perspectivas

Sexta-feira, 3 Junho 2022

Os participantes portugueses no encontro do Clube de Bilderberg, que está a decorrer neste momento

Filed under: Bilderberg — O. Braga @ 6:14 pm

  • José Luís Arnaut, advogado e político (PSD)
  • José Manuel Barroso, político (ex-MRPP, agora PSD)
  • Isabel Furtado (CEO da empresa Têxtil Manuel Gonçalves)
  • Ana Pinho, presidente da Fundação de Serralves
  • Diogo Salvi, CEO da empresa TIMWETECH
  • Nuno Sebastião, CEO da empresa FEEDZAI

Vamos “marcá-los em cima”.

Ver lista completa dos participantes deste ano, aqui.

Terça-feira, 28 Dezembro 2021

Bilderberg, "World Economic Forum", o Grupo dos Trezentos, Klaus Schwab, a eutanásia e Jacques Attali

Filed under: Bilderberg,eutanásia,Globalismo — O. Braga @ 10:13 am

Os “fact-checkers”, que fazem parte dos me®dia controlados e submetidos pela plutocracia globalista, dizem que a seguinte citação de Jacques Attali é falsa; porém, esses “fact-checkers” enganam-se no título do livro de Attali de onde é retirada citação: os “fact-checkers” dizem que a “falsa citação” diz respeito ao livro de Attali intitulado “Verbatim” — o que é falso!

O verdadeiro título do livro de Attali (de onde se extrai essa citação) é o “The Future of Life”, publicado pelo jovem Attali em 1981 (tinha 38 anos), livro esse que já não consta da lista bibliográfica de Attali (foi retirado, não só do mercado, mas também da lista de autoria). Neste livro, de 1981, Attali publica uma série de entrevistas com Michel Salomon, e foi publicado pela editora francesa “Éditions Seghers” dentro de uma colecção com o nome de “Les Visages de L’Avenir”.

Jaques Attali é um judeu de ascendência sefardita, por um lado, e um Bilderberger, por outro lado. Só dentro destas duas condicionantes pessoais conseguiu ele o renome mundial que tem — porque, em boa verdade, Attali é um personagem vulgar: não há nada de excepcional nas ideias de Attali excepto a sua condição de judeu membro do Grupo dos Trezentos, e membro da estrutura nuclear do grupo maçónico de Bilderberg.


«O futuro terá como missão encontrar formas de reduzir a população [mundial]. Começamos com os mais velhos, porque logo que estes passem os 60/65 anos, tendem a viver mais tempo do que produzem, e isso tem custos elevados para a sociedade.

Depois, os mais fracos, e os inúteis que não contribuem para a sociedade porque haverá tendencialmente cada vez mais gente dentro destas categorias; e, seguem-se, depois, os estúpidos. Estes grupos deverão ser alvo de eutanásia, que deverá ser um utensílio essencial nas sociedades do futuro, e em todos os casos.

É claro que não poderemos executar gente, ou construir campos de concentração. Essa gente será eliminada acreditando que é para o seu próprio bem. O excesso de população e a existência de gente inútil têm um enorme custo económico. Do ponto de vista social, também, é muito melhor que a máquina humana tenha um fim abrupto do que ir-se deteriorando gradualmente.»

“The Future of Life” (1981), Jacques Attali, Interviews with Michel Salomon, Les Visages de L’Avenir Collection, Éditions Seghers.

jacques attali web

Terça-feira, 5 Junho 2018

Portugueses participantes na reunião dos Bilderbergers em Turim, de 7 a 10 de Junho de 2018.

Filed under: Bilderberg,grupo dos trezentos,Maçonaria — O. Braga @ 9:40 pm

 

  1. Paula Amorim — filha do falecido Américo Amorim, do Grupo Amorim
  2. Durão Barroso — Ex-MRPP e amigo do José Pacheco Pereira, secretário do Grupo de Bilderberg, funcionário bancário da Goldman Sachs International.
  3. Isabel Mota — presidente da Fundação Calouste Gulbenkian.


Convém notar o seguinte:

1/ não há nenhum representante da Rússia;

2/ participa o primeiro-ministro belga, Charles Michel;

3/ participa o Secretário-de-estado do Vaticano, o cardeal Pietro Parolin;

4/ não há nenhum representante da Hungria.

bilderberg-web

Terça-feira, 21 Março 2017

Morreu um pobre diabo, rodeado de brinquedos

Filed under: Bilderberg,Globalismo,Nova Ordem Mundial — O. Braga @ 6:56 pm
Tags: ,

 

“Some even believe we are part of a secret cabal working against the best interests of the United States characterizing my family and me as ‘internationalists’ and conspiring with others around the world to build a more integrated global political and economic structure – one world, if you will. If that’s the charge, I stand guilty, and I am proud of it.”

David Rockefeller

David Rockefeller reconhece, nas suas memórias, que traiu — em acções concretas — o seu próprio país. E nada lhe aconteceu; permaneceu impune. O mesmo acontece ainda hoje com George Soros.

Na reunião de Bilderberg de 1991, David Rockefeller afirmou a agenda política dos globalistas, apoiados pelos me®dia:

“The supranational sovereignty of an intellectual elite and world bankers is surely preferable to the national autodetermination practiced in past centuries.”1

david-rockefeller-web

David Rockefeller morreu aos 101 anos depois de 7 (sete) transplantes cardíacos realizados depois dos 70 anos. Sete! PQoP! Ele certamente estaria convencido de que se fizesse mais 20 transplantes cardíacos chegaria aos 200 anos de idade.


eric_voegelin«Para um (homem), as portas da existência estão abertas de par em par, para o deixar contemplar as etapas do ser, depois a natureza inanimada, até Deus. O mundo desdobra-se largamente nele, os seus significados confrontam-se numa relação bem reflectida, e dão assim lugar a uma ordem ontológica; depois, com a valorização destas etapas do ser, formam uma ordem hierárquica, e como resposta à questão da razão de ser, reenviam a uma ordem da criação.
Um máximo de acolhimento da realidade encontra-se ligada com um máximo de racionalidade na ordem e no encadeamento, e encontra-se coroada pela transfiguração dogmática2 da experiência espiritual e religiosa numa ideia de Deus, tal como o Ocidente a desenvolveu na doutrina analogia entis3 .

A outro (homem)4 , só foi dado o prazer de olhares áridos sobre a realidade, talvez mesmo apenas um único: sobre a Natureza, sobre o dinheiro ou Poder, sobre um grande homem, sobre um povo, sobre a humanidade — o que ele tenha visto tornar-se-á para ele em Realissimum, o ser mais verdadeiro que se eleva ao lugar de Deus e lhe esconde, assim, todo o resto — nomeadamente, e sobretudo, o próprio Deus.»

(Eric Voegelin, “As Religiões Políticas”, páginas 29/30)


Notas
1. “A soberania supranacional de uma elite intelectual e de banqueiros internacionais é seguramente preferível à autodeterminação nacional praticada em séculos passados”.
2. “Há duas espécies de pessoas: as que têm dogmas mas que não reconhecem que os têm, e os que têm dogmas e reconhecem que os têm.” → G. K. Chesterton
3. Semelhança (mas não igualdade) essencial entre o ser humano enquanto criatura, e Deus enquanto criador.
4. neste caso, David Rockefeller.

%d bloggers like this: