista e sentida por muitos fiéis sinceros de Maomé como uma oportunidade única dos europeus descristianizados, ‘imorais’ e desprovidos de coluna vertebral, caírem em si e retomarem o caminho da redenção."

Alexandre del Valle, A Islamização da Europa, p.21-22, Porto, Civilização, 2009.

 


hitler-islao-web

 

1/ O conceito de “Islamismo moderado” é um oxímoro — a não ser que um muçulmano que não respeite os Hadith, por exemplo, seja considerado muçulmano. Seria como se um “católico” não o deixasse de o ser, se desprezasse as epístolas de S. Paulo.

O que pode existir são regimes políticos moderados em países de população de maioria islâmica — o que é coisa muito diferente. Mas os políticos que sustentam esses regimes moderados não são muçulmanos na verdadeira acepção da palavra (por exemplo, Gamal Abdel Nasser, no Egipto), desde logo porque o Islamismo impõe a lei islâmica (Sharia) como princípio de ordem jurídica, o que não acontece nesses regimes moderados.

Como diz um dos mais importantes representantes políticos actuais do Islão, o presidente Erdogan da Turquia: só existe um Islão:

« The Term “Moderate Islam” is Ugly And Offensive; There Is No Moderate Islam; Islam Is Islam»
Memri Turkish Media Blog (August 21, 2007)

O conceito de “Islão moderado” foi inventado por ocidentais que tentam apaziguar a ferocidade endógena Islão.

Por isso, o trecho supracitado padece do mesmo mal que critica. Quem se refere a um “Islão moderado”, ou não faz a mínima ideia do que é o Islão, ou sabe o que é o Islão mas entrou na política de apaziguamento do Islão. Como dizia Winston Churchill, “um apaziguador é alguém que vai alimentando um crocodilo, na esperança de só ser comido em último lugar”.

Eu comparo o muçulmano à perca-do-Nilo: é um predador que destrói o seu próprio habitat e o dos outros peixes; alimenta-se de indivíduos da sua própria espécie e não deixa que mais nenhuma outra espécie cresça em seu redor.


close-the-ports-web

2/ Não é verdade que os povos da Europa tenham medo do Islão. O que acontece na Europa é o lado negativo da democracia: os povos elegem os políticos que, por sua vez, atraiçoam os povos mediante o serviço a interesses económicos e financeiros (por exemplo, Bilderberg) que vão contra a vontade dos povos (Inglaterra); e, em outros casos, a confiança da população nos políticos eleitos é de tal forma forte, que os povos seguem caninamente a vontade da classe política (Alemanha).

Na Europa, em geral (salvo honrosas excepções) são as elites políticas que atraiçoam os seus povos, e com a maior desfaçatez. Se mudarmos as elites políticas, verificaremos que os povos não têm medo do Islão.

Terça-feira, 29 Maio 2018

Londres, Inglaterra. A polícia política prende por delito de opinião.

 

Uma mulher inglesa, que passava pelo Speakers Corner (Hyde Park) em Londres, chamou a polícia porque os Maomerdas estavam a berrar pelo Alá no Speakers Corner (o que vai contra a lei: não é permitido por lei a realização de cerimónias religiosas no Speakers Corner).

No dia seguinte, logo de manhã, foi presa em sua casa pela polícia política inglesa pelo simples facto de ter apresentado queixa contra os Maomerdas.

 

Segunda-feira, 14 Maio 2018

Os rituais colectivistas islâmicos de auto-sacrifício

Filed under: Islamismo,islamização,Islamofascismo,islamofobismo,Islão — O. Braga @ 11:56 am

 

 

 

O que me impressiona no Islão não são as manifestações religiosas de auto-sacrifício: outras religiões também têm manifestações rituais de auto-sacrifício, por exemplo, o Catolicismo, o Budismo, as várias manifestações religiosas hinduístas, e mesmo o xintoísmo japonês.

O que é único no Islão são os rituais auto-sacrificiais colectivos — o que não existe em mais nenhuma religião universal.

Em todas as outras religiões universais do mundo, e principalmente no Cristianismo, os rituais de auto-sacrifício são predominantemente individuais — cada pessoa assume o seu auto-sacrifício independentemente dos outros.

Ora, esta colectivização dos rituais auto-sacrificiais revelam o Islamismo como uma ideologia política (pura e dura), em contraposição às demais religiões universais.

Terça-feira, 3 Abril 2018

Mutilação genital feminina : não se deixem enganar pelos Maomerdas

 

Encontrei no Twitter um Maomerdas que publicou a imagem abaixo (clique para ampliar), que faz a apologia pseudo-científica da excisão feminina.

fmg-web

Dado que — em todos os países da União Europeia — a excisão feminina (vulgo “mutilação genital feminina”, ou corte do clitóris) é proibida por lei, fiz uma denúncia à administração do Twitter, no sentido de se proceder à remoção da imagem. A resposta do Twitter foi a de que “a imagem faz parte da liberdade de expressão religiosa islâmica”, e portanto não iria retirá-la da publicação.

Porém, quando (há já alguns meses) eu publiquei no Twitter imagens de fetos humanos e denunciei o aborto, a administração do Twitter apagou a minha publicação, invocando que “a liberdade religiosa não me permitia a publicação de tais imagens”. Ou seja, o Twitter, o FaceBook e o YouTube têm dois pesos e duas medidas: umas aplicam-se aos cristãos, e outras, diferentes, aplicam-se aos Maomerdas.

A extracção do clitóris reduz drasticamente o prazer sexual feminino, e por isso é que os Maomerdas a praticam — porque, segundo a cultura islâmica, a redução do prazer sexual feminino reduz o risco de infidelidade conjugal ou adultério da mulher.


Quando eu fiz a denúncia pública daquela imagem no Twitter, um Maomerdas respondeu-me:

“There is no decree for circumcision in the Quran and it is cultural and any benefits claimed are dubious at best.” (não existe qualquer decreto relacionado com a excisão feminina no Alcorão).

E o mesmo Maomerdas publicou esta outra imagem (clique para ampliar).

fmg is not islamic web


Uma das características permanentes dos Maomerdas é a prática recorrente da Taqiyya  (a dissimulação e a mentira).

De facto é verdade que o Alcorão não decreta a excisão feminina, mas o Islamismo não se baseia apenas no Alcorão: baseia-se também nos Hadith e na Sira.

E nos Hadith está bem patente o decreto da excisão feminina, nomeadamente no Hadith de al-Bukhaari (5889) e no Hadith 257 de Abu Hurayrah, entre muitos outros Hadiths (ver lista de alguns Hadiths que impõem a mutilação genital feminina na cultura antropológica islâmica).

Portanto, não é verdade que “o Islão não impõe a mutilação genital feminina” ! Absolutamente falso, porque os Hadith fazem parte da doutrina islâmica, juntamente com o Corão e a Sira. Não se deixem enganar pelos Maomerdas.

Sexta-feira, 23 Março 2018

O politicamente correcto diz que “Jesus era gay”; ¿e se fosse o “Alá Gay”?

 

É normal que a Esquerda radical e o grupo LGBT [Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgéneros] diga que “Jesus era gay”, invocando a liberdade de expressão. E os cristãos engolem em seco (que remédio!). ¿E se fosse o “Alá Gay”?

A canadiana Lauren Southern armou uma tenda em uma rua da cidade inglesa de Luton com um cartaz “Alá é gay”. Resultado: a polícia inglesa mandou retirar o cartaz com ameaça de prisão. Mas se fossem cristãos a reclamar o “Jesus é gay”, no pasa nada, hombre!

Domingo, 18 Março 2018

O Marcelinho pode condecorar os Maomerdas todos os dias, que nem por isso representa o povo

 

Vemos nestas imagens de hoje a tentativa dos Maomerdas em calar um cidadão inglês (Tommy Robinson) que falava no Speakers’ Corner, em Londres. Vemos como os Maomerdas, que por enquanto ainda são uma minoria em Inglaterra, se arrogam já no direito de reprimir liberdade de expressão.

Foi esta comandita totalitária que foi condecorada recentemente pelo presidente da Esquerda. Mas a eleição do Marcelinho não lhe permite interpretar a sua eleição “à Lagardère”.

emplastro de lisboa web

Sexta-feira, 16 Março 2018

Os cães actuam em matilha

 

marcelo-plastic-man-webVi este artigo no pasquim Diário de Notícias de hoje: A primeira comunidade islâmica a "repovoar" a Península Ibérica; e, no referido pasquim e também hoje, a opinião da retardada Joana Petiz: Aceitar as diferenças.

Achei estranho… ¿Por quê hoje, a publicação dos dois artigos?!

A resposta à minha interrogação veio com este outro artigo de hoje no site da RTP: “Marcelo garante que Portugal está preparado para receber mais refugiados”.

Os cães malditos atacam em matilha.

É claro que os “refugiados” que o Marcello quer trazer para Portugal são muçulmanos oriundos de todo o lado, excepto da Síria.

Vamos ter mais excisão feminina, mais inferiorização cultural da mulher, mais burkas, mais mesquitas pagas pelo Estado, tudo isto em nome do “progresso” da Esquerda.

Marcelo Rebelo de Sousa é o presidente da Esquerda. Não se esqueçam disso quando votarem a próxima vez.

Página seguinte »

Create a free website or blog at WordPress.com.