perspectivas

Sábado, 7 Agosto 2021

A SIC Notícias e a propagação de um símbolo de homofobia homofóbica

Filed under: Homofobia,Homofobismo,Pinto Balsemão,SIC NOTÍCIAS — O. Braga @ 7:20 pm

fressura-web

Camaradas!

Segundo o canal de televisão do nosso camarada Pinto Balsemão (nosso companheiro de luta internacionalista), a marca “Snickers” produziu um anúncio homofóbico, a ver:

“No anúncio, o influenciador Aless Gibaja pede um "sumo de laranja sexy" a um funcionário de um café, que lhe responde com um gelado Snickers. Depois de comer o gelado, Aless Gibaja fica com uma voz mais grave e transforma-se num homem com barba.”

Ora, isto de uma pessoa ficar subitamente com barba, é seguramente homofóbico — a não ser que seja um homem transgénero: a barba, num homem transgénero, não é homofóbica.


cueca homofobicaOutro exemplo de homofobia é o de uma conhecida marca de roupa interior masculina que colocou à venda cuecas com riscas azuis, brancas e amarelas— o que é, sem qualquer dúvida, sinal de homofobia extrema e radical. Se as riscas fossem amarelas e verdes, ainda vá!, poderíamos tolerar! Mas sendo azuis e brancas, as riscas são evidentemente homofóbicas.

Outro símbolo de homofobia radical e repugnante é a actual moda que algumas pessoas (negacionistas da vacina do COVID-19, na sua maioria) adoptam, que consiste em se sentarem de lado e com a perna cruzada (ver imagem em baixo).

Se virem um homem sentado naquela posição, agradecemos que o denunciem às autoridades (ou ao FaceBook), por propagação de um símbolo de homofobia homofóbica.

homofofia-posicional

Camaradas! É preciso denunciar esses negacionistas, homófobos, sexistas, transfóbicos, xenófobos, reaccionários, capitalistas, fassistas, e padres!

A LUTA CONTINUA! A vitória é certa!

Sábado, 26 Junho 2021

Se lhe perguntares o que significa “homofobia”, não define o conceito e ainda te chama de “ignorante”

Filed under: A vida custa,Esta gente vota,Homofobia,Homofobismo — O. Braga @ 7:37 pm

homofobia-na-cozinha-web

Sexta-feira, 19 Fevereiro 2021

Não é possível qualquer tipo de diálogo com o Bloco de Esquerda

O pretenso debate acerca da vida e da morte do Tenente-coronel Marcelino da Mata (ocorrido há dias na TVI (ver vídeo 1 e vídeo 2) entre o comunista Fernando Rosas, por um lado, e por outro lado o ex-líder do CDS, José Ribeiro e Castro — provaram que não é possível qualquer tipo de diálogo com o Bloco de Esquerda, porque se trata de um “diálogo de surdos”; não existe qualquer ponto de contacto ideológico e político entre o Bloco de Esquerda e o povo português.

O ideário político do Bloco de Esquerda é “Anti-Portugal”; tudo o que é português, ou o que se identifica (para o bem e/ou para o mal) com a História de Portugal, é o inimigo ideológico a abater pelo Bloco de Esquerda.

Vejamos esta logomaquia da autoria de um notório percevejo do Bloco de Esquerda: tal como acontece com o conceito muito vago de “sofrimento insuportável” na lei da eutanásia (o que levou a que Marcelo Rebelo de Sousa enviasse a lei para o Tribunal Constitucional), assim o conceito de “homofobia” carece de uma noção respectiva; ou melhor: a noção de “homofobia” consensual não tem nada a ver com o conceito alargado e utilitário utilizado pelo Bloco de Esquerda.

Ademais, a repressão política e ideológica sobre o povo português, conduzida nomeadamente pelo Bloco de Esquerda e por uma franja bem identificada do Partido Socialista (por exemplo, Isabel Moreira) e da Não-esquerda (por exemplo, Paula Teixeira da Cruz, ou Teresa Leal Coelho), traduziu-se em uma espiral do silêncio acerca do conceito de difuso de “homofobia” — conceito esse que passou a ser “pau para toda a colher”. É neste contexto político que a referida criatura do Bloco de Esquerda diz que “a homofobia deixou de ser maioritária” — ou seja, o conceito difuso de “homofobia” passou a ser um instrumento de repressão cultural para-totalitária sobre o povo português; trata-se de uma componente fundamental da lei-da-rolha que caracteriza o Totalitarismo de Veludo que está a ser construído pela Esquerda radical.

james-caspian-web

É este tipo de lei-da-rolha (alegadamente contra a “homofobia” que ninguém sabe o que significa) que levou a que o professor universitário inglês James Caspian apelasse para o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, quando o referido investigador britânico viu o seu estudo científico acerca dos transgéneros censurado pelo Poder esquerdista radical que controla (nomeadamente) as universidades.

Porém, neste caso, as baratas e os carrapatos do Bloco de Esquerda já são contra a liberdade, e aliam-se tacitamente à plutocracia globalista (a aliança tácita entre o Pinto Balsemão e o Francisco Louçã) que pretende destruir quaisquer padrões de pensamento lógico, para assim poder controlar os seres humanos a bel-prazer.

Segunda-feira, 6 Julho 2015

A propaganda gayzista: a conquista do poder político através da emoção e da irracionalidade

 

homosexual-baby

Fonte (via).

Terça-feira, 28 Outubro 2014

O Partido Socialista quer discutir o sexo dos anjos

 

“O PS quer que 17 de Maio passe a ser o Dia Nacional contra a Homofobia e a Transfobia. A data – que evoca o dia em que a Organização Mundial de Saúde retirou a homossexualidade da sua classificação de doenças, em 1990 – já é assinalada como Dia Internacional. O PS quer agora consagrá-la no calendário português.”

PS quer criar dia contra homofobia e transfobia

Até hoje, ninguém me conseguiu dar uma definição  de “homofobia”; e de “transfobia”, também não. Haja alguém, por favor, que defina “homofobia”, para eu poder ter uma noção. E o povo português também tem direito a uma noção de “homofobia”, e não a um mero conceito alargado e subjectivista.

Não havendo uma definição de “homofobia”, o Partido Socialista anda a discutir o sexo dos anjos. Ou seja, está a falar de algo que não se sabe bem o que é. O conceito abstracto de “homofobia” está a ser utilizado pelo Partido Socialista para enganar os portugueses e para desviar a atenção do povo em relação à realidade concreta e objectiva do país.

Quarta-feira, 20 Agosto 2014

"Faz sentido o Nuno morrer para levantar a questão da coadoção"

 

A lobotomia cultural anti-natura continua nos me®dia de Pinto Balsemão.

É uma narrativa comparável à dos fascistas do período temporal anterior à II Guerra Mundial. É a lógica de uma ideia (ideologia): da mesma forma que os fascistas do século XX defendiam a ideia segundo a qual os judeus eram seres natural e ontologicamente inferiores, os novos fascistas defendem a ideia — utilizando a propaganda nos me®dia — de que os homossexuais são seres natural e ontologicamente superiores a ponto de ser legítimo que desafiem as leis da natureza, e tenham privilégios em lugar de direitos.


Entretanto, em Itália:

« La loi de pénalisation de l’homophobie va introduire “pour la première fois depuis la fin du fascisme il y a 70 ans, un crime d’opinion évocateur des temps noirs et troublés, longtemps vaincus et que l’on a cru révolus, des idéologies d’Etat. Des temps où l’Etat identifiait des positions idéologiques qu’il imposait par la force, supprimant tous ceux qui n’étaient pas conformes.” »

Traduzindo:

“A lei da penalização da homofobia vai introduzir “pela primeira vez depois do fim do fascismo de há 70 anos, um crime de opinião que evoca os tempos negros e conturbados, há muito vencidos e que se acreditava estarem resolvidos, das ideologias de Estado. Dos tempos em que o Estado identificava as posições ideológicas que eram impostas à força, suprimindo todas aquelas que não estavam em conformidade.”


Estamos perante um novo fascismo que se entranha na cultura antropológica através da propaganda como, por exemplo, a propaganda política do “Faz sentido o Nuno morrer para levantar a questão da coadoção”. É uma narrativa que apela à emoção — assim como os fascistas do século XX apelavam à emoção da populaça para fazerem valer os seus pontos de vista — no sentido de uma lobotomia geral totalitária.

Quinta-feira, 14 Agosto 2014

A Gaystapo e a adopção de crianças por pares de invertidos: ¿A criança não tem pai biológico?

 

O lóbi político gayzista “ILGA” publicou hoje um vídeo que pode ser visto abaixo.

Cerca do minuto 1:15, a amiga da mãe biológica diz o seguinte:

“Se acontecesse alguma coisa à criança e a tivesse que a levar ao hospital, iam perguntar quem eu era. Apresento o cartão de cidadã da criança, e eu não estou lá. Está lá só o nome da mãe biológica… e eu? Estou onde? Não estou em lado nenhum…”

Admira-me que a RTP tenha transmitido este documentário. A RTP anda a brincar com assuntos sérios à custa dos contribuintes portugueses.

O Código Civil português estipula que não podem haver filhos de pai incógnito. Ao que parece, aquela criança é filha de pai incógnito — o que vai contra o espírito da lei.


Artigo 1835 do Código Civil

1. A paternidade nos termos dos dos artigos anteriores contará obrigatoriamente do registo do nascimento do filho, não sendo admitidas menções que a contrariem.

(…)

Artigo 1865 do Código Civil — Averiguação Oficiosa

1. Sempre que possível, o tribunal ouvirá a mãe acerca da paternidade que atribui ao filho.

2. Se a mãe indicar quem é o pai ou por outro meio chegar ao conhecimento do tribunal a identidade do pretenso progenitor, será este também ouvido.

3. No caso de o pretenso progenitor confirmar a paternidade, será lavrado termo de perfilhação e remetida certidão para averbamento à repartição competente de registo.

4. Se o presumido pai negar ou se recusar a confirmar a paternidade, o tribunal procederá às diligências necessárias para averiguar a viabilidade da acção de investigação de paternidade1.

5. Se o tribunal concluir pela existência de provas seguras da paternidade, ordenará a remessa do processo ao agente do Ministério Público junto do tribunal competente, a fim de ser intentada a acção de investigação.

 


No caso concreto das duas amigas (uma das quais é mãe da criança), pode ter acontecido que o tribunal não tivesse ouvido a mãe biológica — como estipula a alínea 1. do artigo 1865 —, talvez porque a juíza estivesse com diarreia ou o juiz estivesse com o penso.

Se a mãe biológica foi ouvida pelo juiz ou pela juíza, o que aconteceu certamente é que a mãe biológica se recusou a indicar a identidade do pai biológico — e não há nada na lei que obrigue a mãe biológica a indicar a identidade do progenitor da criança. Parece certo que a mãe da criança não quis revelar o nome do pai que ela sabe bem quem é, porque em Portugal não é permitida a inseminação artificial in vitro em mulheres solteiras.

Portanto, estamos perante uma lésbica que engravidou de um homem e não quis identificar o pai da criança no tribunal. Ou seja, estamos perante alguém que quis criar um facto para, a partir dele, criar uma norma jurídica: a perfilhação da criança por parte da sua amiga.


Quando uma mulher, com filhos, se divorcia do seu marido e volta a casar com outro, a situação do segundo marido em relação aos filhos da sua esposa é exactamente a mesma se ele (o segundo marido) for ao hospital com um dos filhos da sua actual esposa e mãe biológica — porque o segundo marido não perfilhou nem pode perfilhar os filhos da sua actual esposa, uma vez que as crianças foram previamente perfilhadas pelo pai biológico (o primeiro marido dela).

Portanto, o que está aqui em causa não é adopção, mas antes é a perfilhação.

O que o lóbi político gayzista (vulgo “Gaystapo”) pretende é que um dos elementos de um par de homossexuais possa perfilhar um filho biológico do outro elemento da parelha, à revelia do espírito da lei que diz que “o tribunal ouvirá a mãe acerca da paternidade que atribui ao filho”.

Ou seja, e em resumo: o que a Gaystapo pretende é instituir a legalização do estatuto de “filho da puta”, por um lado, e por outro lado pretende erradicar a árvore genealógica das crianças.

Estamos perante uma tentativa de uma revolução antropológica delirante, através de engenharias sociais psicóticas.

Nota
1. por exemplo, fazer testes de ADN ao putativo pai e ao filho.

Quinta-feira, 7 Agosto 2014

O pânico cultural criado pela ditadura gayzista

 

Um professor americano de língua inglesa foi despedido depois de se ter referido, no seu blogue, às palavras “homófonas”. O dono da escola (privada) alegou que o prefixo “homo” da palavra “homófono” poderia ser confundido com “homófobo”.

“A social media specialist for a Utah language school that teaches English to non-native speakers says he was fired for writing a blog post about homophones—words that sound the same, but carry different meanings—because his boss was afraid readers would think it was about “gay sex.”

Language School Blogger Fired for Writing About Homophones

Segunda-feira, 4 Agosto 2014

A evidência da ligação do lóbi político homossexual à tentativa de legalização da pedofilia

Filed under: homocepticismo,Homofascismo,Homofobia,Homofobismo — O. Braga @ 7:23 pm
Tags: ,

 

“Paedophilia Information Exchange (PIE) était une organisation fondée en 1974, issue du lobby homosexuel, et destinée à obtenir la légalisation de la pédophilie. Son président, Keith Hose, était également impliqué dans le Gay Liberation Front. En 1975, Keith Hose a tenu un long discours en faveur de la pédophilie au cours du congrès annuel de Campaign for Homosexual Equality (CHE).”

Du lobby homosexuel au lobby pédophile au Royaume-Uni : histoire de scandales politiques

Terça-feira, 15 Julho 2014

A SIDA/AIDS é monstruosamente homófoba, reaccionária, conservadora e ignorante

 

A SIDA é ignorante; e homófoba!, (todos os homófobos são ignorantes).  

gayroller-webNo seguimento de uma “explosão da epidemia” homófoba que atinge os “grupos de risco” que são vitimas da homofobia da SIDA, a OMS (Organização Mundial de Saúde) recomenda que “homens que têm actividade sexual com homens” tomem medicamentos retrovirais — à custa de todos os contribuintes homófobos —, como “método suplementar de prevenção”, para que dessa forma se possa atenuar a homofobia da SIDA.

Actualmente, e devido ao conceito homófobo de “SIDA”, os pobres homossexuais — que não passam de vítimas da SIDA homófoba — têm 19 vezes maior risco de serem contaminados, quando comparados com o resto da população que é, por definição, também homófoba. Por isso, a OMS (Organização Mundial de Saúde) aconselha que os homossexuais tomem diariamente uma pílula que combina dois tipos diferentes de retrovirais — para além do preservativo —, alegadamente no sentido de diminuir os riscos de contaminação de 20 a 25%, o que alegadamente significa “evitar um milhão de novas infecções homófobas nos próximos dez anos”.

Os retrovirais diários contra a homofobia da SIDA serão pagos, como é óbvio, pela esmagadora maioria da população que é homófoba e ignorante.

Eu penso que se deveria retirar o termo “homofobia” dos dicionários, e proibir que se falasse de “homofobia” em público, para que automaticamente a SIDA desaparecesse. Porque tudo isto é uma questão de linguagem: se o conceito de “homofobia” não existisse ou fosse proibido, a SIDA também não existiria!

Sábado, 17 Maio 2014

A secretária-de-estado Teresa Morais e a homofobia

Filed under: Homofobia,Homofobismo,politicamente correcto — O. Braga @ 9:22 am
Tags:

 

A secretária-de-estado Teresa Morais pertence (obviamente) ao Partido Social Democrata; mas poderia pertencer ao Bloco de Esquerda. Aliás, em matéria cultural, o Bloco de Esquerda manda no Partido Social Democrata.

“A secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade, Teresa Morais, alertou hoje para o facto de as vítimas de bullying homofóbico terem mais tendência para cometer suicídio e defendeu uma maior intervenção das escolas no combate ao fenómeno.”

“Vítimas de homofobia têm mais tendência para cometer suicídio”

O que a secretária-de-estado Teresa Morais quer dizer é que a alta taxa de suicídio entre adolescentes alegadamente “vítimas de bullying homofóbico” depende do meio-ambiente “homofóbico” em que vivem. Ou seja, segundo a secretária-de-estado Teresa Morais, se o meio-ambiente se alterar e se tornar “gay friendly”, então a percentagem de incidência do suicídio entre adolescentes alegadamente gays ou supostamente gays, diminuiria e ficaria a um nível normal na curva de gauss.

Mas a verdade é que a taxa de incidência do suicídio entre adolescentes supostamente homossexuais não depende do meio-ambiente homofóbico ou “gay-friendly”, mas antes essa taxa é intrínseca à própria condição psicológica do adolescente que se julga homossexual.

A secretária-de-estado Teresa Morais e a homofobiaMesmo que fosse possível que todos os alunos de uma determinada escola se tornassem homófilos ou mesmo homossexuais (o tal ambiente 100% “gay friendly” defendido pela secretária-de-estado Teresa Morais do Partido Social Democrata), não só a taxa relativa de suicídio não diminuiria nessa escola, como o bullying dito “homofóbico” continuaria a existir — porque o bullying não é homofóbico em si mesmo: só se acaba com o bullying quando se conseguir acabar com a competição e com a competitividade entre as crianças.

E, por outro lado, é conhecido o facto de existir um bullying muito agressivo entre os próprios homossexuais, só que esse bullying homossexual é escondido da opinião pública pelo cientificismo ao serviço da política correcta da senhora secretária-de-estado Teresa Morais do Partido Social Democrata.

Segundo o professor de psicologia Dr. Ritch Savin-Williams, da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, a tendência suicida dos adolescentes supostamente homossexuais é baseada no estereótipo cultural imposto pela política correcta: “Nós é que lhes estamos a passar a mensagem de que eles são suicidas em potência”, afirmou o Dr. Ritch Savin-Williams:

“Dr. Ritch Savin-Williams, a psychologist from Cornell University in Ithaca, New York, questioned the notion that LGB youth are more likely to attempt suicide at all, and said the issue is more controversial.

He said that while LGB youth report suicide attempts more often than straight youth, their idea of a suicide attempt may be skewed. “We have given them the message that they are suicidal,” Savin-Williams”.

Em vez de criamos ambientes gay-friendly (o que é uma impossibilidade objectiva, que só pode passar pela cabeça psicótica da secretária-de-estado Teresa Morais do Partido Social Democrata), o que se deve fazer é desencorajar os adolescentes a auto-classificarem-se como “homossexuais” — quanto mais não seja porque é sabido que a identidade de uma pessoa só se consolida a partir de uma determinada idade. É isto que deveria ser ensinado nas escolas, em vez de enfiarem patranhas na cabeça dos miúdos sobre a “orientação sexual determinada biologicamente”, coisa que não existe.

Domingo, 17 Novembro 2013

A homofobia das lésbicas é uma coisa muito feia

 

Un couple lesbien se sépare : coup de couteau passionnel en plein centre-ville

Uma lésbica homofóbica enfiou uma faca com uma lâmina de 14 centímetros no peito de uma outra lésbica que assim foi vítima de homofobia. A homofobia dos gays e das lésbicas é uma coisa muito feia.

Página seguinte »

%d bloggers like this: