perspectivas

Segunda-feira, 4 Setembro 2017

Ó Adolfofinho: deixa lá em paz a xenofobia !

 

“Durante um debate na Rádio Cova da Beira entre candidatos à Junta de Freguesia de São Francisco de Assis, na Covilhã, a candidata apoiada pelo PS, Joana Campos, imitou o sotaque do candidato do CDS, Júlio Canhoto, de origem venezuelana, conta o Público.

Segundo o CDS, a actual presidente da junta “humilhou” o opositor com um acto de “xenofobia”. Adolfo Mesquita Nunes, candidato do CDS à Câmara da Covilhã pede ao PS que se demarque desta atitude.”

Mais um caso de xenofobia nas autárquicas? Candidata do PS “humilha” opositor com sotaque espanhol


Vamos ter que acabar com estas manipulações estapafúrdias que incentivam a incompreensão e ódio em relação à verdadeira xenofobia: a maioria dos xenófobos são pessoas serenas e pacíficas que querem viver em paz e praticar a sua xenofobia em harmonia com a natureza.

Este caso isolado do Júlio Canhoto (estranho nome para um candidato do CDS/PP) nada tem a ver com a autêntica xenofobia — aliás, denunciamos a Joana Campos como uma impostora ao serviço dos inimigos da xenofobia: não devemos relacionar o sucedido com a verdadeira xenofobia porque isso provocaria um repúdio da dita no seio da sociedade — e é isso que os radicais pretendem!

A xenofobia (assim como a islamofobia) é uma ideologia de paz, tolerância e concórdia. Temos que estar unidos e evitar que surjam episódios de intolerância e ódio contra os xenófobos honrados e pacíficos. A imensa maioria dos xenófobos são gente de bem, pessoas de conduta impecável e de elevados princípios e valores.

Não devemos confundir — como faz o Adolfofinho — xenofobia, por um lado, e xenofobismo, por outro lado.

Os inimigos da convivência, da tolerância e do respeito pelos outros estão sempre prontos para desvirtuar os factos sociais e criminalizar o todo colectivo xenófobo perfeitamente integrado na sociedade e respeitador das leis.

Somos contra esta campanha de estigmatização que pretende sujar o bom nome da comunidade xenófoba, completamente alheia a este caso em concreto: os verdadeiros xenófobos pretendem viver sem medo e praticar a sua xenofobia em plena luz do dia, sem temer represálias pelos inimigos da tolerância — esses extremistas que pretendem que a xenofobia seja retirada da praça pública e seja praticada na clandestinidade: estamos no século do progresso e da liberdade, e exigimos poder colocar em prática as nossas ideias sem sermos objecto de difamações e agressões ao nosso credo.

Anúncios

Terça-feira, 8 Dezembro 2015

A adopção de crianças: Adolfo Mesquita Nunes e Pedro Vaz Patto

 

A adopção não pode configurar-se como direito dos candidatos a adoptantes.

Não se trata, pois, e em primeira linha, de chamar à colação, no que a esses candidatos diz respeito, o princípio da igualdade e não discriminação em função da orientação sexual”.

Pedro Vaz Patto


Adolfo Mesquita Nunes tentou tornear esta dificuldade colocada por Pedro Vaz Patto, embora de forma falaciosa e jogando com as palavras: diz o Adolfo Mesquita Nunes que os homossexuais não têm o direito a adoptar, mas têm o direito a serem candidatos à adopção; é uma forma enviesada de separar o sujeito do predicado, como se não tivessem qualquer relação entre si.

Ou seja, segundo Adolfo Mesquita Nunes, ninguém (incluindo os “casais naturais”, passo a redundância) tem o direito a adoptar uma criança; mas todos (incluindo os pares homossexuais) têm o direito a ser candidatos à adopção de uma criança. Ou seja, segundo Adolfo Mesquita Nunes, os casais naturais e os pares invertidos estão na mesma posição de igualdade — não no direito a adoptar, mas antes no direito da candidatura à adopção e, alegadamente, em nome do “superior interesse da criança”.

O que Adolfo Mesquita Nunes faz é diferenciar o direito de alguém a adoptar uma criança (que ele nega como sendo um direito universal, e aqui estou de acordo), por um lado, e por outro lado o direito de alguém candidatar-se à adopção de uma criança (que segundo ele deve ser um direito universal, o que não é verdade porque entra em contradição com o bom-senso).

As condições — reconhecidas universalmente — da candidatura à adopção não podem ser separadas do “superior interesse da criança” que define a própria instituição da adopção; separar as duas coisas (a adopção, por um lado, e a candidatura, por outro lado) é uma falácia (há candidaturas que nem sequer podem ser aceites como tais, à partida); e por isso não é verdade que qualquer pessoa possa ter o direito (mesmo que a lei o diga) a candidatar-se à adopção de uma criança.

Por exemplo: ¿um assassino em série pode candidatar-se à adopção de uma criança?

Segundo o Adolfo Mesquita Nunes, pode, porque alegadamente é um direito universal. Mas a verdade é que o bom-senso diz-nos que nunca um assassino em série pode ter o direito a ser candidato à adopção de uma criança. Portanto, o direito da candidatura à adopção de uma criança não é universal.

Quando está em jogo a vida de terceiros, os nossos direitos pessoais — por exemplo, o direito de candidatura à adopção — ficam automaticamente condicionados. A adopção é uma instituição; e numa instituição há sempre aquelas pessoas que reúnem as condições para estarem dentro dela, e outras que não têm essas condições.

As condições de pertença a uma instituição estão para além do conceito de “igualdade”.

Site no WordPress.com.