perspectivas

Quarta-feira, 19 Fevereiro 2020

Para o idiota JCD, nada se altera com os factos

Eu tenho imensa dificuldade em entender um idiota, porque a sua idiossincrasia escapa a qualquer categorização ou generalização. Cada idiota é um caso único; o idiota é a expressão de um nominalismo total.

Porém, há um mínimo múltiplo comum dos idiotas: a capacidade coriácea de auto-imunização em relação à experiência.

Um indivíduo que se diz “libertário de Direita” e, simultaneamente, defende a ideia segundo a qual o Estado deve matar gente em hospitais estatais (alegadamente “a pedido”), é um perfeito idiota.

E quando esse indivíduo é imune a qualquer tipo de experiências nas áreas que aborda (fazendo de conta que a sua visão das coisas não tem precedentes nem antecedentes), estamos em presença de um idiota perigoso, isto é, de um estúpido.

Segundo Cipolla, «o estúpido é a pessoa mais perigosa que existe.»

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: