perspectivas

Domingo, 22 Novembro 2020

A linguagem ideológica é inimiga da mente científica

Filed under: CHEGA,Racismo — O. Braga @ 7:15 pm
Tags:

1/ Quando invocamos sistematicamente figuras de autoridade de direito, assinalamos a fraqueza do nosso discurso e dos nossos argumentos — porque não nos conseguimos afirmar, por moto próprio e através da nossa argumentação, mas antes recorremos a figuras de autoridade ideológica, alegadamente (e falsamente) reputadas de “científicas”.

O problema da invocação da autoridade de direito coloca-se apenas quando não acrescentamos mais nada ao nosso discurso senão a própria invocação da autoridade de direito, considerada apenas em si mesma.

Mamado Ba e a morte do homem branco

"Um declínio na coragem pode ser a característica mais marcante que um observador externo nota hoje no Ocidente …
Tal declínio da coragem é particularmente notada entre as elites dominantes e intelectuais, causando a impressão de uma perda de coragem por parte da sociedade inteira."

→ Aleksandr Solzhenitsyn

Verificamos, por exemplo, neste vídeo, como o Mamadou Ba não diz nada de coerente e concreto, senão escorando-se em uma putativa autoridade de direito de algumas personagens que ele invoca — trata-se de um certo “intelectualismo” próprio da negritude marxista, próprio de uma certa mentalidade de colonizado que marca o complexo de inferioridade do negro marxista radical.

2/ Imaginem que um branco emigre para um país africano e tenha publicamente uma linguagem racista (contra o negro) do calibre demonstrado por Mamadou Ba em relação ao homem branco.

Quando o Mamadou Ba, vivendo em Portugal, vem defender publicamente “a morte do homem branco”, confia, por um lado, na cobardia da ruling class portuguesa (aquilo a que Aleksandr Solzhenitsyn chamou de “declínio da coragem do Ocidente”), e por outro lado confia também que essa cobardia das elites se estende à sociedade inteira.

Porém, a ideia (preconcebida pelos radicais) segundo a qual “a cobardia das elites já infectou a populaça”, é enganadora: o fenómeno do partido CHEGA está aí, bem vivo, para dizer aos radicais que o “declínio da coragem” das elites não contaminou o povo português.

3/ O Mamadou Ba pensa que pode, de forma incólume, emigrar para Portugal e invocar publicamente “a morte do homem branco” (nem que seja, simbolicamente, a morte da cultura portuguesa), e através dessa posição radical, eticamente repreensível e politicamente insustentável, tirar dividendos políticos e pecuniários. E, para esse efeito, conta com o “declínio da coragem” das elites, putativamente extensível a todo o povo.

Penso que chegou a hora de recambiar o Mamadou Ba para o Senegal.

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: