perspectivas

Sábado, 17 Julho 2021

Não vale a pena gastar cera com tão ruim (e maoísta) defunto

Ler um texto do Pacheco é um exercício penoso; por exemplo, quando ele coloca o Pinochet, o Bolsonaro e o Trump no mesmo saco político.

Esta forma simplista de catalogar a realidade política —Trump é fassista, tal como o Pinochet era fassista — é digna de um ideólogo de muito baixa qualidade; de um demagogo em acção política.

jpp-marxÉ evidente que — em Portugal, assim como no núcleo duro da União Europeia — existe um Totalitarismo de Veludo em construção. Qualquer pessoa com dois dedos de testa se apercebe deste novo fenómeno político a nível europeu. O Pacheco, como bom comissário político do Totalitarismo de Veludo, nega que exista; “no pasa nada”. Mas não só a nível europeu: a actual fumaça política americana (do comprovadamente corrupto João Bidé) não augura grande coisa…

O Pacheco segue o princípio marcuseano de “tolerância repressiva”: a corrupção, à Esquerda (por exemplo, com o João Bidé), deve ser desvalorizada e mesmo escondida dos povos; só a corrupção à Direita deve ser denunciada.

Eu não sei se o Pacheco é burro, ou se assume a sua (dele) ignorância para assim poder tornear a sua dissonância cognitiva. Parece que ele está de tal modo enfarinhado na ideologia que defende, que a realidade remanescente é (por ele) ignorada.

Os argumentos utilizados por ele (no referido texto) são de uma pobreza intelectual extrema — como diria Olavo de Carvalho: “a mente humana é constituída de tal forma, que o erro e a mentira podem sempre ser expressos de maneira mais sucinta do que a sua refutação. Uma única palavra falsa requer muitas outras para ser desmentida.”

Ou seja, para refutar as asneiras enunciadas pelo Pacheco, seria necessário escrever um ensaio com muitas páginas. A criatura não merece tanto; como diz o povo: “não vale a pena gastar cera com tão ruim defunto”.

Concordo com Che Guevara: ¡ Esta és una lucha a muerte ! ”. Não é possível qualquer tipo de diálogo com os mentores da ideologia defendida pelo José Pacheco Pereira.

1 Comentário »

  1. A democracia acabou na Europa, faz tempo! Se é que nalgum dia aí existiu. Parlamentarismo e semipresidencialismo são formas de governo aristocratas – de uma elite -, porque o chefe de governo é eleito indiretamente. O povo não manda em nada e a agenda “progressista” – que é absurdamente antipopular – avança mais rapidamente.

    Para falar a verdade, após tudo o que tem ocorrido no mundo, nos últimos 20 anos, perdi o encanto com o liberalismo político. Não acredito mais nem em democracia.

    Gostar

    Comentar por Denis Camursa — Quarta-feira, 21 Julho 2021 @ 6:29 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: