perspectivas

Segunda-feira, 29 Maio 2017

A “cultura da violação” das esganiçadas do Bloco de Esquerda

 

A palavra passou de mulher em mulher, de associação em associação, de mão em mão. Falou-se da luta diária das mulheres, de todos os abusos e violações já normalizados na sociedade, do machismo, dos direitos humanos. Cada voz apelou à sua causa, e todas as causas estiveram, ali, de mãos dadas. Todos lutavam pelo mesmo.”

“NÃO À CULTURA DA VIOLAÇÃO”: AS VOZES QUE SE OUVIRAM NO PORTO

esganiçadas-web 


Dando de barato que “as palavras passem de mão em mão” (?) — eu não sabia que havia actualmente uma “cultura de violação das mulheres” em Portugal.

Reparem: uma “cultura de qualquer coisa” significa a generalização dessa coisa; por exemplo, uma “cultura da excisão feminina” significa a generalização (constituindo-se uma regra) da excisão feminina, e não são as excepções que são a regra.

Parece evidente que não existe uma “cultura de violação das mulheres”, em Portugal. Portanto, aquela manifestação no Porto foi organizada para “lutar” contra um fenómeno social generalizado (a cultura da violação) que não existe de facto. Seria como se nos juntássemos todos na Praça dos Leões no Porto para lutar contra “a tirania dos extraterrestres” — mesmo sabendo que os extraterrestres não exercem qualquer tipo de tirania sobre nós.

Quando não há problemas, a Esquerda inventa-os.

É este mulherio esganiçado, ligado politicamente ao Bloco de Esquerda, que defende a entrada irrestrita de “refugiados” islâmicos — porque embora elas sejam contra uma hipotética “cultura de violação dos brancos”, elas adoram ser violadas por pretos, e por isso é que elas são contra o racismo: pénis de preto é coisa fina, e já admite violação.

Por exemplo, vemos aqui uma mulher ser lapidada até à morte por se recusar a casar com um concidadão de um “refugiado” islâmico.

Ora, para as esganiçadas do Bloco de Esquerda, isso já não é “cultura de violação”: em vez disso, é “diversidade” e “enriquecimento cultural”.

E quando os “refugiados” islâmicos enforcam os homossexuais, trata-se de um “tipo de cultura diferente”, e não de homofobia: a homofobia é uma característica exclusiva dos filhos da puta dos brancos.

E mesmo que os pretos “refugiados” sejam homofóbicos, eles são vítimas da sociedade, e por isso podem ser homofóbicos à vontade. Temos que ser tolerantes com os pretos homofóbicos que atiram os gays dos prédios abaixo. O que não podemos tolerar são as piadas homofóbicas dos brancos acerca de paneleiros.

Por fim, o machismo é apenas heterossexual. Não há machismo gay. Aquela coisa do “macho gay” não existe: é uma invenção dos homens reaccionários brancos filhos da puta.

Terça-feira, 23 Maio 2017

Feminismo, opressão patriarcal, e #mulhernãoentra

 

Um texto de uma tal Paula Cosme Pinto, que eu desconhecia (não conheço muita gente em Lisboa, nem quero conhecer), e que é de difícil classificação. O título é: Não queiram obrigar ninguém a ser feminista.

PODER FEMINISTA-web

Vamos resumir o texto:

  1. ser feminista é uma condição superior à do comum dos mortais;
  2. o feminismo é uma ideologia superior;
  3. o feminismo é uma ideologia que tem como base igualdade (entre os dois sexos), respeito e liberdade individual;
  4. o feminismo defende a “igualdade de género” independentemente da “igualdade de sexos”;
  5. o feminismo está na moda;
  6. o feminismo pretende que vivamos em um mundo igualitário;
  7. tal como acontece no Islamismo em que há maomerdanos radicais e/ou outros alegadamente moderados, assim também há feministas moderadas e feministas radicais;
  8. o feminismo “é sobre igualdade de escolha, tratamento e oportunidades”;
  9. definição de feminismo: “ movimento que preconiza a igualdade de direitos entre homens e mulheres”.

feminismo_trabalho_domestico_web

1/ Comecemos pela definição de “feminismo”, segundo o dicionário: “movimento ético, político e cultural que preconiza a igualdade de direitos entre homens e mulheres”.

Trata-se de uma definição nominal, que assenta em uma convenção prévia. Se seguíssemos outra convenção qualquer, o termo “feminismo” poderia ter outra definição qualquer. Portanto, tratando-se de uma definição nominal, convencionou-se que o feminismo é um movimento que preconiza a igualdade de direitos entre homens e mulheres.

Mas, para além da definição nominal convencionada e muitas vezes politicamente correcta, existe a definição real de “feminismo”, que é a que resulta das características invariavelmente observadas a partir dos dados da experiência.

Ou, por outras palavras: as coisas são o que são, e não aquilo que se convenciona que são; se nós chamarmos “pedra” a um pau, o pau não passa por isso a ser pedra. As definições nominais valem o que valem; e é a definição real de “feminismo” — aquela que nos chega da observação dos dados da experiência — que é importante.

feminismo

2/ Quando se fala de “igualdade entre homem e mulher”, estamos a falar de uma impossibilidade objectiva. Não é possível uma “igualdade entre homem e mulher”. Mesmo que um homem corte o pénis e uma mulher retire o útero, nunca seriam “iguais”.

PRIVILEGIO-MASCULINO-FEMINISMO-WEB

3/ Só se pode falar em “igualdade de direitos” entre o homem e a mulher no Direito Natural. Todos os seres humanos são iguais face ao Direito Natural.

Ou, por outras palavras: o Direito não se pode fundar sobre os factos (não são os factos que fazem o Direito; no caso vertente, o facto de a mulher e o homem serem diferentes: essa diferença é um facto objectivo e natural); no entanto, somos obrigados a reconhecer (a partir dos dados da experiência) que os factos nos impõem o Direito.

Isto não significa que vejamos na Natureza um “modelo do Direito” (!); mas antes significa que os seres humanos são obrigados a instaurar o Direito em função da Natureza.

É certo que o Direito pode “corrigir a Natureza” nas diferenças entre os dois sexos através da Razão humana, mas essa correcção não implica que “se faça de conta que a Natureza não existe”, mas antes essa correcção é feita através do conceito aristotélico de “equidade” — mas nunca com a “igualdade” que é objectivamente impossível.

STOP-opressing-me-feminism-web

Neste sentido podemos dizer que, em determinados casos, o Direito Natural rectifica o Direito Positivo — porque o Direito Positivo não elimina o problema de saber o que funda o Direito, a não ser reduzindo a norma legal ao facto (transformando o Código Civil e o Código Penal em autênticas bibliotecas com vários apêndices) e à sua lógica interna (o Direito Positivo que se alimenta burocraticamente a si próprio, em função da total discricionariedade das elites políticas).

mulher-nao-entra-web

Quarta-feira, 17 Maio 2017

A classe política espanhola falsificou as estatísticas da violência doméstica

 

A classe política espanhola falsificou os números estatísticos para justificar uma “lei de violência de género” em que só a mulher é vítima.

“Y como la cifra real de víctimas no correspondía a ese esquema (había casi empate técnico de muertes masculinas y femeninas en el ámbito doméstico) se falsearon las cifras y se amañaron las estadísticas, eliminando las muertes de menores, ancianos y hombres, de suerte que apareciera únicamente la mujer.

Era preciso justificar que se iba a hacer una Ley de Violencia de Género y, sobre todo, era preciso justificar el maná de la Unión Europea del que se iban a beneficiar consejerías, expertos, psicólogos sociales, despachos de abogados y asociaciones feministas.”

A chave da vigarice da “lei de violência de género” é… 24 mil milhões de Euros!, para alimentar uma série de chulos e putas politicamente correctos que se abotoam com o dinheiro “dado” pela União Europeia.

Ley de Violencia de Género / Así falsearon PP y PSOE la cifra de mujeres maltratadas

A simbologia da “libertação” da mulher vale mais do que a vida de qualquer homem

 

An "extraordinary" Oxford University student who stabbed her ex-boyfriend in the leg may avoid jail as it would affect her career prospects, a judge has said.

Oxford student Lavinia Woodward ‘may avoid jail’ for knife attack

A estudante de medicina em Oxford, Lavinia Woodward, espetou uma faca da cozinha no seu namorado. O juiz inglês decidiu não lhe aplicar pena de prisão para não prejudicar os seus estudos de medicina.


Numa sociedade machista, como é a sociedade ocidental — machista, sexista, homofóbica, transfóbica, patriarcal, etc. —, temos que manifestar a nossa admiração por aquele juiz que, entre dois valores — uma faca espetada num homem, por um lado, e um curso superior de uma mulher, por outro lado —, escolheu o mais elevado, porque a ferida da facada acaba por sarar, ao passo que a interrupção do curso de medicina retiraria àquela mulher a hipótese de pertencer à futura elite da sociedade.

E mesmo que o namorado tivesse morrido em consequência da facada, ela não deveria ser presa, porque a simbologia da “libertação” da mulher vale mais do que a vida de qualquer homem.

Sexta-feira, 5 Maio 2017

#MulherNãoEntra : o que elas querem é só o “bem-bom”

 

Bangladesh sewer cleaner has to dive into liquid filth to claw out blockages

mulher-nao-entra-web
Quando uma feminista vier com a “cumbersa” do costume, diz-lhe para ela ir fazer o trabalho deste porco machista.

Segunda-feira, 24 Abril 2017

O feminazismo e a direitinha educadinha

 

welcome-refugeees-gay-webEu escrevi um verbete com o título “Ter a fama e o proveito — retirando o direito de voto à mulher” que fazia referência a um outro verbete publicado no jornal Huffington Post que, como sabemos, tem um corpo editorial exclusivamente composto por mulheres.
Entretanto, o tal verbete foi apagado, como podemos ver; e foi apagado não pelo conteúdo do mesmo, mas porque a autora do dito artigo era “anónima”. Mas eu guardei o referido artigo em ficheiro PDF, que pode ser lido aqui; e podemos verificar a violência com que o “homem branco” é tratado não só pelas mulheres feministas, mas pelo politicamente correcto em geral.

Podemos ler aqui o actual estatuto jurídico, cultural e social do homem em Espanha (também aqui em PDF).

O leitor português poderá até não acreditar no que está a acontecer ao estatuto do homem em Espanha, mas não perde pela demora: a Esquerda que nos governa está já a preparar legislação de perseguição ao homem português — e já não de protecção à mulher. O que Esquerda pretende é uma sociedade de eunucos, em que toda a gente é  “mulher que depende do Estado”; e, para isso, a classe política (de Esquerda) elabora leis que vão no sentido da emasculação da sociedade em geral.

Nas universidades americanas, em geral, e na de Berkeley (Califórnia) em particular, defende-se já oficialmente o fim da liberdade de expressão (Ann Coulter e Milo Yiannopoulos foram proibidos de falar na universidade, e proibidos por mulheres da direcção da universidade) — tudo o que não corresponda ao politicamente correcto  ou marxismo cultural  é calado; e esta repressão da liberdade de expressão é coordenada principalmente por mulheres colocadas em cargos de direcção nessas universidades — como aconteceu recentemente com o cancelamento de uma conferência do professor Jordan Jefferson na universidade de Portland, nos Estados Unidos, por parte de uma mulher dirigente da universidade que dá pelo nome de Susan Agre-Kippenhan.


Neste contexto, e depois do que foi escrito acima, concluímos que uma certa agenda política feminista é totalitária; e essa agenda política “totalitarizante” conta com o apoio geral da Esquerda e com a aquiescência benevolente de uma certa direita politicamente correcta, como podemos ver aqui, em uma crítica acrítica a meu verbete supracitado:

“Começou tão bem, mas acabou tão mal. Se não foi ironia, concluo que até no melhor pano cai a nódoa.”

É tão “ironia” a minha defesa da proibição do voto da mulher, como é irónica a eliminação da liberdade de expressão, ou a diabolização do “homem branco”.

E só uma direita estúpida não vê isso. As únicas armas para combater a Catarina Martins, Francisco Louçã, Daniel Oliveira, e quejandos, é utilizando as mesmas armas de intolerância contra eles — e não ser o “menino bonzinho da direitinha educadinha” que diz que “no melhor pano cai a nódoa”.

Quarta-feira, 19 Abril 2017

As novas prostitutas finas que trabalham ao nosso lado

 

Bill O’Reilly tem vindo a ser acusado de “coacção sexual” na Fox News. Uma após outra, cinco mulheres exigiram da Fox News 13 milhões de dólares para não irem para tribunal, alegadamente acusando o Bill O’Reilly de coacção sexual. Agora já apareceu uma sexta acusação; com jeitinho, irão surgir umas cem mulheres “vítimas” à procura dos milhões da FOX NEWS. 

“Complaints included verbal abuse, unwanted advances and lewd comments, the paper said, citing documents and interviews.”

Bill O’Reilly sexual harassment scandal explained

Segundo consta, dentro do pacote de 13 milhões de dólares de “coacção sexual” que a Fox News pagou a cinco ex-funcionárias tipo “prostitutas”, cabe eventualmente o “abuso verbal”, alegados “avanços indesejados” e “comentários lascivos”.

A mulher ocidental criou uma fonte de rendimento extra, uma nova forma de prostituição.

Imaginemos uma situação em que uma empregada vem vestida com um decote extraordinário, e o chefe chama à atenção: “Ó Fulana, não venha aqui para o local de trabalho mostrar as mamas ao pessoal!” → É “abuso verbal”; e pode ser considerado “comentário lascivo”, com direito a uns 5 ou 6 milhões de dólares de indemnização.

Ou o chefe diz à subordinada: “Não tenho nada contra as mini-saias normais, mas você escusava de vir para aqui sem cuecas!”. → É “abuso verbal” e “avanço indesejado”, com direito a uns 2 ou 3 milhões de dólares de indemnização.

E basta que a mulher “denuncie”: a palavra do homem nada vale. Ela aponta o dedo ao desgraçado e diz: “abuso verbal”, “avanços indesejados” e “comentários lascivos”ergo, 5 milhões de dólares, e bico calado.

São as putas que trabalham ao nosso lado.

Sábado, 15 Abril 2017

Obama, a Esquerda, o feminismo, e o Estado-providência

 

 

Quinta-feira, 13 Abril 2017

Ter a fama e o proveito — retirando o direito de voto à mulher

 

O Huffington Post é um jornal cujo corpo editorial e direcção é exclusivamente composto por mulheres. Um artigo recente, assinado por uma tal Shelley Garland que se diz “estudante de filosofia”, defende a ideia segundo a qual deveria ser negado o voto aos homens brancos.

“Some of the biggest blows to the progressive cause in the past year have often been due to the votes of white men. If white men were not allowed to vote, it is unlikely that the United Kingdom would be leaving the European Union, it is unlikely that Donald Trump would now be the President of the United States, and it is unlikely that the Democratic Alliance would now be governing four of South Africa’s biggest cities”.

Could It Be Time To Deny White Men The Franchise?

corpo-editorial-huffington-post-webDigamos que, pouco a pouco, as posições vão-se tornando claras; e na minha qualidade de homem branco, eu defendo que se deveria negar o voto às mulheres, em geral.


A aberração do Estado Providência surgiu com o voto feminino — porque a mulher vive mais tempo do que o homem, e não quer depender deste: a mulher prefere o amante chamado “Estado” ao homem-marido. A mulher começou a votar em princípios da década de 1920; e bastaram 10 anos apenas para que surgisse o Estado-providência, por exemplo, na Suécia da década de 1930.

 

Hoje, na Europa (países nórdicos) e nos Estados Unidos (mulheres negras), mais de 50% das crianças nascidas não têm pai reconhecido: essas crianças são “filhas do Estado”, no sentido em que são filhas-de-puta. O voto da mulher conduziu o Estado à bancarrota, por um lado, e por outro lado, instituiu a figura icónica do filho de pai incógnito — e tudo isto realizado com orgulho feminista. E são essas mesmas desconchavadas morais que defendem agora a ideia de que “a culpa é do homem branco que não deveria ter direito a voto”. Pois que seja: chegou a hora de assumirmos que a mulher não pode votar.

zimbabwe-farmer-evicted-web

Na Zâmbia, onde uma grande parte dos agricultores são machos brancos, a produção agrícola atingiu máximos históricos em 2016:

“MAIZE output has increased to 3.3 million tonnes in the current harvesting season, the highest production recorded in Zambia’s history.

Agriculture minister Wylbur Simuusa said this afternoon that the production of rice, millet, groundnuts and tobacco has also increased this season compared to the last season.

He said the country’s maize production rose 32 percent in the 2013/2014 season from 2.5 million tonnes in the 2012/2013 season on the back of improved yields, area planted and increased investment in the sector, signalling a possible sharp drop in mealie-meal prices.”

Mugabe’s White Farmers Reap 3.3 Million Tonnes of Maize In Zambia While Zim Starves

Enquanto isso, no Zimbabué de Mugabe o povo passa fome depois da expulsão dos homens brancos agricultores. E, na África do Sul, prepara-se um movimento político de nacionalização das terras e expulsão os agricultores brancos, tal como reconhece a tal Shelley Garland:

“This redistribution of the world’s wealth is long overdue, and it is not just South Africa where white males own a disproportionate amount of wealth. While in South Africa 90 percent of the country’s land is in the hands of whites (it is safe to assume these are mainly men), along with 97 percent of the Johannesburg Stock Exchange, this is also the norm in the rest of the world.”

A mulher tem, em geral (salvo excepções) e em média, um coeficiente de inteligência baixo (ou mais baixo do que a média do homem). Por isso, o voto da mulher deve ser restrito.

Domingo, 9 Abril 2017

O feminismo é uma questão de classe social

 

“A Marta e o Pedro são dois dos meus melhores amigos. Tinham-me convidado para jantar em casa deles com um jornalista e autor brasileiro, que não me conhecia de lado algum e já ficara a saber que eu era “um porco machista”. Não foi bem isso que a Marta disse, mas foi ao que me soou. Aquilo feriu-me como um insulto”.

Feminismo. A obsessão do politicamente correcto

O que me fere não é o “machista”; em vez disso, o que me chateia é o “porco”. É que um machista que se preze anda sempre bem lavadinho e limpinho e, se possível, bem cheiroso com um “after-shave” caríssimo. Um homem porco, e simultaneamente machista, é uma contradição em termos. Ou se é porco, ou se é machista. O mesmo já não se passa com uma “vaca feminista”: o feminismo e gado vacum complementam-se (pela mesma ordem de ideias, também há por aí muitos machos com um par de cornos).

“Corri para o dicionário, talvez o equívoco fosse meu. “Machismo: ideologia que defende a supremacia do macho; atitude de dominação em relação à mulher baseada na não aceitação da igualdade de direitos”. Lida assim, em voz alta, a coisa soava mesmo feia.”

Ibidem

Se o machismo é uma ideologia, é a ideologia mais antiga que existe — quiçá terá a idade do homem de Neanderthal que é mais antigo que o homo sapiens. Assim, a ideologia machista terá aí 200 mil anos de idade, no mínimo. Já estou a ver um ancestral paleolítico do jornaleiro Nelson Marques a transcorrer filosoficamente acerca dos princípios norteadores da ideologia machista.

Não há a certeza sobre se o australopitecos pitecantropos já teria desenvolvido a ideologia machista; mas tudo leva a crer que a evolução já lhe tinha cobrado a factura da exigência do macho.

Mas a feminista Camille Paglia não concorda com a tese da “ideologia machista”: diz ela que os machos não têm culpa da frustração de determinadas mulheres — aquelas mulheres das classes mais altas que vivem em rede social (e não em comunidade, como acontece com as mulheres das classes mais baixas).

 

Domingo, 19 Março 2017

Como a Isabel Moreira vê o mundo

 

Isabel Moreira: “Eu só quero ser um espírito livre. E pago o preço disso com a solidão. Os homens têm medo de mulheres livres”.


mundividencia-feminista-web.png

Quinta-feira, 9 Março 2017

Agora, que já passou o “dia da mulher”…

 

Quando ouço falar em “igualdade”, fico com os cabelos em pé. A liberdade é o direito a ser diferente; e a igualdade é a proibição de o ser.

Página seguinte »

Create a free website or blog at WordPress.com.