perspectivas

Terça-feira, 17 Julho 2018

O FaceBook permite a presença de grupos que apelam ao assassinato de deputados do partido republicano

Filed under: censura,Esquerda,esquerdalho,Facebook — O. Braga @ 7:45 pm

 

Eu fui bloqueado no FaceBook por publicar um vídeo.

Entretanto, o FaceBook acolhe prazenteiramente (sem censura) grupos que apelam ao assassinato de deputados do partido republicano dos Estados Unidos.

Anúncios

Bloqueado no FaceBook por 30 dias

Filed under: censura,Facebook — O. Braga @ 8:02 am

 

Fui bloqueado no FaceBook por trinta dias porque publiquei o seguinte vídeo (que também publiquei no YouTube):

Quarta-feira, 27 Junho 2018

Como funciona a minoria radical de Esquerda no FaceBook (Parte II)

Filed under: Esquerda,esquerdalho,Facebook — O. Braga @ 9:03 am

 

Para que se faça uma ideia de como funciona o partenariado entre o FaceBook e a Esquerda radical, vou relatar uma situação que se passou comigo há poucos dias.

Saiu a notícia de uma senhora alemã de 91 anos que foi violada por um "refugiado” muçulmano — aliás, na esteira de um incremento geométrico da criminalidade na Alemanha, devido à imigração islâmica.

Eu coloquei no FaceBook a ligação para a notícia, com o seguinte comentário : “Alemanha. Uma senhora de 91 anos violada por um imigrante muçulmano”. A minha publicação foi imediatamente censurada pelo FaceBook e classificada de “discurso de ódio”.

Pensei, então, que o problema estaria na palavra “muçulmano”. E resolvi que iria doravante evitar a todo o custo a utilização de palavras como “muçulmano”, “Islamismo”, “Islão”, “islamitas”, etc..

E voltei a publicar a notícia com o seguinte comentário : «Alemanha. Uma senhora de 91 anos violada por um imigrante “ala de rabo para o ar”».

Desta vez a censura demorou mais tempo, e deram-me a possibilidade de me defender; mas o FaceBook acabou por justificar a censura por “discurso de ódio” porque (foi esta a justificação) o termo “ala de rabo para o ar” era suposto aplicar-se a muçulmanos.

Ou seja, o FaceBook, orientado ideologicamente pela Esquerda radical internacionalista e pela maçonaria jacobina globalista, já censura conteúdos em função de uma putativa, subjectiva e eventual alteração semântica da linguagem. O FaceBook já imagina aquilo que alguém pretende dizer, se esse alguém pretende fazer notícia de um facto que possa eventualmente ser considerado crítico em relação aos muçulmanos.

Estou convencido de que, por exemplo, se eu escrevesse : «Alemanha. Uma senhora de 91 anos violada por um daqueles suspeitos do costume», o FaceBook censuraria também, alegando que a categoria “suspeitos do costume” estaria a ser intencionalmente aplicada (por mim) aos muçulmanos. Ou seja, o discurso torna-se impossível!: independentemente de qualquer que seja a terminologia utilizada, o que se pretende é esconder, da opinião pública, os factos da realidade em que vivemos.


aldous-huxley-bnw-web

Neste contexto, é inevitável que me refira a Aldous Huxley, que escreveu que as novas formas de totalitarismo se dedicariam a formatar as consciências; e, antes de Huxley, a Tocqueville na “Democracia na América”: hoje, a violência é intelectual e pretende restringir a vontade humana e o espírito crítico — tudo isto em nome da “democracia”. Ou pensamos segundo o paradigma politicamente correcto que erradica o espírito crítico da sociedade, ou então somos condenados ao ostracismo: ficamos vivos, é verdade; mas com uma vida que é pior do que a morte.

Este é o Homem Novo profetizado por Tocqueville, o Homem Unidimensional segundo Marcuse (e Habermas também, diga-se), é o homem das massas cretinizadas que obedecem caninamente aos postulados da ideologia triunfante; e quem se atrever a questionar o status quo é condenado a uma vida pior do que a morte.

Terça-feira, 26 Junho 2018

Recebi uma medalha do FaceBook

Filed under: Facebook — O. Braga @ 6:56 pm

 

facebook-censored-by-merit-web

Segunda-feira, 25 Junho 2018

Como funciona a minoria radical de Esquerda no FaceBook.

Filed under: Esquerda,esquerdalho,Facebook — O. Braga @ 4:24 pm

 

O sistema de censura ideológica do FaceBook é baseado na lógica de “dispara primeiro e pergunta depois”: qualquer esquerdista, à má-fila, pode clicar em uma publicação qualquer e fazer uma denúncia de “discurso de ódio”. O que acontece (logo que a denúncia é feita) é que o artigo visado é automática- e imediatamente retirado pelo sistema informático do FaceBook do estatuto de “publicado”, e fica suspenso aguardando uma revisão personalizada que pode demorar 24 horas.

Facebook-Censorship

Isto significa que uma notícia inócua qualquer pode ser alvo de perseguição do esquerdalho: denunciam a notícia como sendo “discurso de ódio”, e a notícia é automaticamente suspensa de publicação, aguardando monitorização personalizada em 24 horas. Decorrido este tempo, o FaceBook vem pedir desculpa por ter suspendido a publicação e informa que a mesma foi novamente publicada; mas entretanto já passaram 24 horas e a notícia poderá ter deixado de ter interesse.

O esquerdista que faz a denúncia avulsa, e muitas vezes sem qualquer fundamento, nunca é punido pelo FaceBook — porque se parte do princípio de que o artigo que é alvo da censura prévia (embora infundada) terá ofendido a pessoa que fez a denúncia; ou seja, o FaceBook parte sempre do princípio de boa-fé do esquerdalho que faz a denúncia. Ora, se a pessoa se sente ofendida por qualquer coisa, é normal (segundo o raciocínio do Zuckerberg) que denuncie essa ofensa. A subjectividade pura é o critério do FaceBook para organizar o seu sistema de censura prévia.

O que acontece, na prática, é que se um esquerdista embirrar com alguém (o esquerdalho embirra comigo apenas porque eu existo: trata-se de um ódio ontológico), o filho-de-puta pode passar o tempo a fazer denúncias sistemáticas sobre publicações, o que torna muito difícil alguém publicar qualquer coisa no FaceBook — porque, à medida que publicamos, somos imediatamente informados que a publicação foi suspensa para revisão dentro de 24 horas.

Ou seja, o sistema de censura política utilizado pelo esquerdalho com a cumplicidade do FaceBook, é um instrumento político de desmobilização de pessoas que não partilham com eles a ideologia social-fascista.

Domingo, 25 Fevereiro 2018

Censura política no FaceBook

Filed under: Facebook,politicamente correcto — O. Braga @ 11:20 am
Tags:

O FaceBook pratica a censura totalitária por “delito de opinião”, por exemplo, quando me censurou o seguinte comentário:

« School shootings don’t happen because guns exist.

They happen because families don’t. »

Este tipo de censura de opinião vai ter que acabar : nos Estados Unidos existem já vários processos judiciais contra o Twitter e também contra o FaceBook, que, em última análise, podem levar ao desmembramento de monopólios das redes sociais.

Terça-feira, 16 Janeiro 2018

O FaceBook e o Twitter censuram alguns sítios, como por exemplo o Breitbart.com

 

Quando tento partilhar um artigo do Breitbart.com, o FaceBook diz-me que o sítio está na lista negra por ser de Direita. Por isso criei um blogue que terá a função de partilhar indirectamente os sítios proibidos no FaceBook e no Twitter.

Segunda-feira, 4 Dezembro 2017

O FaceBook e a liberdade de expressão

Filed under: Facebook,liberdade de expressão — O. Braga @ 12:52 pm

 

free-speech-fb-web

Sexta-feira, 1 Dezembro 2017

Outra vez bloqueado no FaceBook…

Filed under: Facebook — O. Braga @ 11:42 am

… desta vez por três dias, alegadamente porque as minhas opiniões ofenderam outras pessoas.

É a segunda vez que estou bloqueado no FaceBook; a primeira foi por 24 horas, também por delito de opinião.

Depois da primeira suspensão, deixei de publicar directamente no FaceBook: as publicações eram feitas por intermédio do Twitter (ligação Twitter / FaceBook).

Porém, o tipo de suspensão permite o acesso à conta; apenas não permite a publicação directa. Portanto, se este verbete aparecer na minha conta do FaceBook, foi através do Twitter.

facebook-muslim-hate-speech-web

Domingo, 24 Setembro 2017

Suspensão de conta no FaceBook

Filed under: 1984,Facebook,feminismo,politicamente correcto — O. Braga @ 1:26 pm

 

A minha conta pessoal no FaceBook foi suspensa porque publiquei a imagem abaixo com a legenda “feminismo”.

bERKELEY-PROFESSOR-web

merda-fbComo podem ver, não se trata de uma imagem pornográfica; nem de uma imagem de violência; e trata-se de uma imagem verdadeira, ou seja, não se trata de uma foto-montagem.

Para o FaceBook (e para o Google), dizer a verdade — ou descrever a realidade — é proibido; demonstrar que o feminismo se identifica culturalmente com a Esquerda mais radical, é tabu.

Praticamente já não publico directamente no FaceBook; quase tudo o que aparece na minha conta do FaceBook vem através do Twitter — é o Twitter que se encarrega de publicar no Facebook; e é também o Twitter que se encarrega de publicar no VKontakte.

Eu não coloco em causa a possibilidade ou o direito de o FaceBook suspender contas; o que eu questiono são os motivos ou critérios que podem levar o FaceBook a suspender contas.

Quando o FaceBook pratica censura rasteira e subjectiva (sem critérios objectivos), em relação a publicações que não cabem nas categorias mencionadas na imagem ao lado e que fazem parte das condições de frequência do Facebook — então já entramos no mundo do “1984” de George Orwell.

Segunda-feira, 28 Agosto 2017

À medida que a censura politicamente correcta se instala no FaceBook, temos a alternativa do VKontakte

Filed under: Facebook,VKontakte — O. Braga @ 9:32 pm

 

vk-logo-webJá não é a primeira vez que o FaceBook censura artigos colocados por mim; o argumento do FaceBook é de que se trata de SPAM; aquilo que não agrada ao politicamente correcto, é SPAM, e tem que ser censurado.

A alternativa aceitável ao FaceBook é o VKontakte (ou simplesmente “VK”), um site russo que tem mais de 100 milhões de utilizadores.

No VK não há censura de opinião política: hoje são os russos que ensinam ao Ocidente o que é liberdade de expressão política.

A minha página no VK é a seguinte: https://vk.com/orlando.braga.

Quarta-feira, 2 Agosto 2017

O YouTube já está em 1984 de George Orwell

 

O conhecido professor de psicologia da universidade de Toronto, Jordan B. Peterson, foi bloqueado pelo YouTube que se baseia em um algoritmo matemático para bloquear contas de utentes que pareçam praticar de “crimes de ódio”. Por outras palavras, o YouTube passou a ter computadores que policiam os conteúdos dos vídeos publicados: não se trata de censura humana: trata-se de computadores-polícias. Estamos já em 1984.

 

 

Este tipo de censura já se estendeu ao FaceBook do Fuckerberg e ao Twitter. Trata-se de uma censura que serve os interesses de uma elite plutocrata globalista representada, por exemplo, pelo próprio Fuckerberg, e por George Soros, Bill Gates, Warren Buffet, os Rothschild, Rockefeller, etc., — elite essa que se alia aos caciques regionais e locais representados pela Esquerda em geral [em Portugal, todos os partidos representados no parolamento são de Esquerda].

Existe neste momento uma estranha aliança entre a Esquerda mais radical e a plutocracia globalista; mas, se virmos bem, não é tão estranho como parece, porque se trata de uma divisão consensual de Poder: “uma mão lava a outra”. Não foi por acaso que o “Pauduro” da Venezuela vendeu recentemente a companhia venezuelana de petróleo à Goldman Sachs com 30% de desconto. bannon_facebook_web

Entretanto, face a esta política arbitrária de censura política, o estratega da Casa Branca de Donald Trump, Steve Bannon, classifica o FaceBook, o YouTube, o Google, o Twitter, como “monopólios naturais e, por isso, devem ser regulados pelo Estado americano. E esta tese tem vindo a ganhar uma enorme adesão na opinião pública americana.

Página seguinte »

Site no WordPress.com.