perspectivas

Quinta-feira, 5 Setembro 2013

Um bom filme e outro mau (1)

Filed under: curiosidades — O. Braga @ 9:56 am
Tags: ,

dian-fossey-300-web.jpg

Dian Fossey

Um bom filme é, por exemplo, ” Gorilas na Bruma “, que conta a história da vida de Dian Fossey entre os gorilas do Ruanda. Gostei do filme, não porque considere que os gorilas tenham “direitos humanos”, mas porque segundo a tradição cristã, os animais são seres criados por Deus. Os primeiros ecologistas de sempre foram católicos, como por exemplo, S. Francisco de Assis que chegou a elogiar a natureza inerte:

“Louvado sejas Tu, Senhor, pela irmã Lua e pelas estrelas, pelo irmão vento e pelo ar e as nuvens e o tempo, louvado sejas Tu, Senhor, pela nossa irmã Terra que é bondosa e nos sustenta com vigor e nos oferece os seus muitos frutos, com flores coloridas e pradarias.”

Um mau filme é, por outro exemplo, o ” 88 ” em que figura Al Pacino . Para ser um mau filme basta uma frase de Al Pacino – que faz o papel de um psiquiatra forense – que diz o seguinte: “A loucura é matéria jurídica, e não do foro da psiquiatria”. Esta frase reflecte a “verdade” actual acerca da loucura, e quer dizer o seguinte: a loucura é definida pelas leis, e não pela psiquiatria; e se as leis mudarem por força da acção política, a loucura pode passar até a ser a norma e a norma a loucura.

Desde os antigos gregos até Freud, a loucura era considerada “separada” da razão, mas não constituindo um “obstáculo” em relação à razão na medida em que a loucura era também vista como “parente” da genialidade. Enquanto que, até Freud, a norma social (a normalidade) era entendida simultaneamente como produto da lei natural (da Natureza humana) e da razão (por exemplo, com os estóicos), com Freud passamos a ser todos loucos, uns mais do que outros. Em teoria, a norma foi abolida. E com a abolição freudiana da norma, G. K. Chesterton ironiza em relação à concepção contemporânea de loucura:

“O louco não é o homem que perdeu a razão; antes, é o homem que perdeu tudo, excepto a razão.”

Sexta-feira, 30 Agosto 2013

E ainda criticam os russos?!

Filed under: curiosidades — O. Braga @ 9:19 pm
Tags:

«In Europe, there are a lot of ridiculous laws. drunken-people-crossing.jpg

For example, in the UK you can not turn a post stamp with an image of the royal family the sticky side up – it is regarded as treason. One is not allowed to wear knightly armor in the building of the English Parliament.

Archery on the Welsh in Chester is possible only after midnight. Men are allowed to urinate in public places, only if it is being done standing by the rear wheel of the car, with the right hand put on the car.

In London, according to the established law, men can beat their wives only after nine o’clock in the evening, not to disturb neighbors. In Scotland, if someone knocks on to your house and asks to use your toilet, the law requires you to let the person in.»

— Via Pravda

Terça-feira, 13 Agosto 2013

Na Europa, até os peixes estão a ficar feministas

Filed under: curiosidades — O. Braga @ 8:03 am
Tags:

«Experts have warned Swedish men to keep their swimming trunks on if taking a dip in a sound off the country’s southern coast, after a South American fish known for attacking testicles was discovered in the area.»

Swedish men told to beware testicle-munching fish


«Foi detectado e capturado em Öresund, o estreito que separa a Suécia e a Dinamarca, um exemplar de pacu, um peixe também chamado de “morde testículos”.»

Peixe que ataca testículos detectado na Europa

peixe-feminista-500-web.jpg

O peixe ‘feminista’ que ataca os testículos

Segunda-feira, 12 Agosto 2013

A acédia não é um pecado mortal desde o século VI d.C.

Filed under: curiosidades — O. Braga @ 5:00 pm
Tags:

“Há gente séria e capaz no governo? Há, há gente que se esforça por fazer o melhor pelo seu país, que sabe da sua área de governação, que mostra moderação e senso e que não precisa das piruetas da “comunicação” para ser reconhecidos como são. Só que não mandam e tem estado calados demais. Ora, o silêncio, a acédia, é um pecado mortal.”

José Pacheco Pereira

Evrágio Pôntico de seu nome (Deus tenha piedade dele, com um nome daqueles!), que viveu no século IV, elaborou pela primeira vez a lista dos pecados mortais que eram oito; e a acédia fazia parte da lista.

A acédia é uma espécie de angústia depressiva que atinge todos os graus da vida espiritual.

Porém, Gregório Magno, que viveu no século VI, retirou a acédia da lista dos pecados mortais, que ficou apenas com os sete que conhecemos ainda hoje.

Mas talvez o José Pacheco Pereira tenha razão ao defender o retorno da acédia à lista dos pecados mortais: é que a acédia não incomoda só a pessoa que dela sofre: todos nós acabamos por “levar com ela”, de uma maneira ou de outra.

Quarta-feira, 7 Agosto 2013

Não era eu que me metia com esta freira…!

Filed under: curiosidades — O. Braga @ 7:49 am

Linda-Sim-2-web.jpg

Linda Sim é uma freira franciscana que, aos 60 anos de idade, ganhou a medalha de prata do campeonato internacional de Taekwondo, em Seul, que se realizou em Julho passado. Ler a notícia.

Terça-feira, 18 Junho 2013

Kit feminino anti tarados sexuais

Filed under: curiosidades — O. Braga @ 7:26 pm
Tags:

Uma mulher chinesa inventou um kit anti-tarados sexuais, composto por um par de meias com pêlos. Ler aqui a notícia.

meias-anti-tarados-sexuais-500-web.jpg

Domingo, 17 Fevereiro 2013

Há que distinguir aquilo que é politicamente correcto daquilo que não o é

Filed under: curiosidades,economia,politicamente correcto — O. Braga @ 11:26 am

« Remontarse a los orígenes y porqués de lo políticamente correcto sería largo y tedioso, pero se podría resumir que, como toda idea nociva del siglo XX, fue formulada primero por la Escuela de Fráncfort -Adorno, Marcuse, Benjamin, Horkheimer- para arraigar y florecer en la generación de los baby boomers, ya sea en la versión europea del Mayo del 68 o en la lisérgica San Francisco. Su avance ha sido inexorable, llegando a proscribir palabras tan bonitas como “especular” y mancillando otras como “comercio” al añadirle el redundante adjetivo de “justo”. »

via La tiranía de lo políticamente correcto: ¿Invertimos o especulamos? – Libre Mercado.

Neste texto supracitado, o escriba espanhol diz que a palavra “especulação” — em economia política, ou em política — é hoje “maldita” por causa do politicamente correcto. Não há nada melhor do que ir ao dicionário para saber a origem das palavras.
(more…)

Sábado, 16 Fevereiro 2013

A lista dos “meus” oito cardeais candidatos a Papa

Filed under: curiosidades — O. Braga @ 10:52 am
Tags:

  1. Albert Malcolm Ranjith Patabendige Don, Arcebispo de Colombo (Ceilão), nascido em 1947.
  2. John Tong Hon, Arcebispo de Hong Kong (China), 1939.
  3. Antonio Cañizares, Arcebispo de Toledo (Espanha), 1945.
  4. Raymond Leo Burke, Arcebispo de Saint-Louis (Estados Unidos), 1948.
  5. Sean Patrick O’Malley, Arcebispo de Boston (Estados Unidos), capuchinho (franciscano), 1947.
  6. Philippe Xavier Ignace Barbarin, Arcebispo de Lyon (França), 1950. ( “The Cardinal prays in a mosque” )
  7. Jean-Pierre Ricard, Arcebispo de Bordéus (França), 1944.
  8. Kazimierez Nycz, Arcebispo de Varsóvia (Polónia), 1950.

A negrito, sublinhei o quatro mais prováveis (na minha opinião).

futuro papa web

Quinta-feira, 31 Janeiro 2013

¿ “Despoletar” ou “espoletar” ?

Filed under: curiosidades — O. Braga @ 5:49 pm
Tags:

Quando queremos dizer, por exemplo, “desencadear uma crise política”, podemos dizer, em alternativa, “espoletar uma crise política”.

Clique para ampliar

Clique para ampliar

Em primeiro lugar, devemos saber o que é uma “espoleta” (derivado do italiano Spoletta) : “Spoletta è il congegno destinato a comunicare il fuoco alla carica interna dei proiettili cavi”. Vemos aqui ao lado uma imagem de uma espoleta completa.

Portanto, a espoleta é o dispositivo mediante o qual o fogo chega à câmara interna de um arma e que causa a explosão. E sendo que espoletar é “colocar a espoleta que leva à explosão”, a arma de fogo é espoletada — e não, despoletada. Despoletar uma arma de fogo é exactamente impedir que ela dispare, retirando-lhe a espoleta.

Por isso é que devemos dizer “espoletar uma crise politica”, e não, “despoletar uma crise política”. Por exemplo, o que vimos na passada Segunda-feira foi um duplo acontecimento: António Costa espoletou uma crise política sugerindo que era candidato à liderança do Partido Socialista, e depois despoletou-a ao dizer, mais tarde, que afinal já não era candidato.

Terça-feira, 29 Janeiro 2013

Só acontece na Irlanda…

Filed under: A vida custa,curiosidades — O. Braga @ 7:15 pm

só na irlanda web

Quarta-feira, 16 Janeiro 2013

Angela Merkel & François Hollande

Filed under: curiosidades — O. Braga @ 10:24 pm
Tags: ,

merkel hollande kodak web 563
(more…)

Segunda-feira, 14 Janeiro 2013

Uma anedota de belgas

Filed under: curiosidades,Humor — O. Braga @ 4:40 pm

panneau_belge webOs franceses costumam contar anedotas de belgas, embora eu não tivesse compreendido — até hoje! — a razão dessas anedotas.

Uma mulher belga percorreu 1.450 quilómetros, desde a sua cidade de Erquelinnes (Bélgica), até à capital da Croácia, quando seguia as instruções do GPS do carro para chegar a Bruxelas (capital da Bélgica) que dista apenas 32 quilómetros da sua cidade de Erquelinnes.

A senhora belga saiu de sua casa, em Erquelinnes, dirigindo-se a Bruxelas para ir buscar a noiva do seu filho à estação ferroviária da capital da Bélgica, que dista apenas 32 quilómetros da cidade onde mora. Porém, devido a um erro de programação do GPS do carro, a senhora belga acabou por dar uma volta à Europa, viajando pela Alemanha e chegando à Croácia.

Doze horas depois de sair de casa, e sempre seguindo o GPS mal programado, a senhora belga, de seu nome Sabine Moreau, chegou à cidade de Zagreb, capital da Croácia, a 1.450 quilómetros de Bruxelas, onde se deu conta de que “não estava na Bélgica”.

Isto não é anedota! Aconteceu mesmo:

Doce horas más tarde y tras varios altos en el camino para descansar, Sabine Moreau, que ya se encontraba en Zagreb y a 1.450 kilómetros de Bruselas, se percató de que “ya no estaba en Bélgica”.

La conductora aseguró a la Policía que había tenido algunos “contratiempos” con su GPS, pero que al principio logró encontrar por sus propios medios el municipio belga de Jette y que después continuó con su viaje. “Metí la dirección y después el GPS dio varios rodeos. Ahí fue cuando algo debió de salir mal”, indicó la conductora. 

via Una belga conduce hasta Croacia sin darse cuenta por un error del GPS – Libertad Digital.

« Página anteriorPágina seguinte »

%d bloggers like this: