perspectivas

Sábado, 29 Abril 2017

Ó Anselmo Borges: toma lá, embrulha, e leva para casa

 

Eu tive aquilo a que se convencionou chamar uma “experiência quase-morte”.

eqm-webDurante a experiência, a luz que incidiu sobre mim era de tal forma forte que era insuportável (uma luz que me “cegou”); e a experiência foi marcada por um certo “transcorrer do tempo”, embora não fosse o “tempo normal” a que eu estava habituado. Depois, ali estava eu, junto ao tecto do quarto, a ver-me a mim próprio na cama com o médico da família à cabeceira, e com a azáfama preocupada da minha mãe. E ouvi todas as conversas; quando voltei a mim, contei as conversas havidas entre o médico e a minha mãe — conversas essas seriam difíceis de reter na memória em estado de quase-coma.

Se eu contasse esta minha experiência ao Anselmo Borges, ele diria que se trataria de uma experiência “subjectiva”, de uma “visão”; e que as figuras do médico, da minha mãe e de mim próprio, não passaram de “visões”, e não de “aparições” — porque o Anselmo Borges foi fortemente influenciado pela Nova Teologia que, por sua vez, foi fortemente influenciada pelo Positivismo que nada mais é do que o “Romantismo da ciência”.


O Padre Gonçalo Portocarrero de Almada cita o papa Bento XVI no que diz respeito ao conceito de “aparição” de Nossa Senhora em Fátima:

« Prossegue Bento XVI, no seu Comentário teológico: “Como dissemos, a «visão interior» não é fantasia” – ao contrário do que o termo ‘visão imaginativa’, usado por D. Carlos Azevedo, na sua entrevista ao Público, no passado dia 21, poderia levar a crer – “mas uma verdadeira e própria maneira de verificação. Fá-lo, porém, com as limitações que lhe são próprias. Se, na visão exterior, já interfere o elemento subjectivo, isto é, não vemos o objecto puro mas este chega-nos através do filtro dos nossos sentidos que têm de operar um processo de tradução; na visão interior, isso é ainda mais claro, sobretudo quando se trata de realidades que por si mesmas ultrapassam o nosso horizonte”. »

Fátima (1): Aparições ou visões?


Em primeiro lugar, não podemos comparar a intelectualidade do papa Bento XVI com o vazio intelectual do papa Chico que o Anselmo Borges segue de forma canina. O Chico age; é um homem de acção, mas não pensa; e quando pensa, só diz asneiras.

Eu já abordei aqui o tema da subjectividade e da objectividade.


O Padre Gonçalo Portocarrero de Almada aproxima-se da minha interpretação da realidade, mas ainda não coincidimos — porque, em última análise (e como ele escreveu acima), todos nós interpretamos a realidade de forma subjectiva, embora seja a intersubjectividade (ou seja, a objectividade) que cria os consensos necessários a uma interpretação racional da realidade prática, segundo leis naturais que regulam o mundo macroscópico em que se movem os seres vivos.

Realidade prática: desde que uma construção do nosso cérebro nos permita a sobrevivência no mundo (macroscópico), pode-se dizer que ela (a construção) está em consonância com a verdadeira realidade e não em contradição com ela. [Este conceito de “realidade prática” é muito importante e pode ser utilizado em diversas áreas do pensamento.]

A investigação das ciências da natureza e a sua aplicação na tecnologia não têm autoridade para fazer afirmações sobre a “realidade em si” (que é diferente da “realidade para nós” que é a realidade intersubjectiva e/ou objectiva): a ciência só pode afirmar, em casos concretos, que as suas afirmações ainda não foram refutadas e, neste sentido poderiam estar em consonância com a “verdadeira realidade”.

Aquilo a que o papa Bento XVI e o Padre Gonçalo Portocarrero de Almada chamam de “visão interior”, é a “visão da consciência” que tem sempre algum grau de intersubjectividade que corresponde ao Nous aristotélico:

“Só vale a pena discutir com pessoas com as quais já estamos de acordo quanto aos pontos fundamentais; só aí se mantém, na pesquisa, a fraternidade essencial; tudo o resto é concorrência, batalha, luta pelo triunfo; não menos reais por serem disfarçados.” (Agostinho da Silva)

Este tipo de igualdade/desigualdade racional de Agostinho da Silva, que diz respeito às ideias, corresponde à noção de Noüs de Aristóteles em que se manifesta um determinado grau de intersubjectividade que distingue a “visão subjectiva”, por um lado, e a “aparição intersubjectiva”, por outro lado.

As ideias do Anselmo Borges e do Bispo gay, segundo a qual “em Fátima aconteceram visões subjectivas, e não aparições”, são tão absurdas que me fazem doer a inteligência — a inteligência também dói, quando nos deparamos com gente deste calibre. E para além de absurdas, as ideias das duas avantesmas supracitadas são perigosas, porque estão imbuídas de um Positivismo radical que se embrenhou no seio da Igreja Católica através do Concílio do Vaticano II.

Sexta-feira, 28 Abril 2017

Fátima, e o Santo Anselmo Borges (1)

Filed under: Anselmo Borges,Fátima,Igreja Católica,Padre Pio de Pietrelcina — O. Braga @ 11:44 am

 

Num momento em que os dois pastorinhos de Fátima, Francisco e Jacinta, vão ser canonizados, o Anselmo Borges diz que “Fátima não é dogma de fé”.

Porém, a canonização, entendida exclusivamente em si mesma, é dogma de fé.

Portanto, podemos dizer que Fátima é dogma de fé por via indirecta — ou seja, por via da canonização dos pastorinhos que estão directamente ligados à causa do fenómeno de Fátima.

“Deve ficar claro, desde o princípio, que Fátima não é dogma de fé. Que é que isto significa? Que se pode ser bom católico e não acreditar em Fátima. Fátima não faz parte do Credo”.

O que eu penso sobre Fátima (1)

O Santo Padre Pio Vimos como se destrói o argumento do Anselmo Borges em duas penadas: de duas, uma: ou o Anselmo Borges não consente e não aceita a canonização dos pastorinhos, e então, segundo este raciocínio, “não é preciso acreditar em Fátima para ser católico”; ou o Anselmo Borges consente e aceita a canonização de Francisco e Jacinta, e então, Fátima passa a fazer parte do dogma de fé subjacente à própria canonização (entendida em si mesma) dos dois pastorinhos.

Ou ainda: para ser coerente, o Anselmo Borges deveria estar contra a canonização dos pastorinhos, e expressar essa sua opinião abertamente em público. Mas isso ele não faz, porque “não fica bem”.


“Fátima não ocupa nem pode ocupar o centro do cristianismo, o centro é Jesus de Nazaré, confessado como o Cristo, portanto, Jesus Cristo, e o Deus de Jesus e as pessoas, todas”.

ibidem

O S. Padre Pio de Pietrelcina dizia o seguinte:

« Quando vires uma imagem de Maria, diz-lhe: “Maria, saúdo-te! E dá os meus cumprimentos ao Teu filho, Jesus!” »


Naturalmente que sabemos que o S. Padre Pio de Pietrelcina, quando comparado com o Santo Anselmo Borges, é uma merda.

O Santo Anselmo Borges representa o progresso do Concílio do Vaticano II, a Nova Teologia (é nova! Por isso, é melhor!) que pretende substituir a doutrina católica tradicional, e a aproximação revolucionária da Igreja Católica ao luteranismo; é neste sentido que dizemos que o S. Padre Pio de Pietrelcina é uma merda quando comparado com o Santo Anselmo Borges.


Há fenómenos que não fazem parte do Credo e são dogmas de fé, directa- ou indirectamente.

Domingo, 23 Abril 2017

Olha, que dois…!

Filed under: Anselmo Borges,Daniel Sampaio,imbecil colectivo,metafísica — O. Braga @ 12:38 pm

 

“Na quarta-feira, mais de 400 pessoas reuniram-se na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) para debater com Daniel Sampaio, psiquiatra, e Anselmo Borges, padre e professor de filosofia. O sentido da vida, a felicidade e o suicídio foram alguns dos temas abordados”.

O SENTIDO DA VIDA NUM MUNDO IMPREVISÍVEL


“De volta ao tema fulcral da conferência, o sentido da vida, o psiquiatra [Daniel Sampaio] começa por dizer que a nossa existência precede a nossa essência.”


“A essência não é uma pura construção. Nós já somos, mas ainda não somos completamente”, afirma o representante da religião [ Anselmo Borges].

Contra o behaviourismo  e o positivismo  do cientismo  do imbecil Sampaio, o Padre não entra de chofre: em vez disso, “contemporiza”, tenta não hostilizar o imbecil. É este o tipo de debate que existe em Portugal: o imbecil colectivo, e no fim do debate ganham sempre os mais imbecis.

dupont-dupond-web

Sexta-feira, 21 Abril 2017

O Bispo D. Carlos Azevedo gosta mais de “aparições” concretas do que de “visões” platónicas

Filed under: Anselmo Borges,Fátima,Igreja Católica — O. Braga @ 2:07 pm

 

O D. Carlos Azevedo gosta mais de “aparições” do que de “visões”. Ele é mais para o concreto, e menos para o platónico. Que ganhe juízo, que já tem idade para isso.

hmossecualidadeeraconhecida

Quer o Bispo dizer: uma pessoa vê (tem visões); mas aquilo que a pessoa vê, não aparece (não é aparição). Por exemplo, eu vejo o Manel, mas o Manel não é uma aparição: é apenas uma visão. Eu penso que vi o Manel, mas não o vi — porque não convém ao Bispo que eu tenha visto o Manel.

E o bispo, à laia do Groucho Marx, pergunta-me:

“ ¿Acreditas no que os teus olhos mentirosos vêem, ou naquilo que eu te digo?”

E como ele é Bispo e tem uma autoridade de direito concedida pela Igreja Católica do Vaticano II, eu começo a duvidar daquilo que vi; se calhar, o Bispo tem razão: o que eu vi não era o Manel! Era apenas uma visão do Manel que não existe de facto.

Talvez o Manel não exista senão na minha tola. Talvez não seja má ideia que eu dê entrada num manicómio; e com jeitinho, arrebanha-se, em campos de concentração para insanos, aquela gentalha toda católica que se reúne em Fátima, e que não gosta de gente com « passiones ignominiae », « usum contra naturam » e « turpitudinem operantes » (Romanos 1, 26-27).

É um Bispo intelectual. É tão intelectual que entra pela metafísica da linguagem adentro:

"Basta pensar que Maria, Mãe de Jesus, não aprendeu português para dialogar com Lúcia, para nos interrogarmos sobre como acontece o processo comunicativo do que se entende por visão".

Fátima: "Não foram aparições, foram visões"

Numa altura em que nas universidades americanas se estuda a transmissão de pensamento independentemente do idioma utilizado, o Bispo vem dizer que “Maria não aprendeu português para dialogar com Lúcia”. E isto para não falar na telepatia que é estudada há décadas pela psicologia.

É curioso que o Anselmo Borges também pensa da mesma forma que o Bispo: temos o Anselmo Borges, que defende a legalidade do aborto, e o Bispo gay, os dois a ler pela mesma cartilha da Nova Teologia e da Teologia da Libertação. Les bons esprits se rencontrent…

No mínimo, são « turpitudinem operantes », aqueles dois manguelas. Aliás, acerca deste assunto da “visão” e da “aparição” em Fátima, já escrevi aqui, ou seja, já reduzi esse argumento — do Padre abortista e do Bispo gay — ao absurdo.

Segunda-feira, 17 Abril 2017

A irracionalidade do Anselmo Borges

Filed under: filosofia,Igreja Católica,Anselmo Borges,Fátima,metafísica — O. Braga @ 1:57 pm

 

¿Como é que eu posso afirmar que “é evidente que Nossa Senhora não apareceu em Fátima”?

“É preciso também distinguir aparições de visões. É evidente que Nossa Senhora não apareceu em Fátima. Uma aparição é algo objectivo. Uma experiência religiosa interior é outra realidade, é uma visão, o que não significa necessariamente um delírio, mas é subjectivo.”

Anselmo Borges


Quando alguém diz que “é evidente que Nossa Senhora não apareceu em Fátima”, pretende demolir um dogma católico por intermédio de um pensamento dogmático — porque de facto não é evidente, por exemplo, que não existem extraterrestres. Uma pessoa que diga que “é evidente que não existem extraterrestres”, é estúpida e possui um pensamento dogmático. O mais que eu posso racionalmente dizer é que não é provável que existam extraterrestres; mesmo assim, a minha afirmação é controversa.

Ora, a pior coisa em religião e em teologia é a existência de um pensamento dogmático que critica os dogmas vigentes e ancestrais (novos dogmas que tentam demolir a tradição).

Se há coisa evidente nos acontecimentos de Fátima de 1917, é que nada é evidente (ver o que significa “evidência”). Exactamente porque nada é evidente em Fátima de 1917, é que o Anselmo Borges é burrinho; ele pode receber todos os salamaleques do mundo, mas o rei vai nu.

O Anselmo Borges gosta de ser do contra; ser do contra enche-lhe o ego, à laia do reviralho revolucionário. Ora, devemos ser do contra sempre que seja provável que o contra tem razão — e não, como acontece com o Anselmo Borges: ser do contra para ganhar notoriedade académica e pública, e vender livros, e independentemente da razão.


Do ponto de vista da filosofia, o Anselmo Borges está ultrapassado; ele já não tem autoridade de facto para dar aulas de filosofia. Pode ser teólogo, mas hoje qualquer merda é teólogo. Hoje, um professor universitário de filosofia tem que ter bases suficientes (não precisa ser especialista)  em matemática (e não só em lógica) e em Física (incluindo a física quântica).

O Anselmo Borges diz que “é evidente que Nossa Senhora não apareceu em Fátima”, porque, alegadamente, “uma aparição é algo objectivo”.

¿O que significa “objectivo”?

É sinónimo de “intersubjectivo” (definição nominal). Quando três crianças (e não só uma) vêem a mesma coisa, trata-se de um fenómeno intersubjectivo, ou seja, objectivo. O problema é o de saber se a coisa vista pelas três crianças (e não só por uma) é o que elas julgam que viram — mas seria estúpido e dogmático dizer-se que “é evidente que não foi aquilo ou não foi aqueloutro”.

Em toda a minha vida, eu passei talvez meia-dúzia de vezes pelo santuário de Fátima e nunca lá estive por ocasião do 13 de Maio. Estou à vontade para falar porque não sou, por assim dizer, um “fanático de Fátima”. Mas hei-de lá ir em um 13 de Maio futuro, se Deus quiser.

Seguindo o raciocínio do Anselmo Borges, poderia dizer-se: “é evidente que Jesus Cristo não ressuscitou”, porque “uma aparição de Jesus depois de morto seria algo objectivo, o que não foi o caso”. O chip que regula o software do pensamento do Anselmo Borges é positivista — nem sequer é o mais moderno, em termos científicos: Anselmo Borges vive no século XIX.

Aqui, o problema do Anselmo Borges é o conceito de “objectivo”.

Em ciência (positivista), é objectivo um fenómeno que se mede estatisticamente mediante repetição verificada (verificação) de forma intersubjectiva (objectiva), ou através da indução que, em epistemologia, é uma inferência conjectural e não-demonstrativa que obtém leis gerais por intermédio de casos particulares.

É certo que o Anselmo Borges não compreendeu Karl Popper (o que não é invulgar); e muito menos compreendeu Niels Bohr, Heisenberg, Wolfgang Pauli, David Bohm, John Wheeler, etc.. o Anselmo Borges precisa de se actualizar; mas duvido que burro velho retome andadura.


Não podemos separar a matéria, por um lado, da pessoa, ou do modo como a pessoa observa, por outro lado.

A única realidade que existe são as respostas às nossas perguntas, e a única coisa que conhecemos do mundo são os resultados das nossas experiências. Isto significa que os elementos básicos do mundo têm uma origem imaterial que, aliás, define a “consciência”: a consciência é uma experiência originária — comprovável a nível intersubjectivo — que antecede a experiência objectiva, tanto em termos lógicos como também em termos existenciais.

Uma imagem que vemos (“nós vemos”, intersubjectivamente, ou objectivamente, o que é o mesmo) não é menos o resultado das nossas acções do que, por exemplo, uma imagem que pintamos, ou de uma casa que construímos.

A realidade do nosso mundo é um facto (do latim facere = fazer); portanto, algo feito por nós; algo feito pelo Anselmo Borges, por exemplo, ou feito pelos três pastorinhos e pelas milhares de pessoas que testemunharam a dança do Sol em 1917, em Fátima. Não há razão nenhuma objectiva (ou seja, intersubjectiva) para que possamos supôr que “os factos do Anselmo Borges” tenham uma valia superior à dos “factos de milhares de pessoas” que assistiram (objectivamente, ou seja, intersubjectivamente) aos fenómenos de Fátima em 1917.

O nosso comportamento, perante a realidade, não é passivo: pelo contrário, nós participamos activamente na construção da realidade — sem que, contudo, criemos a “realidade em si mesma”, porque, em regra, não inventamos os dados a partir dos quais o nosso cérebro constrói as coisas; mas somos criadores da “realidade para nós”, o nosso cérebro monta precisamente aquelas coisas que estamos (todos nós, ou todos os milhares de pessoas em Fátima em 1917, de forma intersubjectiva, ou seja, objectiva) a ver a partir dos dados da “realidade em si”. Isto justifica aquilo que se disse em S. Mateus 13,58:

“E Ele não fez ali muitos milagres, por causa da falta de fé daquela gente”. [O Anselmo Borges também estava lá, no meio daquela gente].

Não podemos separar a realidade, por um lado, da pessoa, ou do modo como a pessoa observa, por outro lado. Só podemos limitar-nos a esperar que a “realidade para nós”, por um lado, e a “realidade em si”, por outro lado, sejam tão semelhantes quanto possível — o que levou à definição de “verdade” por parte de S. Tomás de Aquino:

«A verdade é a adequação entre a inteligência que concebe (a “realidade para nós”), e a realidade (“a realidade em si”)».


Não temos qualquer acesso ao mundo independentemente da interpretação — nem no conhecimento, nem na acção, nem em qualquer outro lugar.

Ora, não há nenhuma razão objectiva para supormos que a interpretação do Anselmo Borges é superior ou mais válida do que a interpretação intersubjectiva dos três pastorinhos, ou do que a interpretação objectiva (intersubjectiva) de milhares de testemunhas em Fátima de 1917.

O Anselmo Borges acredita que ele sabe como está estruturada a “realidade em si”, para além da interpretação humana.

Trata-se de um pensamento dogmático do Anselmo Borges — porque o pensamento humano não é capaz, por princípio, de dizer como se estrutura a “realidade em si”. Portanto, o que está por detrás das nossas construções intersubjectivas da realidade é um mistério — e foi o que se passou em Fátima de 1917: um mistério —, mistério esse que nos fornece os dados para a interpretação, mas que permanece eternamente incognoscível.

A única coisa que podemos dizer, com certeza, sobre a "a realidade em si", independente de nós, é como ela não é (conceito negativo), porque quando as nossas construções fracassam (como fracassou o positivismo do Anselmo Borges, ou o romantismo dele), deparamo-nos com a realidade “por detrás” da nossa construção da realidade. Porém, dado que só podemos descrever e explicar sempre o nosso fracasso através dos conceitos que utilizámos para a construção das estruturas falhadas, isso nunca nos pode proporcionar uma imagem do mundo que pudéssemos responsabilizar pelo fracasso.

É o que acontece com o Anselmo Borges: ele explica o fracasso da teologia cristã através de conceitos que ele próprio utiliza para a construção das suas estruturas pessoais falhadas, e por isso, ele nunca terá uma imagem do mundo que possa responsabilizar-se pelo seu próprio fracasso interpretativo.

Eu nunca vi o Anselmo Borges — nem na televisão, nem pessoalmente. Apenas vi fotografias dele nos jornais; mas uma fotografia não tem vida própria.

Contudo, seria estúpido da minha parte se dissesse que “é evidente que o Anselmo Borges não existe”, apenas e só porque nunca o vi pessoalmente. Chegam-me testemunhos de milhares de pessoas que dizem que o Anselmo Borges existe, ou seja, a figura viva do Anselmo Borges é intersubjectiva (ou objectiva). Se nós só acreditarmos naquilo que virmos, seríamos da espécie do “Anselmo Borges”.

Sexta-feira, 14 Abril 2017

Grande hipócrita, o Anselmo

Filed under: aborto,Anselmo Borges,marxismo cultural,politicamente correcto — O. Braga @ 12:10 pm

 

Escreve, o Anselmo Borges :

“Eu tive uma aluna muito inteligente, que é ateia. Na sua abertura de espírito, convidou-me uma vez para ir dar uma aula à sua universidade sobre Deus, a religião, a esperança. Depois, fomos jantar e voltámos a falar sobre a morte e a esperança. E ela: morremos, como é natural, como um gato também morre. E eu relembrei-lhe a Escola Crítica de Frankfurt e as vítimas inocentes e todos aqueles que morreram sem viver, esmagados pela violência, pela fome, pela guerra; há uma dívida de justiça para com essas vítimas – quem pagará essa dívida?”

E eu pergunto: ¿quem pagará as dívidas dos roubos infinitos 1 que são os abortos, de que o Anselmo apoiou a lei que destrói a nossa sociedade, física- e espiritualmente? [ver também ficheiro PDF].

Vejam o detalhe implícito: a aluna dele era inteligente porque era ateia; na mente distorcida do Anselmo, é inconcebível existir um ateu burro. E o Anselmo não se esqueceu de falar no marxismo cultural  da Escola de Frankfurt — esquecendo-se contudo de falar naqueles que morreram sem viver, por via da lei do aborto que o “teólogo” Anselmo Borges apoiou. Teólogo que apoia o aborto.

Grande hipócrita, o Anselmo.


Nota:

1. “O aborto não é, como dizem, simplesmente um assassinato. É um roubo… Nem pode haver roubo maior. Porque, ao malogrado nascituro, rouba-se-lhe este mundo, o céu, as estrelas, o universo, tudo. O aborto é o roubo infinito”.
Mário Quintana

Sexta-feira, 24 Março 2017

A cagada psicótica do Anselmo Borges

 

O Anselmo Borges escreveu uma cagada em dois actos. O primeiro acto enumera as futuras conquistas do chamado trans-humanismo, por exemplo:

“Já mudamos o género de um ser humano através da cirurgia e de tratamentos hormonais.”

Não, ó Anselmo Borges, não mudamos nada. Mesmo que tirem o útero a uma mulher, ela não deixa de ser mulher. O “problema” está no ADN, no XX; ¿estás a perceber, ó Anselmo? Portanto, caro Anselmo Borges, vai à bardamerda, tu e mais a “mudança de género” gramatical.

“Com ela e outras formas de engenharia biológica pode pensar-se em realizar alterações profundas na nossa fisiologia, no sistema imunitário, na esperança média de vida, nas nossas capacidades intelectuais e emocionais.”

“Poderíamos realizar alterações profundas, por exemplo, no nosso sistema imunitário”, se soubéssemos o que é e como se formou o nosso sistema imunitário. Aconselho o leitor assíduo do Anselmo Borges a ler um livro do professor universitário Michael Behe “A Caixa Negra de Darwin”, porque de outro modo seria trabalhoso estar aqui a explicar a psicose do Anselmo Borges — ou melhor: o delírio interpretativo do Anselmo Borges.

O segundo acto cagado especula sobre a primeira cagada. O Anselmo Borges irrita-me, porque usa e abusa da falácia ad Novitatem, por um lado, e por outro lado, o velho gaiteiro gosta de se pavonear como sendo “pr’á frentex”.

Terça-feira, 14 Março 2017

O papa Chico é um Joaquim de Fiore actual

Filed under: Anselmo Borges,cardeal Bergoglio,Igreja Católica,papa Chico — O. Braga @ 11:29 am
Tags:

 

Temos aqui mais um texto panegírico do Anselmo Borges dedicado ao papa Chiquitito. Digo o seguinte: desprezo este papa como sendo ele um agente da força do Mal. Existe um livrinho de Eric Voegelin com o título “Religiões Políticas” que toda a gente deveria ler — quanto mais não seja para compreender por que razão o papa Chiquinho é, também ele, um agente da força do Mal.

Todos os seres humanos (uns mais do que outros) têm defeitos. Nenhum ser humano é perfeito, e nenhum papa jamais foi perfeito. Mas este papa quer ser visto (pelas pessoas, em geral) como “sendo perfeito quando afirma publicamente a sua imperfeição” — o que, podemos dizer, é o cúmulo da hipocrisia; e, para isso, utiliza amiúde a utopia.

“A cidade imaginada pelo utopista é sempre de mau gosto, a começar pela do Livro do Apocalipse.”
→ Nicolás Gómez Dávila

O papa Chico é uma espécie de Joaquim de Fiore actual, ideologicamente explorado pelos seus correligionários gnósticos modernos, como é o caso do Anselmo Borges. O seu mundo é imanente, e quando ele fala em “transcendência” é para enganar o povo católico.

O Anselmo Borges pode escrever uma biblioteca inteira com a apologética do papa Chiquinho, que não é por isso que a realidade se transforma através de uma fé metastática, e o papa-açorda passa a ser santo.

Create a free website or blog at WordPress.com.