perspectivas

Domingo, 13 Agosto 2017

Raquel Varela: é o sol na eira e a chuva no nabal

Filed under: Comunismo,marxismo,Raquel Varela — O. Braga @ 12:06 pm

 

“A onda de violência contra os turistas em Espanha, que não subscrevo – não tenho admiração alguma por violência gratuita ou aquela tese da violência entre trabalhadores como sintoma da violência do Estado e outras palermices – tem um fundo muito elementar, o drama não são os turistas (eu sou turista em muitos lugares) mas as rendas da propriedade em busca desesperada de valorização fora da produção – onde cai a taxa de lucro. Estas rendas estão a tornar a cidade para a maioria dos habitantes – de Paris ao Rio – num espaço inabitável para quem esteja lá mais do que 3 dias.”

Raquel Varela


Imaginemos uma renda de 500 Euros mensais para um T2 na zona da Boavista, no Porto.

São 6.000 Euros anuais brutos. Retiremos os 7% mensais da praxe para a imobiliária que tratou de alugar o apartamento: menos 420 Euros anuais = 5.580 Euros. Além disso, a imobiliária cobra uma renda inteira: menos 500 Euros = 5.080 Euros.

Depois temos o IMI : menos 250 Euros anuais = 4.830 Euros.

Depois temos as despesas de condomínio: 600 Euros anuais. Ou seja, 4.830 Euros menos 600 Euros = 4.230 Euros.

Depois temos o IRS: 28 % sobre 4.230 Euros = menos 1184,40 Euros = 3.045,60 Euros.

Ora, 3.045,60 Euros a dividir por 12 meses dá 253,80 Euros mensais — o que até não seria um mau rendimento mensal (livre de impostos) para o senhorio.

Mas o problema é que o apartamento necessita de manutenção : um cilindro que avaria, uma pintura de vez em quando, o vídeo-porteiro que avariou, o sistema de canalização que necessita de ser reparado ou/e renovado, trabalhos de carpinteiro aqui e ali, trabalhos de electricista, etc..

Portanto, o senhorio tem que ter uma reserva no mínimo de 1.000 Euros anuais para obras de manutenção de urgência — ou seja, 85 Euros mensais a menos = dá um rendimento líquido de 168 Euros por mês para um T2 em uma zona nobre da cidade do Porto. É um fraco rendimento para um investimento actual que ronda os 150 mil Euros (o custo de um T2 de boa construção em uma zona central da cidade do Porto).

Investir 150 mil Euros para ter um rendimento mensal líquido de 160 Euros, é negócio de burro. É só fazer as contas. Mas a Raquel Varela diz que “as rendas estão caras”.

Em primeiro lugar, para a Raquel Varela não há um “mercado”; tanto faz uma casa no centro de Lisboa como uma outra na Amadora. A mentalidade e a doutrinação comunista bloqueia a noção de “mercado”.

Em segundo lugar, na mente comunista da Raquel Varela, os impostos não podem baixar: o IMI e os 28% sobre o valor da renda, depois de deduzidas as despesas, é chupa-chupa (no cu do senhorio). Na mentalidade comunista, a única coisa que pode baixar ad infinitum é o rendimento do investidor / senhorio.

Sexta-feira, 10 Março 2017

A Raquel Varela tem uma mentalidade fascista

Filed under: censura,Comunismo,Esquerda,Estado,fascismo,liberdade,Raquel Varela — O. Braga @ 7:51 pm

 

A Raquel Varela pouco se distingue de uma agente comunista da STASI: ela é a favor da censura da opinião.

Talvez ela possa aprender alguma coisa com o Ludwig Krippahl — embora o fascismo seja caracterizado pelo controlo apertado do Estado sobre o cidadão: e ¿não é este controlo estatal sobre tudo o que mexe (a começar pela economia) que o partido “Livre” do Ludwig Krippahl defende?

 


“Ao contrário do catolicismo, o comunismo não tem doutrina. Enganam-se os que supõem que ele a tem. O catolicismo é um sistema dogmático perfeitamente definido e compreensível, quer teologicamente, quer sociologicamente. O comunismo não é um sistema: é um dogmatismo sem sistema — o dogmatismo informe da brutalidade e da dissolução.

Se o que há de lixo moral e mental em todos os cérebros pudesse ser varrido e reunido, e com ele se formar uma figura gigantesca, tal seria a figura do comunismo, inimigo supremo da liberdade e da humanidade, como o é tudo quanto dorme nos baixos instintos que se escondem em cada um de nós.

O comunismo não é uma doutrina porque é uma anti-doutrina, ou uma contra-doutrina. Tudo quanto o Homem tem conquistado, até hoje, de espiritualidade moral e mental — isto é, de civilização e de cultura — tudo isso ele inverte para formar a doutrina que não tem. »

→ Fernando Pessoa, “Ideias Filosóficas”

Create a free website or blog at WordPress.com.