perspectivas

Quinta-feira, 26 Março 2020

O senhor António Figueiredo e Silva conclui que o mundo não está em ordem, e tira daí conclusões politicamente correctas

O senhor Figueiredo, que escreveu este texto, deveria ter lido estoutro para que não caísse na armadilha positivista.

antonio piedade cientismo profetico web

cientismoAfirmar que “a ciência se baseia em factos rigorosamente confirmados” é próprio de uma pessoa que sofreu uma lobotomia (por exemplo) do coimbrinha Carlos Fiolhais; e o senhor Figueiredo também é de Coimbra… estas coisas pegam-se pela vizinhança, tal como um vírus.

Também faz falta que o senhor Figueiredo leia qualquer coisa escrita por Karl Popper, antes de dizer “umas coisas” .

Noto que o senhor Figueiredo defende a criação de um paraíso na terra (a imanentização do éschatos), quando escreveu que “se o Deus do Homem não existisse, isto seria o paraíso”.

Naturalmente que o senhor figueiredo deveria estar a pensar em Cuba, ou na URSS ou na China de Mao Tsé Tung — sítios onde o tal “Deus do Homem” já foi erradicado, graças a Deus. Só lhe falta (ao senhor Figueiredo) cantar o “Imagine” de John Lennon, para que o cenário neo-ateísta “New Age” coimbrinha fique completo.

Os ateus (mais ou menos declarados, ou mais ou menos “New Age”) não perdoam ao “Deus do Homem” o facto de Ele não existir. Dedico ao senhor Figueiredo um textículo de Eric Voegelin:

« Quando o coração é sensível e o espírito contundente, basta lançar um olhar sobre o mundo para ver a miséria da criatura e pressentir as vias da redenção; se são insensíveis e embotados, serão necessárias perturbações maciças para desencadear sensações fracas.

É assim que um príncipe mimado se apercebeu pela primeira vez de um mendigo, de um doente e de um morto ― e tornou-se assim em Buda; em contrapartida, um escritor contemporâneo vive a experiência de montanhas de cadáveres e do horroroso aniquilamento de milhares de indivíduos nas conturbações do pós-guerra na Rússia ― e conclui que o mundo não está em ordem e tira daí uma série de romances muito comedidos.

Um, vê no sofrimento a essência do ser e procura uma libertação no fundamento do mundo; o outro, vê-a como uma situação de infelicidade à qual se pode, e deve, remediar activamente. Tal alma sentir-se-á mais fortemente interpelada pela imperfeição do mundo, enquanto a outra sê-lo-á pelo esplendor da criação.

Um, só vive o além como verdadeiro se ele se apresentar com brilho e com grande barulho, com a violência e o pavor de um poder superior sob a forma de uma pessoa soberana e de uma organização; para o outro, o rosto e os gestos de cada homem são transparentes e deixam transparecer nele a solidão de Deus. »

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: